Saltar para o conteúdo

Estação Ferroviária de Oeiras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Oeiras
Estação Ferroviária de Oeiras
aspeto da estação em 2018 (vista de nordeste)
Identificação: 69179 OEI (Oeiras)[1]
Denominação: Estação de Oeiras
Administração: Infraestruturas de Portugal (até 2020: centro;[2] após 2020: sul)[3]
Classificação: E (estação)[1]
Tipologia: B [3]
Linha(s): Linha de Cascais (PK 16+207)
Altitude: 20 m (a.n.m)
Coordenadas: 38°41′18.54″N × 9°19′8.61″W

(=+38.68848;−9.31906)

Mapa

(mais mapas: 38° 41′ 18,54″ N, 9° 19′ 08,61″ O; IGeoE)
Município: border link=Oeiras (Portugal)Oeiras
Serviços:
Estação anterior Comboios de Portugal Comboios de Portugal Estação seguinte
Terminal   C   St.Amaro
Cais Sodré
Carcavelos
Cascais
   
    Algés
Cais Sodré

1980s:
Cascais todas Cascais semi-rápido Cascais rápido São Pedro rápido Oeiras todas Oeiras semi-rápido
Coroa: Coroa 2 Navegante
Conexões:
Ligação a autocarros
Ligação a autocarros
1120 1121 1523 1529 1530 1601 1602 1604 1605 1606 1608 1609 1612 1613 1614 1615 1638 1725
Serviço de táxis
Serviço de táxis
OER
Equipamentos: Bilheteiras e/ou máquinas de venda de bilhetes Lavabos Acesso para pessoas de mobilidade reduzida Telefones públicos
Inauguração: [quando?]
Website:
 Nota: Para outras interfaces ferroviárias com nomes semelhantes ou relacionados, veja Estação Ferroviária de Oeiras (CFL) ou Estação Ferroviária de Santo Amaro de Oeiras.
Aspeto da estação de Oeiras, vista de poente, em 2018

A estação ferroviária de Oeiras é uma interface de caminhos de ferro que serve a margem direita da Ribeira da Lage em Oeiras, Grande Lisboa, em Portugal.

Localização e acessos

[editar | editar código-fonte]

Encontra-se entre a Rua da Fundição e o Largo/Rua Paiva Couceiro, a menos de um quilómetro do centro histórico da localidade nominal.[4]

Serve a população de São Julião da Barra e Nova Oeiras.[carece de fontes?] A estação encontra-se dotada de bilheteiras, máquinas automáticas de venda de bilhetes, bar, e W.C. pago.[carece de fontes?] Na área do interface existem mais cafés, tabacarias, telefones, multibanco, farmácia e outros serviços.[carece de fontes?] Possui uma passagem subterrânea pedonal, sendo servida por carreiras de autocarros da Carris Metropolitana.[carece de fontes?] É uma estação central na Linha de Cascais sendo por isso ponto de partida e chegada de muitos autocarros urbanos e suburbanos.[carece de fontes?]

Infraestrutura

[editar | editar código-fonte]

Esta interface apresenta três vias de circulação (identificadas como LA, LD, e LC) com 191, 213 e 170 m de comprimento, respetivamente; as plataformas têm todas 142 m de extensão, e 110 cm de altura;[3][5] existe ainda uma via secundária, identificada como RD, com comprimento de 276 m; todas estas vias estão eletrificadas em toda a sua extensão.[3] O edifício de passageiros situa-se do lado norte da via (lado direito do sentido ascendente, para Cascais).[6][7]

Efectuam paragem nesta estação todos os comboios da Linha de Cascais e iniciam e terminam o seu percurso aqui os comboios da família Oeiras, com destino ao Cais do Sodré: Na linha 1 destinam-se os comboios do Cais do Sodré com destino a Cascais, na linha do meio (3) partem e chegam os comboios da família Oeiras com destino ao Cais do Sodré (param em todas as estações, a viagem demora 26 minutos). Da linha 2 chegam os comboios rápidos de Cascais com destino ao Cais do Sodré, percurso que fazem em 17 minutos.[carece de fontes?] Em dados de 2023, esta interface é servida por comboios de passageiros da C.P. de tipo urbano no serviço “Linha de Cascaistipicamente com um total de 102 circulações diárias em cada sentido, dess quais 32 têm término nesta estação e no Cais do Sodré, enquanto que as restantes circulam entre Cascais e Cais do Sodré.[8]

Ver artigo principal: História da Linha de Cascais
Painel de azulejos na estação, representando a ponte vizinha.

Esta estação insere-se no troço entre Cascais e Pedrouços da Linha de Cascais, que foi inaugurado no dia 30 de Setembro de 1889; a via foi duplicada entre Caxias e o Estoril em 1 de Outubro do ano seguinte.[9]

Em 1 de Março de 1891, a Gazeta dos Caminhos de Ferro noticiou que iriam ser instalados cais de mercadorias com vias próprias de resguardo nas estações de Oeiras, Estoril e Paço de Arcos, de forma a «estabelecer ali o serviço de pequena velocidade de que tanto carecem as povoações servidas por aquella linha».[10]

Em 1933, a companhia responsável pela exploração da Linha de Cascais, a Sociedade Estoril, realizou obras de conservação no edifício da estação.[11]

Referências

  1. a b (I.E.T. 50/56) 56.º Aditamento à Instrução de Exploração Técnica N.º 50 : Rede Ferroviária Nacional. IMTT, 2011.10.20
  2. Diretório da Rede 2021. IP: 2019.12.09
  3. a b c Diretório da Rede 2024. I.P.: 2022.12.09
  4. «Cálculo de distância pedonal (38,68846; −9,31795 → 38,69267; −9,31279)». OpenStreetMaps / GraphHopper. Consultado em 24 de novembro de 2023 : 783 m: desnível acumulado de +20−22 m
  5. «Linhas de Circulação e Plataformas de Embarque». Rede Ferroviária Nacional. Directório da Rede 2012: 71-85. 6 de Janeiro de 2011 
  6. (anónimo): Mapa 20 : Diagrama das Linhas Férreas Portuguesas com as estações (Edição de 1985), CP: Departamento de Transportes: Serviço de Estudos: Sala de Desenho / Fergráfica — Artes Gráficas L.da: Lisboa, 1985
  7. Diagrama das Linhas Férreas Portuguesas com as estações (Edição de 1988), C.P.: Direcção de Transportes: Serviço de Regulamentação e Segurança, 1988
  8. Comboios Urbanos : Lisboa : Cais do Sodré ⇄ Cascais («horário em vigor desde 02 maio 2023»). Esta informação refere-se aos dias úteis.
  9. TORRES, Carlos Manitto (16 de Janeiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 70 (1682). Lisboa. p. 61-64. Consultado em 29 de Setembro de 2016 – via Hemeroteca Municipal de Lisboa 
  10. «Há 50 anos» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 53 (1277). Lisboa. 1 de Março de 1941. p. 142. Consultado em 2 de Julho de 2024 – via Hemeroteca Municipal de Lisboa 
  11. «O que se fez nos Caminhos de Ferro em Portugal no Ano de 1933» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 47 (1106). Lisboa. 16 de Janeiro de 1934. p. 49-52. Consultado em 9 de Janeiro de 2013 – via Hemeroteca Municipal de Lisboa 

Ligações externas

[editar | editar código-fonte]
Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.