Série M 1 a 7 da CP

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Automotora CP M 1 a 7

A Série M 1 a 7, igualmente conhecida como Automotora Nacional, Caixa de fósforos, ou Gracinda, foi um tipo de automotora, que era utilizada pela Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses no Ramal de Cáceres, na Linha do Leste, e em vários ramais Alentejanos, em Portugal.

Caracterização[editar | editar código-fonte]

Esta série era composta por sete automotoras, que utilizavam motores Chevrolet de 90 cavalos, podendo funcionar a gasolina ou gasogénio.[1] Foi principalmente utilizada em vários ramais no Alentejo, na Linha do Leste, e no Ramal de Cáceres.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Foram construídas nas oficinas de Santa Apolónia da Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses, entre 1943 e 1948[2], segundo um projecto do engenheiro Vasco Viana; foram introduzidas ao serviço para fazer face às necessidades de material circulante nas ligações de tráfego mais reduzido, uma vez que, devido à Segunda Guerra Mundial, se tornou extremamente complicado encontrar os meios necessários para reparação e aquisição de material circulante.[1] Este conflito também veio trazer uma forte escassez de carvão[3], pelo que estas automotoras utilizavam combustíveis alternativos.[1]

No entanto, o seu serviço ficou marcado pelas constantes avarias que sofriam, pelo que foram abatidas ao serviço pouco tempo depois da sua introdução, tendo sido substituídas pelas automotoras da Série 0100, em 1948.[2]

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

  • Características de exploração
    • Ano de entrada ao serviço:1943 - 1948[2]
    • Número de unidades construídas: 7[1]
  • Dados gerais
  • Transmissão
    • Tipo: Mecânica, de 4 velocidades e marcha à ré [2]
  • Motores de tracção
  • Características de funcionamento
    • Velocidade máxima: 80 km/h[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j REIS et al, p. 115
  2. a b c d e f g h NUNES, Rui (23 de Outubro de 2008). «Automotoras». Transportes XXI. Consultado em 20 de Abril de 2012 
  3. Martins et al, 1996:57, 58

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MARTINS, João Paulo, BRION, Madalena, SOUSA, Miguel de, LEVY, Maurício, AMORIM, Óscar (1996). O Caminho de Ferro Revisitado. O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. [S.l.]: Caminhos de Ferro Portugueses. 446 páginas 
  • REIS, Francisco Cardoso dos; GOMES, Rosa Maria; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. [S.l.]: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.