Ethereal wave

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura o programa de computador, veja Wireshark.
Ethereal wave
Origens estilísticas Dark wave
New wave
Pós-punk
Rock gótico
Contexto cultural 1983/1984 na Europa e mais tarde continuou nos Estados Unidos
Instrumentos típicos Vocal feminino, guitarra, sintetizador, baixo, caixa de ritmos, piano
Popularidade Pequena
Formas derivadas Dream pop - Shoegazing

Ethereal wave (também chamado de etheric wave, ethereal goth ou ethereal) é um termo que descreve um sub-gênero da música dark wave.[1][2] Ethereal wave é descrito como "gótico", "romântico" e "sobrenatural".[3][4] Foi desenvolvido no início dos anos 80[5][6][7] no Reino Unido como conseqüência do rock gótico. O ethereal wave foi representado principalmente por bandas da gravadora 4AD[8] como Cocteau Twins,[9] This Mortal Coil e Dead Can Dance.[10][11]

Na segunda metade da década de 1980 o gênero continuou a se desenvolver nos Estados Unidos, atrelado à estilos como dream pop, rock alternativo, música ambiente e indie.

Estética ethereal, intimamente relacionada à obra de Nigel Grierson (4AD)

O ethereal wave foi uma das principais inspirações para a cena britânica de dream pop e shoegaze do final dos anos 80.[12] Há sobreposições entre estes gêneros.[11]

Características do estilo[editar | editar código-fonte]

A característica definidora do estilo é a sonoridade "etérea" — o uso de efeitos com reverbs e paisagens sonoras de guitarra,[13][14] principalmente baseado na tonalidade menor (que revela uma atmosfera "celestial", sombria e melancólica),[15] linhas de baixo frequentemente orientadas para o pós-punk e vocais femininos de registro alto[15] (às vezes operisticos e com conteúdo lírico difícil de decifrar),[16] muitas vezes intimamente entrelaçado com estética romântica e imagens Pré-Rafaelitas.[17][18][19]

Outra característica significativa é o uso extensivo de bateria eletrônica, típico de muitas produções da 4AD e inicialmente estabelecido pelo álbum Garlands de Cocteau Twins[20] e o primeiro trabalho de Dead Can Dance,[21] embora o uso de bateria eletrônica (conhecida pelo termo em inglês drum machine) seja comum em estilos musicais como rock gótico e dark wave. Guitarras acústicas muitas vezes são combinadas com guitarras elétricas e baixos, às vezes são usadas para criar uma sensação mais orientada para o folk (por exemplo, Love Spirals Downwards).

Além das raízes pós-punk e rock gótico do gênero, algumas bandas etéreas como Lycia e Soul Whirling Somewhere foram igualmente influenciadas por música ambiente e música orientada para trilha sonora ou por texturas mais tradicionais de rock progressivo.[22]

Referências

  1. Reesman, Bryan (abril de 1999). «The Scene Is Now: Dark Wave». CMJ New Music Monthly (68): 48 .
  2. Sturman, Janet (26 de fevereiro de 2019). The SAGE International Encyclopedia of Music and Culture (em inglês). [S.l.]: SAGE Publications. p. 728 
  3. Michael Fischer: "The ethereal romanticism of this EP makes for the closest thing in pop to a music for Gothic cathedrals", Cocteau Twins review ("Love's Easy Tears"), The Michigan Daily, p. 7, March 23, 1987
  4. Beautiful Noise: Robert Smith (The Cure) describes the Cocteau Twins' sound as "ethereal" and "romantic"
  5. CD Review magazine: "The Cocteau Twins' calling card — ethereal soundscapes marked by offbeat, haunting female vocals — was unique back in the early '80s.", Cocteau Twins album review, p. 44, issues # 1-6, 1990
  6. Rick Poynor: Vaughan Oliver. Visceral Pleasures, p. 75, Booth-Clibborn 2000, ISBN 1-8615-4072-8
  7. Fred Perry Subculture: "...the 4AD roots lay within a sub-set of post-punk, and it is this period in the 80s where 4AD have developed a cult status. The label, alongside its artists, nurtured and raised a new and defined sound, predominantly ethereal and dark...", Book presentation of Martin Aston's Facing the Other Way: The Story of 4AD Arquivado 2015-09-24 no Wayback Machine, September 2013
  8. Staci Bonner: "In 1982, they hand-picked their record label, 4AD — a company that had corralled all that was gothically ethereal...", Interview with the Cocteau Twins, Reflex magazine, September 1988
  9. Oliver Köble: Vollendete Gothic-Ästhetik, Interview with William Faith of Faith & The Muse (and Tess Records), Glasnost Wave magazine, issue # 44, p. 11, Germany, November/December 1994
  10. Thierry F. Le Boucanier: Batcave Memories, Camion Blanc, 2011, ISBN 2-357-79113-6 "Les groupes d'éthéré les plus représentatifs et précurseurs sont Dead Can Dance, Cocteau Twins et This Mortal Coil."
  11. a b Olivier Bernard: Anthologie de l'ambient, Camion Blanc, 2013, ISBN 2-357-794151
    "L'ethereal wave s'est développée à partir du gothic rock, et tire ses origines principalement de la musique de Siouxsie and the Banshees (les Cocteau Twins s'en sont fortement inspirés, ce qui se ressent dans leur premier album Garlands, sorti en 1982). Le genre s'est développé surtout autour des années 1983-1984, avec l'émergence de trois formations majeures: Cocteau Twins, This Mortal Coil et Dead Can Dance... Cela est rendu par des effets d'écho, de reverb et de delay très imposants sur les guitares... On relève une prédominance d'un chant féminin haut perché ou très ample et de voix masculines soufflées, douces at contemplatives. Les paroles sont parfois difficilement compréhensibles... L'ethereal wave (et notamment les Cocteau Twins) a grandement influencé le shoegaze et la dream pop. Les labels principaux promouvant le genre sont 4AD et Projekt Records."
  12. Dark, Eccentric (23 de outubro de 2018). «history dark wave genre». eccentric-online (em inglês). Consultado em 13 de junho de 2020 
  13. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome NYTimes
  14. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Blissout
  15. a b Liisa Ladouceur: "Ethereal", Encyclopedia Gothica, ECW Press 2011, ISBN 1-7704-1024-4. "Aplicado a grupos pós-punk ingleses da década de 1980 no selo 4AD, como Cocteau Twins e Dead Can Dance... Ethereal geralmente significa bandas com atmosferas sonhadoras, na maioria das vezes apresentando vocais angelicais, soprano e guitarras cintilantes e encharcadas de reverb, como distinto do rock mais agressivo."
  16. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Bernard2013
  17. Andy O'Reilly: Entrevista com os gêmeos Cocteau, revista Lime Lizard, outubro de 1993
  18. Uncut music magazine: Ether Madness [https:// web.archive.org/web/20140420003214/htt p://www.uncut.co.uk/ether-madness-review Arquivado] 2014-04-20 no Wayback Machine, Uma coleção de resenhas de Cocteau Twins
  19. Discogs: Cover of This Ascension's Light and Shade álbum, Ophelia motif, lançado em 1991, e capa de Faith & Disease's "Jardeu Blue" single de 7 polegadas, lançado em 1993; fotografado por Julia Margaret Cameron – ambos associados/influenciados pela arte pré-rafaelita.
  20. Chris Jones: Cocteau Twins review na BBC.co.uk. "O fato é que, apesar de toda uma série de aspirantes ao pós-punk adotarem as táticas de flange 'n' drum machine dos Twins, ninguém jamais chegou nem perto de emular seu som."
  21. Ned Raggett: "Review of Dead Can Dance's debut"no AllMusic .com.
  22. Bret Helm: "lS72VwlXsxQ Entrevista com Mike van Portfleet (Lycia)", Friday on the Turntable, 20 de junho de 2013.
Ícone de esboço Este artigo sobre Rock é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.