Moda gótica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Uma mulher gótica na abertura do Cemitério de Kensal Green em 2015.
Menina vestida em um traje Vitoriano durante o Whitby Gothic Weekend festival em 2013.

Estilo gótico ou moda gótica é um estilo de roupas marcado por cores escuras, misteriosas, antiquadas e acessórios homogêneos. Ela é usada pelos adeptos e entusiastas da subcultura gótica. O estilo das vestimentas são geralmente mórbidos e sombrios.[1] O típico estereótipo do estilo gótico inclui um rosto pálido com cabelos pretos (coloridos ou não), batons negros e roupas pretas,[1] embora nem sempre estas descrições sejam de fato o estereótipo padrão. Homens e mulheres góticos vestem tanto delineador e esmalte de unha escuro. Os estilos são muitas vezes emprestado da moda punk, glam, vitoriana e elizabetano.[1]

Características[editar | editar código-fonte]

Um casal em vestuário gótico. 

Cintra Wilson declara que "as origens do estilo contemporâneo gótico são encontrados nos cultos de lutos vitorianos."[2] Valerie Steele é um especialista na história do estilo.[2]

A moda gótica é reconhecida pelo seu vestuário preto. Ted Polhemus descreveu a moda gótica como uma "profusão de veludos pretos, rendas, meia arrastão e couro tingido de púrpura ou roxo, firmemente espartilhos atados, luvas, precárias jóias ou símbolos retratando religiosidade, temas filosóficos ou ocultistas".[3]O pesquisador Maxim W. Furek observou que: "gótico é uma revolta contra a maré da moda dos anos 1970, a discoteca era um protesto contra o colorido pastel e a extravagância dos anos 1980. O cabelo preto, roupas escuras e palidez fornece a aparência básica do gótico. Pode-se, paradoxalmente, argumenta que o visual gótico é exagerado como apenas um olhar casual na forte ênfase nas capas escuras, babados nos punhos, maquiagem pálida e cabelo tingido demonstram uma versão moderna do excesso vitoriano tardio."[4]

Nancy Kilpatrick em Goth Bible: A Compendium for the Darkly Inclined define poser na cena gótica como: "góticos wannabes", geralmente crianças e jovens passando por uma fase gótica mas não obtendo as sensibilidades poéticas e culturais do estilo, mas mesmo assim querendo ser parte de algum grupo gótico'".[5]

Ícones[editar | editar código-fonte]

Um estilo feminino é o de Theda Bara, que interpretava mulheres fatais no cinema da década de 1900 e 1920, conhecida por suas sombras escuras.[6][7] A cantora Siouxsie Sioux (vocalista do Siouxsie & the Banshees) foi particularmente influente no estilo de vestir na cena do rock gótico britânico; Paul Morley, do NME, descreveu o show dos Siouxsie & the Banshees em 1980: "[Siouxsie] estava modelando sua mais nova roupa, que influenciaria a maneira de como as garotas iriam se vestir nos próximos meses. Cerca da metade das garotas de Leeds usaram Sioux como base para a sua aparência, do cabelo ao tornozelo".[8]

Siouxsie Sioux.

Robert Smith,[9] Musidora, Bela Lugosi,[10] Bettie Page, Vampira, Morticia Addams,[7] Nico, Rozz Williams, David Bowie,[1] Lux Interior,[1] Patricia Morrison, Dave Vanian[11] também são considerados ícones do estilo. Nos anos 80 surgiram designers como Drew Bernstein, da Lip Service, enquanto nos anos 90 surgiria uma onda de estilistas góticos dos Estados Unidos, muitos dos quais continuam a evoluir o estilo e a moda até os dias atuais. Revistas de estilo, como a Gothic Beauty, deram novos recursos a alguns designers de moda góticos que começaram suas gravadoras nos anos 90, como Kambriel, Rose Mortem e Tyler Ondine do Heavy Red.[12] Modelos góticos(as) influentes incluem Wednesday Lourning, Adora BatBrat e Lady Amaranth.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e Grunenberg 1997, p. 172
  2. a b Cintra Wilson, "You just can't kill it", New York Times, September 17, 2008. [1]
  3. Polhemus 1994, p. 97
  4. "The Death Proclamation of Generation X: A Self-Fulfilling Prophesy of Goth, Grunge and Heroin" by Maxim W. Furek. i-Universe, 2008.
  5. Nancy Kilpatrick.
  6. Hannaham 1997, p. 93
  7. a b Steele & Park 2008, p. 26
  8. Reynolds, p. 425.
  9. Hannaham 1997, p. 113
  10. Steele & Park 2008, p. 18
  11. Steele & Park 2008, p. 38
  12. Holiday, Steven (12 December 2014). «Gothic Beauty». Portland, OR: Holiday Media. Consultado em 12 December 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]