Felipe Machado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Felipe Machado
Felipe Machado na ONU em 2017 Closeup.jpg
Felipe Machado no Conselho de Segurança da ONU
Nascimento 4 de agosto de 1970 (49 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade Brasileiro

Luis Felipe Machado de Oliveira (São Paulo, 4 de agosto de 1970) é jornalista, escritor, consultor em mídias digitais, videomaker e músico brasileiro. É atualmente o Diretor de Comunicações da Worldfund, uma fundação sem fins lucrativos com projetos educacionais.

Sua carreira jornalística inclui posições importantes em poucas das mais importantes mídias do Brasil, como O Estado de S. Paulo[1], R7, Diário de S. Paulo[2] e Rede Bom Dia. Como escritor, escreveu 2 romances, 2 trabalhos não ficcionais e um premiado livro infantil. Na música começou em 1985 como guitarrista e cofundador da banda de heavy-metal Viper, onde faz parte atualmente. Em 2016, ele também lançou seu primeiro disco solo intitulado "FM Solo" onde atuou como cantor, compositor e guitarrista.

Carreira em Comunicações[editar | editar código-fonte]

Em 1993, formou-se em Comunicações na Faculdade Cásper Líbero e concluiu seu mestrado em Comunicações Digitais em 2009 na Universidade de Navarra. Devido às intensas atividades musicais, adiou trabalhar na área até 1996, quando trabalhou por 2 anos como Redator na agência de publicidade DPZ (hoje DPZ&T).

Em 2000, começou sua carreira jornalística no extinto Jornal da Tarde, um jornal pertencente ao Grupo Estado, onde atuou como repórter, colunista e editor. Foi o primeiro Editor de Multimídias do Grupo Estado, onde criou, implementou e foi diretor da TV Estadão,[3] área de vídeos do portal do jornal O Estado de S. Paulo[1] durante quatro anos. Nesse período, dirigiu 2 documentários: "A Amazônia de Euclides da Cunha: Um Paraíso Perdido",[4] "1968: Mordaça no Estadão",[5] ‘Grandes Reportagens: Amazônia’,[6] ‘Grandes Reportagens: Megacidades’[7] e o curta-metragem de ficção ‘Amor 2.0’.[8]

Mais tarde, em 2011, deixou o Grupo Estado para integrar como Diretor de Mídias Digitais do Diário de S. Paulo e Rede Bom Dia,[9] grupo com jornais distribuídos por dez cidades paulistas, onde gerenciava todas as equipes de mídias digitais, projetos comerciais e parcerias estratégicas.

Em 2013, foi Editor Chefe no portal R7, onde comandava equipes de jornalistas em diferentes regiões do Brasil como São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador.

Felipe Machado assina também o blog ‘Palavra de Homem’,[10] baseado na coluna semanal que manteve durante cinco anos no Jornal da Tarde.

Além de escrever para os principais veículos de comunicação do país, Felipe Machado também atua no jornalismo internacional. É colaborador de publicações como The New York Times (EUA), Citizen K, Mixte, Double (França), Back2Back (Inglaterra) e Vision (China). Como Consultor em Comunicação e Mídia, foi convidado para apresentar as palestras ‘TotalMedia Journalism’, no auditório do The New York Times, em Nova York (2009), e ‘Brazil: Beyond Carnival & Soccer’, na DePaul University, em Chicago (2006).

É, também, editor-chefe no Brasil da Fair Observer, um portal com colaboradores e líderes do mundo todo.

Carreira como escritor[editar | editar código-fonte]

É autor de dois livros não ficcionais, "Bacana Bacana – As Aventuras de um Jornalista pela Copa do Mundo da África do Sul"[11] (Ed. Seoman, 2010) e "Ping Pong – As Aventuras de um Jornalista Brasileiro na China Olímpica"[12] (Ed. Pau Brasil, 2010), indicado ao Prêmio Jabuti[13]. Também escreveu dois romances chamados "Olhos Cor de Chuva"[14][15] (Ed. Escrituras, 2002) , "O Martelo dos Deuses"[16] (Ed. Pau Brasil, 2007)[17] e o livro infantil "Um Lugar Chamado Aqui"[18] (SESI, 2016), ganhador do prêmio de melhor livro infantil pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil[19].

Carreira como músico[editar | editar código-fonte]

Como guitarrista, foi fundador da banda de heavy metal Viper, um dos nomes mais importantes do rock brasileiro na década de 90, tocando nas rádios e com clipes na MTV brasileira. Foram banda de abertura de grupos como Black Sabbath, Metallica, Kiss e Slayer e também foram atrações principais de festivais como o Monsters of Rock[20]. Com essa banda lançou sete discos e realizou turnês pelo Japão, Europa, Estados Unidos e América do Sul, gravando discos na Alemanha, Estados Unidos e um álbum ao vivo no Japão.

Em 2013, a banda participou da edição brasileira do festival Rock in Rio, um dos maiores e mais importantes festivais de música que é realizado em vários países no mundo.

Machado esteve presente em todos os álbuns da banda: Soldiers of Sunrise (1987, JVC-Victor, Japão), Theatre of Fate (1989, JVC-Victor, Japão), Evolution (1992, JVC-Victor, Japão selos europeus), Viper Live: Maniacs in Japan (1993, álbum ao vivo gravado em Tóquio, JVC-Victor, Japão), Coma Rage (1995, Roadrunner Records), Tem Pra Todo Mundo (1996, Castle Brasil), All My Life (2007, Eldorado Brasil), Viper Live in Sao Paulo (DVD, 2016, Wikimetal Records).

Em 2015, lançou seu primeiro disco solo como cantor, compositor e guitarrista: FM Solo, disponível em todas as plataformas digitais. O álbum tem 8 canções autorais, além dos covers Speedway do cantor Morrissey e a música Tourist da banda Athlete. Os singles foram Someday, com um videoclipe filmado em Valle Nevado, no Chile; e The Shelter, uma versão mais groovy da sua banda Viper.

Referências

  1. a b Portal do Grupo Estado e Estado de S. Paulo
  2. «Portal do Diário de S. Paulo». Consultado em 16 de abril de 2019. Arquivado do original em 8 de setembro de 2018 
  3. TV Estadão
  4. Documentário: "A Amazônia de Euclides da Cunha: Um paraíso Perdido"
  5. Documentário Censura: 1968 - Mordaça no Estadão - WordPress
  6. Grandes Reportagens: Amazônia - O Estado de S. Paulo (jornal) 25 de novembro de 2007
  7. Equipe de repórteres visitou quatro continentes - WordPress
  8. Curta-metragem "Amor 2.0"
  9. Portal da Rede Bom Dia
  10. «Palavra de Homem» 
  11. Felipe., Machado, (2010). Bacana Bacana : as aventuras de um jornalista pela Africa do Sul. São Paulo, SP: Seoman. ISBN 9788598903200. OCLC 746361687 
  12. Felipe., Machado, (2010). Bacana Bacana : as aventuras de um jornalista pela Africa do Sul. São Paulo, SP: Seoman. ISBN 9788598903200. OCLC 746361687 
  13. «Folha Online - Livraria da Folha - Finalistas em Contos e Crônicas falam sobre chances de vencer Jabuti - 28/09/2009». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 2 de fevereiro de 2018 
  14. «Olhos Cor de Chuva, de Felipe Machado | Jardel Dias Cavalcanti». Digestivo Cultural 
  15. Felipe., Machado, (2002). Olhos cor de chuva. São Paulo: Escrituras. ISBN 8575310593. OCLC 53129977 
  16. Machado, Felipe (2007). O Martelo dos Deuses. São Paulo: ARTEPAUBRASIL 
  17. Livro "O Martelo dos Deuses", de Felipe Machado, tem origem da violência como tema principal - Portal Imprensa (Livros)
  18. Machado, Felipe (2016). Um Lugar Chamado Aqui. São Paulo: SESI 
  19. «FNLIJ divulga vencedores do 43º prêmio de literatura infantil e juvenil». G1 
  20. «Monsters of Rock™». Monsters of Rock™ (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]