Flávio Saretta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tenista Flávio Saretta
Flávio Saretta.jpg
Saretta em 2009
País  Brasil
Residência São Paulo, Brasil
Data de nasc. 28 de junho de 1980 (35 anos)
Local de nasc. Americana, Brasil
Altura 1,83 m
Peso 70 kg
Profissionalização 1998
Aposentadoria 2009
Mão Destro (revés de duas mãos)
Prize money US$ 1 239 134 [2]
Simples
Vitórias-Derrotas 77–80
Títulos 0
Melhor ranking Nº 44 (15 de setembro de 2003)
Resultados de Grand Slam
Open da Austrália 1R (2002, 2003, 2004, 2005)
Open da França 4R (2003)
Wimbledon 3R (2002, 2003)
U.S. Open 3R (2003)
Duplas
Vitórias-Derrotas 19–24
Títulos 1
Melhor ranking Nº 78 (26 de julho de 2004)
Resultados de Grand Slam de Duplas
Open da Austrália QF (2004)
Open da França 1R (2003, 2004)
Wimbledon 2R (2004)
U.S. Open não participou
Medalhas
Jogos Pan-Americanos
Ouro Rio de Janeiro 2007 Tênis-Simples
Última atualização em: 14 de novembro de 2009.

Flávio Saretta (Americana, 28 de junho de 1980) é um ex-tenista brasileiro.[1] É considerado por diversos analistas esportivos, críticos de tênis e antigos tenistas como um dos dez maiores tenistas brasileiros da Era Aberta.[2] Atualmente é comentarista de ténis do canal BandSports.

Profissionalizou-se em 1998 e atingiu seu melhor ranking da ATP de simples em 15 de setembro de 2003, quando foi n° 44 do mundo. Foi campeão do Aberto da Croácia nas duplas, sendo esse seu único título em nível ATP. Conquistou ainda sete taças da série Challenger e a medalha de ouro para o Brasil nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro em 2007.[3] Teve como boas campanhas, às oitavas de final em Roland Garros (2003) e a 3ª rodada em dois Grand Slams, Wimbledon e US Open. Anunciou sua aposentadoria em 26 de maio de 2009.[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Flávio Saretta atuou profissionalmente desde 1998. É destro. Sua melhor posição no Ranking de Entradas da Associação de Tenistas Profissionais (ATP) foi o 44º lugar, em 2003.[1] Ele foi campeão dos Jogos Panamericanos, no Rio de Janeiro, em 2007.[5]

Foi considerado um dos juvenis mais promissores de sua geração e não tardou a participar da equipe brasileira que disputou a Copa Davis em (1998, 1999, 2000 e 2001).

Sua estréia entre os titulares aconteceu em 2002, na República Tcheca, quando venceu Jan Vacek, se tornando o 52º brasileiro a disputar um jogo oficial da Copa Davis.

O título mais importante de sua carreira ocorreu em Santa Croce, na Itália, ainda como juvenil.

Saretta, chegou a figurar na 9a posição do ranking mundial da Federação Internacional, aos 17 anos, mas acabou a temporada de 1998 com o 12o lugar e líder do ranking brasileiro.

Para muitos, 2000 foi o seu melhor ano. Em março passou para a chave principal de Delray Beach e disputou seu primeiro torneio da ATP, conquistando uma vitória na chave principal. Ele venceu o chileno Marcelo Rios, ex-número 1 do mundo, em Munique, na Alemanha. [6]

Uma série de torneios aconteceram e novas vitórias vieram como o vice-campeonato em Belo Horizonte, além de ter sido semi-finalista em Salvador e Campos do Jordão.[6]

Em setembro, conseguiu duas façanhas seguidas: faturou o Torneio de Curitiba e eliminou Gustavo Kuerten dois dias depois, na Costa do Sauípe na disputa do Brasil Open.[5] Um aspecto negativo dessa partida foi as vaias da torcida pela vitória sobre Guga, que magoaram demais Saretta. Já no final da temporada, foi até as quartas em Montevidéu, à semi-final em Buenos Aires e foi ainda quadrifinalista no Rio de Janeiro, o que o colocou no grupo dos 100 melhores jogadores do mundo.[6]

Pensava alto em 2002. Como estava em 98º lugar no ranking, entrou num calendário voltado para torneio maiores. Disputou seu primeiro Grand Slam na Austrália, sendo convocado para o time da Copa Davis e fez um belíssimo duelo diante do equatoriano Nicolas Lapentti, em Viña del Mar, onde deixou escapar a vaga para a semifinal ao perder dois matchs points ao final da partida.

Em março, conquistou o 94º lugar, ao chegar às semifinais do ATP mexicano. Em abril, conquistou seu primeiro título internacional, no torneio das Bermudas, e apareceu como 79º do mundo. Em maio, disputou a primira semifinal da ATP em St. Poelten e venceu seu primeiro jogo de Grand Slam. [6]

A vitória mais espetacular da temporada foi em Wimbledon, ao vencer o sueco Thomas Johansson, 11º do mundo na ocasião[5] . Essa vitória o levou à sua melhor posição no ranking, o 67º lugar em julho.[6]

A temporada de 2002 terminou com altos e baixos. Em Long Island, surpreendeu o alemão Rainer Schuttler e foi às quartas-de-final. Depois, estreou no US Open, mas colecionou derrotas na primeira rodada em Nova York e em Sauípe muitos duvidavam da sua capacidade de voltar à vencer. Foi convocado novamente para a Davis, teve sucessivas lesões e só retornou às quadras meses depois. Em São Paulo, caiu na estréia. Fechou o ranking no 85º lugar. [6]

Em 2003, Saretta chegou ao 44º posto do ranking mundial após realizar boas campanhas nos eventos do Grand Slam, ao avançar à 3ª rodada de Wimbledon e do US Open e, principalmente, ao chegar às oitavas-de-final do torneio de Roland Garros. Em Paris, ele venceu o russo Yevgeny Kafelnikov, ex-número um do mundo e 18º colocado na oportunidade, por três sets a dois (6-4 3-6 6-0 6-7 6-4), em partida válida pela segunda rodada[5] , sendo eliminado nas oitavas pelo norte-americano André Agassi, cabeça-de-chave número 2 da competição, em três sets (2-6 1-6 5-7).[6] Em 2004, Saretta ganhou o seu único título em nível ATP da carreira, logo nas duplas, ao lado do argentino José Acasuso, foram campeões do Aberto da Croácia. No torneio olímpico de Atenas, formando dupla com André Sá, derrotaram na primeira rodada a dupla espanhola Rafael Nadal/Carlos Moya, por 7-6(6) 6-1, sendo contudo eliminados logo em seguida nas oitavas-de-final.[7]

No inicio de 2006, Saretta se tornou tri-campeão do tradicional Aberto de São Paulo, um torneio Challenger realizado no Parque Villa-Lobos. Também teve vitórias marcantes em torneios ATP contra Juan Carlos Ferrero, ex-nº1 do mundo, no Brasil Open; e contra Marat Safin, também ex-nº 1 do mundo, no Masters de Hamburgo. [5]

Em 2007, ele ganhou a medalha de ouro para o Brasil na chave de simples dos Jogos Panamericanos, no Rio de Janeiro[5] , ao derrotar o chileno Adrián Garcia por dois sets a um (6-3 4-6 7-6).

Entre o fim de 2007 e início de 2008, o tenista sofreu com novas contusões e ficou afastado das quadras por nove meses. Em setembro de 2008, Flávio Saretta, ao lado de Rogério Dutra da Silva, conquistou o vice-campeonato de duplas do Challenger de Sevilha ao ser superado pelos espanhóis David Marrero e Pablo Santos, por 2/6, 6/2 e 10-8.[8]

No Brasil, o último jogo que Saretta realizou como profissional aconteceu no Brasil Open, realizado na Costa do Sauípe, em fevereiro de 2009, onde foi eliminado na estréia pelo espanhol Marcel Granollers, por dois sets a um (2-6 6-2 1-6). No mês seguinte, ele participou de seu último campeonato como profissional, em Santiago do Chile. Na oportunidade, ele venceu três jogos na chave qualificatória para entrar na chave principal, onde parou na segunda rodada deste evento da International Series, sendo vencido pelo compatriota Franco Ferreiro em sets diretos (3-6 4-6).[6]

Em 2014, no Brasil Open, Saretta recebeu um convite da organização para participar do qualifying, mas foi eliminado logo na estréia para o austríaco Philipp Oswald, pelo placar de 2-6, 2-6.[9] Em seguida, ele também participou dos challengers de São Paulo e Santos, mas acabou parando na primeira rodada da chave principal de simples, sendo vencido pelo argentino Diego Sebastián Schwartzman e pelo holandês Thiemo de Bakker, respectivamente. Saretta jogou na chave de duplas em ambos os torneios. Ao lado do gaúcho André Ghem, em São Paulo, ele foi eliminado na estréia para os argentinos Martín Alund e Guillermo Durán, por 6-2 6-7 7-10. Já em Santos, Saretta e Ghem foram beneficiados por WO, com a ausência de Martín Alund e Patrício Heras, ambos da Argentina, para avançar às quartas de final, onde foram vencidos pela parceria cabeça de chave número 1, formada pelos brasileiros André Sá e João Olavo Souza, o "Feijão", por 4-6 e 1-6.

Vida Pessoal[editar | editar código-fonte]

Flavio Saretta foi casado com a jornalista Gabriela Pasqualin, com quem teve um filho, Felipe. Atualmente, ele é casado com a atriz e modelo Suzana Alves. Desde 2013, Saretta é comentarista de tênis no canal de TV por assinatura BandSports.

Ranking[editar | editar código-fonte]

  • Melhor Ranking de Simples: 44° (15/09/2003)
  • Melhor Ranking de Duplas: 78° (26/07/2004)

Títulos[editar | editar código-fonte]

ATP World Tour - Finais[editar | editar código-fonte]

Olympic pictogram Tennis.pngDuplas: 1 (1-0)[editar | editar código-fonte]

Legenda
Grand Slam (0-0)
ATP World Tour Finals (0-0)
ATP Masters 1000 (0-0)
ATP 500 (0-0)
ATP 250 (1-0)
Títulos por Superfície
Dura (0-0)
Grama (0-0)
Saibro (1-0)
Carpete (0-0)
Resultado No. Data Torneio Superfície Parceiro Adversários na final Placar
Vencedor 1. 19 de Julho de 2004 ATP de Umago, Croácia Saibro Argentina José Acasuso República Checa Jaroslav Levinsky
República Checa David Skoch
4-6, 6-2, 6-4

ATP Challenger Tour - Finais[editar | editar código-fonte]

Olympic pictogram Tennis.pngSimples: 13 (7-6)[editar | editar código-fonte]

Legenda
ATP Challengers (7–6)
Títulos por Superfície
Dura (4-1)
Grama (0-0)
Saibro (3-5)
Carpete (0-0)
Resultado No. Data Torneio Superfície Adversário Placar
Vencedor 1. 1 de janeiro de 2001 Brasil São Paulo, Brasil Dura Argentina Guillermo Coria 7-6(9-7), 6-2
Finalista 1. 30 de julho de 2001 Brasil Belo Horizonte, Brasil Dura Estados Unidos Eric Taino 7-5, 1-6, 2-6
Vencedor 2. 4 de setembro de 2001 Brasil Curitiba, Brasil Saibro Peru Luis Horna 7-6(7-3), 6-1
Vencedor 3. 15 de abril de 2002 Bermudas Bermudas, Bermudas Saibro Estados Unidos Vince Spadea 6-3, 7-5
Vencedor 4. 30 de dezembro de 2002 Brasil São Paulo, Brasil Dura Argentina Andres Dellatorre 7-6(7-5), 6-3
Vencedor 5. 14 de abril de 2003 Bermudas Bermudas, Bermudas Saibro Chile Nicolás Massú 6-1, 6-4
Finalista 2. 4 de abril de 2005 México Cidade do México, México Saibro França Florent Serra 1-6, 4-6
Finalista 3. 6 de junho de 2005 Suíça Lugano, Suíça Saibro Espanha Albert Montañés 5-7, 7-6(7-4), 6-7(5-7)
Vencedor 6. 8 de agosto de 2005 Brasil Gramado, Brasil Dura Suécia Jacob Adaktusson 6-1, 6-3
Finalista 4. 7 de novembro de 2005 Equador Guayaquil, Equador Saibro Brasil Marcos Daniel 2-6, 6-1, 0-6
Vencedor 7. 2 de janeiro de 2006 Brasil São Paulo, Brasil Dura Brasil Thiago Alves 7-6(7-2), 6-3
Finalista 5. 13 de novembro de 2006 Paraguai Assunção, Paraguai Saibro Argentina Guillermo Cañas 4-6, 1-6
Finalista 6. 12 de março de 2007 Colômbia Bogotá, Colômbia Saibro Colômbia Santiago Giraldo 6-7(4-7), 2-6

Estatísticas da Carreira (ATP)[editar | editar código-fonte]

Torneio 2014 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 Total
Títulos-Finais 0-0 0-0 0-0 0-0 0-0 0-0 0-0 0-0 0-0 0-0 0-0 0-0 0-0 0-0
Vitórias-Derrotas 0-0 0-1 0-0 7-2 8-12 4-6 15-19 25-21 13-16 5-3 0-0 0-0 0-0 77-80
Ranking (final do ano) NC 969 551 188 118 109 111 45 92 98 346 362 575 N/D
Premiação (em dólares) 830 6.540 11.438 56.510 144.320 103.466 201.785 318.152 164.694 64.361 9.692 6.640 5.057 1.239.134

Referências

  1. a b «Flávio Saretta no site da ATP». ATP. 2013. Consultado em 8 de março de 2013. 
  2. «Os dez maiores tenistas brasileiros da Era Aberta». Esporte Final. Consultado em 2016-01-05. 
  3. «Mais um ouro para o Brasil: Saretta vence García e repete Meligeni - Mais Esporte - Esportes - WSCOM - O Portal de Notícias da Paraíba, Nordeste e Brasil». www.wscom.com.br. Consultado em 2016-02-02. 
  4. Saretta explica os motivos da aposentadoria
  5. a b c d e f «Em meio a dores e sem ânimo, Flávio Saretta abandona o tênis profissional». Globoesporte. 27 de maio de 2009. Consultado em 8 de março de 2013. 
  6. a b c d e f g h «Histórico de jogos de Flávio Saretta no site da ATP». ATP. 2013. Consultado em 8 de março de 2013. 
  7. [1]
  8. «Saretta é vice-campeão de duplas em Sevilha - Diário do Grande ABC». Jornal Diário do Grande ABC. Consultado em 2016-01-06. 
  9. «O Liberal: Saretta decide voltar ao circuito». www.liberal.com.br. Consultado em 2016-01-06. 

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]