Francisco de Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Francisco de Oliveira
Nascimento 7 de novembro de 1933 (81 anos)
Recife,  Pernambuco
Nacionalidade  brasileiro
Ocupação Sociólogo

Francisco Maria Cavalcanti de Oliveira, mais conhecido como Chico de Oliveira (Recife, 7 de novembro de 1933) é um sociólogo brasileiro, um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores.

Formou-se em Ciências Sociais na Faculdade de Filosofia da Universidade do Recife, atual Universidade Federal de Pernambuco.

No PT, integrou 1ª Diretoria Executiva da Fundação Wilson Pinheiro - fundação de apoio partidária instituída pelo PT em 1981, antecessora da Fundação Perseu Abramo.

Professor aposentado de Sociologia do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), foi um dos fundadores do Cebrap. Coordenador-executivo do Centro de Estudos dos Direitos da Cidadania — Cenedic — da USP, deixou o Partido dos Trabalhadores e filiou-se ao PSoL (Partido Socialismo e Liberdade).

Em 2003, ano em que deixou o PT, Francisco de Oliveira disse que Lula nunca foi de esquerda. Já nas eleições de 2010 afirmou:

Lula é mais privatista que FHC. Privatista numa escala que o Brasil nunca conheceu
Francisco de Oliveira[1]

Em 25 de agosto de 2006, foi-lhe concedido o título de doutor honoris causa na Universidade Federal do Rio de Janeiro, por iniciativa do Instituto de Economia da UFRJ. Em 28 de agosto de 2008, o de professor emérito pela FFLCH-USP. Em 22 de novembro de 2010, o de doutor honoris causa na Universidade Federal da Paraíba

Foi candidato a reitor da USP, representando a chapa de oposição. Contudo, não poderia se eleger segundo o estatuto da Universidade, pois é aposentado. Ele reconhece, contudo, que o problema da USP se explica mais pelo "anacronismo de suas regras estatutárias e legais, e menos pela má qualidade de seus gestores" e é forte crítico do estatuto disciplinar da Universidade, que ele avalia como sendo uma herança do período ditatorial[2] . Também defende a autonomia universitária e seu caráter de conquista popular, posicionando contra o corte ou "deslocamento" de verbas públicas: "isso é conversa de economista liberal".[3]

Prêmios e homenagens[editar | editar código-fonte]

Recebeu o prêmio Jabuti em 2004, na categoria Ciências Humanas, pelo livro Crítica à razão dualista/O ornitorrinco, publicado pela editora Boitempo.[4] Em 2013, foi o homenageado do IV Curso Livre Marx-Engels, organizado pela editora Boitempo e pelo Sesc.[5]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Entre suas principais obras destacam-se:

  • Hegemonia às avessas: economia, política e cultura na era da servidão financeira. São Paulo, Boitempo: 2010. Francisco de Oliveira, Ruy Braga e Cibele Rizek (orgs.).
  • O ornitorrinco (Boitempo),
  • A economia brasileira: crítica à razão dualista (Vozes),
  • Elegia para uma re(li)gião (Paz e Terra),
  • O elo perdido: classe e identidade de classe em Salvador (Brasiliense),
  • Os direitos do antivalor (Vozes),
  • Os cavaleiros do antiapocalipse, em colaboração com Alvaro Comin (Entrelinhas/Cebrap),
  • Os sentidos da democracia, em colaboração com Maria Célia Paoli (Vozes).

Referências

  1. Sociólogo e fundador do PT afirma que 'Lula é mais privatista que FHC' Folha Online. Visitado em 27 de dezembro de 2011.
  2. Francisco de Oliveira (16.05.2011). A crise na USP Blog da Boitempo. Visitado em 29.04.2015.
  3. Francisco de Oliveira (07.09.2014). Oito visões sobre a crise da USP Folha de S.Paulo, Educação. Visitado em 29.04.2015.
  4. http://premiojabuti.com.br/edicoes-anteriores/premio-2004/
  5. "Francisco de Oliveira é homenageado no Sesc", O Estado de S.Paulo, C2, 12 de maio de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Alberto da Costa e Silva
Jabuti 01.jpg
Prêmio Jabuti - Ciências Humanas

2004
Sucedido por
Aziz Nacib Ab'Saber
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.