Francisco de Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Francisco de Oliveira
Nascimento 7 de novembro de 1933 (82 anos)
Recife,  Pernambuco
Nacionalidade  brasileiro
Ocupação Sociólogo

Francisco Maria Cavalcanti de Oliveira, mais conhecido como Chico de Oliveira (Recife, 7 de novembro de 1933) é um sociólogo brasileiro, doutor por notório saber pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP (1992)[1] e um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores.

Graduado em Ciências Sociais (1956) na Faculdade de Filosofia da Universidade do Recife, atual Universidade Federal de Pernambuco, pertenceu aos quadros técnicos do Banco do Nordeste (1956 - 1957) e da Sudene (1959 - 1964), onde trabalhou com Celso Furtado. Após o golpe de 1964, ficou preso por dois meses. Posteriormente, deixou a cidade do Recife e "exilou-se" no Rio de Janeiro[2] [3] [4]

Professor aposentado de Sociologia do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), ingressou no Cebrap em 1970, a convite de Octavio Ianni.[2]

No PT, integrou 1ª Diretoria Executiva da Fundação Wilson Pinheiro - fundação de apoio partidária instituída pelo PT em 1981, antecessora da Fundação Perseu Abramo. Coordenador-executivo do Centro de Estudos dos Direitos da Cidadania — Cenedic — da USP, deixou o Partido dos Trabalhadores e filiou-se ao PSoL (Partido Socialismo e Liberdade).

Em 2003, ano em que deixou o PT, Francisco de Oliveira disse que Lula nunca foi de esquerda. Já nas eleições de 2010 afirmou:
"Lula é mais privatista que FHC. Privatista numa escala que o Brasil nunca conheceu."[5]

Em 25 de agosto de 2006, foi-lhe concedido o título de doutor honoris causa na Universidade Federal do Rio de Janeiro, por iniciativa do Instituto de Economia da UFRJ. Em 28 de agosto de 2008, o de professor emérito pela FFLCH-USP. Em 22 de novembro de 2010, o de doutor honoris causa na Universidade Federal da Paraíba

Foi candidato a reitor da USP, representando a chapa de oposição. Contudo, não poderia se eleger segundo o estatuto da Universidade, pois é aposentado. Ele reconhece, contudo, que o problema da USP se explica mais pelo "anacronismo de suas regras estatutárias e legais, e menos pela má qualidade de seus gestores" e é forte crítico do estatuto disciplinar da Universidade, que ele avalia como sendo uma herança do período ditatorial[6] . Também defende a autonomia universitária e seu caráter de conquista popular, posicionando contra o corte ou "deslocamento" de verbas públicas: "isso é conversa de economista liberal".[7]

Prêmios e homenagens[editar | editar código-fonte]

Recebeu o prêmio Jabuti em 2004, na categoria Ciências Humanas, pelo livro Crítica à razão dualista/O ornitorrinco, publicado pela editora Boitempo.[8] Em 2013, foi o homenageado do IV Curso Livre Marx-Engels, organizado pela editora Boitempo e pelo Sesc.[9]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Entre suas principais obras destacam-se:

  • Hegemonia às avessas: economia, política e cultura na era da servidão financeira. São Paulo: Boitempo, 2010. Francisco de Oliveira, Ruy Braga e Cibele Rizek (orgs.).
  • O ornitorrinco (Boitempo),
  • A economia brasileira: crítica à razão dualista (Cebrap)
  • Elegia para uma re(li)gião (Paz e Terra),
  • O elo perdido: classe e identidade de classe em Salvador (Brasiliense),
  • Os direitos do antivalor (Vozes),
  • Os cavaleiros do antiapocalipse, em colaboração com Álvaro Comin (Entrelinhas/Cebrap),
  • Os sentidos da democracia, em colaboração com Maria Célia Paoli (Vozes).

Referências

  1. Currículo Francisco Maria Cavalcanti de Oliveira
  2. a b Sibila debate 64: Francisco de Oliveira "achava o Lula um pouco farsante" (depoimento de Francisco de Oliveira). Sibila - revista de poesia e crítica literária]. Ano 16. 22 de agosto de 2015 - ISSN 1806-289X
  3. SINGER, Paul. "Crítica e rememoração". In RIZEK, Cibele Saliba; ROMÃO, Wagner de Melo (orgs.). Francisco de Oliveira: a tarefa da crítica. Belo Horizonte: UFMG, 2006, p. 16s
  4. MANTEGA, Guido, REGO, José Márcio . Conversas com economistas brasileiros II, vol 2, pp 91-118. São Paulo: editora 34, 1999
  5. «Sociólogo e fundador do PT afirma que 'Lula é mais privatista que FHC'». Folha Online. Consultado em 27 de dezembro de 2011. 
  6. Francisco de Oliveira (16.05.2011). «A crise na USP». Blog da Boitempo. Consultado em 29.04.2015. 
  7. Francisco de Oliveira (07.09.2014). «Oito visões sobre a crise da USP». Folha de S.Paulo, Educação. Consultado em 29.04.2015. 
  8. Câmara Brasileira do Livro. Prêmio Jabuti 2004 (Categoria Ciências Humanas).
  9. "Francisco de Oliveira é homenageado no Sesc", O Estado de S.Paulo, C2, 12 de maio de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Alberto da Costa e Silva
Jabuti 01.jpg
Prêmio Jabuti - Ciências Humanas

2004
Sucedido por
Aziz Nacib Ab'Saber
Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.