Herberto Helder

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Herberto Helder
Data de nascimento 23 de novembro de 1930
Local de nascimento Funchal,  Madeira
Nacionalidade Portugal portuguesa
Data de morte 23 de março de 2015 (84 anos)
Local de morte Cascais
Ocupação Escritor, poeta
Filhos Gisela Ester Pimentel de Oliveira
Daniel Oliveira

Herberto Helder de Oliveira (Funchal, São Pedro, 23 de novembro de 1930 - Cascais, 23 de Março de 2015[1] ) foi um poeta português, considerado o "maior poeta português da segunda metade do século XX".[2]

Família[editar | editar código-fonte]

Filho de Romano Carlos de Oliveira (Funchal, Monte, baptizado a 26 de Novembro de 1895) e de Maria Ester dos Anjos Luís Bernardes (c. 1900 - 1938), tinha duas irmãs, Maria Regina e Maria Elora.

Casou duas vezes:

  • Maria Ludovina Dourado Pimentel (de quem tem uma filha, Gisela Ester Pimentel de Oliveira, por casamento Lopes da Conceição) e com Olga da Conceição Ferreira Lima.
  • Foi pai do jornalista Daniel Oliveira, nascido da relação que teve com Isabel Figueiredo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Frequentou a Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, tendo trabalhado em Lisboa como jornalista, bibliotecário, tradutor e apresentador de programas de rádio. Viajou por diversos países da Europa realizando trabalhos corriqueiros, sem nenhuma relação com a literatura e foi redactor da revista Notícia em Luanda, Angola, em 1971, onde sofreu um acidente grave. Também foi um dos colaboradores da efémera revista Pirâmide [3] (1959-1960).

É considerado um dos mais originais poetas de língua portuguesa. Era uma figura misantropa, e em torno de si paira uma atmosfera algo misteriosa uma vez que recusa homenagens, prémios ou condecorações e se nega a dar entrevistas ou a ser fotografado. Em 1994 foi o vencedor do Prémio Pessoa, que recusou.

A sua escrita começou por se situar no âmbito de um surrealismo tardio. Em 1964 organizou com António Aragão o "1.º caderno antológico de Poesia Experimental" (Cadernos de Hoje, MONDAR editores), marco histórico da poesia portuguesa (Ver: Poesia Experimental Portuguesa). Escreveu entretanto "Os Passos em Volta", um livro que através de vários contos, sugere as viagens deambulatórias de uma personagem por entre cidades e quotidianos, colocando ao mesmo tempo incertezas acerca da identidade própria de cada ser humano (ficção); "Photomaton e Vox", é uma colectânea de ensaios e textos e também de vários poemas. "Poesia Toda" é o título de uma antologia pessoal dos seus livros de poesia que tem sido depurada ao longo dos anos. Na edição de 2004 foram retiradas da recolha suas traduções. Alguns dos seus livros desapareceram das mais recentes edições da Poesia Toda, rebatizada Ofício Cantante, nomeadamente Vocação Animal e Cobra.

A crítica literária aproxima sua linguagem poética do universo da Alquimia, da mística, da Mitologia edipiana e da imagem da Mãe.

Faleceu no dia 23 de março de 2015, de causas ainda não divulgadas[4] , e menos de dois meses após a sua morte é publicado o último livro de originais do poeta,"Poemas canhotos", que o tinha terminado pouco antes da sua morte. [5]

Obra[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • Poesia – O Amor em Visita (1958)
  • A Colher na Boca (1961)
  • Poemacto (1961)
  • Lugar (1962)
  • Electrònicolírica (1964)
  • Húmus: poema-montagem (1967)
  • Retrato em Movimento (1967)
  • Ofício Cantante: 1953-1963 (1967)
  • O Bebedor Nocturno (1968)
  • Vocação Animal (1971)
  • Poesia Toda (1.º vol. de 1953 a 1966; 2.º vol. de 1963 a 1971) (1973)
  • Cobra (1977)
  • O Corpo o Luxo a Obra (1978)
  • Photomaton & Vox (1979)
  • Flash (1980)
  • A Plenos Pulmões (1981)
  • Poesia Toda 1953-1980 (1981)
  • A Cabeça entre as Mãos (1982)
  • As Magias (1987)
  • Última Ciência (1988)
  • Poesia Toda (1990) (ISBN 972-37-0252-5)
  • Do Mundo (1994)
  • Poesia Toda (1996) (ISBN 972-37-0184-7)
  • Ouolof: poemas mudados para português (1997)
  • Poemas Ameríndios: poemas mudados para português (1997)
  • Doze Nós Numa Corda: poemas mudados para português (1997)
  • Fonte (1998)
  • Ou o poema contínuo: súmula (2001) (ISBN 972-37-0627-X)
  • Ou o poema contínuo (2004) (ISBN 972-37-0954-6)
  • A Faca Não Corta o Fogo - Súmula & Inédita (2008)
  • Ofício Cantante - Poesia Completa (2009)
  • Servidões (2013)
  • A Morte Sem Mestre (2014)
  • Poemas Completos (2014)
  • Poemas Canhotos (2015)

Ficção[editar | editar código-fonte]

  • Os Passos em Volta (1963)
  • Apresentação do Rosto (1968).
  • A Faca Não Corta o Fogo (2008).

Referências

  1. Coutinho, Isabel (24/03/15). Morreu o poeta Herberto Helder. Visitado em 24/03/15.
  2. Universidade Nova de Lisboa Citi.pt.
  3. Daniel Pires (1999). Ficha histórica: Pirâmide : antologia (1959-1960) (pdf) Dicionário da Imprensa Periódica Literária Portuguesa do Século XX (1941-1974) Hemeroteca Municipal de Lisboa. Visitado em 20 de março de 2015.
  4. Morreu o poeta Herberto Helder. Visitado em 4-3-2015.
  5. Último livro de inéditos de Herberto Helder "Poemas canhotos" chega hoje às livrarias. Visitado em 15-5-2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]