Fitormônio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Hormona vegetal)
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde julho de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde julho de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde julho de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Etileno: uma hormona vegetal

As hormonas vegetais ou fito-hormonas são compostos orgânicos que atuam em doses muito pequenas e são os principais fatores internos de regulação das reações de desenvolvimento e crescimento das plantas.[1]

Uma planta precisa de diversos fatores, internos e externos, para crescer e se desenvolver, e isto inclui diferenciar-se e adquirir formas, originando uma variedade de células, tecidos e órgãos.

Como exemplos de fatores externos que afetam o crescimento e desenvolvimento de vegetais, podemos citar luz (energia solar), dióxido de carbono, água e minerais, incluindo o azoto atmosférico (fixado por bactérias fixadoras e cianofíceas), temperatura, comprimento do dia e gravidade.

Os principais fatores internos são as chamados hormonas vegetais ou fito-hormonas, substâncias químicas que atuam sobre a divisão, elongação e diferenciação celular.

Geralmente quase todas as hormonas vegetais de uma planta podem ser encontradas na forma conjugada – ou seja, ligadas a outras substâncias como açúcares, aminoácidos, peptídeos ou mesmo proteínas. A hidrólise dos conjugados inativos dos tecidos da plantas libera a forma “livre”, ou ativa da hormona.

Hormonas vegetais são substâncias orgânicas que desempenham uma importante função na regulação do crescimento. No geral, são substâncias que atuam ou não diretamente sobre os tecidos e órgãos que os produzem (existem hormonas que são transportadas para outros locais, não atuando nos locais da sua síntese), ativos em quantidades muito pequenas, produzindo respostas fisiológicas especificas (floração, crescimento, amadurecimento de frutos etc.).[2]

A palavra hormona vem do termo grego horman, que significa "excitar". Entretanto, existem hormonas inibitórias. Assim sendo, é mais conveniente considerá-las como sendo reguladores químicos. A atuação dos reguladores químicos depende não apenas de suas composições químicas, mas também de como eles são "percebidos" pelos respectivos tecido-alvos, de forma que uma mesma hormona vegetal pode causar diferentes efeitos, dependendo do local no qual estiver atuando (diferentes tecidos e órgãos), da sua concentração e da época de desenvolvimento de um mesmo tecido.

Tradicionalmente, são destacados cinco grupos (ou classes) de fito-hormonas: auxinas, etileno, giberelinas, ácido abscísico e citocininas.

Entretanto, estes não são as únicas fito-hormonas conhecidas. As chamadas "hormonas secundárias" incluem, entre outros:

Auxinas[editar | editar código-fonte]

As auxinas são responsáveis pelos tropismos (foto e geotropismo), pelo desenvolvimento dos frutos, pelo alongamento celular, radicular e caulinar e pela dominância apical do caule. Esta fito-hormona é produzida no meristema apical do caule, nos primórdios foliares, nas flores, nos frutos e nas sementes e é transportada pela extensão do vegetal de célula a célula (células parenquimáticas). As auxinas inibem, ainda, o desenvolvimento de gomos laterais e retardam a abscisão.

Etileno[editar | editar código-fonte]

O etileno realiza o amadurecimento dos frutos e indução da abscisão foliar. O etileno também tem um papel protetor para as plantas feridas ou infetadas, pois acelera o envelhecimento da parte afetada, garantindo, assim, a sobrevivência da planta. Esse gás é produzido em diversos locais da planta, difundindo-se entre as células.

Giberelinas[editar | editar código-fonte]

As giberelinas atuam na floração, promovem a germinação, e o desenvolvimento dos frutos. São sintetizadas em folhas jovens e no meristema de sementes e frutosseão transportadas pelo xilema, . Promovem a formação de frutos partenocárpicos, o alongamento caulinar e a quebra da dormência das plantas.

Ácido Abscísico[editar | editar código-fonte]

O ácido abscísico induz o fechamento dos estomas, o envelhecimento de folhas, a dormência de sementes e gemas e inibe o crescimento das plantas. A sua produção ocorre em diversos órgãos da planta: caule, folhas e extremidade da raiz (a coifa). A difusão desta hormona ocorre através dos vasos condutores de seiva.

Citocinina[editar | editar código-fonte]

As citocininas retardam o envelhecimento das plantas, estimulam as divisões celulares e o desenvolvimento dos gomos laterais. É produzido nas raízes e transportado para a planta através do xilema, quebra da senescência.

Outras Fito-hormonas[editar | editar código-fonte]

Além destes 5 hormonas tradicionais e mais estudadas, existem outras substâncias também consideradas fito-hormonas. São elas:

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Site Brasil Escola (http://www.brasilescola.com/biologia/hormonios-vegetais.htm)

Annual Reviews Compilations: Plant Hormones

  • Xie X AU, Yoneyama K AU, Yoneyama K TI. The strigolactone story. JF - Annual Reviews Phytopathology (sep/2010)
  • A. Corina Vlot, D'Maris Amick Dempsey and Daniel F. Klessig. Salicylic Acid, a Multifaceted Hormone to Combat Disease (sep/2009)

Referências

  1. TAIZ, Lincoln; ZEIGER, Eduardo. Fisiologia Vegetal. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004
  2. RAVEN, P.H., EVERT, R.F., EICHHORN, S.E. Biologia Vegetal, 7ª ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan S.A. 2007.
  3. A. Creelman and J.E. Mullett, Biosynthesis and action of jasmonates in plants. Annu. Rev. Plant Physiol. Plant Mol. Biol. 48 (1997), pp. 355–381.
  4. Schumaker, K, Chory, J (2000) "Brassinosteroid signal transduction: still casting the actors." Curr Opin Plant Biol 3: 79-84
  5. Gomez-Roldan, V. et al. Strigolactone inhibition of shoot branching. Nature 10 Aug 2008 (doi: 10.1038/nature07271).
  6. Vlot AC, Dempsey DA, Klessig DF. Salicylic acid, a multifaceted hormone to combat disease. Annual Reviews of Phytopathology 2009;47:177-206.
  7. A. Creelman and J.E. Mullett, Biosynthesis and action of jasmonates in plants. Annu. Rev. Plant Physiol. Plant Mol. Biol. 48 (1997), pp. 355–381.
  8. Schumaker, K, Chory, J (2000) "Brassinosteroid signal transduction: still casting the actors." Curr Opin Plant Biol 3: 79-84
  9. Gomez-Roldan, V. et al. Strigolactone inhibition of shoot branching. Nature 10 Aug 2008 (doi: 10.1038/nature07271).
  10. Vlot AC, Dempsey DA, Klessig DF. Salicylic acid, a multifaceted hormone to combat disease. Annual Reviews of Phytopathology 2009;47:177-206.