Ira Sprague Bowen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ira Sprague Bowen
Conhecido(a) por Refutar a teoria do nebúlio[1]
Nascimento 21 de dezembro de 1898
Seneca Falls (Nova York)
Morte 6 de fevereiro de 1973 (74 anos)
Residência  Estados Unidos
Nacionalidade norte-americano
Prêmios

Ira Sprague Bowen (Seneca Falls (Nova York), 21 de dezembro de 18986 de fevereiro de 1973) foi um astrônomo estadunidense.

Em 1919 graduou-se no Oberlin College, Chicago, e em 1926 obteve o doutoramento no Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), Pasadena. Entre 1921 e 1945 lecionou física no Caltech, sendo professor desde 1931. Em 1946 foi diretor do Observatório Monte Wilson, e em 1948 diretor do Observatório Palomar, cargo que ocupou até 1964.

Em 1928 pesquisou sobre o problema das estranhas linhas no espectro das nebulosas planetárias e na nebulosa de Órion, observadas pela primeira vez por William Huggins na década de 1860. A nebulosa de Órion emite, entre outras cores características, um verdoso, cujo espectro não correspondia com nenhum conhecido. O espectro mostrava que as linhas espectrais deviam ser emitidas por algum elemento de pouca massa atômica, pelo qual fora inventado um elemento chamado "nebúlio" que, em teoria, seria o causador daquelas linhas espectrais. O problema disto é que estas linhas eram impossíveis de reproduzir nos laboratórios.

Contudo, Bowen não acreditava na teoria do nebúlio, e demonstrou que o espectro verdoso se originava devido à radiação que emitiam os átomos ionizados de oxigênio e nitrogênio ao passarem para níveis de menor energia. Em concreto, Bowen demonstrou que os comprimentos de onda atribuídos ao suposto nebúlio podiam ser emitidos por átomos de oxigênio duplo e triplamente ionizados, assim como por átomos de nitrogênio duplamente ionizados,[1] embora isto somente pode ocorrer na nebulosa sob estranhas condições, em regiões onde a colisão entre átomos seja pouco frequente.

Prémios e honrarias[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Oxford University Press (1999). A Dictionary of Scientists. [S.l.]: Oxford Paperbacks. ISBN 0192800868 

Referências

  1. a b Bowen, Ira S. (1927). «The Origin of the Nebulium Spectrum». Nature. 120. p. 473 
  2. «Henry Draper Medal» (em inglês). National Academy of Sciences. Consultado em 24 de novembro de 2017.. Cópia arquivada em 7 de junho de 2017 
  3. «Laureates» (em inglês). Franklin Institute. Consultado em 24 de setembro de 2016.. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2016 
  4. «Recipients of the Rumford Prize» (em inglês). American Academy of Arts & Sciences. Consultado em 8 de outubro de 2016.. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2016 
  5. «Frederic Ives Medal / Jarus W. Quinn Prize» (em inglês). The Optical Society. Consultado em 15 de dezembro de 2017.. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2017 
  6. «The Bruce Medalists» (em inglês). Sonoma State University / Department of Physics and Astronomy. Consultado em 26 de dezembro de 2015.. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2015 
  7. «Gold Medal Winners» (pdf) (em inglês). Royal Astronomical Society. Consultado em 17 de novembro de 2017.. Cópia arquivada em 15 de setembro de 2017 
Precedido por
Edward Bullard e Gerald Maurice Clemence
Medalha de Ouro da Royal Astronomical Society
1966
com Harold Clayton Urey
Sucedido por
Hannes Alfvén e Allan Rex Sandage