Joseph Szabo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joseph Szabo
Informações pessoais
Nome completo Joseph Szabo
Data de nasc. 11 maio 1896(1896-05-11)
Local de nasc. Gönyű, Austria-Hungria
Falecido em 17 março 1973(1973-03-17) (aged 76)
Informações profissionais
Posição Treinador de futebol - (Ex-Médio)
Clubes de juventude
Ferencváros
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
19161926
19261929
19291930
19301932
HungriaFerencváros
Portugal Nacional da Madeira
Portugal Marítimo
Portugal FC Porto
Times/Equipas que treinou
19301936
19361937
19371945
1945
19451947
19531954
19561957
19641965
19651966
Portugal FC Porto
Portugal Sp. Braga
Portugal Sporting CP
Portugal Sp. Braga
Portugal FC Porto
Portugal Sporting CP
Portugal Sp. Braga
Portugal Sporting CP
Angola Angola


255


43

23

József Szabó (11 Maio 1896 - 17 Março 1973), também conhecido por Joseph Szabo ou José Szabo, foi um antigo jogador e treinador de futebol Hungaro. Como jogador representou o Ferencvaros e a Hungria. Como treinador teve uma notável passagem pelo futebol português tendo conquistado diversos troféus inicialmente ao serviço do FC Porto e mais tarde do Sporting Clube de Portugal sendo até hoje o treinador que mais tempo orientou a equipa lisboeta.

Carreira como Jogador[editar | editar código-fonte]

Com 20 anos passou a jogar na equipa do Ferencvaros. Era então um médio centro de grande qualidade e chegou rapidamente à Selecção do seu País, onde contabilizou 12 internacionalizações.

Em 1926, outro clube húngaro, o Szombathely, pediu ao Ferencvaros que lhes emprestasse Szabo temporariamente para reforçar a sua equipa durante uma digressão a Portugal, e foi nessa altura que os dirigentes do Nacional, impressionados com a qualidade do médio húngaro, o convidaram a ficar na Madeira.

Na Madeira, onde também jogou no Marítimo, ficou até 1930, altura em que foi contratado pelo FC Porto como treinador-jogador, levando consigo Pinga, que se tornaria num dos melhores jogadores portugueses da época e numa figura histórica dos portistas.

Como treinador[editar | editar código-fonte]

FC Porto[editar | editar código-fonte]

Ao serviço do FC Porto ganhou vários campeonatos regionais, um Campeonato de Portugal e o primeiro Campeonato Nacional, disputado na temporada de 1934/35, impressionando pela sua dedicação total ao trabalho e evidenciando os primeiros sinais de uma obcecação pela disciplina, que foi crescendo ao longo dos anos e que contribuiu para que se tornasse num treinador muito respeitado, mas também às vezes contestado.

Em Setembro de 1935 Szabo foi estagiar a Inglaterra no Arsenal de Londres, de onde trouxe uma metodologia de treino ainda mais exigente.

Sporting de Braga[editar | editar código-fonte]

Rumou então ao Sp. Braga onde, segundo reza a lenda, foi ele que convenceu os bracarenses a adoptar equipamento igual ao do Arsenal, em substituição do verde e branco bipartido até aí utilizado.

Um ano depois já se preparava uma Assembleia Geral para autorizar o regresso de Szabo ao Porto, onde tinha deixado saudades, quando Joaquim Oliveira Duarte se antecipou e ofereceu-lhe um contrato excepcional, que foi anunciado no dia 27 de Fevereiro de 1937, com a novidade de prever prémios de jogo. E assim o levou para o Sporting.

Sporting Clube de Portugal[editar | editar código-fonte]

Iniciava-se assim o mais longo e vitorioso consulado de um treinador no Sporting: em 8 anos Joseph Szabo ganhou seis Campeonatos de Lisboa, três Campeonatos Nacionais, um Campeonato de Portugal, uma Taça de Portugal e a Taça Império.

Nessa altura Szabo construiu a grande equipa que antecedeu aquela que ficou conhecida como a dos Cinco Violinos, lançando as primeiras sementes e contribuindo para a ascensão de grandes jogadores, com destaque especial para Peyroteo que lapidou, tornando-o no melhor jogador português, e Jesus Correia, que descobriu em Paço de Arcos.

No Sporting, Joseph Szabo treinava todas as equipas, desde os principiantes até à primeira categoria. Ministrava a preparação física, orientava os treinos de conjunto, dava longas lições de táctica utilizando os seus famosos "mónecos" e até era massagista, passando assim o dia inteiro nas instalações do Clube onde, apesar do seu feitio autoritário, era muito querido e respeitado por todos.

Deixou o Sporting no dia 1 de Abril de 1945 depois da equipa ter terminado o campeonato em 2º lugar. Foi substituído por Joaquim Ferreira, que levou o Sporting à conquista da Taça de Portugal que encerrava a época.

Szabo então faz o percurso inverso ao que o tinha trazido ao Sporting, regressando ao FC Porto com passagem por Braga, mas já sem o sucesso dos anos anteriores.

A Continuação da Carreira e declínio[editar | editar código-fonte]

Começa a partir daí a fase descendente da sua carreira, com passagens por vários clubes portugueses, interrompida por um regresso ao Sporting na temporada de 1953/54, agora como treinador de campo ao lado de Tavares da Silva, ganhando mais uma Taça de Portugal e o Campeonato Nacional que fechou o primeiro tetra-campeonato da história do futebol português.

Na época de 1964/65, voltaria a ser chamado pelo Sporting para desempenhar as funções de treinador de campo, trabalhando com Anselmo Fernandez e Armando Ferreira.

A carreira de Szabo terminaria em 1966 como Seleccionador de Angola.


Terminou os seus dias, como era seu desejo, no Lar do Sporting onde faleceu com 76 anos, a 17 de Março de 1973.[1]

Trofeus como Treinador[editar | editar código-fonte]

FC Porto
  • Campeonato do Porto(6): 1930–31, 1931–32, 1932–33, 1933–34, 1934–35, 1935–36
Sporting CP

Referências