Luís Antônio, Duque de Angoulême

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Luís XIX de França)
Ir para: navegação, pesquisa
Luís Antônio
Duque de Angoulême
Retrato por Thomas Lawrence, 1825
Rei da França e Navarra
Reinado 2 de agosto de 1830
(20 minutos)
Antecessor(a) Carlos X de França
Sucessor(a) Luís Filipe I de França
 
Esposa Maria Teresa de França
Casa Bourbon
Nascimento 6 de agosto de 1775
Palácio de Versalhes, Paris, França
Morte 3 de junho de 1844 (68 anos)
Gorizia, Áustria
Sepultamento Monastério de Kostanjevica, Nova Gorica, Eslovênia
Pai Carlos X de França
Mãe Maria Teresa da Sardenha
Assinatura Assinatura de Luís Antônio

Luís Antônio, Duque de Angoulême (Paris, 6 de agosto de 1775Gorizia, 3 de junho de 1844) foi o filho mais velho do rei Carlos X de França e o último Delfim de França. Ele nunca chegou a reinar já que seu pai abdicou em 1830 durante a Revolução de Julho. Quando Carlos morreu em 1836, ele virou o pretendente legitimista do trono francês.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Juventude[editar | editar código-fonte]

Os Filhos do Conde de Artois (Carlos , Sofia e Luís Antônio).

Por Rosalie Filleul, 1781

Nascido em 06 de agosto de 1775 em Versalhes, era o filho mais velho de Carlos Filipe da França e de sua esposa Maria Teresa, uma princesa da Casa de Saboia. Ele é titulado no nascimento Duque de Angoulême por seu tio o rei Luís XVI de França. Luís Antônio foi batizado no dia de seu nascimento na capela de Versalhes pelo cardeal-bispo de Estrasburgo Louis-René-Édouard de Rohan-Guéménée, seus padrinhos foram o rei Luís XVI de França e a rainha Maria Antonieta.

Quando ocorreu a Queda da Bastilha em 14 de julho de 1789 os ministros do Rei Luís XVI aconselharam todos os príncipes de sangue a saírem de Versalhes e se dirigissem as fronteiras. Sua família saiu de Versalhes em 16 de julho de 1789 rumo a Grã-Bretanha onde Luís se juntou ao exército britânico. Com a eclosão da Revolução Francesa Luís Antônio só retornou a França após a restauração da monarquia bourbônica.

Primeiro Império, primeira e segunda restaurações[editar | editar código-fonte]

Durante o Primeiro Império Francês, as comunicações entre o França e Inglaterra tinham sido cortada, seu tio Luís XVIII carga Bispo de La Fare, Bispo de Nancy, a pagar-lhe e seu irmão Charles Ferdinand d'Artois, o Duque de Berry, pagamentos significativos das casas bancárias de Viena para a manutenção de sua casa, para as pensões do exército dos príncipes e para garantir a subsistência de seus compatriotas. Para os meses de março e abril 1807 o pagamento era tão 18.676 libras (equivalente a 1,634,150 euros).

O Duque de Angoulême em Espanha para lutar ao lado de Wellington em 1814. Ele voltou para a França, na Restauração.

O Duque de Angoulême como Grande Almirante da França em porcelana comemorativa

Em março de 1815, ele estava em uma viagem oficial para Bordéus quando ele descobre desembarque de Napoleão em Golfe Juan. Ela sobe no sul um pequeno exército ganhou algum sucesso local. No entanto ele falha e é forçado a licenciar sua divisão e considerar emigrar. Em 03 de abril de 1815 a partir do início dos Cem Dias, ele afirma, em Donzère, a implementação da Convenção de La Palud Grouchy, que refere-se a Napoleão. Por ordem expressa deste último, o Radet geral parar a Duke e envia para Sete para que ele vá para o exílio.

A cidade de Villeneuve-les-Maguelone muda de nome para Villeneuve-Angoulême em sua homenagem.

Em 1823, ele liderou a Expedição Cem Mil Filhos de São Luís, que venceu a Batalha de Trocadero, tomando Cádis e restaurando a monarquia absolutista espanhola e recolocando no trono o rei Fernando VII de Espanha.

Em 1824 ele se torna Delfim de França.

"Rei da França", durante vinte minutos[editar | editar código-fonte]

Luís Antônio, Duque de Angoulême

Por François Joseph Kinson, 1825

Seguindo os motins de Paris chamados de "Três Dias Gloriosos", seu pai Carlos X abdica em 02 de agosto de 1830 em favor de seu neto Henrique de Artois, abdicado assinado por Luís Antônio da França, que deseja renunciar seus direitos em favor de seu sobrinho. Esta abdicação, contrário às leis fundamentais do reino, é de qualquer maneira ineficaz, por Luís Filipe I de França foi proclamado rei pelos franceses em 7 de agosto, e a família real borbônica foi mandada para o exílio em 16 de agosto. Luís Antônio ganha o título de "Conde de Marnes."

Entre o momento em que seu pai assinou o ato de abdicação e quando Luís Antônio assina o documento para renunciar seus direitos a favor de seu sobrinho, passaram-se ​​vinte minutos, durante os quais ele teoricamente foi Luís XIX, Rei da França e Navarra.

Segundo exílio e últimos anos[editar | editar código-fonte]

Túmulos de Carlos X de França e Luís Antônio em Kostanjevica

Com a morte de seu pai em Göritz (Áustria) em 06 de novembro de 1836, Luís Antônio da França torna-se o mais velho dos descendentes da família real francesa na tradição de primogenitura masculina. A maioria dos legitimistas, em seguida, reconhecem o como rei da França e Navarra com o nome de "Luís XIX" contra os orleanista que apoiavam Luís Filipe e os henriquinquistes que preferiam seu sobrinho "Henrique V".

Quando ele morreu no exílio em Göritz em 03 de junho de 1844, seu sobrinho, "Henrique, Conde de Chambord" o sucedeu como "chefe da casa real francesa" com o nome de "Henrique V".

Luís Antônio está enterrado no Mosteiro de Kostanjevica em Nova Gorica, Eslovénia.

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

10 de junho de 1799, casou-se no Palácio de Jelgava (Rússia) com sua prima a princesa Maria Teresa Carlota, única filha sobrevivente de Luís XVI e Maria Antonieta. O casal não teve filhos.

Precedido por
Luís
Delfim de França
18241830
Sucedido por
N/A