Manuela Moura Guedes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Manuela Moura Guedes
Nome completo Manuela Moura Guedes
Nascimento 23 de dezembro de 1955 (66 anos)
Cadaval, Portugal Portugal
Ocupação jornalista
Atividade 1978 - presente
Cônjuge José Eduardo Moniz

Manuela Moura Guedes (Cadaval, 23 de Dezembro de 1955) é uma profissional de televisão e ex-cantora portuguesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Manuela Moura Guedes é natural do Cadaval e viveu em Torres Vedras, onde frequentou o Liceu Nacional. Daí, seguiu para a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, onde chegou a ser monitora de Teoria Geral do Direito Civil, ficando a poucas disciplinas de terminar o curso. Ao mesmo tempo entrava na televisão, como locutora de continuidade, na RTP, em 1978. Apresentaria o Festival RTP da Canção de 1979, acompanhando Fialho Gouveia, numa altura em que ainda usava o nome de Manuela Matos. "Matos" era o apelido do primeiro marido, com quem esteve casada dois anos.[1]

Grava dois singles sem grande impacto: "Conversa Fiada" (1979) e "Sonho Mau" (1980). Na rádio, torna-se uma das vozes da Rádio Comercial, em programas como Grafonolona Ideal e TNT - Todos No Top. Casa-se com Francisco de Assis de Carvalho Jácome [de Sousa Pereira] de Vasconcelos (da Valentim de Carvalho), com quem teve um filho, Francisco de Assis Guedes Pereira Jácome de Vasconcelos, a 30 de maio de 1983 (39 anos). O single Flor Sonhada, saído em 1981, com duas canções compostas por Miguel Esteves Cardoso, incluindo Foram Cardos, Foram Prosas, revela-se um sucesso. Em 1982 lançaria o álbum Alibi, cuja instrumentalização ficou a cargo dos GNR e cujas vendas fracassaram. Na televisão, continuou no entretenimento, com a apresentação de Berros e Bocas, na RTP1, ao lado de Luís Filipe Barros. Na Rádio Comercial, iria ainda apresentar um programa com o jornalista Henrique Garcia. Em 1983, passa para o Telejornal. Apresentou durante seis anos (entre 1986 e 1992), na RTP2, o noticiário Jornal das 9. Em 1992, apresenta o programa Raios e Coriscos, ao lado de Miguel Esteves Cardoso e Catarina Portas.

Em 1995, é eleita deputada à Assembleia da República, pelo Partido Popular. Chega à TVI em 2000, tornando-se pivô do Jornal Nacional, após o grande rebranding da TVI. O seu estilo peculiar, marcadamente sensacionalista, valeu-lhe várias criticas de diversos setores políticos e sociais, assim como da própria classe jornalística. Resistindo a essas críticas, manteve a sua preponderância na TVI, por influência do então diretor de informação José Eduardo Moniz (que era, já na altura, seu marido, e com quem teve dois filhos). Afastada, em 2005, pelos proprietários da estação, regressou como apresentadora do Jornal Nacional - 6ªFeira, de 2008 a 2009, conhecendo uma suspensão definitiva pela administração da Prisa a 3 de setembro desse último ano ano. Na sequência desse acontecimento, Manuela Moura Guedes apresentou a sua demissão da direção de informação da TVI, continuando como funcionária da estação até 2011.

Depois de dois anos no desemprego, o regresso à televisão de Manuela Moura Guedes aconteceu na RTP1, em 2013, com a apresentação de uma nova edição do popular concurso Quem Quer Ser Milionário?, que durou até 2015. A 6 de outubro de 2014, iniciou a sua colaboração como comentadora do programa "Barca do Inferno", na RTP Informação, juntamente com Isabel Moreira, Marta Gautier (depois substituída por Sofia Vala Rocha) e Raquel Varela. Manuela Moura Guedes abandonou o programa em 8 de junho de 2015, por sua iniciativa.[2] Em outubro de 2018, volta ao comentário político e social, desta vez na SIC, com a rubrica "A Procuradora", emitida às segundas-feiras, como parte do Jornal da Noite, até 2020.[3]

Televisão[editar | editar código-fonte]

RTP[editar | editar código-fonte]

SIC[editar | editar código-fonte]

  • 2016 Rede Social
  • 2017-2018 D'Improviso (convidada)
  • 2018-2020 A Procuradora

TVI[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Singles
  • Sonho Mau / Sonho Bom (Boom-Nova, 1980);
  • Flor Sonhada / Foram Cardos, Foram Prosas (EMI-Valentim de Carvalho, 1981).
Álbuns

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.