Moacir Bernardes Brida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Brecha
Brecha
Informações pessoais
Nome completo Moacir Bernardes Brida
Data de nasc. 12 de julho de 1948
Local de nasc. Itajobi (SP),  Brasil
Falecido em 7 de setembro de 2011 (63 anos)
Local da morte Catanduva (SP), Brasil
Apelido Brecha
Informações profissionais
Clube atual Ex-atleta
Número 10
Posição Meia
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1965-1967
1967
1968-1972
1972
1972-1976
1976-1977
1978-1979
1979
1979-1980
1980
1981-1984
1984
1985-1986
1987-1990
Brasil Catanduva (SP)
Brasil Barretos (SP)
Brasil Juventus (SP)
Bélgica Anderlecht-BEL
Brasil Santos (SP)
Brasil Guarani (SP)
Brasil Juventus (SP)
Brasil Grêmio Maringá (PR)
Brasil Comercial (MS)
Brasil Mixto (MT)
Brasil Botafogo (SP)
Brasil Grêmio Catanduvense (SP)
Brasil Brasília (DF)
Brasil Sertãozinho (SP)
Brasil Grêmio Catanduvense (SP)








Moacir Bernardes Brida, conhecido como Brecha (Itajobi, 12 de julho de 1948 - Catanduva, 3 de setembro de 2011[1]), foi um futebolista brasileiro, irmão do também futebolista Brida, um dos grandes ídolos do Juventus.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Brecha iniciou a carreira aos 17 anos, quando jogou no Catanduva Esporte Clube, em 1965. Permaneceu no clube até 1967, transferindo-se para o Barretos Esporte Clube no mesmo ano.

Em janeiro de 1968, Brecha foi contratado pelo Clube Atlético Juventus, onde tornou-se um dos maiores nomes da história do clube. Jogou ao lado de seu irmão, Roberto Brida, no Juventus, permanecendo até setembro de 1972. Em seguida, foi vendido ao Anderlecht, da Bélgica. Após sete meses em território europeu, retornou ao Brasil. Foi contratado pelo Santos Futebol Clube.

No clube da Vila Belmiro, Brecha atuou entre 1972 e 1976 e passou a usar a camisa 10 do Santos, quando Pelé transferiu-se para o clube americano Cosmos, em 1975.

Brecha jogou também no Guarani, novamente no Juventus, Grêmio Maringá, Comercial-MS, Mixto, Botafogo de Ribeirão Preto, Grêmio Catanduvense, Brasília), Sertãozinho e novamente no Grêmio Catanduvense, onde encerrou a carreira, aos 42 anos de idade.

Após pendurar as chuteiras, Brecha também atuou como treinador de futebol. Comandou o Sertãozinho (1990); Grêmio Catanduvense (1991); Seleção Brasileira de Futebol Rápido (1995), aonde o time chegou inclusive a ser campeão no Torneio Futebol Rápido no México, em 1995; Centro Esportivo e Educacional Nakazawa (equipe japonesa) e Operário de Campo Grande.

Brecha também foi comentarista esportivo da TVO (Televisão Opinião de Catanduva), durante o Campeonato Paulista de 1994, e do jornal O Regional, de Catanduva, durante a Copa do Mundo de 1998.

Faleceu em 3 de setembro de 2011, na cidade de Catanduva, aos 63 anos

Títulos[editar | editar código-fonte]

Juventus
  • Torneio de Classificação do Campeonato Paulista: 1971.
Santos

Referências