Museu Van Gogh

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Museu Van Gogh
Logotipo
Van Gogh Museum.jpg
Fachada do museu.
Tipo Museu de arte
Inauguração 20 de junho de 1973
Website www.vangoghmuseum.nl
Geografia
País Países Baixos
Localidade Amsterdã,
 Países Baixos
Coordenadas 52° 21' 30" N 4° 52' 52" E

O Museu Van Gogh (em neerlandês: Van Gogh Museum) é um museu de arte localizado no município de Amsterdã, na província de Holanda do Norte nos Países Baixos. O museu é responsável pela preservação, conservação e difusão da obra do pintor holandês Vincent van Gogh. Situa-se na Praça dos Museus, próximo do Stedelijk Museum e do Rijksmuseum, na zona sul de Amsterdã.[1]

Fundado em 1973, foi criado pelo Estado dos Países Baixos com apoio do sobrinho do pintor. A instituição é membro do Conselho Internacional de Museus e da Museumvereiniging (Fundação dos Museus Nacionais).[2][3]

O museu possui a maior coleção de obras do pintor holandês,[4] com aproximadamente 1.400 obras,[5] que incluím pinturas, desenhos e cartas de Van Gogh, como também pinturas de artistas contemporâneos provenientes do século XIX. Realiza projetos de pesquisa e de aprendizagem sobre o pintor. Abriga exposições fixas e temporárias. Sua biblioteca conta com mais de 35.000 livros e artigos sobre Vincent van Gogh e seus contemporâneos.

É o segundo museu de arte mais visitado dos Países Baixos, atrás do Rijksmuseum.[6] Encontra-se na posição 31 dentro da lista dos museus de arte mais visitados do mundo.[7] Foi eleito o melhor museu do mundo por visitantes europeus.[8]

História[editar | editar código-fonte]

Antecendentes[editar | editar código-fonte]

Durante sua vida, Vincent van Gogh conseguiu vender somente duas de suas obras.[9] Após ter falecido em 1890, suas obras não vendidas foram herdadas pelo seu irmão mais novo, o comerciante de arte Theo van Gogh. Porém, Theo morreu seis meses depois de Vincent, deixando as obras nas mãos de sua viúva, Johanna van Gogh-Bonger.[10] Vendendo algumas das pinturas de Vincent com o intiuto de divulgar o conhecimento de suas obras, Johanna manteve uma coleção particular de suas obras.[10]

Com a morte de Johanna, em 1925, a coleção foi herdada pelo seu filho Vincent Willem van Gogh. Ele eventualmente emprestou a coleção à diversos museus, onde foi exibida por muitos anos.[11] Nos anos 1960, foi transferida para a Fundação Vincent van Gogh, iniciada por Vincent Willem e o Estado dos Países Baixos em 1962.[11]

Fundação[editar | editar código-fonte]

O museu em construção
Vista parcial da ala de Kurokawa e do edifício de entrada

A história do Museu Van Gogh remonta ao ano de 1963, quando o Governo neerlandês encomendou um prédio para abrigar a coleção ao arquiteto e designer de móveis holandês Gerrit Rietveld.[12] Rietveld projetou o prédio tridimensional do museu, mas veio a falecer um ano depois, e dois arquitetos neerlandeses concluíram a construção.[12] As obras de construção foram concluídas em 1973,[12] sendo o museu inaugurado em 20 de junho de 1973 pela então rainha Juliana.[11]

Reforma e ampliação[editar | editar código-fonte]

De 1998 a 1999, o edifício foi reformado pelo arquiteto holandês Martien van Goor,[12] e uma ala de exposição foi projetada pelo arquiteto japonês Kisho Kurokawa.[12]

Em outubro de 2012, o museu fechou suas portas ao público para obras de reformas.[13] Durante a reforma, 75 obras da coleção foram expostas no museu Hermitage Amsterdam.[14] Após o fim das obras de reforma em março de 2013, o museu reabriu suas portas ao público.[15]

De 2014 a 2015, foi construído um novo edifício de entrada feito totalmente de vidro, que foi projetado pelo escritório de arquitetura japonês Kisho Kurokawa Architect & Associates.[16] O hall de entrada de vidro liga o edifício de Rietveld a ala de exposição de Kurokawa e fica situado na Praça dos Museus.[16]

Furto de obras de arte[editar | editar código-fonte]

Em 7 de dezembro de 2002, foram furtadas duas pinturas do museu, trepando-se ao telhado com a ajuda de cordas e uma escada. O sistema de alarme não disparou. As obras roubadas foram "Marinha de Scheveningen" e "Congregação Deixando a Igreja Reformada em Nuenen", pintadas no início da carreira de Van Gogh, entre 1882 e 1884, respectivamente.

As pinturas foram recuperadas pela polícia italiana das mãos da máfia de Nápoles em setembro de 2016.[17][18]

Acervo[editar | editar código-fonte]

O Museu do Museu van Gogh tem a maior coleção de obras de Vincent van Gogh e conta com duzentas pinturas, quinhentos desenhos e setecentas de suas cartas.[5] O acervo do museu conta também com obras de seus contemporâneos, como Paul Gauguin, Jozef Israëls, Claude Monet, Camille Pissarro, Georges Seurat, Paul Signac e Henri de Toulouse-Lautrec.

Biblioteca[editar | editar código-fonte]

A Biblioteca possui mais de 35.000 livros e mais de 40 títulos de periódicos e adquiri por ano mais de 1.000 publicações. O Museu biblioteca fica localizado em Gabriël Metsustraat 8, em Museumplein.[19]

Referências

  1. Op het Museumplein heb je nu een Van Gogh voor jezelf. de Volkskrant, 1 juni 2020. Consultado em 25 de fevereiro de 2021
  2. Strategisch Plan - Van Gogh Museum. Museu van Gogh, 1 de janeiro de 2021. Consultado em 29 de março de 2021
  3. Dit zijn onze ruim 400 leden. Museumvereiniging. Consultado em 25 de fevereiro de 2021
  4. Bouw Van Gogh Museum. IsGeschiedenis. Consultado em 25 de fevereiro de 2021
  5. a b Van Gogh Museum. I Amsterdam. Consultado em 25 de fevereiro de 2021
  6. Top-5 best bezochte musea: Rijks weer bovenaan, museumbezoek neemt toe. NOS, 19 de dezembro de 2019. Consultado em 4 de abril de 2021 (em neerlandês)
  7. Ranking The World's Most Admired Art Museums, And What Big Business Can Learn From Them. Forbes, 30 de outubro de 2017. Consultado em 4 de abril de 2021 (em inglês)
  8. Europeanen vinden Van Gogh Museum beste ter wereld. NOS, 29 de agosto de 2017. Consultado em 4 de abril de 2021 (em neerlandês)
  9. Bij deze musea hangen Van Goghs aan de wand. Omroep Max, 18 april 2018. Consultado em 25 de março de 2021
  10. a b Zonder Jo van Gogh was Vincent nooit zo beroemd geworden. Trouw, 8 oktober 2019. Consultado em 26 de março de 2021
  11. a b c Bouw Van Gogh Museum. IsGeschiedenis. Consultado em 26 de março de 2021
  12. a b c d e Een schitterend, alles overstralend pantser. NRC Handelsblad, 24 juni 1999. Consultado em 26 de março de 2021
  13. Van Gogh Museum half jaar gesloten. Het Parool, 24 juni 2011. Consultado em 26 de março de 2021
  14. Em reforma, Museu Van Gogh transfere suas obras ao Hermitage de Amsterdã. G1, 24 de setembro de 2012. Consultado em 26 de março de 2021
  15. Van Gogh Museum verbouwd. NOS, 2 de abril de 2014. Consultado em 26 de março de 2021
  16. a b Nova Entrada do Museu Van Gogh / Hans van Heeswijk Architects. Archdaily. Consultado em 3 de abril de 2021
  17. «LOS ROBOS ESTRELLA DEL VAN GOGH MUSEUM DE AMSTERDAM: 1991 Y 2002» 
  18. «Quadros de Van Gogh roubados há 14 anos encontrados em Itália» 
  19. «Library - Van Gogh Museum». www.vangoghmuseum.nl (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2019 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

«Website oficial do Museu» (em inglês) 

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Museu Van Gogh
Ícone de esboço Este artigo sobre um museu é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.