Nikkei 225

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Nota: Para outros significados de Nikkei, ver Nikkei (desambiguação).

Nikkei 225 ou Nikkei Stock Average (日経平均株価 Nikkei heikin kabuka?), mais comumente chamado de índice Nikkei ou Nikkei[1] é um índice do mercado de ações da Bolsa de Valores de Tóquio. É calculado diariamente pelo jornal Nihon Keizai Shimbun (The Nikkei) desde 1950. É um índice ponderado por preços e não por capitalização, que opera em ienes (JP¥) e seus componentes são revisados uma vez por ano. O Nikkei mede o desempenho de 225 grandes empresas de capital aberto no Japão em uma ampla gama de setores da indústria.[2] É um dos dois índices importantes da Bolsa de Valores de Tóquio, sendo o outro o Índice de Preços de Ações de Tóquio (TOPIX).

O Nikkei 225 começou a ser calculado em 7 de setembro de 1950; 70 anos atrás, calculado retroativamente até 16 de maio de 1949. Desde janeiro de 2010, o índice é atualizado a cada 15 segundos durante os pregões.

O Nikkei 225 Futures, lançado na Singapore Exchange (SGX) em 1986, na Osaka Securities Exchange (OSE) em 1988 e na Chicago Mercantile Exchange (CME) em 1990, é hoje um índice de futuros reconhecido internacionalmente.[3]

A média do Nikkei desviou-se drasticamente do modelo clássico de médias de ações, que crescem a uma taxa exponencial constante. A média atingiu seu máximo histórico em 29 de dezembro de 1989, durante o pico da bolha financeira e imobiliária no Japão, quando atingiu uma alta intradiária de 38.957,44, antes de fechar em 38.915,87, tendo crescido seis vezes durante a década. Posteriormente, perdeu quase todos esses ganhos, fechando em 7.054,98 em 10 de março de 2009 - 81,9% abaixo de seu pico quase vinte anos antes.[carece de fontes?]

Em 15 de março de 2011, o segundo dia útil após o grande terremoto no nordeste do Japão, o índice caiu mais de 10% para terminar em 8.605,15, uma perda de 1.015 pontos. O índice continuou a cair ao longo de 2011, chegando ao fundo em 8.160,01 em 25 de novembro, colocando-o em seu menor valor desde 31 de março de 2009. O Nikkei caiu mais de 17% em 2011, terminando o ano em 8.455,35, seu valor de fechamento de final de ano mais baixo em quase trinta anos, quando o índice terminou em 8.016,70 em 1982.[4]

O Nikkei começou 2013 perto de 10.600, atingindo um pico de 15.942 em maio. No entanto, pouco depois, caiu quase 10% antes de se recuperar, tornando-se o índice do mercado de ações mais volátil entre os mercados desenvolvidos. Em 2015, atingiu a marca de mais de 20.000; marcando um ganho de mais de 10.000 em dois anos, tornando-se um dos índices do mercado de ações de mais rápido crescimento no mundo. No entanto, em 2018, o crescimento do índice foi mais moderado, em torno da marca de 22.000.[carece de fontes?] Há a preocupação de que o aumento desde 2013 seja artificial e devido às compras pelo Banco do Japão (BJ).[5][6] Desde o início em 2013, até o final de 2017, o BJ detinha cerca de 75% de todos os fundos negociados em bolsa (ETFs) japoneses[7] e era um dos 10 principais acionistas de 90% dos 225 constituintes do Nikkei.[8][9]

Em 15 de fevereiro de 2021, a média Nikkei ultrapassou a marca de 30 mil pontos, devido aos fortes ganhos corporativos, dados do PIB do Japão e otimismo em relação a uma vacina COVID-19. Este é o nível mais alto que o índice alcançou em 30 anos.[10]

Valorização anual[11][editar | editar código-fonte]

1997 −21.19%
1998 −9.29%
1999 +36.79%
2000 −27.19%
2001 −23.52%
2002 −18.63%
2003 +24.45%
2004 +7.61%
2005 +40.24%
2006 +6.92%
2007 −11.13%
2008 −42.12%
2009 +19.04%
2010 −3.01%
2011 −17.34%
2012 +22.94%
2013 +56.72%
2014 +7.12%
2015 +9.07%
2016 +0.42%
2017 +19.10%

Componentes[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2018, o índice é composto pelas seguintes empresas:[12]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Têxteis e vestuário[editar | editar código-fonte]

Papel e pasta de papel[editar | editar código-fonte]

Produtos químicos[editar | editar código-fonte]

Farmacêuticas[editar | editar código-fonte]

Petróleo e carvão[editar | editar código-fonte]

Produtos de borracha[editar | editar código-fonte]

Vidro e cerâmica[editar | editar código-fonte]

Aço[editar | editar código-fonte]

Metais não ferrosos[editar | editar código-fonte]

Maquinaria[editar | editar código-fonte]

Maquinaria eléctrica[editar | editar código-fonte]

Construção naval[editar | editar código-fonte]

Indústria automobilística[editar | editar código-fonte]

Instrumentos de precisão[editar | editar código-fonte]

Outros produtos manufacturados[editar | editar código-fonte]

Pescas[editar | editar código-fonte]

Mineração[editar | editar código-fonte]

Construção[editar | editar código-fonte]

Comércio[editar | editar código-fonte]

Retalho[editar | editar código-fonte]

Bancos[editar | editar código-fonte]

Corretagem[editar | editar código-fonte]

Seguros[editar | editar código-fonte]

Outros serviços financeiros[editar | editar código-fonte]

Imobiliário[editar | editar código-fonte]

Transportes ferroviários e rodoviários[editar | editar código-fonte]

Outros transportes terrestres[editar | editar código-fonte]

Transportes marítimos[editar | editar código-fonte]

Transportes aéreos[editar | editar código-fonte]

Armazenagem[editar | editar código-fonte]

Comunicações[editar | editar código-fonte]

Energia eléctrica[editar | editar código-fonte]

Gás[editar | editar código-fonte]

Serviços[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. «the Nikkei index | meaning in the Cambridge English Dictionary». dictionary.cambridge.org (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2020 
  2. «Overview of the Nikkei 225 Stock Market Index» (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2021. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2018 
  3. «Nikkei Net Interactive» (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2021. Arquivado do original em 22 de dezembro de 2008 
  4. «Finfacts: Irish business, finance news on economics». FinFacts (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2021. Arquivado do original em 28 de outubro de 2019 
  5. «Japan Central Bank's ETF Shopping Spree Is Becoming a Worry». Bloomberg.com (em inglês). 18 de julho de 2017. Consultado em 12 de maio de 2021 
  6. «Japan's Central Bank Is Distorting the Market, Bourse Chief Says». Bloomberg.com (em inglês). 19 de julho de 2017. Consultado em 12 de maio de 2021 
  7. «Bank of Japan's $150 Billion ETF Binge Looks Likely to Slow Next Year». Bloomberg.com (em inglês). 10 de dezembro de 2017. Consultado em 12 de maio de 2021 
  8. Ren, Shuli. «BoJ Now A Top 10 Shareholder In 90% Of Nikkei 225». Barron's (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2021 
  9. Dillian, Jared. «What Happens When The Bank Of Japan Owns Everything?». Forbes (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2021 
  10. Nugumo, Jada (15 de fevereiro de 2021). «Nikkei index hits 30,000 for first time in three decades». Nikkei (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2021. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2021 
  11. «Historical Data (Nikkei 225)». indexes.Nikkei.co.jp. Nikkei 225 official site – Nikkei Inc. Consultado em 23 de outubro de 2017 
  12. «Components - Nikkei Indexes». indexes.nikkei.co.jp. Consultado em 12 de maio de 2021 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]