Mazda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Mazda (desambiguação).
Mazda Motor Corporation
Matsuda Kabushiki-gaisha
Atividade Automobilística
Fundação 1920
Fundador(es) Jujiro Matsuda
Sede Hiroshima,  Japão
Empregados 39.364 empregados (em 31 de março de 2008)
Produtos Automóveis
Faturamento 2,3 trilhões[1]
Website oficial Mazda Site de Web Global
Mazda Brasil

A Mazda Motor Corporation é uma empresa japonesa fabricante de veículos, com sede em Hiroshima.[2]

Origem[editar | editar código-fonte]

O nome Mazda teve origem em Aúra-Masda, o deus zoroastra. De igual modo, é bastante parecido com a fonética do nome do fundador da companhia, Jujiro Matsuda, que a criou em 1920 sob a denominação Toyo Cork Kogyo Co., Ltd.

A fabrica de máquinas-ferramentas teve início em 1929, sendo pouco tempo depois (1931) seguido de um veículo de carga de três rodas, o Mazdago. O primeiro carro, o Mazda R360 Coupé, um veículo de passageiros de duas portas, surgiu em 1960, e o Mazda Carol de quatro portas veio ao mundo em 1962. No ano seguinte, a produção automóvel acumulada atingiu um milhão de unidades.

O primeiro veículo da Mazda com motor Wankel (motor rotativo), o Mazda Cosmo Sports 110S, foi lançado em 1967. No grupo de carros notáveis que ajudou a construir a reputação da Mazda, podemos incluir também as introduções de 1977 do Mazda Familia (323) e do Mazda Capella (626). A herança no capítulo dos carros desportivos foi solidamente estabelecida pelo Mazda RX-7 (1978) e consolidada pelo Mazda MX-5, campeão mundial de vendas de carros desportivos de dois lugares, cujo lançamento data de 1989. O Mazda RX-8 foi lançado em 2003 com famoso motor Wankel Renesis é um aspirado de apenas 1,3 litros de capacidade, capaz de gerar impressionantes 250 cavalos de potência a 8500 rpm e 22,4 kgfm de binário a 7500 rpm, que faz 0–100 km/h 5,9 segundos.

Alianças de capital e proprietários[editar | editar código-fonte]

Em 1979 a Ford Motor Company adquiriu 25% das ações da Mazda e chegou a deter 34% em meados da década de 1990. Entre abril e setembro de 2015, a Ford vendeu os 2,1% das ações da Mazda lhe restavam da companhia japonesa, o que colocou termo ao processo gradual de desvinculação de capital iniciado após a crise financeira de 2008. Além de deter algumas ações, a Ford possui acordos de colaboração para a produção de alguns modelos.

Além da Ford, com 2,08% das ações, atualmente entre os proprietários de ações da Mazda estão alguns bancos: Japan Trustee Services Bank (4,66%); Master Trust Bank of Japan (4,48%); Mitsui Sumitomo Banking (2,14%); Chase Manhattan Bank (1,87%) e State Street Bank & Trust (1,62%); corporações: Itochu Corporation (1,78%); Sumitomo (1,78%); Morgan Stanley & Co. (1,37%) e Mitsui Sumitomo Insurance (1,36%); entre outros acionistas que somam 76,88%.

A Mazda também integra Joints Ventures com outras montadoras, especialmente com a própria Ford, na AutoAlliance (EUA e Tailândia) e Changan Ford Mazda (China); com a Sollers JSC na Rússia, sob o nomde de MNazda Sollers; e outras menores, como a Mazda Malaysia (Malásia) e a Mazda Motor Manufacturing (México). Possui contratos de produção com a Suzuki (Japão e Indonésia); Mitsubihi, Nissan, Press Kogyo, Isuzu (Japão); FAW Car (China), e parceria técnica com a poderosa Toyota, para a produção de veículos híbridos.[3][4][5]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

A Mazda esteve presente no Brasil entre os anos de 1990 e 2000 vendendo os modelos MX-3, MX-5, 626 e o Protege. Devido a Ford ser acionista da marca, a Mazda descontinuou as operações no Brasil para reduzir a concorrência interna.[6] Em dezembro de 2010, a Mazda anunciou o seu retorno ao Brasil e aos principais países emergentes, como a Índia, para cumprir a meta de venda de 2 milhões de veículos no mundo, transformando-se, este aviso, em rumores[7]. Houve ainda uma ideia de retorno ao mercado brasileiro em 2012, com a importação dos modelos produzidos no México, mas que não progediu por conta dos altos impostos e pela instabilidade política.

Em 2018, a aprovação do Rota 2030 e as mudanças políticas despertaram novamente o interesse, havendo até mesmo especulação de que a montadora estaria disposta a produzir modelos no Brasil a partir de 2021, em parceria com montadoras que tivessem plantas industriais ociosas, como as da CAOA Hyundai e HPE (montadora da Mitsubishi no Brasil), esta atualmente utilizada pela JAC Motors, em Goiás[8], que atualmente é considerado o quarto maior polo automotivo do país[9].

Modelos[editar | editar código-fonte]

Mazda RX3.
Mazda Millenia.
Motor rotatório Mazda.
Mazda T2000.
Mazda MPV.
Autozam AZ-1.
RX8 movido a hidrogênio.
Mazda Taiki.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Mazda Clube Portugal