Organização Indiana de Pesquisa Espacial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Organização Indiana de Pesquisa Espacial
Indian Space Research Organisation Logo.svg
Tipo
Concepção
Data
Precedido por
Indian National Committee for Space Research (en)
Funcionamento
Produto
Retenção
Proprietário
Proprietário

Organização Indiana de Pesquisa Espacial (em inglês: Indian Space Research Organisation - ISRO) é a agência espacial nacional da Índia, com sede em Bangalore. Ele opera sob o Departamento de Espaço (DOS), que é supervisionado diretamente pelo primeiro-ministro indiano, enquanto o presidente da ISRO também atua como executivo do DOS. A ISRO é a principal agência na Índia para realizar tarefas relacionadas a aplicações espaciais, exploração espacial e desenvolvimento de tecnologias relacionadas.[1] É uma das seis agências espaciais governamentais no mundo que possuem capacidade total de lançamento, implantam motores criogênicos, lançam missões extraterrestres e operam grandes frotas de satélites artificiais.[2][3]

O Comitê Nacional Indiano para Pesquisa Espacial (INCOSPAR) foi estabelecido por Jawaharlal Nehru sob o Departamento de Energia Atômica (DAE) em 1962, por insistência do cientista Vikram Sarabhai, reconhecendo a necessidade da pesquisa espacial. O INCOSPAR cresceu e se tornou ISRO em 1969, dentro do DAE.[4] Em 1972, o Governo da Índia estabeleceu a Comissão Espacial e o Departamento de Espaço (DOS), trazendo a ISRO sob o domínio do DOS. O estabelecimento da ISRO institucionalizou assim as atividades de pesquisa espacial na Índia.[5][6] Desde então, tem sido administrado pelo DOS, que governa várias outras instituições na Índia no domínio da astronomia e tecnologia espacial.[7]

A ISRO construiu o primeiro satélite da Índia, Aryabhata, que foi lançado pela União Soviética em 19 de abril de 1975.[8] Em 1980, a ISRO lançou o satélite RS-1 a bordo de seu próprio SLV-3, tornando a Índia o sexto país capaz de realizar lançamentos orbitais. O SLV-3 foi seguido pelo ASLV, que foi posteriormente sucedido pelo desenvolvimento de muitos veículos de lançamento de médio porte, motores de foguete e sistemas e redes de satélites, o que permitiu que a agência lançasse centenas de satélites nacionais e estrangeiros e várias missões espaciais para exploração espacial.

A ISRO possui a maior constelação de satélites de sensoriamento remoto do mundo e opera os dois sistemas de navegação por satélite GAGAN e NAVIC. Ele enviou duas missões para a Lua (Chandrayaan-1 e Chandrayaan-2) e uma para Marte. Os objetivos no futuro próximo incluem expandir a frota de satélites, pousar um rover na Lua, enviar humanos ao espaço, desenvolvimento de um motor semi-criogênico, enviar mais missões não tripuladas à Lua, Marte, Vênus e Sol, além da implantação de mais telescópios espaciais em órbita para observar fenômenos cósmicos e do espaço sideral além do Sistema Solar. Os planos de longo prazo incluem o desenvolvimento de lançadores reutilizáveis, veículos de lançamento pesados ​​e superpesados, implantação de uma estação espacial, envio de missões de exploração para planetas externos, como Júpiter, Urano, Netuno, e asteroides e missões tripuladas para luas e planetas. Os programas da ISRO desempenharam um papel significativo no desenvolvimento socioeconômico da Índia e apoiaram os domínios civil e militar em vários aspectos, incluindo gerenciamento de desastres, telemedicina e missões de navegação e reconhecimento. As tecnologias derivadas da ISRO também fundaram muitas inovações cruciais para as indústrias médica e de engenharia da Índia.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Foguete Arcas sendo carregado no tubo de lançamento na Estação de Lançamento de Tumba. Nos primeiros dias da ISRO, as peças de foguetes eram frequentemente transportados em bicicletas e carros de boi[9]

Formada em 1969, a ISRO substituiu o antigo Comitê Nacional Indiano de Pesquisas Espaciais (INCOSPAR), que foi criado em 1962 pelos esforços de primeiro-ministro Jawaharlal Nehru e seu assessor próximo e cientista Vikram Sarabhai. O estabelecimento de ISRO institucionalizou as atividades espaciais no país.[10] Ele é gerenciado pelo Departamento Espacial, que se reporta ao primeiro-ministro indiano.

A ISRO construiu o primeiro satélite da Índia, o Aryabhata, que foi lançado pela União Soviética em 19 de abril em 1975. Em 1980, Rohini se tornou o primeiro satélite a ser colocado em órbita por um veículo de lançamento indiano, o SLV-3. A ISRO, posteriormente, desenvolveu dois outros foguetes: o Polar Satellite Launch Vehicle (PSLV), para lançamento de satélites em órbitas polares, e o Geosynchronous Satellite Launch Vehicle (GSLV), para colocar satélites em órbitas geoestacionárias. Estes foguetes lançaram vários satélites de comunicações e de observação da Terra. Sistemas de navegação por satélite, como GAGAN e IRNSS, também foram implantados. Em janeiro de 2014, a ISRO utilizou com sucesso um motor criogênico em um lançamento do GSAT-14 em um GSLV-D5.[11][12]

Mars Orbiter Mission, sonda espacial indiana que orbita Marte desde 2014

A ISRO enviou um orbitador lunar, o Chandrayaan-1, em 22 de outubro de 2008, e um veículo orbital marciano, o Mars Orbiter Mission, que entrou com sucesso na órbita de Marte em 24 de setembro de 2014, evento que tornou a ISRO a quarta agência espacial no mundo, bem como a primeira agência espacial na Ásia a alcançar com sucesso a órbita marciana.[13]

Os planos futuros incluem o desenvolvimento do GSLV Mk III (para o lançamento de satélites mais pesados), o desenvolvimento de um veículo de lançamento reutilizável, voo espacial tripulado, outras missões de exploração lunar, sondas interplanetárias, etc.[14]

A ISRO realizou 75 missões espaciais, 46 missões de lançamento e 51 satélites estrangeiros foram lançados através dos veículos lançadores da agência indiana.[15] Em outubro de 2015, a ISRO concordou em lançar 23 satélites estrangeiros de nove países diferentes, como Argélia, Canadá, Alemanha, Indonésia, Japão, Singapura e Estados Unidos.[16]

Veículos de lançamento[editar | editar código-fonte]

Comparação de foguetes espaciais indianos. Da esquerda para direita: SLV, ASLV, PSLV, GSLV, GSLV Mark III

Durante as décadas de 1960 e 1970, a Índia iniciou seus próprios veículos de lançamento devido a considerações geopolíticas e econômicas. Nas décadas de 1960 e 1970, o país desenvolveu um foguete de sondagem e, na década de 1980, a pesquisa produziu o Satellite Launch Vehicle-3 e o mais avançado Augmented Satellite Launch Vehicle (ASLV), completo com infra-estrutura de apoio operacional.[87] A ISRO aplicou ainda mais suas energias no avanço da tecnologia de veículos lançadores, resultando na realização dos bem-sucedidos veículos PSLV, GSLV.

Satellite Launch Vehicle[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Satellite Launch Vehicle

O Satellite Launch Vehicle (conhecido como SLV-3) foi o primeiro foguete espacial a ser desenvolvido pela Índia. O lançamento inicial em 1979 foi um fracasso seguido por um lançamento bem-sucedido em 1980, abrindo caminho para a Índia no clube de países com capacidade de lançamento orbital. O desenvolvimento de foguetes maiores foi levado adiante.[17]

Augmented Satellite Launch Vehicle[editar | editar código-fonte]

O Augmented Satellite Launch Vehicle (ASLV) foi outro pequeno veículo lançador realizado na década de 1980 para desenvolver tecnologias necessárias para colocar satélites em órbita geoestacionária. A ISRO não tinha fundos adequados para desenvolver ASLV e PSLV de uma só vez. Como o ASLV sofreu repetidos fracassos, foi abandonado em favor de um novo projeto.[18][19]

Polar Satellite Launch Vehicle[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Polar Satellite Launch Vehicle
PSLV-C11 decola carregando Chandrayaan-1, primeira missão indiana à Lua.

O Polar Satellite Launch Vehicle (PSLV) é o primeiro veículo de lançamento médio da Índia que permitiu ao país lançar todos os seus satélites de sensoriamento remoto em órbita heliossíncrona. O PSLV teve uma falha em seu lançamento inaugural em 1993. Além de outras duas falhas parciais, PSLV tornou-se o principal cavalo de batalha para ISRO com mais de 50 lançamentos colocando centenas de satélites indianos e estrangeiros em órbita.[20]

Geosynchronous Satellite Launch Vehicle[editar | editar código-fonte]

O Geosynchronous Satellite Launch Vehicle (GSLV) foi concebido na década de 1990 para transferir cargas úteis significativas para a órbita geoestacionária. A ISRO inicialmente teve um grande problema no desenvolvimento do GSLV, pois o desenvolvimento do CE-7.5 na Índia levou uma década. Os Estados Unidos impediram a Índia de obter tecnologia criogênica da Rússia, o que induziu a Índia a desenvolver seus próprios motores criogênicos.[21]

GSLV Mark III[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: GSLV Mark III

O veículo de lançamento de satélite geossíncrono Mark III (GSLV Mk III), também conhecido como LVM3, é o foguete mais pesado em serviço operacional com a ISRO. Equipado com um motor criogênico e boosters mais potentes que o GSLV, ele tem uma capacidade de carga significativamente maior e permite que a Índia lance todos os seus satélites de comunicação.[22] Espera-se que o LVM3 leve a primeira missão tripulada da Índia ao espaço[23] e será o banco de testes para o motor SCE-200 que alimentará os foguetes de carga pesada da Índia no futuro.[24]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «ISRO – Vision and Mission Statements». ISRO. Consultado em 27 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2015 
  2. TE Narasimhan (7 de janeiro de 2014). «ISRO on cloud nine as India joins "cryo club"». Business Standard. Chennai. Consultado em 12 de março de 2021 
  3. Harvey, Smid & Pirard 2011, pp. 144–.
  4. «Government of India Atomic Energy Commission | Department of Atomic Energy». Consultado em 21 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2019 
  5. Bhargava & Chakrabarti 2003, pp. 39.
  6. Sadeh 2013, pp. 303-.
  7. «Department of Space and ISRO HQ - ISRO». Consultado em 28 de março de 2019. Cópia arquivada em 28 de março de 2019 
  8. «Aryabhata – ISRO». www.isro.gov.in. Consultado em 15 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2018 
  9. «Transported on a bicycle, launched from a church: The fascinating story of India's first rocket launch». India Today (em inglês). 22 de junho de 2016. Consultado em 12 de outubro de 2019 
  10. Eligar Sadeh (11 de fevereiro de 2013). Space Strategy in the 21st Century: Theory and Policy. [S.l.]: Routledge. pp. 303–. ISBN 978-1-136-22623-6 
  11. «GSLV-D5 - Indian cryogenic engine and stage» (PDF). Official ISRO website. Indian Space Research Organisation. Consultado em 29 de setembro de 2014. Arquivado do original (PDF) em 2 de setembro de 2013 
  12. «GSLV soars to space with Indian cryogenic engine». Spaceflight Now. 5 de janeiro de 2014. Consultado em 29 de setembro de 2014 
  13. Thomas, Arun. «Mangalyan». CNN 
  14. «About ISRO - Future Programme». ISRO official website. Indian Space Research Organisation. Consultado em 29 de setembro de 2014 
  15. Santanu Choudhury And Niharika Mandhana (30 de junho de 2014). «India Launches Five Foreign Satellites». WSJ. Consultado em 12 de junho de 2015 
  16. «ISRO to launch 6 Singapore satellites in December». NDTV 
  17. «First Successful Launch of SLV-3 - Silver Jubilee» (PDF). ISRO. Consultado em 15 de março de 2021 
  18. «Archived copy». Consultado em 19 de julho de 2009. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2009 
  19. Menon, Amarnath (15 de abril de 1987). «Setback in the sky». India Today. Consultado em 18 de janeiro de 2014 
  20. «PSLV (1)». Gunter's Space Page. Consultado em 21 de março de 2021 
  21. Subramanian, T S (17–31 de março de 2001). «The GSLV Quest». Frontline. Consultado em 16 de março de 2021 
  22. «'India masters rocket science': Here's why the new ISRO launch is special». Hindustan Times. 15 de novembro de 2018. Consultado em 19 de março de 2021 
  23. «Gaganyaan: Isro's unmanned space mission for December 2020 likely to be delayed». Business Standard. 16 de agosto de 2020. Consultado em 19 de março de 2021 – via Press Trust of India 
  24. «Episode 90 – An update on ISRO's activities with S Somanath and R Umamaheshwaran». AstrotalkUK. 24 de outubro de 2019. Consultado em 19 de março de 2021 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Organização Indiana de Pesquisa Espacial