Orindiúva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Orindiúva
Bandeira indisponível
Brasão de Orindiúva
Bandeira indisponível Brasão
Hino
Fundação 28 de fevereiro de 1964 (53 anos)
Emancipação 30 de abril de 1965
Gentílico orindiuvense
Prefeito(a) Mauricio Bronca (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Orindiúva
Localização de Orindiúva em São Paulo
Orindiúva está localizado em: Brasil
Orindiúva
Localização de Orindiúva no Brasil
20° 10' 55" S 49° 21' 03" O20° 10' 55" S 49° 21' 03" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião São José do Rio Preto IBGE/2008 [1]
Microrregião São José do Rio Preto IBGE/2008 [1]
Distância até a capital 522 km
Características geográficas
Área 248,1 km² [2]
População 5 675 hab. Censo IBGE/2010[2]
Densidade 22,87 hab./km²
Altitude 33 m
Clima Tropical cfa Cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,776 alto PNUD/2000 [3]
PIB R$ 94 820 mil IBGE/2009[4]
PIB per capita R$ 17 539,74 IBGE/2009[4]
Página oficial

Orindiúva é um município da Microrregião de São José do Rio Preto, no estado de São Paulo, no Brasil. Localiza-se a uma latitude de 20º10'56" sul e a uma longitude 49º21'05" oeste, estando a uma altitude de 633 metros. A cidade tem uma população de 5 675 habitantes (IBGE/2010), e área de 248,1 km².[2]

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Orindiúva" deriva de urindeúva, o termo da língua geral meridional para "aroeira". De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o topônimo foi criado em 1935, numa referência à grande quantidade desse tipo de árvore na região.[5]

História[editar | editar código-fonte]

De ocupação inicial ameríndia como todo o resto do território nacional, a atual cidade de Orindiúva originou-se em 1929 com o loteamento e venda de terrenos de dez a trinta alqueires oriundos da propriedade rural de Maria Batistina Dias. Uma área de três alqueires às margens do córrego Barreirão foi reservada para a formação do patrimônio da cidade. O nome inicial da localidade foi "Vila Toledo", em homenagem ao nome da família que doou parte do terreno para a formação do patrimônio da cidade. Dentre os moradores desse período, destacam-se as famílias de Francisco Tomaz de Aquino, Gil Cândido da Silva, Alcides Alves Ferreira, Herculano Muniz, Juca Dominiciano, Jerônimo Nunes e Veloso de Almeida, bem como as de inúmeros imigrantes espanhóis, italianos e japoneses. Inicialmente, a economia da cidade girou em torno do cultivo de arroz, milho e algodão. Em 1929, foi erguido um cruzeiro na praça da cidade. Também foi inaugurada uma capela dedicada a Santa Teresinha, a padroeira da cidade. Nessa época, os comerciantes Deolino Furtado, João Pires e Antônio Milanês se estabeleceram nas primeiras ruas da cidade, que foram projetadas pelo topógrafo Juca Veloso.[6]

Em 12 de março de 1935, a cidade foi elevada à categoria de distrito pertencente ao município de Olímpia, alterando seu nome para Orindiúva. Em 30 de novembro de 1938, passou a pertencer ao município de Paulo de Faria. Em 28 de fevereiro de 1964, obteve sua autonomia como município. A partir da década de 1970, cresceu o cultivo de cana-de-açúcar na cidade, destinado à produção de álcool.[7]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010:[2]

População total: 5 675

  • Urbana: 5 223
  • Rural: 452
  • Homens: 2 899[8]
  • Mulheres: 2 776

Densidade demográfica (habitantes por quilômetro quadrado): 22,87

Dados do Censo - 2000:

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 17,97

Expectativa de vida (anos): 70,13

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,36

Taxa de alfabetização: 89,76%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,776

  • IDH-M Renda: 0,715
  • IDH-M Longevidade: 0,752
  • IDH-M Educação: 0,862
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Orindiúva

(Fonte: IPEADATA)

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. a b c d «Censo Populacional 2010 - IBGE» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 17 de setembro de 2011 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2005-2009» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 27 de dezembro de 2011 
  5. NAVARRO, E. A. Dicionário de Tupi Antigo: a Língua Indígena Clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 590.
  6. SP Cidades. Disponível em http://spcidades.com.br/cidade.asp?codigo=573. Acesso em 22 de janeiro de 2017.
  7. SP Cidades. Disponível em http://spcidades.com.br/cidade.asp?codigo=573. Acesso em 22 de janeiro de 2017.
  8. «SIDRA IBGE - Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2010. Consultado em 17 de setembro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]