Otão III do Sacro Império Romano-Germânico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Otão III)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Otão III
Imperador Romano-Germânico e Rei da Itália
Reinado 21 de maio de 996
a 23 de janeiro de 1002
Coroação 21 de maio de 996
Antecessor(a) Otão II
Sucessor(a) Henrique II
Rei da Germânia
Reinado 25 de dezembro de 983
a 23 de janeiro de 1002
Predecessor Otão II
Sucessor Henrique II
Regentes
 
Casa Otoniana
Nascimento junho/julho de 980
Germânia, Sacro Império Romano-Germânico
Morte 23 de janeiro de 1002 (21 anos)
Civita Castellana, Itália, Sacro Império Romano-Germânico
Sepultamento Catedral de Aachen, Aachen, Alemanha
Pai Otão II do Sacro Império Romano-Germânico
Mãe Teofânia Escleraina

Otão III (junho/julho de 98023 de janeiro de 1002) foi o Imperador Romano-Germânico e Rei da Itália de 996 até sua morte, além de Rei da Germânia a partir de 983. Era filho do imperador Otão II e sua esposa Teofânia Escleraina.

Juventude[editar | editar código-fonte]

Otão nasceu em Cassel, uma localidade na cidade de Goch, no atual distrito de Cleves, pertencente ao estado da Renânia do Norte-Vestfália, na Alemanha. Foi proclamado rei da Germânia em Verona em junho de 983, quando tinha apenas três anos de idade, e coroado em Aachen (Aix-la-Chapelle) em 25 de dezembro do mesmo ano. Seu pai morreu quatro dias antes da cerimônia, mas a notícia de sua morte só chegou à Alemanha após a coroação.

No início de 984, Henrique II da Baviera, que havia sido deposto como duque da Baviera por Otão II, prendeu o pequeno Otão e forçou aceitarem sua regência como membro da casa reinante. Para reforçar sua posição, aliou-se ao rei Lotário de França. Willigis, o arcebispo de Mogúncia, líder do partido de Otão, induziu Henrique a liberar o jovem rei prisioneiro, recebendo de volta o Ducado da Baviera. Otão foi então devolvido a sua mãe, a princesa bizantina Teofânia Escleraina, que serviu de regente a partir de então. Ela abandonou a política imperialista de seu marido e devotou-se completamente a aumentar a aliança entre a Igreja e o Sacro Império Romano-Germânico. Ela não conseguiu, entretanto, evitar que a França se libertasse da influência alemã. Conseguiu tomar conta dos interesses nacionais do império no leste. Um de seus maiores sucessos foi conseguir manter a supremacia feudal sobre a Boêmia.

Após a morte de Teofânia Escleraina em 991, a avó de Otão, Adelaide da Itália, serviu como regente junto com Willigis até que Otão III atingisse a maioridade em 994.

Otão teve como mentores Bernuardo, o bispo de Hildesheim, e Gerberto de Aurillac, arcebispo de Reims.

Precedido por
Otão II
Rei da Alemanha
983 - 1002
Sucedido por
Henrique II
Precedido por
Otão II
Imperador Romano-Germânico
996 - 1002
Sucedido por
Henrique II
Precedido por
Otão II
Rei da Itália
Sucedido por
Henrique II


Ícone de esboço Este artigo sobre história da Alemanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.