Paragem de Real das Donas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a antiga paragem na Linha do Vouga. Se procura o antigo apeadeiro no Ramal de Matosinhos, veja Apeadeiro de Real. Se procura o apeadeiro na Linha da Beira Baixa, veja Apeadeiro de Donas.
Real das Donas
BSicon BAHN.svg
Linha(s): Linha do Vouga
(PK 120,847)
Coordenadas: 40° 43′ 56,02″ N, 8° 02′ 42,02″ O
Concelho: Vouzela
Encerramento: 1 de Janeiro de 1990

A Paragem de Real das Donas, originalmente conhecida como Real, foi uma interface da Linha do Vouga, que servia a localidade de Real das Donas, no Distrito de Viseu, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

Esta gare estava situada no lanço da Linha do Vouga entre Bodiosa e Vouzela, que entrou ao serviço em 5 de Fevereiro de 1914,[1] pela Compagnie Française pour la Construction et Exploitation des Chemins de Fer à l'Étranger.[2]

Nos horários de 1939, esta interface aparecia com o nome de Real.[3]

Em 1 de Janeiro de 1947, a exploração da Linha do Vouga passou para a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses.[4]

Em 2 de Janeiro de 1990, a empresa Caminhos de Ferro Portugueses encerrou o lanço entre Sernada do Vouga e Viseu.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 69 (1652). 16 de Outubro de 1956. p. 528-530. Consultado em 7 de Março de 2015 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  2. TORRES, Carlos Mitto (16 de Março de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 71 (1686). p. 133-140. Consultado em 7 de Março de 2015 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  3. «Viagens e Transportes» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 51 (1240). 16 de Agosto de 1939. p. 398. Consultado em 7 de Março de 2015 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  4. AGUILAR, Busquets de (1 de Junho de 1949). «A Evolução História dos Transportes Terrestres em Portugal» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 62 (1475). p. 383-393. Consultado em 7 de Março de 2015 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  5. «CP encerra nove troços ferroviários». Diário de Lisboa. Ano 69 (23150). Lisboa: Renascença Gráfica. 3 de Janeiro de 1990. p. 17. Consultado em 6 de Fevereiro de 2021 – via Casa Comum / Fundação Mário Soares 

Leitura recomendada[editar | editar código-fonte]

  • SILVA, José; RIBEIRO, Manuel (2007). Os Comboios em Portugal. Volume III 1ª ed. Lisboa: Terramar - Editores, Distribuidores e Livreiros, Lda. 203 páginas. ISBN 978-972-710-408-6 



Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.