Estação Ferroviária de Termas de São Pedro do Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a antiga estação na Linha do Vouga que servia as termas. Se procura a antiga estação na Linha do Vouga, veja Estação Ferroviária de São Pedro do Sul. Se procura a estação na Linha do Minho, veja Estação Ferroviária de São Pedro da Torre. Se procura a estação na Linha de Cascais, veja Estação Ferroviária de São Pedro do Estoril.
Termas de São Pedro do Sul
Encerramento 1 de Janeiro de 1990
Linha(s) Linha do Vouga
(PK 110,005)
Coordenadas
Concelho São Pedro do Sul

A Estação Ferroviária de Termas de São Pedro do Sul foi uma interface da Linha do Vouga, que servia a localidade e a estância termal de São Pedro do Sul, no Distrito de Viseu, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

Mapa da Rede do Vouga em 1944, incluindo a estação de Termas de São Pedro do Sul.

Planeamento e inauguração[editar | editar código-fonte]

Esta estação fazia parte do troço entre Bodiosa e Vouzela, que abriu à exploração em 5 de Fevereiro de 1914.[1], tendo sido construído pela Compagnie Française pour la Construction et Exploitation des Chemins de Fer à l'Étranger.[2]

Em 10 de Agosto de 1926, a Companhia Nacional de Caminhos de Ferro, em combinação com a Companhia do Vouga, organizou comboios rápidos de luxo de Santa Comba Dão, onde ligavam com os rápidos da Beira Alta, até às Termas de São Pedro do Sul, passando por Tondela, Viseu e São Pedro do Sul.[3]

Transição para a CP[editar | editar código-fonte]

Em 1 de Janeiro de 1947, a exploração da Linha do Vouga passou para a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses.[4]

A estação situava-se num ponto elevado, de difícil acesso para automóveis e peões[5], pelo que o jornalista e escritor José da Guerra Maio defendeu, na Década de 1950, uma alteração no traçado da Linha do Vouga, de forma a servir de forma melhor a estância termal, que naquela altura era uma das principais no país.[6] Propunha que, com uma larga curva e contra-curva, o local da estação podia ser mudado para o topo da Avenida ao longo do Rio Vouga, junto ao Palace Hotel.[6]

Encerramento[editar | editar código-fonte]

O troço entre Sernada do Vouga e Viseu foi encerrado no dia 1 de Janeiro de 1990.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 69 (1652). 16 de Outubro de 1956. p. 528-530. Consultado em 11 de Março de 2015. 
  2. TORRES, Carlos Manitto (16 de Março de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 71 (1686). p. 133-140. Consultado em 11 de Março de 2015. 
  3. «Viagens e Transportes» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 39 (928). 16 de Agosto de 1926. p. 255. Consultado em 11 de Março de 2015. 
  4. AGUILAR, Busquets de (1 de Junho de 1949). «A Evolução História dos Transportes Terrestres em Portugal» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 62 (1475). p. 383-393. Consultado em 11 de Março de 2015. 
  5. MAIO, Guerra (1 de Março de 1956). «Anomalias Ferroviárias» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 68 (1637). p. 122-123. Consultado em 6 de Março de 2016. 
  6. a b Predefinição:Citar autor
  7. SILVA e RIBEIRO, p. 69

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SILVA, José Ribeiro da; RIBEIRO, Manuel (2007). Os Comboios em Portugal. III 1ª ed. Lisboa: Terramar - Editores, Distribuidores e Livreiros, Lda. 203 páginas. ISBN 978-972-710-408-6 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.