Paranoá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura o lago de mesmo nome, veja Lago Paranoá.
Região Administrativa do Paranoá
Bandeira do Paranoá
Bandeira
Região Administrativa VII
Fundação: 25 de outubro de 1957 (64 anos)
Lei de criação: 4545 de 10 de dezembro de 1964

Mapa do Paranoá

Limites: São Sebastião, Jardim Botânico, Lago Sul, Plano Piloto, Lago Norte, Itapoã, Sobradinho, Planaltina, Formosa (GO), Cabeceira Grande (MG) e Cristalina (GO)
Distância de Brasília: km
Administrador(a): Sérgio Costa Damaceno[1]
Área  
 - Total 853,33 km²
População  
 - Total 46.527[2] habitantes '
Site governamental www.paranoa.df.gov.br
Praça Central Paranoá após revitalização

Paranoá é uma região administrativa do Distrito Federal brasileiro.

História[editar | editar código-fonte]

Letreiro da Entrada de Paranoá

A Vila Paranoá foi um dos acampamentos remanescentes da época da construção de Brasília. Foi fundada em 1957, quando da implantação dos canteiros de obras para a construção da Barragem do Lago Paranoá. Após a inauguração de Brasília, em 1960, os habitantes permaneceram no local, devido à necessidade de conclusão das obras da usina hidrelétrica. Ao longo dos anos, foram agregando-se à estrutura do antigo acampamento vilas de moradias. Na década de 1980, era considerada uma das maiores invasões do Distrito Federal. O Paranoá foi fixado mediante Decreto do Governo do Distrito Federal, como consequência da longa trajetória de resistência e luta dos moradores. No entanto, a fixação não ocorreu na área original. Tem uma população de aproximadamente 46 mil pessoas, bem localizada e particularmente planejada com uma avenida que corta toda cidade, com várias quadras e praças para o lazer.

As missas eram realizadas em um barracão e, após mobilização da comunidade, foi construída a Igreja São Geraldo. Na antiga área, restaram alguns edifícios públicos e comunitários, entre eles, a Igreja São Geraldo, erguida durante o período da construção da barragem.

Após a fixação da Vila Paranoá, a área do antigo acampamento tornou-se um parque ecológico, aprovado pelo então Conselho de Arquitetura, Urbanismo e Meio Ambiente (Cauma) em 3 de junho de 1992 e instituído pelo Governo do Distrito Federal por meio do Decreto 15899/94.[3] O objetivo dessa área do parque é preservar a vegetação da antiga Vila, árvores frutíferas plantadas pelas famílias e as edificações remanescentes como memória do antigo espaço. O Parque Vivencial de Paranoá é um marco histórico para a memória daquele núcleo pioneiro. Sua preservação e valorização, como testemunho da construção de Brasília, partiu de reivindicação da própria comunidade que residia no local.

No final da década de 1970, a construção inicial sofreu acréscimo de duas outras construções precárias, que serviram para abrigar as funções paroquiais. Essa intervenção alterou a forma original e não compõe o volume do bem tombado.

Vista de Brasília a partir do Parque Vivencial de Paranoá

Em 1993, a Igreja São Geraldo, símbolo da fixação, foi tombada pelo Patrimônio Histórico e Artístico do Distrito Federal, pelo decreto 15156/93. Em 2005 ela desabou, restando apenas as antigas escadas.[3]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Relevo e Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O Distrito Federal situa-se no Planalto Central, com média altimétrica de cerca de 1050 metros. O Distrito Federal está inserido na bacia hidrográfica do Tocantins-Araguaia e é banhado por diversos rios, entre eles o rio Maranhão, o rio São Bartolomeu, o rio Descoberto e o rio Preto. O Distrito Federal também possui o Lago Paranoá.

Clima[editar | editar código-fonte]

O Distrito Federal está inserido em clima tropical, cuja temperatura média se ecnontra em 22°C, com variações de 13°C a 28°C a depender da época do ano.[4]

O período que apresenta mais chuvas compreende o fim da primavera até o fim do verão, ou seja, os meses de outubro a abril. Entre os meses de maio a setembro, o clima é seco, de baixa de umidade e apresenta temperaturas extremas.[4]

Fonte Praça Central Paranoá após revitalização

Demografia[editar | editar código-fonte]

Até 2018, o Paranoá era de 65.533 pessoas, de acordo com a PDAD 2018. Destas, 52,1% são do sexo feminino e tem, em média, 29,5 anos.[5]

Quanto à cor da pele, a maioria dos moradores (53,2%) se declarou parda e, no tocante a estado civil, 59,7% da população maior de 14 anos se declarou como solteira.[5]

À respeito da origem dos moradores do Paranoá, 38,8% declarou não ter nascido no Distrito Federal e, dentre estes que nasceram em outros os estados, o estado da Bahia predominou entre as respostas. A principal razão da movimentação entre UF's foi acompanhar parentes.[5]

Acerca de pessoas com deficiência, 80,1% dos moradores do Paranoá relataram ter nennhuma dificuldade para enxergar; 97,8% relataram ter nenhuma dificuldade para escutar; 95,7% informaram ter nenhuma dificuldade para caminhar; e 97,8% relataram ter nenhuma deficiência mental ou intelectual.[5]

Quanto à escolaridade dos moradores do Paranoá, 96,4% deles, com 5 anos ou mais, são alfabetizados. Das pessoas entre 4 e 24 anos de idade, 63,5% afirmou frequentar escole pública. Dentre aqueles que frequentavam a escola, até 2018, 33,3% estudavam fora da RA Paranoá. O principal meio de transporte de casa até a escola dos moradores do paranoá era a pé, para 40,7% dos estudantes, e 45,2% deles levava até 15 minutos de trajeto.[5]

Até 2018, 52,4% dos moradores do Paranoá com mais de 14 anos estavam ocupadas, quando perguntados sobre trabalho nos últimos 30 anos. Dentre a popoulação de 18 a 29 anos, 36% não estudava nem trabalhava. 71% dos ocupados exerciam sua profissão no setor de Serviços e, a maioria o fazia no Plano Piloto. A ocupação exercida mais comum entre os ocupados moradores do Paranoá era de empregado (56,9%).[5]

Para se deslocarem ao trabalho, 60,6% dos ocupados utilizavam-se de ônibus, enquanto 26% utilizava-se de automóvel e o restante fazia o trajeto a pé. O tempo de duração deste trajeto mais informado foi de 30 a 45 minutos.[5]

A respeito das características dos domicílios do Paranoá, mais de 19 mil unidades estavam ocupadas até 2018, com média de 3,43 moradores por habitação. 65,2% dos domicílios eram casas e a maioria era classificada como própria. Acerca de sua estrutura, 89,5% possuía parede externa de alvenaria com revestimento e mais de 95% apresentava piso de cerâmica ou madeira. Em 37,1% dos domicílios, o telhado era de fibrocimento e sem laje.[5]

Política e Administração[editar | editar código-fonte]

O Distrito Federal se divide em 33 Regiões Administrativas (RA). São elas:

  • Plano Piloto;
  • Gama;
  • Taguatinga;
  • Brazlândia;
  • Sobradinho;
  • Planaltina;
  • Paranoá;
  • Núcleo Bandeirante;
  • Ceilândia;
  • Guará;
  • Cruzeiro;
  • Samambaia;
  • Santa Maria;
  • São Sebastião;
  • Recanto das Emas;
  • Lago Sul;
  • Riacho Fundo;
  • Lago Norte;
  • Candangolândia;
  • Águas Claras;
  • Riacho Fundo 2;
  • Sudoeste/Octogonal;
  • Varjão;
  • Park Way;
  • Estrutural;
  • Sobradinho II;
  • Jardim Botânico;
  • Itapoã;
  • SIA;
  • Vicente Pires;
  • Fercal;
  • Sol Nascente;
  • Arniqueira.

O Governo do Distrito Federal tem seu poder executivo representado por um Governador, enquanto seu poder legislativo é representado por 24 deputados distritais. Estes exercem funções acumuladas de deputados estaduais e vereadores adaptadas à realidade do Distrito Federal.

Em relação às Regiões Administrativas, cada uma delas possui um administrador regional nomeado pelo Governo do Distrito Federal, com permissão de participação popular nesta escolha.

Economia[editar | editar código-fonte]

Em relação ao rendimento bruto do trabalho principal dos moradores do Paranoá, cerca de 2,5% destes recebia mais de 5 salários mínios; 18,1% tinham seus rendimentos entre 2 a 5 salários mínimos; 55,9% dos moradores recebiam de 1 a 2 salários mínimos e; 23,1% dos moradores tinham sua renda principal avaliada em até 1 salário mínimo.[5]

No Paranoá, 7,1% dos domicílios têm rendimento acima de 5 salários mínimos; 43,6% dos domicícios possuem renda familiar entre 2 e 5 salários; 29,3% dos domicílios possuem renda familiar entre 1 e 2 salários mínimos e; 18,3% dos domicílios apresentam renda familiar de até 1 salário mínimo.[5]

O valor médio de remuneração de trabalho principal dos moradores do Paranoá, até 2018, era de R$ 1.562,99 e a renda domiciliar média era de R$ 2.389,5.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Perfil do administrador». Administração Regional do Paranoá. 1 de janeiro de 2019. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  2. «Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios - 2010/2011» (PDF). Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan). Agosto de 2012. Consultado em 25 de agosto de 2012 
  3. a b Paranoá em quadros e versos - Gersion de Castro ISBN 978-85-909206-0-1.
  4. a b «Dados Climáticos». ProjetEEE. Consultado em 9 de junho de 2022 
  5. a b c d e f g h i j k Codeplan, Codeplan (2018). «Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios - PDAD» (PDF). Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios - PDAD. Consultado em 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Paranoá