Política da Gronelândia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Coat of arms of Greenland.svg
Kim Kielsen
Chefe de Governo da Groenlândia

A política da Groenlândia é caracterizada por um sistema de governo parlamentarista, democrático e pluripartidário, no qual o primeiro-ministro é o chefe de governo, eleito pelo parlamento. A Groenlândia é uma dependência da Dinamarca, organizada como uma unidade administrativa ultramarina autônoma desde 1979.

O Poder Executivo é exercido pelo governo e o Legislativo, tanto pelo governo quanto pelo Parlamento da Groenlândia (groenlandês: Inatsisartut/dinamarquês: Landsting). O Judiciário é independente dos demais Poderes. O chefe de Estado é a rainha da Dinamarca, representada por um Alto Comissário.

A política partidária é dominada pelo social-democrata Avante (Siumut), pelo separatista e socialista Partido do Povo (Inuit Ataqatigiit) e pelo conservador liberal Partido da Comunidade (Atassut).

O parlamento groenlandês (Inatsisartut) é unicameral, com 31 assentos ocupados por membros eleitos pelo voto direto para mandatos de quatro anos, por meio do sistema da representação proporcional. Ademais, dois parlamentares são eleitos para o parlamento da Dinamarca.

A Dinamarca é responsável pelas relações exteriores da Groenlândia.

Partidos políticos da Groenlândia[editar | editar código-fonte]

Partido Ideologia
Partido do Povo
Inuit Ataqatigiit
Esquerda
Avante
Siumut
Social-democracia
Partido da Comunidade
Atassut
Liberalismo
Partido dos Democratas
Demokraatit
Liberalismo
Partido Naleraq
Partii Naleraq
Centrismo

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre política é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.