Ribeirão Serra Azul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ribeirão Serra Azul
Nascente Freitas, Itaúna[1]
Altitude da nascente 1.160[1] m
Foz Rio Paraopeba
Altitude da foz 815[2] m
País(es)  Brasil

O ribeirão Serra Azul é um curso de água do estado de Minas Gerais, no Brasil. Tem sua nascente localizada na Serra Azul, no município de Itaúna. O ribeirão é o principal formador do reservatório de Serra Azul, que abastece a Região Metropolitana de Belo Horizonte. É afluente do rio Paraopeba e subafluente do rio São Francisco.

Nascente[editar | editar código-fonte]

A principal nascente do ribeirão Serra Azul localiza-se na serra Azul, próximo à comunidade rural de Freitas, em Itaúna, onde é conhecido pelo nome ribeirão dos Freitas. Após a confluência com o córrego da Matinha, ou Mato Frio, ainda em Itaúna, passa a receber o nome de ribeirão Serra Azul.[1]

Represa de Serra Azul[editar | editar código-fonte]

Represa[editar | editar código-fonte]

O ribeirão Serra Azul é barrado no município de Juatuba para represamento da água. O empreendimento, denominado Sistema Serra Azul, pertence à Companhia de Saneamento de Minas Gerais (COPASA). A represa é a terceira maior do Sistema Integrado do Paraopeba. Nesse sistema as populações são atendidas conjuntamente pelos sistemas de abastecimento do rio Manso, Serra Azul e Vargem das Flores.[3][4]

A represa é formada pelos cursos de água do ribeirão Serra Azul, córrego do Brejo, córrego Sobradinho, ribeirão do Diogo, córrego Curralinho, córrego Potreiro e córrego da Estiva.[2][1] e inunda uma área nos municípios de Igarapé, Mateus Leme e Juatuba. A água é captada numa vazão de 2.940 litros por segundo[5] para fornecimento à população da Região Metropolitana de Belo Horizonte.

APE Manancial Serra Azul[editar | editar código-fonte]

Para proteger o manancial da represa Serra Azul e garantir o represamento de água com qualidade, o Governo Mineiro criou, pelo decreto 20.792 de 08/07/80, a Área de Proteção Especial (APE) Manancial Serra Azul. A APE é classificada como Unidade de Conservação de Uso Sustentável e protege uma área de 26.058 hectares a montante do ponto de barramento do Ribeirão Serra Azul, que compreende porções dos territórios dos municípios de Igarapé, Itaúna, Juatuba e Mateus Leme, conforme quadro abaixo.[6][7][8]

Município Área do Município / ha Área da UC dentro do Muncípio / ha Percentagem da UC em relação ao Município Percentagem da UC dentro do Município
Igarapé 11.008 7.000 63,59% 26,86%
Itaúna 49.575 3.184 6,42% 12,22%
Juatuba 9.714 457 4,70% 1,76%
Mateus Leme 30.313 15.417 50,86% 59,16%

A vegetação do manancial é característica do Cerrado, com variações da Mata de Galeria, Cerradão, Campo Sujo, Campo Limpo e mata estacional semidecidual. Presença de espécies da flora típica do cerrado, tais como: Aroeira, angico-branco, jacarandá, ipê-amarelo, cedro, vinhático-do-cerrado e barbatimão.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «Carta do Brasil - Igarapé». Biblioteca Central do IBGE. 19 de setembro de 2016 
  2. a b «Carta do Brasil - Esmeraldas». Biblioteca Central do IBGE. 19 de setembro de 2016 
  3. a b «APE Manancial Serra Azul». Companhia de Saneamento de Minas Gerais – COPASA. 29 de setembro de 2016 
  4. «Parecer Único SUPRAM CM n.º 238/2010» (PDF). Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável – SEMAD. 18 de junho de 2010 
  5. «Publicação de Processos Deferidos». Instituto Mineiro de Gestão de Águas – IGAM. 8 de agosto de 2014 
  6. «Decreto nº 20.792 de 8 de setembro de 1980» (PDF). Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável – SEMAD. 29 de setembro de 2016 
  7. «Lista das APEE do Estado de Minas Gerais». Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável – SEMAD. 29 de setembro de 2016 
  8. «Lei adapta classificação de áreas de proteção de mananciais em Minas Gerais aos parâmetros da legislação federal». Instituto Estadual de Florestas. 13 de janeiro de 2011