Sistema de amortização constante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O sistema de amortização constante (SAC) é uma forma de amortização de um empréstimo por prestações que incluem os juros, amortizando assim partes iguais do valor total do empréstimo.

Funcionamento[editar | editar código-fonte]

Neste sistema o saldo devedor é reembolsado em valores de amortização iguais[1]. Desta forma, no sistema SAC o valor das prestações é decrescente, já que os juros diminuem a cada prestação. O valor da amortização é calculado, dividindo-se o valor do principal pelo número de períodos de pagamento, ou seja, de parcelas. Por sua vez, os juros são calculados sobre o saldo devedor, multiplicando-se a taxa pelo saldo. Finalmente, a soma da amortização e dos juros resultam no valor da parcela.

O SAC é um dos tipos de sistema de amortização utilizados em financiamentos imobiliários. A principal característica do SAC é que ele amortiza um percentual fixo do valor principal (emissão), desde o início do financiamento. Esse percentual de amortização é sempre o mesmo, o que faz com que a parcela de amortização da dívida seja maior no início do financiamento, fazendo com que o saldo devedor caia mais rapidamente do que em outros mecanismos de amortização.

As parcelas no método SAC têm valores diferentes a cada mês, são decrescentes. Por isso o sistema PRICE, com valores de parcelas iguais, é mais usado para aplicações que requerem mais previsibilidade nas parcelas, como aposentadorias e pensões[2].

Cálculo[editar | editar código-fonte]

O SAC usa Amortizações constantes. Todas as parcelas de Amortização (A) são iguais. Os juros são compostos e aplicados sobre o saldo devedor. Para calcular o valor das parcelas de um empréstimo, temos que descobrir o valor da amortização e, em seguida, calcular os juros sobre os saldos devedores. O valor das parcelas de cada mês é a soma da amortização com os juros daquele mês. Como o valor dos juros é decrescente, cada parcela é diferente no SAC e as parcelas são decrescentes.

Tomemos como exemplo um empréstimo de R$ 1 000,00 com taxa de juros de 3% ao mês a ser pago em 4 parcelas mensais. Para calcular o valor da parcela, começamos calculando o valor da amortização, que é constante, então:

Os juros são aplicados sobre o saldo devedor (SD), sendo seu valor:

A parcela mensal (pmt), por sua vez é a soma da Amortização (A) com os Juros (J):

Aplicando essas fórmulas, temos a seguinte evolução do saldo devedor para o exemplo acima:

Período

Saldo Devedor

- A

Parcela

Juros

Amortização (A)

0 R$ 1.000,00
1 R$ 750,00 R$ 280,00 R$ 30,00 R$ 250,00
2 R$ 500,00 R$ 272,50 R$ 22,50 R$ 250,00
3 R$ 250,00 R$ 265,00 R$ 15,00 R$ 250,00
4 0,00 R$ 257,50 R$ 7,50 R$ 250,00

Note que todos os valores de Amortização (A) são iguais, conforme o nome do método: "cmortizações constantes".

Legenda[editar | editar código-fonte]
  • SD - saldo devedor
  • i - taxa de juros
  • J - valor do juros
  • n - número de parcelas
  • pmt - valor da parcela
  • A - amortização

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Puccini, Abelardo de Lima. Matemática financeira: Objetiva e aplicada. [S.l.]: Saraiva Educação S.A. 
  2. «Tabela Price e SAC: qual é melhor para pagar menos financiamento no imóvel?». economia.uol.com.br. Consultado em 27 de maio de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Em português
Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.