Tata Amaral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tata Amaral
Nome completo Márcia Lellis de Souza Amaral
Nascimento 19 de setembro de 1960 (60 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileira
Ocupação
Período de atividade 1986-presente

Márcia Lellis de Souza Amaral, de nome profissional Tata Amaral (São Paulo, 19 de setembro de 1960), é uma cineasta brasileira citada por vários críticos como uma das mais importantes realizadoras do cinema brasileiro a partir da década de 1990.[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Tata Amaral estudou no colégio Equipe, em São Paulo. Entre os 17 e os 18 anos casou, entrou para a organização de esquerda Liberdade e Luta, teve uma filha e perdeu o marido num acidente. Foi aprovada nos vestibulares para jornalismo e história na Universidade de São Paulo mas, como não tinha concluído o segundo grau, não pôde seguir nenhum dos cursos. Em 1982 fez supletivo e passou a frequentar, como ouvinte, as aulas do curso de cinema na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Lá conheceu o professor Jean-Claude Bernardet, que viria a ser seu parceiro em vários roteiros.[3]

Entre 1986 e 1994, realizou vários curtas-metragens, alguns deles em parceria com Francisco Cesar Filho, então seu companheiro. Recebeu vários prêmios nacionais e concorreu em festivais e mostras internacionais, participando ativamente do momento que ficou conhecido como Primavera do Curta Brasileiro. Realizou ainda diversas vídeo-instalações, destacando-se pela experimentação de linguagens e meios.[3]

Em 1997 realizou seu primeiro longa-metragem, Um Céu de Estrelas, premiado nos festivais de Brasília, Boston, Trieste, Créteil e Havana[4] e considerado pela crítica um dos filmes brasileiros mais importantes da década.[5]

Em sociedade com sua filha Caru Alves de Souza, criou em 2006 a produtora Tangerina Entretenimento.[6]

Seu terceiro longa, Antônia, filmado em São Paulo em 2005[7] e lançado em 2006, retrata grupo de cantoras de rap de Brasilândia, formado por Negra Li, Cindy Mendes, Leilah Moreno e Quelynah, lidando com um cotidiano de violência, pobreza e machismo para realizar o sonho de viver do música.[8][9] Gerou a série de mesmo nome, produzida pela O2 Filmes e exibida pela Rede Globo,[10] que continuava a história do filme,[8] sendo exibida em duas temporada entre 2006 e 2007, e indicada ao prêmio Emmy Internacional em 2007.[11][12]

Ainda em 2007, Tata Amaral publicou pela editora O Nome da Rosa, o livro Hollywood: Depois do Terreno Baldio, de contos e relatos colhidos na pesquisa para a produção de Antônia.[13][14]

Trago Comigo, a minissérie que dirigiu para TV Cultura e Sesc TV, concorreu a 4 prêmios no Prêmio Qualidade Brasil em 2009: melhor minissérie, melhor autor, melhor ator e melhor diretora. Em 2016, Trago Comigo foi lançado como longa-metragem, com a metade da duração, mas com algumas cenas que não haviam sido incluídas na minissérie.[15]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ano Título Tipo Notas Ref.
1986 Queremos as Ondas do Ar! Documentário curta-metragem codireção de Francisco César Filho [16]
Poema: Cidade Curta-metragem codireção de Francisco César Filho [17]
Mude Seu Dial: Um Rádio-Clip com as Ondas do Ar codireção de Francisco César Filho
1987 SP Pan 360°
1988 História Familiar [18]
1991 Viver a Vida [19]
1992 Orgulho [19]
1993 Não Usar o Santo Nome em Vão Vídeo-minuto Série "Os Dez Mandamentos"
1994 O Cinturão de Hipólita
1997 Um Céu de Estrelas Longa-metragem [4]
2000 Através da Janela [20]
2001 VinteDez Curta-metragem codireção de Francisco César Filho
2002 Jukebox Vídeo instalação
2003 Vila Ipojuca Curta-metragem
2004 Jukebox 2: Um esboço para Antônia Vídeo instalação Realizado através de bolsa da Fundação Vitae
2006 Antônia Longa-metragem [21][9]
2006 Antônia Série de televisão Exibida pela Rede Globo, é baseada no filme homônimo;
Episódios: "Qualquer Maneira de Amor Vale a Pena?" e "Pobres e Famosas"
[10][8]
2009 Trago Comigo Minissérie Exibido pela TV Cultura
O Rei do Carimã Documentário Integrante da série DOCTV IV/ DOC TV SP III, da TV Cultura
Trago Comigo Minissérie
2010 Carnaval dos Deuses Curta-metragem
2011 Hoje Longa-metragem Baseado no livro Prova Contrária de Fernando Bonassi [22]
2015-2016 Psi Série de televisão Produzida e exibida pelo HBO Brasil;
Episódios: "O Paciente Americano", "Semana da Moda", "O Contador: Parte 1" e "O Contador: Parte 2"
2016 Trago Comigo Longa-metragem Filme montado a partir da minissérie homônima de 2009
2018 Sequestro Relâmpago Baseado na história real da artista Ana Beatriz Elorza [23][24]

Premiações[editar | editar código-fonte]

Ano Premiação Categoria Trabalho Resultado Ref.
1987 Festival de Cinema do Maranhão Troféu Guarnicê de Melhor Filme Poema: Cidade Venceu
1991 Jornada de Cinema da Bahia Prêmio Tatu de Ouro de Melhor Filme Viver a Vida Venceu
Festival de Gramado Kikito de Melhor Roteiro Venceu
Festival de Brasília do Cinema Brasileiro Prêmios Candango de Melhor Filme pelo Júri Popular Venceu
Melhor Direção pelo Júri Oficial Venceu
1992 Festival Guarnicê de Cinema Troféu Guarnicê de Melhor Filme Venceu
1996 Festival de Brasília do Cinema Brasileiro Prêmio Especial da Crítica Um Céu de Estrelas Venceu [25]
Menção Honrosa (concedida pela UNESCO) Venceu
Troféu Glauber Rocha de Melhor Direção Venceu
Troféu Candango de Melhor Direção Venceu
Festival de Cinema e Cultura da Américas de Biarritz Prêmio Especial do Júri Venceu [26]
1997 Festival de Films de Femmes de Créteil Prêmio Especial do Júri Venceu [27]
Festival Latinoamericano de Boston Melhor Filme Venceu [28]
Festival del Cinema Latino Americano di Trieste Melhor Filme Venceu [29]
Festival Internacional del Nuevo Cine Latinoamericano de La Habana Prêmio Coral de Melhor Ópera Prima (Primeiro Trabalho) Venceu [30]
Melhor Montagem Venceu
2006 Melhor Som "Antônia" Venceu
Prêmio Roque Dalton, concedido pela Rádio Habana Cuba Venceu
Mostra Internacional de Cinema de São Paulo Prêmio Petrobras Cultural de Difusão - Melhor Longa Brasileiro de Ficção Venceu [31]
Festival de Cinema Brasileiro de Goiânia Melhor Ator Coadjuvante Venceu
Melhor Fotografia Venceu
Melhor Som
2007 Festival de Cinema de Zlín (Festival Internacional de Cinema Infantil e Juvenil) Prêmio do Júri Ecumênico Venceu [32]
Troféu Menina de Ouro Venceu [33]
Festival de Brasília do Cinema Brasileiro Troféu Candango de Melhor Filme "Hoje" Venceu [34]

Referências

  1. Oricchio, Luiz Zanin (2003). Cinema de Novo - Um Balanço Crítico da Retomada. São Paulo: Estação Liberdade. p. 229-231. 254 páginas. ISBN 9788574480787 
  2. Nagib, Lúcia (2003). «The New Brazilian Cinema». Framework (em inglês) (42). Detroit: Wayne State University Press. 320 páginas 
  3. a b Nagib, Lúcia (2002). O Cinema da Retomada: Depoimentos de 90 Cineastas dos Anos 90. São Paulo: Editora 34. p. 42-47. 526 páginas. ISBN 8573262540 
  4. a b «Filmografia - Viver a Vida». Cinemateca Brasileira. Consultado em 18 de junho de 2016 
  5. «Os melhores filmes brasileiros de todos os tempos». Especial. Folha de S.Paulo. Consultado em 18 de junho de 2016 
  6. «Produtora | Tangerina Entretenimento». Tangerina Entretenimento. Consultado em 25 de fevereiro de 2020 
  7. Neves, Cássio Gomes (12 de maio de 2002). «Novo filme de Tata Amaral será rodado no ABC». Diário do Grande ABC. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  8. a b c «Tata Amaral fala de "Antonia", série baseada no filme estréia dia 17 na Globo». UOL Cinema. UOL. 1 de novembro de 2006. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  9. a b «Antônia». Globo Filmes. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  10. a b Mello, Marina Campos (9 de novembro de 2006). «Globo estréia série "Antônia", que traz as feministas da periferia». UOL Televisão. UOL. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  11. Castro, Daniel (8 de outubro de 2007). «Brasil bate recorde de indicações no Emmy». Folha de S.Paulo. Consultado em 25 de fevereiro de 2020 
  12. Guider, Elizabeth (10 de setembro de 2007). «Brazil tops Int'l Emmy noms with 7». The Hollywood Reporter. Consultado em 25 de fevereiro de 2020 
  13. «Tata Amaral lança livro em São Paulo». Ego. 31 de maio de 2007. Consultado em 25 de fevereiro de 2020 
  14. Alves Jr., Dirceu. «Hollywood - Depois do Terreno Baldio». IstoÉ. Consultado em 18 de junho de 2016 
  15. Prado, Carol (16 de junho de 2016). «Tata Amaral expõe histórias de tortura e briga de gerações em 'Trago Comigo'». Folha de S.Paulo. Consultado em 18 de junho de 2016 
  16. «Queremos as Ondas do Ar!». Cinemateca Brasileira. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  17. «Poema: Cidade». Curtagora. Consultado em 25 de fevereiro de 2020 
  18. «Filmografia - História Familiar». Cinemateca Brasileira. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  19. a b «Filmografia - Viver a Vida». Cinemateca Brasileira. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  20. «Filmografia - Através da Janela». Cinemateca Brasileira. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  21. «Filmografia - Antonia». Cinemateca Brasileira. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  22. «Filmografia - Hoje». Cinemateca Brasileira. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  23. «Filmografia - Sequestro Relâmpago». Cinemateca Brasileira. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  24. «Sequestro Relâmpago». Globo Filmes. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  25. Caetano, Maria do Rosário (2007). Festival 40 Anos: a Hora e Vez do Filme Brasileiro. Brasília: Secretaria de Cultura do Distrito Federal. p. 218. LCCN 2009344278. OCLC 463685098 
  26. Bernardes, Betina (7 de outubro de 1996). «Vera Cruz ganha homenagem na França». Ilustrada. Folha de S.Paulo 
  27. «Un Ciel Plein D'etoiles (Um Ceu De Estrelas)». Festival de Films de Femmes de Créteil. Consultado em 9 de fevereiro de 2020 
  28. Caderno B. Jornal do Brasil. 22 de abril de 1997. p. 2  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  29. «Festival premia 'Céu de Estrelas'». Cotidiano. Folha de S.Paulo. 28 de outubro de 1997 
  30. «Cuba premia cinema brasileiro». Ilustrada. Folha de S.Paulo. 13 de dezembro de 1997 
  31. «Premiação da Mostra de São Paulo em 2006». Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Consultado em 18 de junho de 2016 
  32. «Zlin 2007: Ecumenical Jury Awards "Antonia"» (em inglês). SIGNIS. 4 de junho de 2007. Consultado em 18 de junho de 2016. Arquivado do original em 29 de março de 2016 
  33. «Semanário 693». Paulinia.net. 10 de julho de 2007. Consultado em 18 de junho de 2016. Arquivado do original em 15 de setembro de 2016 
  34. Tavares, Jamila (3 de outubro de 2011). «'Hoje', de Tata Amaral, vence o Festival de Cinema de Brasília». G1. Consultado em 18 de junho de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um cineasta é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.