Trans-Europa Express

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura os trens, veja Trans Europ Express.
Trans Europa Express
(Trans-Europe Express)
Álbum de estúdio de Kraftwerk
Lançamento 1977
Gênero(s) Música eletrônica
Duração 42:48
Formato(s) LP
Gravadora(s) Capitol Records
Cronologia de Kraftwerk
Último
Radio-Aktivität
(1975)
Die Mensch-Maschine
(1978)
Próximo

Trans Europa Express (em inglês: Trans-Europe Express) é o sexto álbum da banda alemã de música electrónica Kraftwerk. Gravado em meados de 1976 em Düsseldorf, o álbum foi lançado em Março de 1977 pela editora Kling Klang Records. As músicas do álbum foram influenciadas por amigos que sugeriram a escrita de canções acerca do Trans Europ Express para espelhar o estilo de música dos Kraftwerk. Os críticos têm descrito o álbum como tendo dois temas específicos: a celebração da Europa e as disparidades entre a imagem e a realidade. Em termos musicais, as canções deste trabalho da banda alemã diferem do anterior estilo krautrock que a caracterizava, com ritmos electrónicos mecanizados, minimalismo e vozes manipuladas em alguns temas.

Trans-Europe Express alcançou a 119.ª posição nas tabelas musicais norte-americanas, e 30.ª na votação Pazz & Jop do Village Voice em 1977. Deste álbum foram saíram dois singles: Trans-Europe Express e Showroom Dummies. Este álbum dos Kraftwerk tem sido comercializado em vários formatos, e continua a receber elogios dos actuais críticos.[1]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Os Kraftwerk ao vivo em Zurique em 10 de Março de 1976, antes da produção de Trans-Europe Express.

Depois do lançamento e respectiva digressão do álbum Radio-Activity, os Kraftwerk continuaram a afastar-se do seu estilo musical inicial de krautrock improvisado, e a aperfeiçoar o seu trabalho para um formato mais melódico e electrónico.[2] Durante adigressão de Radio-Activity, o grupo começou a estabelecer regras de comportamento como não estar bêbedo em palco ou em festas. Karl Bartos comentou sobre estas regras que "não é fácil girar os botões de um sintetizador se estamos bêbedos ou cheios de drogas. ... Tentámos sempre estar atentos ao que estávamos a fazer enquanto actuávamos em público."[3] Durante estes concertos, Kraftwerk começaram a tocar músicas que, mais tarde, serviriam para a composição de Showroom Dummies.[4]

Em meados de 1976, os Kraftwerk começaram a trabalhar no álbum que então se designava Europe Endless.[5] [6] Paul Alessandrini sugeriu-lhes que escrevessem uma música sobre o Trans Europ Express para reflectir o seu estilo de música electrónica. Hütter e Schneider encontraram-se com David Bowie e Iggy Pop antes de iniciarem as gravações o que influenciou a letra das canções. Maxime Schmitt encorajou o grupo a gravar uma versão em língua francesa da canção Showroom Dummies o que levou a banda a gravar mais tarde várias músicas em francês. O álbum foi gravado nos estúdios Kling Klang Studio em Düsseldorf.[6] O controlo artístico das músicas estava totalmente nas mãos de Ralf Hütter e Florian Schneider, com Bartos e Wolfgang Flür a contribuírem na percussão electrónica.[7] Os Kraftwerk estiveram em pontes ferroviárias a ouvir os sons que os comboios produziam. O grupo achou que o som dos comboios não era dançável e realizou algumas alterações.[8]

Gravação[editar | editar código-fonte]

Um dos novos equipamentos utilizados no álbum foi o Synthanorma Sequenzer, um sequenciador analógico de 32 fases e 16 canais feito para o grupo pela Matten & Wiechers. O sequenciador permitiu a composição mais elaborada de partes das músicas em sintetizador, que surgem de forma mais destacada nas faixas Europe Endless, Franz Schubert e Endless Endless,[9] [10] e libertou o executante da tarefa de tocar padrões repetitivos em teclado.

Enquanto que Radio-Activity incluía uma mistura de alemão e inglês na sua letra ao longo do álbum, Trans-Europe Express foi mais longe e foi remisturada como duas versões separadas, uma cantada em inglês e outra em alemão. Por recomendação de Maxime Schmitt, uma versão em francês de Showroom Dummies, intitulada Les Mannequins, também foi gravada. Les Mannequins foi a primeira canção do grupo em francês e teria influência nas decisões de gravar outras na mesma língua em álbuns posteriores.[5] Depois de gravar o álbum em Düsseldorf, Hütter e Schneider visitaram Los Angeles para proceder à mistura das faixas nos Record Plant Studios.[6] Algumas partes das sessões de mistura que foram realizadas em Los Angeles foram retiradas do álbum, incluindo a utilização de vocais, para que fossem feitas mais misturas em Düsseldorf e Hamburgo mais tarde.[11]

A ilustração da capa do álbum Trans-Europe Express era para ser uma imagem monocromática do grupo a reflectir-se numa série de espelhos. Esta ideia foi afastada e substituída uma fotografia do fotógrafo nova-iorquino Maurice Seymour, com os elementos dos Kraftwerk vestidos como manequins.[12] A imagem do grupo, da autoria de J. Stara, foi tirada em Paris, e é uma foto-montagem da parte superior do tronco dos membros do grupo que posaram como manequins, e constituiu a capa do álbum comercializado nos Estados Unidos.[11] [13] Na capa interior, foi utilizada uma colagem a cores do grupo sentado numa pequena mesa de café desenhada por Emil Schult. A fotografia desta cena foi tirada numa sessão fotográfica de Maurice Seymour, durante a digressão norte-americana. Outras fotografias são da autoria de Schult que mostra os membros da banda a rir e a sorrir. No entanto, estas não foram incluídas no álbum.[13]

Composição[editar | editar código-fonte]

Wolfgang Flür afirmou que os Kraftwerk foram influenciados pela música do período da República de Weimar: "eramos crianças nascidas logo após a Segunda Guerra Mundial ... não tínhamos uma cultura musical ou pop própria ... houve a guerra, e antes da guerra apenas tínhamos a música popular alemã. Nas décadas de 1920 ou 1930, as melodias foram desenvolvidas e isso tornou-se a base cultural de onde começamos a trabalhar".[14] Karl Bartos também referiu a influência do pós-guerra also spoke of post-war influence as the group thought that they "had this development in the 1920s which was very, very strong and was audio visual. Tivemos a escola Bauhaus antes da guerra, e depois da guerra apareceram pessoas extraordinárias como Karlheinz Stockhausen e o desenvolvimento do clássico e do clássico electrónico. Foi algo muito forte e tudo aconteceu muito próximo de Düsseldorf em Colónia, e todos os grandes compositores dirigiram-se para lá."[8] Paul Alessandrini ajudou na concepção do álbum. Alessandrini disse a Hütter e Schneider que "com o género de música que vocês fazem, que é como blues electrónico, e as estações de caminho-de-ferro e comboios são muito importantes no vosso universo, vocês devem fazer uma música sobre o Trans Europe Express".[15] Os Kraftwerk achavam que os críticos do Reino Unido e Estados Unidos os associavam à Alemanha Nazi, por causa de músicas como Autobahn intrinsecamente ligadas aos nazis que construíram as vias rápidas nas décadas de 1930 e 1940. Ao mesmo tempo, o grupo estava disposto a afastar-se da sua herança alemã em direcção a um novo sentimento de identidade europeia, e sentiram que o Trans Europ Express podia ser utilizado para simbolizar as suas ideias de mudança.[8] O site AllMusic refere-se a Trans-Europe Express como um álbum conceptual com dois temas diferentes. O primeiro era a disparidade entre a realidade e a imagem, representada nas canções Hall of Mirrors e Showroom Dummies; o segundo, era acerca da glorificação da Europa.[16] A Slant Magazine descreve o álbum como "um poema sonoro à Europa".[17]

O estilo musical deTrans-Europe Express é caracterizado pelo AllMusic como temas melódicos que "são varias vezes repetidos e pontualmente interligados com ritmos deliberados e vozes manipuladas" e "ritmos minimalistas e mecanizados, e melodias elaboradas e cativantes".[16] Hütter comentou acerca da natureza minimalista do álbum, dizendo que "se pudermos transmitir uma ideia com apenas uma ou duas notas, é melhor do que tocar uma centena de notas".[15] O primeiro lado de Trans-Europe Express tem três músicas. A canção Hall of Mirrors tem sido descrita como contendo vozes sem expressão e letra que que especula sobre as estrelas que olham para si próprias nos espelhos.[18] Hütter e Schneider descrevem a canção como sendo auto-biográfica.[18] A terceira faixa, Showroom Dummies, é caracterizada pelo Allmusic como "melodicamente ritmada de uma forma que Trans-Europe Express o não é" e com letras que são "um pouco paranóicas".[19] A ideia para a música tem origem no facto de Flür e Bartos terem sido comparados com manequins numa crítica britânica a um concerto. Algumas versões da canção começam com uma introdução falada a contar eins zwei drei vier ("um dois três quatro" em alemão), numa paródia à banda Ramones, que começava as suas músicas com uma contagem rápida de one two three four.[18] O segundo lado do álbum Trans-Europe Express é uma suíte com a música Trans-Europe Express interligada com Metal on Metal e Franz Schubert antes de fechar com um breve regresso ao tema principal de Europe Endless.[20] O Allmusic descreve os elementos musicais da suíte como sendo assustadores, com um "canto inexpressivo do refrão da música" o qual é "lentamente acrescentado sobre aquela base rítmica, num modo muito semelhante ao do que o anterior Autobahn foi construído".[20] A letra da música faz referência ao álbum Station to Station e ao encontro com Iggy Pop e David Bowie.[21] Hütter e Schneider tinham-se encontrado com Bowie na Alemanha, e ficaram lisonjeados com a atenção que receberam do músico.[22] Ralf Hütter estava interessado no trabalho de Bowie pois este tinha estado a trabalhar com Iggy Pop, o ex-vocalista dos Stooges, uma das bandas preferidas de Hütter.[23]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Trans-Europe Express foi comercializado em Março de 1977.[24] Com a ajuda de Günther Fröhling, os Kraftwerk fizeram um video promocional da música Trans-Europe Express. O video mostra o grupo vestido com casacos compridos a ir de comboio de Düsseldorf para Duisburg. As fotografias tiradas do video foram utilizadas mais tarde no single de Showroom Dummies.[21] Fröhling voltaria a trabalhar com os Kraftwerk no álbum The Man-Machine, na elaboração fotográfica da sua capa.[25] Para promover o álbum junto da imprensa em França, a EMI Records alugou um comboio com carruagens antigas da década de 1930 para ir de Paris até Reims, enquanto as músicas do álbum iam tocando pelo sistema de som, para os críticos as ouvirem.[7]

Em Outubro de 2009, uma edição remasterizada do álbum foi lançada pela EMI na Alemanha, pela Mute Records na União Europeia, e pela Astralwerks Records Nos Estados Unidos.[26] [27] [28] [29] Esta reedição foi comercializada em CD, via internet e em vinil, e a sua capa é diferente das anteriores versões do álbum. Esta nova versão tem um fundo negro com um Trans Europ Express branco ao centro. [30] A lista das faixas da edição de 2009 apresenta o nome das músicas de acordo com a versão original em alemão. Esta alteração faz com que Metal on Metal tenha apenas dois minutos e que a restante parte tenha a designação de Abzug ("Partida").[31] [32]

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

O álbum Trans-Europe Express atingiu uma posição mais elevada nas tabelas de vendas dos Estados Unidos do que o anterior Radio-Activity, ao atingir o número 117 na Billboard Top LPs & Tapes.[33] [34] Trans-Europe Express e Showroom Dummies foram lançados como singles.[35] Trans-Europe Express entrou para a tabela Billboard Hot 100 em 1977, onde chegou à 67.ª posição.[36] Trans-Europe Express entrou para as tabelas do Reino Unido nos anos 1980. A sua estreia deu-se em 6 de Fevereiro de 1982, e permaneceu nas tabelas durante sete semanas, onde chegou a 49.º.[37] O single Showroom Dummies entrou em 20 de Fevereiro do mesmo ano, permanecendo cinco semanas, e a sua melhor posição foi a 25.ª.[38]

Recepção e crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 5 de 5 estrelas.[16]
Robert Christgau A−[39]
Drowned in Sound (10/10)[30]
The Independent 5 de 5 estrelas.[40]
Mojo 5 de 5 estrelas.[41]
Q 4 de 5 estrelas.[42]
Rolling Stone 5 de 5 estrelas.[43]
Slant Magazine 5 de 5 estrelas.[17]
Spin Alternative Record Guide (9/10)[44]
Uncut 5 de 5 estrelas.[45]

As primeira críticas a Trans-Europe Express foram positivas. O crítico musical Robert Christgau atribui-lhe a classificação "A" ao álbum, afirmando que "os efeitos texturais" do álbum "soam como paródias feitas por estudantes sound like parodies by some cosmic schoolboy of every lush synthesizer surge that's ever stuck in your gullet—yet also work the way those surges are supposed to work".[39] Trans-Europe Express entrou para a lista dos críticos da Pazz & Jop, da revista The Village Voice em 1977, na 30.ª posição. [46]

As actuais análises ao álbum também tem sido favoráveis. Trans-Europe Express têm as classificações mais altas de várias publicações como o AllMusic, Mojo, Rolling Stone e Slant Magazine.[16] [17] [41] [43] Steve Huey do Allmusic escreve que o álbum "é várias vezes citado como talvez sendo o arquétipo (e o mais acessível) dos álbuns dos Kraftwerk ... No geral, Trans-Europe Express oferece a melhor mistura de minimalismo, ritmos mecanizados, e melodias cativantes e bem trabalhadas dos trabalhos do grupo".[16] A imprensa britânica também se mostrou agrada com o álbum. A Q atribuiu quatro estrelas, em cinco, ao trabalho da banda alemã, referindo que o álbum "mudou a face da música de dança norte-americana" e que "foi um dos ritmos mais atractivos desta, ou de outra qualquer, era".[42] Em 2009, a Drowned in Sound classificou o álbum com a nota máxima de 10, referindo que "Trans-Europe Express é, ao mesmo tempo, antigo, intemporal, retro e contemporâneo. O seu estatuto de origem da música electrónica moderna é bem merecido, mas a sua reputação sagrada não deverá, nunca, esconder o seu verdadeiro valor e força como obra-de-arte. Nem deve turvar a sua longevidade que, 32 anos, podemos começar a chamar pelo seu verdadeiro nome: imortalidade".[30]

Trans-Europe Express esteve em várias listas de vendas de várias fontes. em 2001, a rede televisiva VH1 colocou Trans-Europe Express em n.º 56 na sua lista de "100 Melhores Álbuns (de Rock & Roll) de Todos os Tempos".[47] Em 2002, a Slant Magazine escolheu este álbum para o primeiro lugar da sua lista de melhores álbuns electrónicos do século XX.[48] Em 2003, a Rolling Stone colocou Trans-Europe Express em 253.ª lugar na lista de 500 Melhores Álbuns de Todos os Tempos. [49] O Channel 4 classificou-o como 71.ª na sua lista de 100 Melhores Álbuns. [50] Em 2004, o site on-line Pitchfork Media listou Trans-Europe Express em 6.º melhor álbum da década de 1970, referindo que "está para chegar o dia, se é que não chegou já, que Trans-Europe Express se irá juntar a Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band e Exile on Main St. como simplesmente o álbum de que nada se poderá escrever".[51]

Legado[editar | editar código-fonte]

Sal Cinquemani da Slant Magazine descreveu a influência deste trabalho como "sem precedentes, chegando aonde álbuns de rock (Kid A dos Radiohead), hip-hop (Planet Rock, de Afrika Bambaataa; Big Booty Express de Jay Dee) e pop (Drowned World Tour de Madonna, que incluiu partes de Metal on Metal) chegaram".[17]

No final dos anos 1970, o álbum teve influência na banda de pós-punk Joy Division, tendo o seu baixista, Peter Hook, referido que: "Conhecemos os Kraftwerk através de Ian Curtis, que insistia em tocar Trans Europe Express sempre que íamos entrar em palco. A gravação era passada no local, sobre o sistema de som, para ser ouvida por toda a gente. A primeira vez foi no Pips [um clube de Manchester conhecido pelo seu «Bowie Room» (Quarto de Bowie)]. Ian got thrown out for kicking glass around the dance floor in time to the track. Demorávamos horas a implorar-lhe que regressasse."[52] O baterista Stephen Morris também confirmou que os Joy Division "costumavam tocar Trans-Europe Express antes de irem para o palco, para nos preparamos psicologicamente. Funcionava bem pois dava-nos aquele impulso necessário. Trans-Europe Express exprimia um optimismo - mesmo que as pessoas o vissem como música de máquinas". Morris também referiu que: "Faz-me lemarar o Cabaret, o filme, com todas aquelas canções dos anos 20. [...] Quando se dá aquele casamento entre humanos e máquinas, e ele corre bem, é fantástico. É o meu álbum preferido dos Kraftwerk."[53]

Honras atribuídas[editar | editar código-fonte]

A informação acerca da honras atribuídas a Trans-Europe Express é uma adaptação de AcclaimedMusic.net, excepto onde indicado.[54]

Publicação País Atribuição Ano Posição
Blender Estados Unidos 500 CDs You Must Own Before You Die 2003 *
Fast 'n' Bulbous The 500 Best Albums Since 1965 2012 240
Paste The 70 Best Albums of the 1970s 2012 47
Pitchfork Media Top 100 Albums of the 1970s 2004 6
Robert Dimery 1001 Albums You Must Hear Before You Die 2005 *
Rolling Stone The 500 Greatest Albums of All Time 2003 253
The Essential 200 Rock Records 1997 *
Slant Magazine Top 25 Electronic Albums 2005 1
Tom Moon 1,000 Recordings to Hear Before You Die 2008 *
VH1 The 100 Greatest Albums of Rock & Roll 2001 56
Vibe 100 Essential Albums of the 20th Century 1999 *
Channel 4 Reino Unido 125 Nominations for the 100 Greatest Albums 2005 *
GQ The 100 Coolest Albums in the World Right Now! 2005 86
Gary Mulholland 261 Greatest Albums Since Punk and Disco 2006 *
Mojo The 100 Greatest Albums Ever Made 1995 48
The Mojo Collection: The Greatest Albums of All Time... and How They Happened 2003 *
70 of the Greatest Albums of the 70s 2006 *
Muzik Top 50 Dance Albums of All Time 2002 9
The 50 Most Influential Records of All Time 2003 *
NME Albums of the Year 1977 38
All Times Top 100 Albums 1985 38
Top 100 Albums of All Time 2003 36
The 500 Greatest Albums of All Time 2013 81
Paul Morley Words and Music, 5 x 100 Greatest Albums of All Time 2013 *
Q The 50 Best Albums of the 70s 1998 9
Sounds Albums of the Year 1977 13
The 100 Best Albums of All Time 1986 48
The Observer 50 Albums That Changed Music 1956-2006 2006 3
The Times The 20 Most Influential Albums 2008 11
Uncut 100 Rock and Movie Icons 2005 23
The Wire The 100 Most Important Records Ever Made 1992 *
Adresseavisen Noruega The 100 (+23) Best Albums of All Time 1995 15
Panorama The 30 Best Albums of the Year 1970-98 1999 16
Pop Suécia The World's 100 Best Albums + 300 Complements 1994 101
Max Alemanha The 50 Best Albums of All Time 1997 22
Musik Express/Sounds The 100 Masterpieces 1993 94
The 50 Best German Records 2001 15
RoRoRo Rock-Lexicon Most Recommended Albums 2003 *
Rolling Stone The Best Albums of 5 Decades 1997 101
The 500 Best Albums of All Time 2004 325
Sounds The 50 Best Albums of the 1970s 2009 10
Spex The 100 Albums of the Century 1999 35
(*) listas não ordenadas.

Faixas[editar | editar código-fonte]

Lado 1
N.º Título Letra Música Duração
1. "Europe Endless" (Europa Endlos) Ralf Hütter, Florian Schneider Hütter 9:40
2. "The Hall of Mirrors" (Spiegelsaal) Hütter, Schneider, Emil Schult Hütter, Schneider 7:56
3. "Showroom Dummies" ("Schaufensterpuppen") Hütter Hütter 6:15
Lado 2
N.º Título Letra Música Duração
4. "Trans-Europe Express" (Trans Europa Express) Hütter, Schult Hütter 6:52
5. "Metal on Metal[a]" (Metall auf Metall)   Hütter 6:43
6. "Franz Schubert"     Hütter 4:26
7. "Endless Endless" (Endlos Endlos)   Hütter, Schneider 0:55

Músicos e técnicos[editar | editar código-fonte]

Adaptado do folheto de Trans-Europe Express.[31] [55]

Posição nas tabelas[editar | editar código-fonte]

Tabelas semanais (1977)[56] [57] Peak
posição
França (SNEP)[58] [59] 2
Alemanha (Media Control Charts)[60] [61] 32
Itália (FIMI)[62] [63] 8
Suécia (GLF)[64] 32
Reino Unido (Official Charts Company)[65] 49
Estados Unidos (Billboard Top LPs & Tapes)[66] 119

Notas

Referências

  1. Trans-Europa Express (em inglês) no MusicBrainz
  2. Bussy 2004, p. 82
  3. Bussy 2004, p. 82
  4. Bussy 2004, p. 81
  5. a b Bussy 2004, p. 93
  6. a b c Bussy 2004, p. 83
  7. a b Bussy 2004, p. 92
  8. a b c Doran, John (March 11, 2009). «Karl Bartos Interviewed: Kraftwerk And The Birth Of The Modern». The Quietus. Consultado em October 21, 2009. 
  9. Matten, Dirk. «Synthanorma Modell 316» (PDF) (em German). Consultado em October 23, 2009. 
  10. Flür 2003, p. 133–134
  11. a b Bussy 2004, p. 86
  12. Bussy 2004, p. 88
  13. a b Bussy 2004, p. 89
  14. Thompson, Dave. «Song Review: Europe Endless». AllMusic. Consultado em October 21, 2009. 
  15. a b Bussy 2004, p. 90
  16. a b c d e Huey, Steve. «Trans-Europe Express: Overview». AllMusic. Consultado em January 16, 2011. 
  17. a b c d Cinquemani, Sal (November 2, 2002). «Kraftwerk: Trans-Europe Express review». Slant Magazine. Consultado em October 20, 2009. 
  18. a b c Bussy 2004, p. 93
  19. Mason, Stewart. «Showroom Dummies: Song review». Allmusic. Consultado em October 21, 2009. 
  20. a b Mason, Stewart. «Song review: Trans-Europe Express». Allmusic. Consultado em October 21, 2009. 
  21. a b Bussy 2004, p. 94
  22. Bussy 2004, p. 84
  23. Bussy 2004, p. 85
  24. Nusser 1997, p. 67
  25. «The Man-Machine: Credits». Allmusic. Consultado em October 21, 2009. 
  26. «Kraftwerk - Digital Remasters 2009». Astralwerks. Arquivado desde o original em August 14, 2010. Consultado em August 29, 2010. 
  27. «Mute.com: Kraftwerk - Trans-Europe Express». Mute Records. Consultado em August 29, 2010. 
  28. «Kraftwerk // Trans-Europa Express Remastered CD». EMI. Consultado em August 29, 2010. 
  29. «Kraftwerk // Trans-Europa Express Remaster-Vinyl». EMI. Consultado em August 29, 2010. 
  30. a b c Power, Chris (October 13, 2009). «Review: Kraftwerk – Trans-Europe Express Remastered». Drowned In Sound. Consultado em October 20, 2009. 
  31. a b Trans-Europe Express (Digital Remaster) (CD). Mute Records. 2009. CDSTUMM305. 
  32. Bussy 2004, p. 212
  33. «Trans-Europe Express: Charts & Awards: Billboard albums». Allmusic. Consultado em October 22, 2009. 
  34. Bussy 2004, p. 95
  35. Strong 1998, p. 612–613
  36. «Trans-Europe Express: Charts & Awards: Billboard Singles». Allmusic. Consultado em October 22, 2009. 
  37. Kraftwerk albums Official charts
  38. Warwick 2004, p. 612–613
  39. a b Christgau, Robert. «Robert Christgau:CG:Kraftwerk». Consultado em October 20, 2009. 
  40. Gill, Andy (October 13, 2009). «Album: Kraftwerk, Trans Europe Express (Mute)». The Independent. Consultado em October 22, 2009. 
  41. a b Snow, Mat (November 2009). «Gut Vibrations». Mojo (London: Bauer Media Group) (192): 110. ISSN 1351-0193. 
  42. a b «Trans-Europe Express - review». Q [S.l.: s.n.]: 140. October 1995. «4 Stars – Excellent – "...changed the face of American dance music...one of the most compelling beats of this or any other era..."» 
  43. a b Blashill, Pat. «Kraftwerk: Trans-Europe Express Review». Rolling Stone. Arquivado desde o original em June 8, 2008. Consultado em October 20, 2009. 
  44. Weisbard 1995, p. 215
  45. Cavanagh, David. «Kraftwerk – Reissues». Uncut. Consultado em October 22, 2009. 
  46. Christgau, Robert (January 23, 1978). «The 1977 Pazz & Jop Critics Poll». Village Voice. 
  47. «100 Greatest Albums of Rock & Roll». VH1. Consultado em 8 August 2014. 
  48. Cinquemani, Sal (2002). «2520: The 25 Greatest Electronic Albums of the 20th Century». Slant Magazine. Consultado em October 22, 2009. 
  49. «The 500 Greatest Albums of All Time: 253 Trans-Europe Express». Rolling Stone. November 1, 2003. Arquivado desde o original em June 26, 2008. Consultado em October 22, 2009. 
  50. «Channel4–100 Greatest Albums». Channel 4. Consultado em October 22, 2009. 
  51. Leone, Dominique (June 23, 2004). «Top 100 Albums of the 1970s». Pitchfork Media. Consultado em October 22, 2009. 
  52. Albiez 2011, p. 172
  53. Hewitt, Ben (7 December 2010). «Bakers Dozen: Joy Division & New Order's Stephen Morris On His Top 13 Albums». The Quietus. Consultado em 1 August 2013. 
  54. Acclaimed Music – Trans-Europa Express/Trans Europe Express. acclaimedmusic.net. Retrieved on 4 August 2015.
  55. Trans-Europe Express (Compact disc). Capitol Records. 1987. CDP 7 46473 2. 
  56. «Album artist 365 - Kraftwerk». tsort.info. Consultado em 2010-09-30. 
  57. «Kraftwerk - Music Charts». acharts.us. Consultado em 2011-07-11. 
  58. «Tous les Albums classés par Artiste». www.infodisc.fr (em French). Consultado em 2011-07-10. 
  59. «Discographie Kraftwerk». lescharts.com (em French). Consultado em 2009-10-14. 
  60. «Liedsuche». www.charts-surfer.de (em German). Consultado em 2008-09-08. 
  61. «Chartverfolgung / KRAFTWERK / Longplay». www.musicline.de (em German). Consultado em 2009-09-18. 
  62. «Top Annuali Album». www.hitparadeitalia.it (em Italian). Consultado em 2009-10-14. 
  63. Salvatori 1997, p. 280
  64. «Discography Kraftwerk». swedishcharts.com. Consultado em 2009-07-09. 
  65. «Kraftwerk». www.officialcharts.com. Consultado em 2013-08-08. 
  66. «allmusic ((( Kraftwerk > Charts & Awards > Billboard Albums )))». www.allmusic.com. Consultado em 2009-07-09. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]