William Whewell

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
William Whewell
Conhecido(a) por cunhar a palavra "cientista"
Nascimento 24 de maio de 1794
Lancaster, Lancashire, Inglaterra
Morte 6 de março de 1866 (71 anos)
Cambridge, Cambridgeshire, Inglaterra
Residência  Inglaterra
Nacionalidade Inglaterra Inglês
Alma mater Universidade de Cambridge
Prêmios Medalha Real (1837)
Orientador(es)(as) John Gough
Orientado(a)(s) Augustus De Morgan, Isaac Todhunter
Instituições Universidade de Cambridge
Campo(s) Ciência, filosofia, teologia

William Whewell (Lancaster, 24 de maio de 1794Cambridge, 6 de março de 1866)[1] foi um Inglês polímata, cientista, padre anglicano, filósofo, teólogo e historiador da ciência. Ele foi mestre do Trinity College, Cambridge. Em seu tempo como estudante lá, ele alcançou distinção tanto em poesia quanto em matemática.

O que é mais frequentemente observado sobre Whewell é a amplitude de seus esforços. Em uma época de crescente especialização, Whewell parece um retrocesso a uma era anterior, quando os filósofos naturais se envolviam em um pouco de tudo. Ele publicou trabalhos nas disciplinas de mecânica, física, geologia, astronomia e economia, enquanto também encontrava tempo para compor poesia, escrever um Tratado de Bridgewater, traduzir as obras de Goethe e escrever sermões e tratados teológicos. Na matemática, Whewell introduziu o que agora é chamado de equação de Whewell, uma equação que define a forma de uma curva sem referência a um sistema de coordenadas escolhido arbitrariamente. Ele também organizou milhares de voluntários internacionalmente para estudar as marés oceânicas, no que hoje é considerado um dos primeiros projetos de ciência cidadã. Ele recebeu a Medalha Real por este trabalho em 1837.[2]

Um dos maiores dons de Whewell para a ciência foi a arte de escrever. Ele frequentemente se correspondia com muitos em seu campo e os ajudava a encontrar novos termos para suas descobertas. Whewell cunhou os termos cientista,[3] físico, linguística, consiliência, catastrofismo, uniformitarismo e astigmatismo[4] entre outros; Whewell sugeriu os termos eletrodo, íon, dielétrico, ânodo e cátodo para Michael Faraday.[5][6]

Whewell morreu em Cambridge em 1866 como resultado de uma queda de seu cavalo.

Vida e carreira[editar | editar código-fonte]

Whewell nasceu em Lancaster, filho de John Whewell e sua esposa, Elizabeth Bennison.[7] Seu pai era um mestre carpinteiro e desejava que ele seguisse seu ofício, mas o sucesso de William em matemática na Lancaster Royal Grammar School e na Heversham grammar school rendeu-lhe uma exposição (um tipo de bolsa de estudos) no Trinity College, Cambridge (1812). Em 1814, ele foi premiado com a Medalha de Ouro do Chanceler pela poesia.[8] Ele foi o segundo lutador em 1816, presidente da Cambridge Union Societyem 1817, tornou-se companheiro e tutor de sua faculdade e, em 1841, sucedeu a Christopher Wordsworth como mestre. Ele foi professor de mineralogia de 1828 a 1832 e Professor de Filosofia Knightbridge (então chamado de "teologia moral e divindade casuística") de 1838 a 1855.[9]

Whewell casou-se, primeiramente, em 1841, com Cordelia Marshall, filha de John Marshall; ela morreu em 1855. Em 1858 ele se casou novamente, para Everina Frances (née Ellis), viúva de Sir Gilbert Affleck, 5ª Baronet que morreu em 1865. Whewell morreu em Cambridge em 1866, como resultado de uma queda de seu cavalo;[10][11] ele está enterrado na capela do Trinity College, Cambridge, enquanto suas esposas são enterradas juntas no Mill Road Cemetery, Cambridge. Uma janela dedicada a Lady Affleck, sua segunda esposa, foi instalada em sua memória na capela-mor da Igreja de Todos os Santos, Cambridge e feita por Morris & Co.

Esforços[editar | editar código-fonte]

História e desenvolvimento da ciência[editar | editar código-fonte]

William Whewell, c. Década de 1860

Em 1826 e 1828, Whewell se envolveu com George Airy na realização de experimentos na mina Dolcoath na Cornualha, a fim de determinar a densidade da Terra. Seus trabalhos unidos foram malsucedidos e Whewell fez pouco mais no caminho da ciência experimental. Ele foi o autor, no entanto, de um Ensaio sobre Classificação Mineralógica, publicado em 1828, e contribuiu com várias memórias sobre as marés para as Transações Filosóficas da Sociedade Real entre 1833 e 1850.[9]

Suas obras mais conhecidas são dois livros volumosos que tentam sistematizar o desenvolvimento das ciências, História das Ciências Indutivas (1837) e A Filosofia das Ciências Indutivas, Fundada em Sua História (1840, 1847, 1858-60). Enquanto a História traçou como cada ramo das ciências evoluiu desde a antiguidade, Whewell viu a Filosofia como a "Moral" do trabalho anterior, pois buscava extrair uma teoria universal do conhecimento através da história.

Neste último, ele tentou seguir o plano de descoberta de Francis Bacon. Ele examinou idéias ("explicação de concepções") e pela "coligação de fatos" se esforçou para unir essas idéias com os fatos e assim construir a ciência.[9] Esta coligação é um "ato de pensamento", uma operação mental que consiste em reunir uma série de fatos empíricos por "superinduzir" sobre eles uma concepção que une os fatos e os torna capazes de serem expressos em leis gerais.[12] Whewell refere-se como um exemplo de Kepler e a descoberta da órbita elíptica: os pontos da órbita foram coligados pela concepçãoda elipse, não pela descoberta de novos fatos. Essas concepções não são "inatas" (como em Kant), mas sendo frutos do "progresso do pensamento científico (história) se desdobram com clareza e distinção".[13]

As três etapas de indução de Whewell[editar | editar código-fonte]

Whewell analisou o raciocínio indutivo em três etapas:

  • A seleção da ideia (fundamental), como espaço, número, causa ou semelhança (semelhança);
  • A formação da concepção, ou modificação mais especial dessas idéias, como um círculo, uma força uniforme, etc.; e,
  • A determinação das magnitudes.

Sobre estes seguem métodos especiais de indução aplicáveis ​​à quantidade: o método das curvas, o método dos meios, o método dos mínimos quadrados e o método dos resíduos, e métodos especiais dependendo da semelhança (para os quais a transição é feita através da lei da continuidade ), como o método de gradação e o método de classificação natural.[9] Em Filosofia das Ciências Indutivas, Whewell foi o primeiro a usar o termo "consiliência" para discutir a unificação do conhecimento entre os diferentes ramos da aprendizagem.

Oponente do empirismo inglês[editar | editar código-fonte]

Aqui, como em sua doutrina ética, Whewell foi movido pela oposição ao empirismo inglês contemporâneo. Seguindo Immanuel Kant, ele afirmou contra John Stuart Mill a natureza a priori da verdade necessária, e por suas regras para a construção de concepções ele dispensou os métodos indutivos de Mill. No entanto, de acordo com Laura J. Snyder, "surpreendentemente, a visão aceita da metodologia de Whewell no século XX tende a descrevê-lo como um antiindutivista nos moldes popperianos, isto é, afirma-se que Whewell endossa uma visão de 'conjecturas e refutações' da descoberta científica. Whewell explicitamente rejeita a afirmação hipotético-dedutiva de que hipóteses descobertas por suposições não racionais podem ser confirmadas por testes consequencialistas. Whewell explicou que novas hipóteses são 'coletadas dos fatos' (Filosofia das Ciências Indutivas, 1849, 17)".[14] Em suma, a descoberta científica é um processo parcialmente empírica e parcialmente racional; a "descoberta das concepções não é conjectura nem mera questão de observações", inferimos mais do que vemos.[15]

Neologismos de Whewel[editar | editar código-fonte]

Um dos maiores dons de Whewell para a ciência foi a arte de escrever. Ele frequentemente se correspondia com muitos em seu campo e os ajudava a encontrar novos termos para suas descobertas. Na verdade, Whewell criou o próprio termo cientista em 1833, e foi publicado pela primeira vez na revisão anônima de Whewell de 1834 de Mary Somerville, On the Connexion ofthe Physical Sciences, publicada na Quarterly Review. (Eles eram anteriormente conhecidos como "filósofos naturais" ou "homens da ciência").

Trabalho em administração de faculdade[editar | editar código-fonte]

Estátua de Whewell por Thomas Woolner na capela do Trinity College, Cambridge

Whewell era proeminente não apenas em pesquisa científica e filosofia, mas também em administração de universidades e faculdades. Seu primeiro trabalho, An Elementary Treatise on Mechanics (1819), cooperou com os de George Peacock e John Herschel na reforma do método de Cambridge de ensino matemático. Seu trabalho e publicações também ajudaram a influenciar o reconhecimento das ciências morais e naturais como parte integrante do currículo de Cambridge.[9]

Em geral, porém, especialmente nos anos posteriores, ele se opôs à reforma: ele defendeu o sistema tutorial e, em uma controvérsia com Connop Thirlwall (1834), se opôs à admissão de dissidentes; ele defendia o sistema de comunhão clerical, a classe privilegiada de "companheiros plebeus" e a autoridade dos chefes de faculdades em assuntos universitários.[9]

Ele se opôs à nomeação da Comissão Universitária (1850) e escreveu dois panfletos (Observações) contra a reforma da universidade (1855). Ele se opôs ao esquema de confiar as eleições aos membros do Senado e, em vez disso, defendeu o uso de fundos da faculdade e a subvenção de trabalhos científicos e professores.[9]

Ele foi eleito Mestre do Trinity College, Cambridge em 1841, e manteve essa posição até sua morte em 1866.

A Whewell Professorship of International Law e as Whewell Scholarships foram estabelecidas por meio das disposições de seu testamento.[16][17]

Os interesses de Whewell em arquitetura[editar | editar código-fonte]

Além da ciência, Whewell também se interessou pela história da arquitetura ao longo de sua vida. Ele é mais conhecido por seus escritos sobre arquitetura gótica, especificamente seu livro Architectural Notes on German Churches (publicado pela primeira vez em 1830). Neste trabalho, Whewell estabeleceu uma nomenclatura estrita para as igrejas góticas alemãs e propôs uma teoria do desenvolvimento estilístico. Seu trabalho está associado à "tendência científica" dos escritores arquitetônicos, junto com Thomas Rickman e Robert Willis.

Ele pagou com seus próprios recursos a construção de dois novos pátios de quartos no Trinity College, Cambridge, construídos em estilo gótico. Os dois tribunais foram concluídos em 1860 e (postumamente) em 1868, e agora são chamados coletivamente de Corte de Whewell (no singular).

Obras de Whewell em filosofia e moral[editar | editar código-fonte]

Retrato de James Lonsdale

Entre 1835 e 1861 Whewell produziu vários trabalhos sobre a filosofia da moral e da política, o principal dos quais, Elements of Morality, including Polity, foi publicado em 1845. A peculiaridade deste trabalho - escrito do que é conhecido como o ponto de vista intuitivo - é a sua divisão quíntupla das fontes de ação e de seus objetos, dos direitos primários e universais do homem (segurança pessoal, propriedade, contrato, direitos familiares e governo) e das virtudes cardeais (benevolência, justiça, verdade, pureza e ordem).[9]

Entre as outras obras de Whewell - numerosas demais para mencionar - estavam escritos populares, como o terceiro Tratado de Bridgewater Astronomy and General Physics considerado com referência à Teologia Natural (1833), e o ensaio Of the Plurality of Worlds (1853), no qual ele argumentou contra a probabilidade de vida em outros planetas, e também os Diálogos Platônicos para Leitores Ingleses (1850-1861), as Lectures on the History of Moral Philosophy in England (1852), o ensaio Of a Liberal Education in General, com referência particular aos Estudos Principais da Universidade de Cambridge (1845), a importante edição e tradução resumida deHugo Grotius, De jure belli ac pacis (1853), e a edição das Obras Matemáticas de Isaac Barrow (1860).[18][19][9]

Whewell foi um dos dons de Cambridge que Charles Darwin conheceu durante sua educação lá, e quando Darwin voltou da viagem do Beagle, ele foi diretamente influenciado por Whewell, que persuadiu Darwin a se tornar secretário da Sociedade Geológica de Londres. As páginas de título de A Origem das Espécies abrem com uma citação do Bridgewater Treatise de Whewell sobre ciência fundada em uma teologia natural de um criador que estabelece leis:[20]

Mas com respeito ao mundo material, podemos pelo menos ir tão longe quanto isto - podemos perceber que os eventos são provocados não por interposições isoladas do poder Divino, exercido em cada caso particular, mas pelo estabelecimento de leis gerais.

Trabalhos de Whewell[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ana Simões. «O historiador das ciências». (4° Parágrafo) — Departamento de Física da FCUL. Consultado em 21 de Dezembro de 2007. Arquivado do original em 27 de dezembro de 2007 
  2. Cooper, Caren (20 de dezembro de 2016). Citizen Science: How Ordinary People are Changing the Face of Discovery. [S.l.: s.n.] pp. 3–8. ISBN 9781468314144 
  3. Lewis, Christopher (2007). «Chapter 5: Energy and Entropy: The Birth of Thermodynamics». Heat and Thermodynamics: A Historical Perspective. United States of America: Greenwood Press. 95 páginas. ISBN 978-0-313-33332-3 
  4. Leffler CT, Schwartz SG, Stackhouse R, Davenport B, Spetzler K (2013). «Evolution and impact of eye and vision terms in written English». JAMA Ophthalmology. 131 (12): 1625–31. PMID 24337558. doi:10.1001/jamaophthalmol.2013.917. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2014 
  5. Faraday, Michael (1834). «On Electrical Decomposition». Philosophical Transactions of the Royal Society. Consultado em 17 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 20 de julho de 2011  In this article Faraday coins the words electrode, anode, cathode, anion, cation, electrolyte, and electrolyze.
  6. Baigrie, Brian (2007). «Chapter 8: Forces and Fields». Electricity and Magnetism: A Historical Perspective. United States of America: Greenwood Press. 86 páginas. ISBN 978-0-313-33358-3 
  7. Biographical Index of Former Fellows of the Royal Society of Edinburgh 1783–2002 (PDF). [S.l.]: The Royal Society of Edinburgh. Julho de 2006. ISBN 978-0-902198-84-5 
  8. University of Cambridge (1859), A Complete Collection of the English Poems which Have Obtained the Chancellor's Gold Medal in the University of Cambridge, Cambridge: W. Metcalfe 
  9. a b c d e f g h i Este artigo incorpora texto (em inglês) da Encyclopædia Britannica (11.ª edição), publicação em domínio público.
  10. GRO Register of Deaths: MAR 1866 3b 353 CAMBRIDGE – William Whewell, aged 71
  11. Full bibliographical details are given by Isaac Todhunter, William Whewell: An Account of his Writings, with a selection from his literary and scientific correspondence, London: Macmillan, 1876, (volume 1, volume 2). See also Mrs Stair Douglas The Life and Selections from the Correspondence of William Whewell, D.D., London: C. Kegan Paul & Co., 1881, at Internet Archive
  12. L.J. Snyder, entry: "W. Whewell" in "Stanford Encyclopedia of Philosophy".
  13. W. Whewell "The Philosophy of the Inductive Sciences, Founded Upon Their History" (1860, 373), London J.W. Parker.
  14. L.J. Snyder, entry: "Whewell" in "Stanford Encyclopedia of Philosophy".
  15. W. Whewell "The History of Scientific Ideas", 1858, I, 46, two volumes, London: John W. Parker.
  16. Statutes and Ordinances of the University of Cambridge. [S.l.]: Cambridge University Press. 2009. pp. 49–50. ISBN 9780521137454 
  17. Dr. William Whewell laid in his will: "an earnest and express injunction on the occupant of this chair that he should make it his aim in all parts of his treatment of the subject, to lay down such rules and suggest such measures as might tend to diminish the evils of war and finally to extinguish war among nations. See Maine, Henry Sumner (1888). Whewell Lectures, International Law, A Series of Lectures Delivered before the University of Cambridge, 1887 1 ed. London: John Murray. p. 1  via Internet Archive
  18. Grotius on the Right of War and Peace, An Abridged Translation by William Whewell, Cambridge: At the University Press, 1853 at Internet Archive
  19. The Mathematical Works of Isaac Barrow, D.D., edited for Trinity College by W. Whewell, Cambridge: At University Press, 1860, at Internet Archive
  20. Darwin, Charles (1859), On the Origin of Species by Means of Natural Selection, or the Preservation of Favoured Races in the Struggle for Life, London: John Murray  (The Origin of Species page ii.) Retrieved on 5 January 2007
  21. «Review of On the Principles of English University Education by William Whewell». The Quarterly Review. 59: 439–483. Outubro de 1837 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
George Newport e John Herschel
Medalha Real
1837
Sucedido por
William Henry Fox Talbot e Thomas Graham


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.