Ónibus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Desenho de um ónibus do século XIX.
Um ónibus em Paris em 1900.

Um ónibus (português europeu) ou ônibus (português brasileiro) ("omnibus" segundo a grafia da época) era um veículo de tração hipomóvel, inspirado nas diligências, que assegurava o transporte público de passageiros nas grandes cidades, durante o século XIX e o início do século XX. São os antepassados diretos dos atuais autocarros ou ônibus urbanos. A designação deste tipo de transporte, tem origem no latim "omnibus", significando "para todos".

Os ónibus circulavam em horários determinados, em linhas fixas, o que os distinguiam dos carros de praça (antepassados dos atuais táxis), os quais se poderiam dirigir para qualquer destino escolhido pelo cliente, só o transportando a si e às pessoas que o acompanhavam. Por outro lado, os ónibus circulavam sobre a calçada e não sobre carris, o que os distinguia dos trâmueis. Os ónibus não dispunham, necessariamente, de pontos de paragem fixos.

No princípio do século XX, foram desenvolvidos os auto-ónibus, com caraterísticas semelhantes, mas dotados de propulsão automóvel. Em Portugal, os auto-ónibus passaram ser conhecidos por "autocarros", a partir da década de 1940. No Brasil, os auto-ônibus, assumiram a designação dos seus antecessores de tração animal, sendo conhecidos como "ônibus". Em muitos países, os termos "bus" (simplificação de "omnibus") ou "autobus" passaram a designar os sucessores automóveis dos antigos ónibus.

História[editar | editar código-fonte]

Pensa-se que os primeiros ónibus tenham sido inventados por Blaise Pascal, circulando em Paris, de 1662 a 1677. Estes veículos consistiam em carroças de oito lugares, que circulavam pela cidade em percursos e horários regulares.

A ideia deste tipo de sistema de transportes, reviveu, a partir do início do século XIX, quando algumas cidades da Europa e da América tinham já atingido dimensões consideráveis, obrigando à existência de meios que assegurassem o transporte de passageiros entre os seus diversos bairros.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • MEYNARD, Jean, Pascal et les Roannez, Paris: Desclée De Brouwer, 1965