Amônio Sacas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Amônio Sacas, (c. 175 - 240 / 242[1] [2] ) foi um filósofo neoplatonista nascido de pais cristãos e mestre de Orígenes, defendeu com denodo que o cristianismo e o paganismo não diferiam em pontos essenciais.[3]

De acordo com a tradição, foi Amônio quem produziu o neoplatonismo na Alexandria, Amônio não publicou nada mas entre seus discípulos estão Orígenes, o pagão, Orígenes pai da igreja, Longino o mais famoso crítico estético e filósofo da época[4] e obviamente Plotino, um fervoroso discípulo.[5]

Vida e conexão com a Índia[editar | editar código-fonte]

Pouco se sabe sobre a vida de Amônio Sacas, o seu cognome "Sakkas" foi mal interpretado deliberadamente pelo Bispo Teodoreto a fim de ridicularizar o professor neoplatônico altamente estimado, como significando "sakkos", "saco", insinuando que ele deve ter começado como um estivador ignorante no porto da Alexandria. No entanto Erich Seeberg[6] mostrou que o cognome refere-se à "Sakyas" da Índia, o clã dominante do qual Gautama também pertencia. O "Sakyas" eram conhecidos na antiguidade.[7] O cognome "Sakkas", portanto, se refere à Índia[8] como um marcador de identidade étnica. Isto é apoiado pelo fato de Amiano Marcelino referir-se a ele como "Sacas Amónio" e então "Amónio saciano",[7] o que faz com que qualquer leitura como denotando "sakkos" seja impossível. Isso explica o relatório de Porfírio de que Plotino, estudante Amônio, adquiriu sua alta estima pela filosofia indiana e seu desejo ansioso para viajar para a Índia a partir de Amônio.[7] A interpretação de que "Sacas" denota origem indiana étnica do norte, em vez de aludir a Gautama Buda, apoia a possibilidade de que Amônio pode ter sido criado como cristão e voltou ao paganismo, como relatado por Eusébio,[9] com base na obra Contra os cristãos de Porfírio. Neste caso Amônio pode ter sido indiano de segunda geração que permaneceu em contato com a filosofia de seu país ancestral. A intensidade do comércio de bens e ideias entre Alexandria e na Índia torna esta uma opção totalmente possível. A interpretação errada da "Sakkas" para "sakkophoros", sendo gramaticalmente incorreto, é, portanto, nada mais do que polêmicas baratas que ficaram. A ligação com a Índia no entanto, explica não só a paixão de Plotino para com a Índia, mas também os acordos substanciais frequentemente observados e idéias compartilhadas entre Vedanta e neoplatonismo, que estão cada vez mais atribuídas a uma ligação genética, ou seja, para conduzir a influência indiana.[10]

A maioria dos detalhes de sua vida vem a partir de fragmentos de escritos deixados por Porfírio. O mais famoso discípulo de Amônio Sacas foi Plotino que estudou com Amônio por onze anos. De acordo com Porfírio, em 232, com a idade de 28, Plotino foi para Alexandria para estudar filosofia:

Em seu vigésimo oitavo ano de idade, ele [Plotino] sentiu o impulso de estudar filosofia e foi recomendado para os professores em Alexandria, que, em seguida, teve a mais alta reputação, mas ele saia de suas palestras tão deprimido e cheio de tristeza que contou sobre isso a um de seus amigos. O amigo, entendeu o desejo de seu coração, mandou para Amônio, a quem não tinha, até agora tentado. Ele foi e o ouviu, então disse ao seu amigo: "Este é o homem que eu estava procurando." A partir daquele dia ele ficou continuamente com Amônio e até completar uma formação na filosofia, tornando-se ansioso em conhecer a disciplina filosófica persa e a que prevalece entre os indianos.[11]

Paganismo e alunos cristãos[editar | editar código-fonte]

De acordo com Porfírio, os pais de Amônio foram cristãos[3] , mas ao tomar conhecimento da filosofia grega, Amônio rejeitou a religião de seus pais para paganismo. Esta conversão é contestada pelos escritores cristãos Jerónimo e Eusébio, que afirmam que Amônio permaneceu um cristão ao longo de sua vida:

[Porfírio] claramente profere uma mentira (o que um opositor dos cristãos não faria?), Quando ele diz que... Amônio caiu de uma vida de piedade para costumes pagãos... Amônio percebia a inabalável e pura filosofia divina até o fim de sua vida. Suas obras ainda mostram isso e como ele é celebrado por muitos pelos escritos que deixou.[12]

No entanto, sabemos através de Longino que Amônio não deixou escritos,[13] e se Amônio foi mesmo a principal influência sobre Plotino, então é improvável que Amônio teria sido um cristão. Uma maneira de explicar grande parte da confusão sobre Amônio é assumir que haviam duas pessoas chamadas Amônio: Amônio Sacas que ensinava Plotino e Amônio, o cristão que escreveu textos bíblicos. Para aumentar a confusão, parece que Amônio tinha dois alunos chamados Orígenes: o Orígenes cristão e o Orígenes pagão.[12] [4]

Filosofia[editar | editar código-fonte]

Um escritos de Hiérocles de Alexandria do século V, afirma que a doutrina fundamental de Amônio era de que Platão e Aristóteles estavam de pleno acordo um com o outro:[14]

Ele foi o primeiro a ter um zelo divino para a verdade na filosofia e desprezava os pontos de vista da maioria, que eram uma vergonha para a filosofia. Ele aprendeu bem os pontos de vista de cada um dos dois filósofos [Platão e Aristóteles], os trouxe sob um mesmo nous e transmitiu a filosofia sem conflitos a todos os seus discípulos e, especialmente, com o melhor de aqueles familiarizados com ele, Plotino, Orígenes e seus sucessores.[15]

De acordo com Nemésio de Emesa, um bispo e neoplatonista c. 400, Amônio considerava que a alma era imaterial.[16]

Pouco se sabe sobre o papel de Amônio no desenvolvimento do neoplatonismo. Porfírio parece sugerir que Amônio foi fundamental para ajudar Plotino a pensar sobre a filosofia de novas maneiras:

Mas ele [Plotino] não falava apenas a partir desses livros, mas tomou uma linha pessoal distinta em sua consideração e trouxe a mente de Amônio "para suportar a investigação à sua disposição".[11]

Referências

  1. Ernildo Stein (organizador). A cidade de Deus e a cidade dos homens: de Agostinho a Vico. [S.l.]: EDIPUCRS. p. 51. ISBN 978-85-7430-485-4.
  2. Mário Curtis Giordani. História da Grécia. [S.l.]: Editôra Vozes, 1967. p. 405. Visitado em 4 July 2013.
  3. a b Tom Harpur. O Cristo dos Pagãos. [S.l.]: Pensamento. p. 40. ISBN 978-85-315-1773-0.
  4. a b Wilhelm Dilthey. História da filosofia. [S.l.]: Hemus, 2004. p. 97. ISBN 978-85-289-0543-4.
  5. Reinholdo Aloysio Ullmann. Plotino: um estudo das Enéadas. [S.l.]: EDIPUCRS. p. 245. ISBN 978-85-7430-766-4.
  6. Seeberg, Erich, "Ammonius Sakas", in: Zeitschrift für Kirchengeschichte, vol. LX, 1941, pp. 136 - 170 (em alemão)
  7. a b c Pauly-Wissova, col. 1924
  8. Benz, Ernst, "Indische Einflüsse auf die frühchristliche Theologie" in: Abhandlungen der Geistes- und Sozialwissenschaftlichen Klasse, Jahrgang 1951, no. 3, Akademie der Wissenschaften und der Literatur Mainz, pp. 1 - 34, pp. 30ff. (em alemão)
  9. Eusébio, Historia eccl. VI, 9
  10. R. Baine Harris. Neoplatonism and Indian Thought. [S.l.]: SUNY Press, 1982. ISBN 978-1-4384-0587-2. (em inglês)
  11. a b Porfírio, Vida de Plotino, de Reale, G., (1990), A History of Ancient Philosophy IV: The Schools of the Imperial Age. Page 298. SUNY Press. (em inglês)
  12. a b Eusébio, História da Igreja, vi, 19.
  13. Longino, citado por Porfírio, Vida de Plotino, xx.
  14. Hiérocles em Fótio, Bibl. cod. 214, 251.
  15. Hiérocles , em Fótio, Bibl. cod. 251. de Karamanolis, G., (2006), Plato and Aristotle in Agreement?: Platonists on Aristotle from Antiochus to Porphyry, Page 193. Oxford University Press. (em inglês)
  16. Nemésio, Da natureza do homem, ii