António José Lampreia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2014).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde maio de 2014).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2014)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

António José Lampreia foi um letrista português.

Percurso[editar | editar código-fonte]

António José Lopes Lampreia nasceu em Setúbal no dia 29 de Janeiro de 1929. Começou por ser cantor tendo gravado 4 discos (o disco "A Feira da Vida" e canções em 3 discos de "Melodias de Sempre") mas depressa optou por se dedicar apenas à escrita de letras para canções.

Fez parte do Quarteto Scalabis, composto por Carlos Walter, Carlos Fernandes e o viola José Nunes, apresentando-se no Clube Radiofónico de Portugal, com actuações regulares onde interpretavam músicas portuguesas e brasileiras.

O seu primeiro êxito foi "Rua sem Luz", em 1959, composto em parceria com Nóbrega e Sousa, para a voz de Maria de Fátima Bravo.

Em Julho de 1968, no 8º Festival da Canção Portuguesa, na Figueira da Foz, venceu a canção "Olhos de Veludo", com música de Ferrer Trindade e letra de António José[1] , sendo seu intérprete Artur Garcia.

Versos da sua autoria foram gravados no Brasil por Agostinho dos Santos, Fáfá de Belém e Carlos José, cuja canção chegou a dar título ao álbum "Sombras na Madrugada". Alguns dos estrangeiros que gravaram em português contaram com a preciosa colaboração de António José na adaptação dos seus temas. São os casos de Adamo, Juan Manuel Serrat ou Júlio Iglesias.

As suas letras foram gravadas por nomes como Amália ou Tony de Matos. Foi o autor de serviço aos grandes sucessos de Marco Paulo.

Foi o autor das marchas vencedoras na Grande Marcha de Lisboa entre 1994 e 1997 taís como "Lisboa de Ver o Mar" de Ferrer Trindade e "Lisboa de Pé no Chão" de Jorge Costa Pinto.

Morreu em Dezembro de 2003.

Maiores sucessos[editar | editar código-fonte]

Prémios

Venceu o primeiro prémio, em diferentes edições do Festival da Canção da Figueira da Foz; o segundo prémio no último Festival Internacional do Atlântico com a canção "Cada Qual", novamente com Nóbrega e Sousa, interpretada por Artur Garcia; o terceiro prémio no Festival da Canção do Douro (Porto), o segundo, o terceiro prémio e, o do Turismo, no Festival da Costa Verde, em Espinho; o primeiro e segundo prémio do Festival da Canção de Lisboa; o Grande Prémio das Marchas Populares de Lisboa de 1994 (parceria com Lídia Lurdes Costa) e o de 1997 (parceria com o Maestro Jorge Costa Pinto); escreveu Marchas Populares para quase todos os Bairros Lisboetas.

Referências

  1. a b inferências (em português). Página visitada em 21 de Dezembro de 2011.
  2. TONY DE MATOS (NóBREGA E SOUSA / ANTóNIO JOSé LAMPREIA) (em português). Página visitada em 21 de Dezembro de 2011.
  3. ARMANDA, MARIA (em português). Página visitada em 21 de Dezembro de 2011.