Arquidiocese de Goiânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Arquidiocese de Goiânia
Archidiœcesis Goianiensis
Localização
País Brasil
Dioceses Sufragâneas
Diocese de Anápolis
Diocese de Goiás
Diocese de Ipameri
Diocese de Itumbiara
Diocese de Jataí
Diocese de Rubiataba-Mozarlândia
Diocese de São Luís de Montes Belos
Estatísticas
Área 13,885 km²
Informação
Rito romano
Criação da Diocese 26 de março de 1956
Elevação a Arquidiocese 26 de março de 1956
Padroeiro Nossa Senhora Auxiliadora
Governo da Arquidiocese
Arcebispo Dom Washington Cruz
Jurisdição Arquidiocese Metropolitana
(Região Centro-Oeste)
Contatos
Endereço Praça Dom Emanuel
Página Oficial www.arquidiocesedegoiania.org.br
E-mail vicom@arquidiocesedegoiania.org.br

A Arquidiocese de Goiânia é uma circunscrição eclesiástica católica no estado de Goiás, Brasil. Foi criada pelo papa Pio XII em 26 de março de 1956, pela bula Santissima Christi Voluntas. Nessa data, Goiás constituía um só estado, com os atuais Distrito Federal e estado do Tocantins.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Numa extensão tão grande havia, apenas, as seguintes circunscrições: Arquidiocese de Goiás, Diocese de Porto Nacional, prelazias de Jataí, Alto Tocantins (Niquelândia), Ilha do Bananal e Tocantinópolis. Em 1955, Dom Emanuel Gomes de Oliveira, Arcebispo de Goiás, convocou uma reunião destas dioceses e prelazias - a Província Eclesiástica de Goiás - para um estudo, com a finalidade de fazer uma revisão da divisão eclesiástica do estado e oferecer à Santa Sé o pedido de reestruturação das dioceses, com a possível supressão de algumas e a criação de outras. Dom Emanuel não chegou a presidir esta reunião, pois faleceu dia 12 de maio daquele ano. Dom Abel Ribeiro Camelo, bispo auxiliar de Dom Emanuel, foi eleito vigário capitular de Goiás. Ele manteve a convocação do encontro.

Os bispos, reunidos por ocasião do sepultamento do Arcebispo em Goiânia, fizeram o plano e o pedido. A Santa Sé reorganizou, assim, as dioceses do estado:

  1. Arquidiocese de Goiânia - sede da província
  2. Dioceses: Goiás, Porto Nacional, Jataí e Uruaçu (com a extinção da Prelazia de São José do Tocantins)
  3. Prelazias de Tocantinópolis, Cristalândia e Formosa (supressão da Prelazia da Ilha do Bananal)

A 16 de junho de 1957, foi instalada pelo então núncio apostólico no Brasil, Dom Armando Lombardi, a Arquidiocese de Goiânia, em ato solene realizado na Praça da Catedral. Na mesma ocasião, tomou posse o primeiro Arcebispo de Goiânia, Dom Fernando Gomes dos Santos, natural de Patos (Paraíba), até então bispo de Aracaju, Sergipe.

Começou, aí, uma nova e preciosa fase da Igreja em Goiás. Além de novos centros de irradiação da fé, as dioceses foram convocadas para uma outra realidade. O início da construção de Brasília mudou rapidamente a feição geográfica do Centro-Oeste brasileiro. A Capital trouxe um desenvolvimento tão rápido que não poderia ser previsto.

A nova capital exigia meios de comunicação e transporte, renovação de estruturas e formação de pessoal. De sertão, Goiás foi se tornando centro administrativo e político do País. Hoje, Brasília tem dois milhões de habitantes e a grande Goiânia, dois milhões e duzentos mil. O cerrado tornou-se cidade, de deserto, em capital. Do carro de boi ao avião a jato, do correio no lombo do burro para a época da Internet. Nenhuma estrutura estava preparada para isto. Surgiram então, as grandes rodovias, os meios modernos de comunicação. O processo da urbanização trouxe exigências novas de uma organização eclesiástica mais ágil para cumprir o mandato da evangelização. Entre outros homens da Igreja, três se destacaram, nessa hora, para a Igreja no Brasil: Dom Hélder Câmara, então secretário-geral da CNBB, Dom Armando Lombardi, núncio apostólico no Brasil, e Dom Fernando Gomes dos Santos, Arcebispo de Goiânia.

Eles anteviram esta transformação rápida e procuraram preparar a Igreja do Centro-Oeste para responder aos desafios. Em 1958, a CNBB realizou em Goiânia sua Assembléia Geral, para que o Episcopado brasileiro conhecesse as obras de Brasília, da nova fase do Brasil, e pudesse assumir essa hora histórica.

Realmente, foi uma providência a vinda de Dom Fernando. Inteligente, decidido, humilde e corajoso, zeloso, jovem ainda, com grande capacidade de liderança, ele assumiu a nova Arquidiocese e convocou as forças vivas, que estavam dispersas, e as uniu e coordenou, começando a criar a mística da missão entre nós.

Nas primeiras semanas em Goiânia, enquanto organizava a Cúria Metropolitana, e retomava as obras da construção da Catedral, ele criou e instalou duas paróquias em Brasília: uma, Santa Cruz, no canteiro de obras do Plano Piloto; e outra, a de São João Bosco, no acampamento dos operários, o Núcleo Bandeirante. Confiou sua direção, respectivamente aos padres estigmatinos e salesianos.

Sem deixar de visitar sua imensa arquidiocese (107.000 km²) para renovar o entusiasmo dos padres, das religiosas e dos leigos, ele dava presença constante em Brasília, incentivando e apoiando as iniciativas de religiosos e religiosas que iam chegando à nova Capital. Colocou ali um vigário-geral da Arquidiocese de Goiânia, lutou junto à Novacap (empresa pública que dirigia a construção de Brasília) e ao Governo Juscelino Kubitschek para a reserva de terrenos para igrejas, escolas e colégios católicos. E, junto à Santa Sé, com apoio do episcopado brasileiro, alcançou a criação da Arquidiocese de Brasília.

A instalação da Arquidiocese de Brasília e a posse do primeiro arcebispo, Dom José Newton de Almeida Baptista, aconteceram dia 21 de abril de 1960, na inauguração da capital.

Outros passos deste início trepidante foram se seguindo. Dom Fernando direcionou a Romaria do Divino Pai Eterno, confiada já aos padres redentoristas, a quem apoiou e orientou para que a vida das romarias se distinguisse da vida paroquial. E, assim, a Pastoral do Santuário foi tomando feições novas de Pastoral das Romarias.

Enquanto retomava as obras da construção do novo santuário, dinamizava o acabamento da Catedral de Goiânia, e levava avante a preparação de espaços físicos e a estruturação da Cúria Metropolitana, do seminário da Arquidiocese e de um Centro de Formação e Treinamento de Líderes (hoje, Centro Pastoral Dom Fernando). Maior, porém, para a história de nossa Igreja, foi seu empenho evangelizador. Dinamizou o clero, realizando reuniões mensais (iniciadas em julho de 1957), estimulou a participação pastoral das religiosas e, acreditando nos leigos, reforçou a Ação Católica e as associações religiosas. Criou a Obra das Vocações Sacerdotais e despertou uma crescente consciência da identidade da nova arquidiocese.

Arcebispos e Bispos[editar | editar código-fonte]

Nome Período Notas
Bispos
Dom Washington Cruz, CP 2002- Atual
Dom Antônio Ribeiro de Oliveira 1985-2002 Arcebispo Emérito
Dom Fernando Gomes dos Santos 1957-1985
Bispo Auxiliar
Dom Waldemar Passini Dalbello 2010-


Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Small Mitre.svg Arquidioceses Católicas do Brasil Bandeira do Brasil
Aparecida | Aracaju | Belém do Pará | Belo Horizonte | Botucatu | Brasília | Campinas | Campo Grande | Cascavel | Cuiabá | Curitiba | Diamantina | Feira de Santana | Florianópolis | Fortaleza | Goiânia | Juiz de Fora | Londrina | Maceió | Manaus | Mariana | Maringá | Montes Claros | Natal | Niterói | Olinda e Recife | Palmas | Paraíba | Passo Fundo | Pelotas| Porto Alegre | Porto Velho | Pouso Alegre | Ribeirão Preto | Santa Maria | São Luís do Maranhão | São Paulo | São Salvador da Bahia | São Sebastião do Rio de Janeiro | Sorocaba | Teresina | Uberaba | Vitória do Espírito Santo | Vitória da Conquista