Becrux

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
β Crucis
Dados observacionais (J2000)
Constelação Crux
Asc. reta 12h 47m 43,3s[1]
Declinação –59° 41′ 19,6″[1]
Magnitude aparente 1,25[2]
Características
Tipo espectral B0.5 III[3] / B2V[4]
Cor (U-B) –0,98[2]
Cor (B-V) –0,23[2]
Variabilidade Beta Cephei[3]
Astrometria
Velocidade radial +15,6 km/s[1]
Mov. próprio (AR) −42,97 mas/a[1]
Mov. próprio (DEC) -16,18 mas/a[1]
Paralaxe 11,71 ± 0,98 mas [1]
Distância 280 ± 20 anos-luz
85 ± 7 pc
Detalhes
Massa 16[3] M
Raio 8,4 ± 0,6[3] R
Gravidade superficial 3,6 ± 0,1[3] (log g)
Luminosidade 34 000[3] L
Temperatura 27 000 ± 1 000[3] K
Metalicidade [Fe/H] –0,08[5]
Rotação 35 km/s (3,6 dias)[3]
Idade 8 a 11 milhões[3] de anos
Outras denominações
Mimosa, Beta Crucis, β Crucis, HR 4853, CPD P-59°4451, HD 111123, FK5 481, SAO 240259, HIP 62434.[1]
Becrux
Crux constellation map.svg

Beta Crucis (β Cru, β Crucis), também conhecida como Becrux ou Mimosa,[6] é a segunda estrela mais brilhante da constelação de Crux e a 19ª do céu noturno, com uma magnitude aparente de 1,25. É parte do proeminente asterismo do Cruzeiro do Sul, que aparece em diversas bandeiras nacionais.[7] [3] Localiza-se muito ao sul para ter um nome próprio tradicional, atribuído pelos povos antigos. O nome Becrux é uma contração da letra grega Beta e da palavra Crux, enquanto Mimosa é uma designação mais recente, provavelmente em referência à família de Fabaceae homônima.[7]

Propriedades[editar | editar código-fonte]

Com base em medições de paralaxe, Beta Crucis está localizada a aproximadamente 280 anos-luz (86 pc) da Terra. Em 1957, o astrônomo alemão Wulff-Dieter Heintz descobriu que a estrela é uma binária espectroscópica com componentes que estão muito próximos um do outro para serem detectados por telescópio.[8] O par completa uma órbita a cada 5 anos com uma separação estimada que varia entre 5,4 e 12,0 UA.[4] O sistema possui uma idade de apenas 8 a 11 milhões de anos.[3]

A estrela primária, Beta Crucis A, é uma estrela massiva com cerca de 16 vezes a massa solar. Sua velocidade de rotação projetada é de cerca de 35 km s–1. No entanto, o plano orbital do par está inclinado em apenas 10°, o que significa que a inclinação do polo da estrela provavelmente é baixo também. Isso sugere uma velocidade de rotação azimutal alta, de cerca de 120 km s–1. Com um raio de cerca de 8,4 vezes o raio solar, isso significa que a estrela tem um período de rotação de apenas 3,6 dias.[3]

Beta Crucis A é uma variável Beta Cephei, e com uma temperatura efetiva de cerca de 27 000 K está no limite da faixa de instabilidade onde tais estrelas são achadas. Todos os períodos de pulsações estão na faixa de 4,03–4,59 horas. A classificação da estrela é B0.5 III, com a classe de luminosidade 'III' indicando que é uma estrela gigante que já esgotou o estoque de hidrogênio em seu núcleo. A alta temperatura nas camadas externas da estrela dá a ela uma tom azul-branco característico de estrelas de classe B.[9] Está gerando um forte vento estelar e provavelmente está perdendo cerca de 10–8 vezes a massa do Sol por ano, o equivalente à massa do Sol a cada 100 milhões de anos. O vento está saindo do sistema com uma velocidade de 2 000 km s–1 ou mais.[3]

O componente secundário do sistema pode ser uma estrela da sequência principal de classe B2.[4] Em 2007, um terceiro componente foi descoberto, que pode ser uma estrela pré-sequência principal de pouca massa. Emissões de raio-X dessa estrela foram detectadas no Observatório de raios-X Chandra. Duas outras estrelas, localizadas a separações de 44 e 370 segundos de arco, provavelmente são companheiras ópticas que não estão associadas fisicamente ao sistema. O sistema Beta Crucis pode ser membro do sub-grupo Centaurus-Crux Inferior da Associação Scorpius-Centaurus. Essa é uma associação estelar de estrelas de possuem origem similar.[3]

Na cultura[editar | editar código-fonte]

Em chinês, 十字架 (Shí Zì Jià), significando Crux, refere a um asterismo que consiste de β Crucis, γ Crucis, α Crucis e δ Crucis.[10] β Crucis em si é conhecida como 十字架三 (Shí Zì Jià sān, a Terceira Estrela da Cruz.).[11]

Mimosa é representada nas bandeiras da Austrália, Nova Zelândia e Papua-Nova Guiné como uma das cinco estrelas que compõem o Cruzeiro do Sul. Na bandeira do Brasil, ela representa o estado do Rio de Janeiro.[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g SIMBAD query result - bet Cru. SIMBAD. Página visitada em 21/04/2012.
  2. a b c Johnson, H. L. et al. (1966), "UBVRIJKL photometry of the bright stars", Communications of the Lunar and Planetary Laboratory 4 (99), Bibcode1966CoLPL...4...99J 
  3. a b c d e f g h i j k l m n Cohen, David H. et al. (June 2008), "Chandra spectroscopy of the hot star βCrucis and the discovery of a pre-main-sequence companion", Monthly Notices of the Royal Astronomical Society 386 (4): 1855–1871, doi:10.1111/j.1365-2966.2008.13176.x, Bibcode2008MNRAS.386.1855C 
  4. a b c Aerts, C. et al. (January 1998), "Evidence for binarity and multiperiodicity in the beta Cephei star beta Crucis", Astronomy and Astrophysics 329: 137–146, Bibcode1998A&A...329..137A 
  5. Kilian, J. (February 1994), "Chemical abundances in early B-type stars. 5: Metal abundances and LTE/NLTE comparison", Astronomy and Astrophysics 282 (3): 867–873, Bibcode1994A&A...282..867K 
  6. Observatório Astronômico de Lisboa: "Lista de Estrelas" [1] em PDF. Página visitada em 4 de julho de 2009.
  7. a b Jim Kaler. Mimosa. Stars. Página visitada em 21/04/2012.
  8. Heintz, W. D. (October 1957), "The radial velocity variation of beta Crucis", The Observatory 77: 200, Bibcode1957Obs....77..200H 
  9. "The Colour of Stars", Australia Telescope, Outreach and Education (Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation), December 21, 2004, http://outreach.atnf.csiro.au/education/senior/astrophysics/photometry_colour.html, visitado em 16/01/2012 
  10. (chinês) 中國星座神話, escrito por 陳久金. Publicado por 台灣書房出版有限公司, 2005, ISBN 978-986-7332-25-7.
  11. (chinês) 香港太空館 - 研究資源 - 亮星中英對照表, Hong Kong Space Museum. Acessado em 23/11/2010.
  12. Astronomy of the Brazilian Flag. FOTW Flags Of The World website.