Blastomicose

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A Blastomicose ou Blastomicose Norte-Americana, também conhecida por Doença de Chicago ou Doença de Gilchrist é uma doença pulmonar causada pelo fungo Blastomyces dermatitidis. Para Blastomicose Sul-Americana, veja Paracoccidioidomicose.

Blastomyces dermatitidis[editar | editar código-fonte]

O B.dermatitidis é um fungo dimórfico muito semelhante ao Histoplasma capsulatum que causa a doença Histoplasmose. A sua fase multicelular sexual é denominada Ajellomyces dermatitidis, do mesmo gênero da do H. capsulatum e é um ascomiceto, que vive livremente alimentando-se de detritos orgânicos, produzindo esporos infecciosos.

A forma que vive a 37°C e infecta o homem é uma levedura que se replica assexuadamente por geminação.

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

A blastomicose existe nas zonas rurais da América do Norte, e especialmente nos estados do Rio Mississipi nos Estados Unidos No etanto também existe nos estados das pradarias ocidentais do Canadá e na África. Afeta principalmente os agricultores que trabalham a terra que contém os seus esporos (produzidos pela forma sexual livre). A infecção é pela inalação desses esporos infecciosos. A doença afeta de forma idêntica aos cães, sendo muito mais comum nesses animais.

Progressão e Sintomas[editar | editar código-fonte]

Após inalação dos esporos, as leveduras localizam-se nos pulmões, sendo fagocitadas pelos macrófagos, no interior dos quais sobrevivem e se multiplicam. Na maioria dos casos a infecção é assintomática e o sistema imunitário destroi o invasor. Há frequentemente formação de granulomas que limitam a disseminação das leveduras. Numa minoria há sintomas de pneumonia, com febre, suores, tosse e expectoração e falta de ar. Em alguns individuos imunodeprimidos ou mais idosos, pode haver disseminação do fungo, mesmo na ausência de sintomas pulmonares, com infecção de órgãos como a pele, baço, fígado e outros. Por vezes há limitação da doença ao pulmão sem resolução, desenvolvendo-se um quadro clínico semelhante ao da tuberculose.

Diagnóstico e Tratamento[editar | editar código-fonte]

A expectoração é observada ao microscópio, mas a cultura pode ser necessária para a identificação.

O tratamento é com o fármaco antifúngico anfotericina B, ou com derivados de azol, como itraconazol.