Alouatta caraya

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Bugio-preto)
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaBugio-preto[1]
Macho adulto

Macho adulto
Fêmea adulta
Fêmea adulta
Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Família: Atelidae
Género: Alouatta
Espécie: A. caraya
Nome binomial
Alouatta caraya
(Humboldt, 1812)
Distribuição geográfica
Distribuição geográfica do bugio-preto.
Distribuição geográfica do bugio-preto.
Sinónimos[3]
  • straminea Humboldt, 1812
  • niger Saint-Hillaire, 1812
  • faunus Illiger, 1815
  • barbatus Spix, 1823
  • ater Desmarest, 1827
  • chrysurus Saint-Hillaire, 1851
  • nigra Slack, 1862
  • belzebul Cope, 1889

O bugio-preto ou bugio-do-pantanal (nome científico:Alouatta caraya)é uma espécie de primata do gênero Alouatta que habita florestas tropicais e savanas do sudoeste e centro do Brasil, nordeste da Argentina, leste da Bolívia e do Paraguai,e provavelmente, do extremo noroeste do Uruguai.[3] [4] O macho adulto é preto, enquanto que as fêmeas e os juvenis são castanho-amarelados.[3] É a espécie do gênero que possui maior área de distribuição geográfica, sendo típico dos biomas do Pantanal e Cerrado, mas também é encontrado em áreas de floresta estacional semidecidual e até nos pampas gaúchos.[3] [5]

O dimorfismo sexual é extremo, com os machos totalmente pretos, pesando em média 6,7kg e as fêmeas possuem uma coloração castanho-claro, pesando em média 4,5kg.[6] Os juvenis possuem a mesma coloração que as fêmeas, sendo que os machos passam a ser pretos quando atingem cerca de 5kg de peso.[6]

Os bugios são animais com uma dieta predominantemente folívora, embora, ela possa variar para dietas mais onívoras.[7] [8] Tal regime alimentar dá boas perspectivas na conservação da espécie, que acaba precisando de uma área de vida menor do que espécies essencialmente frugívoras.[7]

Como as outras espécies do gênero Alouatta, os animais emitem vocalizações, muitas vezes de forma espontânea, que parece ter mais uma função na regulação do uso do território, sinalizando a outros grupos a posse de um determinado espaço.[9] Caso ocorra vocalizações de grupos estranhos no território de um determinado bando, o macho alpha apresenta vocalizações e inicia buscas na região em que tais vocalizações têm origem.[9]

Seu status de conservação é considerado "pouco preocupante", segundo a IUCN, pois possui uma ampla distribuição geográfica e ocorrência em muitas unidades de conservação do Brasil, Paraguai, Argentina e Bolívia, mas as populações estão decaindo.[2] A espécie não é considerada em risco de extinção no Brasil, de acordo com o IBAMA, entretanto, está incluído em categorias de ameaça em três listas regionais como "vulnerável" (Rio Grande do Sul e São Paulo[10] ) e como "em perigo" (no Paraná).[11] [12] No estado de São Paulo está restrito a pequenos fragmentos de cerrado e floresta estacional semidecidual.[10]

Referências

  1. Groves, C.P.. Order Primates. In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.). Mammal Species of the World. 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. 148 pp. ISBN 978-0-8018-8221-0 OCLC 62265494
  2. a b Fernandez-Duque, E., Wallace, R. B. & Rylands, A. B. . Alouatta caraya (em Inglês). IUCN 2012. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2012 Versão 2. Página visitada em 09 de janeiro de 2012.
  3. a b c d Gredorin, R.. (2006). "Taxonomia e variação geográfica das espécies do gênero Alouatta Lacépède (Primates, Atelidae) no Brasil". Revista Brasileira de Zoologia 23 (1): 64-144.
  4. Villalba, J. S., Prigioni, C. M. and Sappa, A. C.. (1995). "Sobre la posible preséncia de Alouatta caraya en Uruguay". Neotropical Primates 3 (4): 173-174.
  5. Paglia, A.P.; da Fonseca, G.A.B.; Rylands, A.B.; Herrman, G.; Aguiar, L.M.S.; Chiarello, A.G.; Leite, Y.L.R.; Costa, L.P.; Siciliano, S.; Kierulff, M.C.M.; Mendes, S.L.; Tavares, V.C.; Mittermeier, R.A.; Patton, J.L.. (2012). "Lista Anotada dos Mamíferos do Brasil 2ª edição". Occasional Paper (6): 1-82.
  6. a b THORING JR, R.W.; et al. (1984). "A study of a black howling monkey (Alouatta caraya) population in northern Argentina" 6 (4): 357-366. DOI:10.1002/ajp.1350060405.
  7. a b CROCKETT, C.M.. (1998). "Conservation Biology of Genus Alouatta". International Journal of Primatology 19 (3): 549-578. DOI:10.1023/A:1020316607284.
  8. LUDWIG, G.; et al. (2008). "Comparison of the diet of Alouatta caraya (Primates: Atelidae) between a riparian island and mainland on the Upper Parana River, southern Brazil". Revista Brasileira de Zoologia 25 (3): 419-426.
  9. a b DE CUNHA, R.G.T.; BYRNE, R.W.. (2006). "Roars of black howler monkeys (Alouatta caraya): evidence for a function in inter-group spacing" 143 (10): 1169-1199. DOI:10.1163/156853906778691568.
  10. a b Percequillo, A. R.; Kierulff, M.C.M.. In: Bressan, P.M.; Kierulff, M.C.M.; Sugieda, A.M.. Livro Vermelho da Fauna Ameaçada de Extinção no Estado de São Paulo. São Paulo, SP: Fundação Parque Zoológico de São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente, 2009. Capítulo: Mamíferos. , 31-87 pp. ISBN 978-85-63001-00-9
  11. Chiarello, A.G.; Aguiar, L.M.S., Cerqueira, R.; de Melo, F.R.; Rodrigues, F.H.G.; da Silva, V.M.. In: Machado, A.B.M.; Drummond, G.M.; Paglia, A.P.. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção - Volume 2. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, 2008. Capítulo: Mamíferos. , 680-883 pp. ISBN 978-85-7738-102-9
  12. COSTA, L.P.; et al. (2005). "Conservação de Mamíferos no Brasil". Megadiversidade 1 (1): 103-112.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bugio-preto
Ícone de esboço Este artigo sobre Macacos do Novo Mundo, integrado ao WikiProjeto Primatas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.