Alouatta palliata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaAlouatta palliata[1]
Allouataadulto 500px.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Família: Atelidae
Género: Alouatta
Espécie: A. palliata
Nome binomial
Alouatta palliata
(Gray, 1849)
Distribuição geográfica
Alouatta palliata Range Map cropped.svg
Subespécies[3]
  • Alouatta palliata aequatorialis Festa, 1903
  • Alouatta palliata mexicana Merriam, 1902
  • Alouatta palliata palliata (Gray, 1849)
Sinónimos
  • A. inclamax Thomas, 1913
  • A. inconsonans Goldman, 1913
  • A. matagalpae Allen, 1908
  • A. niger (Thomas, 1880)
  • A. quichua Thomas, 1913

Alouatta palliata é uma espécie de bugio, um macaco do Novo Mundo do gênero Alouatta, da América Central e Sul. São conhecidas três subespécies, sendo que para alguns autores, Alouatta coibensis, e suas duas subespécies, podem ser consideradas subespécies de A. palliata. Ocorre em diversos países da América Central, sendo uma das espécies de primatas mais comuns dessa região, e na América do Sul ocorre apenas na Colômbia e Equador.

É um dos maiores macacos centro-americanos e os machos podem pesar mais de 9,8 kg. Se diferencia das outras espécies do gênero principalmente pela pelagem, que é totalmente negra com um manto de cor dourada nos flancos. Passa a maior parte do tempo descansando e dormindo. As vocalizações podem ser ouvidas a quilômetros de distância.

A. palliata vive em grupos que podem ter entre 10 e 20 indivíduos em um sistema de acasalamento poligínico. Indivíduos de ambos os sexos deixam o grupo em que nasceram quando atingem a maturidade sexual, resultando bandos em que os adultos não são parentes. Se alimentam predominantemente de folhas, mas frutos também podem fazer da dieta. É importante para processos ecológicos na floresta, principalmente como dispersor de sementes e germinador. São animais relativamente inativos, e eventualmente utilizam a cauda preênsil para se locomover. A gestação dura 186 dias, e as fêmeas dão à luz a um filhote por vez, que adquire uma coloração igual ao dos adultos com cerca de 3 meses de idade.

Embora impactado pela desflorestação, é mais adaptável que outras espécies de primatas centro-americanos, visto sua capacidade de se alimentar de folhas e viver em áreas pouco extensas e por isso, seu estado de conservação é considerado de "baixo risco" pela IUCN.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Alouatta palliata pertence à família de macacos do Novo Mundo Atelidae, que também contém os outros bugios, os macacos-aranhas, os macacos-barrigudos e os muriquis. É membro da subfamília Alouattinae e gênero Alouatta, que são as categorias taxonômicas dos bugios ou guaribas. [1] [3] O epíteto específico palliata; é uma referência a pálio, um manto utilizado por anciões na Grécia e Roma Antigas.[4]

Três subespécies são reconhecidas:[3]

  • Alouatta palliata aequatorialis, da Colômbia, Costa Rica, Equador, Panamá e Peru;
  • Alouatta palliata palliata, da Costa Rica, Guatemala, Honduras e Nicarágua;
  • Alouatta palliata mexicana, do México e Guatemala.

Duas subespécies adicionais de A. palliata são reconhecidas eventualmente, mas são identificadas, geralmente, como subespécies de Alouatta coibensis. Entretanto, análises com DNA mitocondrial tem se mostrado inconclusivas quanto à posição desses táxons:[3]

Distribuição geográfica e habitat[editar | editar código-fonte]

Alouatta palliata é nativo da Colômbia, Costa Rica, Equador, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua e Panamá.[3] Em Honduras, Nicarágua, Costa Rica e Panamá, ocorre em todo os locais desses países.[3] Na Colômbia e Equador, é encontrado em um estreito corredor limitado pelo Oceano Pacífico a oeste e pelos Andes, a leste, e também em uma pequena porção na costa do Mar do Caribe, próxima à fronteira com o Panamá.[3] Na Guatemala, A. palliata é encontrado na parte central do país, e no sudeste do México, ao sul da península de Iucatã.[3] Essa espécie é uma das mais habitualmente ouvidas em muitos parques nacionais da América Central, incluindo os Parques Nacionais Manuel Antonio, Corcovado, Monteverde e Soberania.[5] [6] Vive em diversos tipos de floresta, incluindo floresta secundária e a floresta semidecidual, mas é mais abundante em áreas de floresta madura e de floresta ombrófila.[7] [8] A. palliata é simpátrico com Alouatta pigra, em uma pequena parte de sua distribuição entre a Guatemala e o México, perto da península de Iucatã. [3]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Bugios descansando.

A morfologia de A. palliata é similar aquela de outros macacos do gênero Alouatta exceto pela coloração. A. palliata é preto exceto por uma faixa de pelos de cor dourada ou amarela nos flancos, o que acabou resultando no nome popular em inglês (mantled howler, que traduzido ao pé da letra significa “bugio-de-manto”).[9] Quando os machos alcançam a maturidade, o escroto se torna branco.[10] Fêmeas medem entre 48,1 e 63,2 cm de comprimento, sem a cauda, e machos têm entre 50,8 e 67,5 cm de comprimento. A cauda é preênsil e mede entre 54,5 cm e 65,5 cm de comprimento. Fêmeas adultas geralmente pesam entre 3,1 e 7,6 kg, enquanto os machos têm entre 4,5 e 9,8 kg.[10] O peso médio pode variar significativamente entre populações de diferentes locais.[11] O cérebro de um adulto pesa cerca de 55,1 g, e é menor do que de outros primatas de porte menor, como o macaco-prego-de-cara-branca.[10] [12]

A espécie compartilha muitas adaptações com outras espécies de bugio à folivoria, que é uma dieta com grandes porções de folhas. Seus molares possuem cristas altas, que ajudam na mastigação das folhas.[13] Machos possuem o osso hióide bem desenvolvido.[14] O osso funciona como uma caixa de ressonância, amplificando as vocalizações dos bugios, que podem ser ouvidas à quilômetros de distância.[14]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Organização social[editar | editar código-fonte]

Os grupos possuem, em média, entre 10 e 20 indivíduos, sendo que têm entre 1 a 3 machos adultos, e 5 a 10 fêmeas adultas, mas alguns grupos podem chegar a ter 40 membros.[5] [13] Machos são dominantes sobre as fêmeas, e indivíduos mais jovens tendem a ter uma posição mais elevada na hierarquia.[14] Indivíduos com posição social elevada possuem prioridade na obtenção de sítios de dormida e alimento, e o macho dominante tende a monopolizar as cópulas. [14] Os grupos geralmente são formados por animais não aparentados entre si, pois indivíduos de ambos os sexos deixam o bando após a maturidade sexual.[13]

A catação é pouco frequente, mas sua forma e ocorrência está relacionada à hierarquia social, com indivíduos dominantes catando os subordinados. [15] [16] A catação geralmente ocorre de forma rápida e tipicamente se resume às fêmeas catando seus filhotes e machos adultos.[17] Interações agressivas entre membros de um mesmo bando não são frequentes. [15] Entretanto, estudos mostram que a agressividade entre grupos ocorre, e tendem a não ser muito observadas por humanos por serem rápidas e em silêncio.[15]

Os territórios de A. palliata têm entre 10 e 60 hectares.[13] Grupos não defendem territórios exclusivos, mas em vez disso, vários grupos podem ter seus territórios se sobrepondo ao de outros.[14] Entretanto, se dois grupos se encontram, eles tentam evitar o outro ameaçando e se comportando agressivamente.[14] Em média, os grupos se deslocam cerca de 750 m por dia.[13]

Essa espécie possui pouca interação com outras espécies de primatas centro-americanos, mas interações com o macaco-prego-de-cara-branca ocorrem. Elas são geralmente agressivas, e os macacos-pregos são os mais agressivos. [18] Mas, associações amistosas entre os macacos-pregos e bugios podem ocorrer, envolvendo brincadeiras entre juvenis de ambas espécies, e elas podem se alimentar na mesma árvore, aparentemente, ignorando-se. [18]

Forrageamento e dieta[editar | editar código-fonte]

Alouatta palliata é o primata mais folívoro da América Central. Folhas fazem parte de quase 50% a 75% da dieta dessa espécie de bugio. [5] [13] Apesar disso, ele é seletivo com relação às espécies de árvores que se alimenta, e prefere folhas jovens e brotos.[19] Essa seletividade é para diminuir as concentrações de toxinas ingeridas, já que certas folhas de várias plantas contém toxinas.[19] Folhas jovens geralmente possuem menos toxinas e mais nutrientes do que folhas maduras, e também são mais fáceis de digerir. [13] [19] Bugios possuem grandes glândulas salivares que ajudam a digerir os taninos das folhas se ligando aos polímeros antes que o bolo alimentar chegue ao estômago.[17] Embora folhas sejam recursos abundantes, elas possuem pouco valor energético.[14] O fato de os bugios basearem sua dieta predominantemente em uma fonte com tão baixo valor energético influencia muito seu comportamento: por exemplo, vocalizações para localizar outros grupos evitando grandes deslocamentos em patrulhas pelo território e passar a maior parte do dia descansando.[14]

Embora as folhas tendam a ser a maior parte da dieta de A. palliata, as frutas também pode ter uma grande porção na dieta. Quando disponível, a proporção de frutas na dieta pode ser até 50% e exceder a de folhas.[13] Folhas e frutos de plantas do gênero Ficus possuem preferência.[14] Flores também pode fazer parte da dieta e são ingeridas principalmente em quantidades significativas durante a estação seca. [13] [14] Para obter água, A. palliata pode consegui-la dos alimentos, beber diretamente em buracos nas árvores durante a estação chuvosa ou que ficam retidas em folhas de bromélias.[14] [20]

Tal como as outras espécies de bugios, quase todos os indivíduos possuem visão tricromática.[21] [22] É diferente de muitos macacos do Novo Mundo que possuem também indivíduos dentro de uma mesma população com visão dicromática. A visão tricromática exibida pelos bugios está relacionada à preferências da dieta, permitindo distinguir folhas jovens, que são mais avermelhadas, de folhas maduras.[21]

Locomoção[editar | editar código-fonte]

Macho adulto mostrando a cauda preênsil e o escroto de cor branca.

É uma espécie diurna e arborícola.[10] Movimentos dentro da floresta incluem o quadrupedalismo (quando andam e correm sobre suportes), “semi-braquiação” (atravessando de galho em galho por meio de alongamento dos membros) e escalada.[23] Eles podem eventualmente saltar. [24]

Entretanto, como os outros bugios, é uma espécie relativamente inativa. Dorme ou descansa a noite inteira e cerca de três quartos do dia. A maior parte do período ativo é passado se alimentando, com cerca de 4% do dia gasto com interações sociais.[24] Esta letargia é uma adaptação a uma dieta de baixo valor energético.[14] Usa a cauda preênsil para agarrar ramos enquanto dorme, descansa ou se alimenta. [25] A cauda pode suportar todo o peso do corpo, mas é mais comum se apoiarem com a cauda e ambos os pés.[25] Um estudo mostrou que A. palliata usa rotas conhecidas para sítios de dormida e de alimento, e parece se lembrar de utilizar marcações para encontrar rotas diretas a esses locais. [26]

Comunicação[editar | editar código-fonte]

A. palliata é conhecido, como os outros bugios, por ser um "macaco gritador". As vocalizações são majoritariamente emitidas pelos machos, principalmente na madrugada e no crepúsculo, mas também são emitidas em resposta a algum tipo de distúrbio.[14] Essas vocalizações são muito altas e podem ser ouvidas a quilômetros de distância.[14] Consistem de grunhidos e repetidos roncos que duram cerca de quatro a cinco segundos cada.[14] A intensidade é amplificada pelo osso hioide, que funciona como uma caixa de ressonância. Os machos possuem o osso hioide 25 vezes maior do que o dos macacos-aranhas, que possuem porte similar. Fêmeas também vocalizam, mas suas vocalizações são mais agudas e não tão ruidosas quanto dos machos.[14] A capacidade de emitir tais chamadas é uma estratégia para diminuir o gasto energético em patrulhas pelo território, consistente com a dieta de baixo valor nutricional dos bugios. Os roncos permitem que esses macacos localizem outros bandos sem se mover muito e evitando confrontos diretos.[14] A. palliata utiliza outros sons para se comunicar, incluindo "latidos", grunhidos, cacarejos e guinchos.[20] Eles utilizam cacarejos para manter contato auditivo com outros membros do mesmo grupo.[27]

Macho vocalizando nas árvores.

Também é utilizada comunicação não-vocal, como marcação com urina em alguma situação social estressante.[20] Isto é feito esfregando as mãos, pés, cauda e peito com urina.[20] Beijos e movimentos de língua são sinais usados pelas fêmeas para indicar receptividade sexual.[20] Exibições dos genitais são usadas para indicar estados emocionais, e membros do grupo podem balançar galhos, o que aparentemente é uma atividade lúdica.[20]

Os bugios são geralmente indiferentes à presença dos humanos. Entretanto, quando incomodados por seres humanos, eles podem demonstrar irritação urinando ou defecando neles.[14] Fezes e urina podem atingir observadores, apesar dos bugios estarem no alto das árvores.[14]

Uso de ferramentas[editar | editar código-fonte]

Os bugios eram tido como animais incapazes de usar ferramentas, até que em 1997, foi observado um exemplar de Alouatta seniculus utilizando um galho para acertar uma preguiça-real (Choloepus didactylus), que descansava em uma árvore.[28] Isto sugere que outras espécies do gênero possam usar ferramentas, inclusive A. palliata, apesar de nunca ter sido observado diretamente.

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Juvenil em floresta seca da Costa Rica.

O sistema de acasalamento é poligínico, em que um macho copula com várias fêmeas.[20] Geralmente, o macho alfa monopoliza as oportunidades de cópulas, mas caso ele se distraia, machos subalternos podem conseguir copular.[14] Em alguns grupos, machos subordinados conseguem se acasalar regularmente e deixar descendentes.[13] [29] Os machos alfa mantêm seu status por cerca de 2,5 anos até 3 anos, período em que podem ter até mais de 18 filhotes.[10] Fêmeas tornam-se sexualmente maduras com 36 meses de idade, enquanto machos com cerca de 42 meses.[20] Entretanto, as fêmeas terão filhotes a primeira vez com cerca de 42 meses. O ciclo estral é regular, com cerca de 16,3 dias, e apresenta mudanças sexuais na pele, particularmente inchaço e mudança de cor (de branco para rosa claro) nos pequenos lábios da vulva.[30] O ato copulatório começa quando uma fêmea receptiva se aproxima de um macho e inciam lambidas. O macho responde da mesma forma antes da fêmea se virar enquanto levanta os quadris, permitindo o início do coito. [14] [20] [31] Fêmeas aparentemente utilizam sinais químicos, já que os machos cheiram seus genitais e degustam a urina das fêmeas.[20] A gestação dura cerca de 186 dias; nascimentos podem ocorrer em qualquer parte do ano.[20] A pelagem do recém-nascido é prateado, mas se torna pálida ou dourada depois de alguns dias. Depois disso, a pelagem escurece e o juvenil passa a ter a coloração de um indivíduo adulto com 3 meses de idade.[14]

O juvenil é carregado por sua mãe, se pendurando nos pelos do peito, durante as duas primeiras semanas.[20] Depois dessas semanas, é carregado nas costas.[20] Com cerca de 3 meses, ela passa a carregar menos, até mesmo empurrando para fora, mas somente com 4 ou 5 meses que o filhote deixa de ser carregado.[14] Depois que o juvenil passa a andar por si só, a mãe o carrega apenas para atravessar difíceis obstáculos entre as árvores.[20] Eles brincam entre si em grande parte do tempo.[20] Os infantes são desmamados com 1,5 ano de idade e o cuidado maternal termina neste momento.[20] Fêmeas adultas tipicamente dão à luz a cada 19 a 23 meses, depois que a primeira prole sobrevive até o desmame.[13]

A. palliata difere dos outros bugios em que os testículos não descem até o escroto até eles alcançarem a maturidade sexual.[17] Quando alcançada a maturidade sexual, os joven adultos deixam o grupo natal, embora a prole de fêmeas de alta posição social podem permanecer no grupo.[14] Entretanto, muitos infantes não alcançam a maturidade sexual: adultos dominantes podem matar os filhotes de adultos subordinados, eliminando a competição entre a prole do dominante com a do subordinado.[14] A emigração ocorre para ambos os sexos, com 79% dos machos e 96% das fêmeas deixando o grupo natal quando se tornam adultos.[32] Quando um macho de fora do grupo consegue ocupar o lugar do antigo macho alfa, ele mata os infantes das fêmeas residentes, que acabam entrendo no estro.[13] Predadores como felídeos, cobras e rapinantes também matam filhotes.[33] O sucesso reprodutivo máximo ocorre em fêmeas de posição social intermediária, com filhotes de indivíduos alfa sobrevivendo pouco, possivelmente por conta de competição, e a mortalidade infantil é menor em bandos que os nascimentos das fêmeas ocorrem de forma sincronizada.[30] Se sobreviver à infância, A. palliata pode viver até 25 anos.[33]

Bugio fotografado no Golfo Dulce, Costa Rica

Conservação[editar | editar código-fonte]

A espécie é considerada como de “baixo risco” pela IUCN. Apesar disso, suas populações têm sido impactadas negativamente pela fragmentação das florestas, que tem forçado a migração de grupos desse macaco para regiões mais remotas. Entretanto, essa espécie pode se adaptar melhor à fragmentação de habitat se comparada aos outros primatas centro-americanos, devido ao seu baixo gasto energético, pequenas áreas de vida e habilidade para explorar outras fontes de alimento além de folhas.[34] Possui importância ecológica por várias razões, principalmente como dispersor de sementes e germinador, já que sementes que passam pelo trato digestório do animal têm maior probabilidade de germinarem.[14] Besouros da superfamília Scarabaeoidea, que também são dispersores de sementes, parecem dependentes da presença de A. palliata.[14] Esse bugio é protegido do comércio internacional através do Apêndice I da CITES.[35]

Referências

  1. a b Groves, C.. In: Wilson, D. E., and Reeder, D. M. (eds). Mammal Species of the World. 3rd edition ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 16 de novembro de 2005. Capítulo: Order Primates. , ISBN 0-801-88221-4 OCLC 62265494
  2. Cuarón, A.D., Shedden, A., Rodríguez-Luna, E., de Grammont, P.C., Link, A., Palacions, E. & Morales, A. (2008). Alouatta palliata (em Inglês). IUCN 2012. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2012 Versão 2. Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  3. a b c d e f g h i Rylands, Groves, Mittermeier, Cortes-Ortiz & Hines. In: Estrada, A.; Garber, P. A.; Pavelka, M.S.M.; Luecke, L.. New Perspectives in the Study of Mesoamerican Primates: Distribution, Ecology, Behavior and Conservation.. Nova Iorque: Springer, 2005. Capítulo: Taxonomy and Distributions of Mesoamerican Primates. , 29-79 p. ISBN 978-0-387-25854-6
  4. Pallium. Answers.com. Página visitada em 2009-02-21.
  5. a b c Reid, F.. A Field Guide to the Mammals of Central America and Southeast Mexico. [S.l.]: Oxford University Press, Inc., 1998. Capítulo: Monkeys:Order Primates. , 177-186 p. ISBN 0-19-506401-1
  6. Hunter, L. and Andrew, D.. Watching Wildlife Central America. Footscray, Vic.: Lonely Planet Publications, 2002. 97, 100, 102, 130 p. ISBN 1-86450-034-4
  7. Emmons, L.. Neotropical Rainforest Mammals A Field Guide. Second ed. Chicago, Ill. ;London: Univ. of Chicago Pr., 1997. 130–131 p. ISBN 0-226-20721-8
  8. DeGama, H. and Fedigan, L.. In: Estrada, A., Garber, P., Pavelka, M. and Luecke, L. New Perspectives in the Study of Mesoamerican Primates. New York: Springer, 2006. 165–186 p. ISBN 978-0-387-25854-6
  9. Glander, K.. Costa Rican Natural History. Chicago: University of Chicago Press, 1983. 448–449 p.
  10. a b c d e Rowe, N.. The Pictorial Guide to the Living Primates. East Hampton, N.Y.: Pogonias Press, 1996. p. 109. ISBN 0-9648825-0-7
  11. Glander, K.. In: Estrada, A., Garber, P., Pavelka, M. and Luecke, L. New Perspectives in the Study of Mesoamerican Primates. New York: Springer, 2006. Capítulo: Average Body Weight for Mantled Howling Monkeys (Alouatta palliata). , 247–259 p. ISBN 978-0-387-25854-6
  12. Rowe, N.. The Pictorial Guide to the Living Primates. [S.l.]: Pogonias Press, 1996. p. 95. ISBN 0-9648825-0-7
  13. a b c d e f g h i j k l Di Fiore, A. and Campbell, C.. In: Campbell, C., Fuentes, A., MacKinnon, K., Panger, M., & Bearder, S. Primates in Perspective. New York: Oxford University Press, 2007. 155–177 p. ISBN 978-0-19-517133-4
  14. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa Wainwright, M.. The Natural History of Costa Rican Mammals. Miami, FL: Zona Tropical, 2002. 139–145 p. ISBN 0-9705678-1-2
  15. a b c Sussman, R.. Primate Ecology and Social Structure Volume 2: New World Monkeys. Revised First ed. Boston, MA: Pearson Custom Publ, 2003. 142–146 p. ISBN 0-536-74364-9
  16. Jones, C.. (1979.). "Grooming in the Mantled Howler Monkey, Alouatta palliata (Gray)". Primates 20 (2): 289–292. DOI:10.1007/BF02373380.
  17. a b c Kinzey, W.. In: Kinzey, W. New World Primates Ecology, Evolution and Behavior. New York: Aldine de Gruyter, 1997. p. 184. ISBN 0-202-01186-0
  18. a b Rose, L., Perry, S., Panger, M., Jack, K., Manson, J., Gros-Louis, J., and Mackinnin, K.. (2003). "Interspecific Interactions between Cebus capucinus and other Species: Data from Three Costa Rican Sites" (PDF). International Journal of Primatology 24 (4): 780–785. DOI:10.1023/A:1024624721363.
  19. a b c Glander, K.. The Primate Anthology. Upper Saddle River, N.J.: Prentice Hall, 1977. Capítulo: Poison in a Monkey's Garden of Eden. , 146–152 p. ISBN 0-13-613845-4
  20. a b c d e f g h i j k l m n o p Defler, T.. Primates of Colombia. Bogotá, D.C., Colombia: Conservation International, 2004. 370–384 p. ISBN 1-881173-83-6
  21. a b Stoner, K., Riba-Hernandez, P., & Lucas, P.. (2005). "Comparative Use of Color Vision for Frugivory by Sympatric Species of Platyrrhines" (PDF). American Journal of Primatology 67 (4): 399–409. DOI:10.1002/ajp.20195. PMID 16342076.
  22. Dawkins, R.. The ancestor's tale: a pilgrimage to the dawn of evolution. [S.l.]: Houghton Mifflin Harcourt, 2004. 145–155 p. ISBN 978-0-618-00583-3
  23. Gebo, D.. (1992). "Locomotor and Postural Behavior in Alouatta palliata and Cebus capucinus". American Journal of Primatology 26 (4): 277–290. DOI:10.1002/ajp.1350260405.
  24. a b Nowak, R.. Walker's Primates of the World. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1999. 103–105 p. ISBN 0-8018-6251-5
  25. a b Kavanagh, M.. A Complete Guide to Monkeys, Apes and Other Primates. London: Cape, 1983. 95–98 p. ISBN 0-224-02168-0
  26. Garber, P. and Jelink, P.. In: Estrada, A., Garber, P., Pavelka, M. and Luecke, L. New Perspectives in the Study of Mesoamerican Primates. New York: Springer, 2006. Capítulo: Travel Patterns and Spatial Mapping. , ISBN 978-0-387-25854-6
  27. da Cunha, R.G.T. and Byrne, R.. In: Garber, P., Estrada, A. Bicca-Marques, J.C., Heymann, E. and Strier, K. South American Primates: Comparative Perspectives in the Study of Behavior, Ecology and Conservation. [S.l.]: Springer, 2009. Capítulo: The Use of Vocal Communication in Keeping the Spatial Cohesion of Groups: Intentionality and Specific Functions. , 344–345 p. ISBN 978-0-387-78704-6
  28. Richard-Hansen, C., Bello, N., & Vie, J.. (1998). "Tool use by a red howler monkey (Alouatta seniculus) towards a two-toed sloth (Choloepus didactylus)". Primates 39 (4): 545–548. DOI:10.1007/BF02557575.
  29. Di Fiore, A.. In: Garber, P., Estrada, A., Bicca-Marques, J.C., Heymann, E. and Strier, K. South American Primates: Comparative Perspectives in the Study of Behavior, Ecology and Conservation. [S.l.]: Springer, 2009. Capítulo: Genetic Approaches to the Study of Dispersal and Kinship in New World Primates. , 223–225 p. ISBN 978-0-387-78704-6
  30. a b Glander, K.. (1980). "Reproduction and Population Growth in Free-Ranging Mantled Howler Monkeys". American Journal of Physical Anthropology 53 (53): 25–36. DOI:10.1002/ajpa.1330530106. PMID 7416246.
  31. Young, O.. (1982). "Tree-rubbing Behavior of a Solitary Male Howler Monkey". Primates 2 (23): 303–306. DOI:10.1007/BF02381169.
  32. Glander, K.. (1992). "Dispersal Patterns in Costa Rican Mantled Howling Monkeys". International Journal of Primatology 4 (13): 415–436. DOI:10.1007/BF02547826.
  33. a b Henderson, C.. Field Guide to the Wildlife of Costa Rica. Austin, Tex.: Univ. of Texas Press, 2000. 450–452 p. ISBN 0-292-73459-X
  34. Garber, P., Estrada, A., and Pavelka, M.. In: Estrada, A., Garber, P., Pavelka, M. and Luecke, L. New Perspectives in the Study of Mesoamerican Primates. New York: Springer, 2006. Capítulo: Concluding Comments and Conservation Priorities. , 563–585 p. ISBN 0-387-25854-X
  35. Alphabetical Primate CITES Appendix I. AESOP-Project. Página visitada em 2009-02-10.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal dos Primatas.
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Alouatta palliata
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alouatta palliata

Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.