Canibalismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Grilos da espécie Anabrus simplex praticando o canibalismo.

Canibalismo é um tipo de relação ecológica em que certas espécies de animais se alimentam de indivíduos da mesma espécie. Segundo alguns investigadores, essa prática terá resultado da evolução das espécies, com o objetivo de eliminar os indivíduos menos aptos, por exemplo, provenientes de uma ninhada em que alguns filhotes saem dos ovos defeituosos ou imaturos (ver seleção natural)[1] .

Exemplos frequentes são o consumo dos machos de alguns insetos, a exemplo de integrantes da ordem mantodea e aracnídeos pelas fêmeas, depois da cópula. Alguns estudiosos acreditam que esta prática aumenta as probabilidades da fêmea ter uma prole forte, por ter ingerido as proteínas do macho, apesar destas espécies se alimentarem habitualmente de outros animais.

O termo terá origem no idioma arawan, por via do espanhol Caribal de “Caribe”, língua falada por uma tribo indígena da América do Sul ou povos caraíbas antilhanos, de que os viajantes europeus reportaram costumes antropofágicos, e poss. com infl. de can ‘cão1’; fr. Canniba [2] Um caso noticiado pelos mídia no Brasil foi refutado por um "pajé" arawan, que afirmou não conhecer a tradição de canibalismo na sua tribo, ou em tribos do grupo arawan; no entanto, afirmou ter ouvido de seu pai que existiram "povos antigos" que comiam os corpos dos inimigos mortos em batalha. Um antropólogo que estudou as tradições destes povos reiterou não existir o canibalismo nas suas tradições[3] .

No caso do canibalismo entre seres humanos, a prática é denominada antropofagia. No entanto, alguns casos recentes que podem considerar-se criminosos (ou relacionados a transtorno mental grave), são noticiados amplamente, tanto na mídia como na internet, como casos de canibalismo[4] . Para além dos casos macabros, ligados a antigos rituais religiosos, ou a casos recentes, existe ainda um caso amplamente noticiado sobre os sobreviventes de um desastre de avião que supostamente teriam cometido canibalismo por uma questão de sobrevivência[5] .

Patologia veterinária[editar | editar código-fonte]

Entre aves, canídeos e felinos, especialmente se criados em cativeiro, patologias maternas de natureza hormonal e inibição da percepção materna ou da produção de estímulos tácteis e olfatórios vindos dos filhotes podem levar a este comportamento. [6] Quando os recursos são limitados, as fêmeas podem reduzir o tamanho da ninhada através do canibalismo; no entanto, em condições “normais”, este fenômeno de canibalismo materno, comum em laboratórios, ainda não é compreendido.

Ainda sobre a patologia de reconhecimento mútuo ao nível da "família" Chauvin [7] assinala que é certo que, ao fim de alguns dias, os pais reconhecem sua própria cria e trucidam os filhotes estranhos que em sua ninhada se queiram introduzir.

Referências

  1. Watanabe, Maria Aico (27 de abril de 2001) "Papel do canibalismo em artrópodos e estratégias para escape" no site "Biologia é tudo!" da Profª. Carol acessado a 13 de outubro de 2009
  2. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa corresponde à 3ª. edição, 1ª. impressão da Editora Positivo, Br, Edição digital. Regis Ltda - DBK Multimídia
  3. "Cidades - Pajé yawanawá nega prática de canibalismo entre kulina do Envira" no site NoTapajos.Globo.com (postado a 20 de fevereiro de 2009) acessado a 13 de outubro de 2009
  4. Cabral, Gabriela "Canibalismo" no site BrasilEscola.com.br acessado a 13 de outubro de 2009
  5. "Canibalismo nos Andes chega em livro ao Brasil" no site Lustosa.net acessado a 13 de outubro de 2009
  6. Eibl-Eibesfeldt, Irenäus. Eología, introducción al estúdio comparado del comportamiento. Barcelona, Es, Omega, 1974
  7. Chauvin, Rémy. A etologia, estudo biológico do comportamento animal. RJ, Zahar, 1977.
Ícone de esboço Este artigo sobre ecologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.