Castelo de Caernarfon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vista geral do Castelo de Caernarfon, Gales.

O Castelo de Caernarfon (em galês Castell Caernarfon) localiza-se em Caernarfon, área principal de Gwynedd, no noroeste do País de Gales. Foi construído pelo rei Eduardo I de Inglaterra na sequência da conquista de Gwynedd, em 1283[1] , em posição dominante sobre as margens do rio Seiont. Está classificado como Património Mundial da Humanidade, integrado no sítio Castelos-fortes e Fortificações do Rei Eduardo I no Antigo Principado de Gwynedd. Encontra-se classificado como um listed building com o Grau I desde 31 de março de 1983.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Castelo Caernarfon, no início do século XX.

Eduardo I de Inglaterra construiu castelos e cidades muradas no Norte de Gales de forma a assegurar o controle daquela região depois da conquista do independente Principado de Gales, em 1283. O lugar seleccionado para Caernarfon era estrategicamente importante, localizado nas margens do Rio Seiont onde este flui para o Estreito de Menai. Tinha sido o sítio dum forte romano e, mais tarde, dum castelo do tipo motte and bailey construído cerca de 1090 por Hugh d'Avranches. Na época, o castelo era rodeado por água, em dois dos lados, e pelas muralhas Caernarfon, no terceiro. No entanto, no século XIX, esta área do Rio Seiont foi preenchida para alargar o porto de Caernarfon, fazendo, actualmemente, parte do parque de estacionamento do castelo.

Llywelyn ap Gruffudd, Príncipe de Gales e último representante da casa real galesa Aberffraw[3] , tendo rejeitsdo um subsídio anual de mil libras e uma herdade na Inglaterra em troca da entrega sem reservas do seu país ao rei da Inglaterra, foi atraído para uma armadilha, no dia 11 de Dezembro de 1283, e condenado à morte. O seu irmão Dafydd ap Gruffudd continuou a luta pela manutenção da independência, mas acabou por ser capturado na Monatanha Bera nas terras altas acima do Garth Celyn, em Junho de 1283. Com o fim do conflito, a maioria dos parentes de Llywelyn acabou a vida em cativeiro - com excepção do seu irmão mais novo, Rhodri, que havia vendido os seus direitos e se esforçou por manter um perfil muito baixo, e um primo distante, Madoc ap Llywelyn, que liderou uma revolta e reclamou o título de Príncipe de Gales em 1294. Nessa revolta de 1294-1295, Caernarfon foi tomado pelas forças de Madoc ap Llywelyn, mas recapturado em 1295 e as suas defesas levadas quase à conclusão.

Eduardo I cercou e fez sombra a Garth Celyn, a residência real e quartel-general da resistência ao domínio inglês, com este castelo, com o Conwy Castle e, mais tarde, com o Beaumaris Castle. A outra fortaleza no anel de ferro que cercou Snowdonia foi o Harlech Castle.

Eduardo II de Inglaterra nasceu aqui, durante as fases iniciais de construção do castelo, em 1284.

Em 1403 e 1404, o castelo resistiu a cercos pelas forças de Owain Glyndŵr. Em 1646, durante a Guerra Civil Inglesa, a sua guarnição Realista rendeu-se às forças .

Construção[editar | editar código-fonte]

O pátio do Caernarfon Castle, mostrando, da esquerda para a direita, a Torre Negra, a Torre do Camareiro e a Torre da Águia.

Começado em 1283, depois de Snowdonia - o quartel general do Reino de Gwynedd - ter sido invadido pelo maciço exército, o edifício atingiu o seu actual aspecto em 1323. O castelo, dominando o Estreito de Menai, nunca foi concluído e, ainda hoje, existem juntas visíveis em vários locais das paredes internas, prontas para aceitar novas paredes que jamais foram construídas. Registos contemporâneos indicam que a sua construção custou cerca de 22.000 libras - uma enorme quantia para a época, equivalente a mais de um ano de renda para o tesouro real.

O desenho de castelo linear é sofisticado em comparação com outros castelos britânicos iniciais. Diz-se que as suas muralhas foram moldadas nas Muralhas de Constantinopla, sendo Eduardo I um entusiástico cruzado.

Uso cerimonial[editar | editar código-fonte]

  • A tradição de investir o herdeiro do monarca britânico com o título de Príncipe de Gales começou em 1301, quando o rei Eduardo I, tendo completado a conquista de Gales, deu o título ao seu herdeiro, o Príncipe Eduardo (mais tarde rei Eduardo II de Inglaterra). De acordo com a famosa lenda, o rei tinha prometido aos galeses que iria nomear "um príncipe nascido em Gales, que não falasse uma palavra de inglês" e então produziu o seu filho infante para surpresa deles; no entanto, a história pode bem ser apócrifa, pois pode ter sido traçada somente no século XVI. De qualquer forma, Eduardo II nasceu, certamente, em Caernarfon enquanto o seu pai estava em campanha em Gales e, como todos os infantes, não podia, na altura, falar inglês (de facto, crescendo na na corte real nos anos seguintes, a sua primeira linguagem pode muito bem ter sido a anglo-normanda, não o inglês).

Actualidade[editar | editar código-fonte]

O castelo aloja o Royal Welch Fusiliers Museum (Museu dos Fusileiros Reais Galeses) e faz parte do sítio classificado pela UNESCO com o título Castelos-fortes e Fortificações do Rei Eduardo I no Antigo Principado de Gwynedd.

Em 2007, uma cópia da Torre da Águia foi recriada no boulevard da cidade costeira de Zandvoort, na Holanda. A escultura na areia, feita inteiramente de areia e água, foi esculpida por uma equipa de profissionais e media 4,60 metros (15 pés) de altura.

Uma locomotiva a diesel, que circula na vizinha Welsh Highland Railway, carrega o nome Caernarfon Castle.

Referências

  1. História do Castelo Caernarfon
  2. Caernarfon Castle, Caernarfon (em inglês) britishlistedbuildings.co.uk. Página visitada em 22 de fevereiro de 2012.
  3. Casado com Eleanor de Montfort, com quem teve uma filha, Gwenllian de Gales.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Castelo de Caernarfon


Imagem: Castelos-fortes e Fortificações do Rei Eduardo I no Antigo Principado de Gwynedd O Castelo de Caernarfon faz parte do sítio Castelos-fortes e Fortificações do Rei Eduardo I no Antigo Principado de Gwynedd, Património Mundial da UNESCO. Welterbe.svg