Décio Villares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde dezembro de 2014). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Décio Villares
Nascimento 1 de dezembro de 1851
Rio de Janeiro
Morte 21 de junho de 1931 (79 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade  brasileiro

Décio Rodrigues Villares (Rio de Janeiro, 1º de dezembro de 1851 — Rio de Janeiro, 1931) foi um pintor, escultor e desenhista brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Décio Villares nasceu em uma família tradicionalmente política, sendo filho de José Rodrigues Villares, vereador de Nova Iguaçu. Estudou no Colégio Pedro II e, em 1868, entrou para a Academia Imperial de Belas Artes (AIBA), aos dezessete anos.

Villares viajou à França e à Itália, permanecendo na Europa por quase dez anos. Em 1872, ele matriculou-se no atelier de Alexandre Cabanel, sendo premiado, dois anos depois, no Salão de Paris, por sua obra Paolo e Francesca da Rimini.

Foi em Paris que Villares aderiu aos ideiais republicanos e converteu-se ao Positivismo. Fervorosamente católico, Décio pintou Queda do Cristianismo e Virgem da Humanidade, para o Templo da Religião da Humanidade na capital francesa.[1]

Em Florença, Villares freqüentou o atelier de seu amigo e ídolo Pedro Américo, de cujo irmão mais novo, Aurélio de Figueiredo, também era amigo. Villares serviu como modelo para rostos do quadro Batalha, de Américo.

Regressou ao Brasil em 1881, participando de exposições logo no ano seguinte, em lugares como os Salões do Liceu de Artes e Ofícios. Os críticos Gonzaga Duque, Oscar Guanabarino e Felix Ferreira chegaram a escrever sobre os trabalhos de Villares.

Décio Villares executou o desenho do disco azul da bandeira do Brasil.[2]

Villares também trabalhou com escultura e, por um tempo, com caricaturas, publicadas em jornais de sátira. Em Porto Alegre, por exemplo, ele deixou o Monumento a Júlio de Castilhos. Fez bustos de grandes personalidades, tais como Cristóvão Colombo, Tiradentes, José Bonifácio, Deodoro da Fonseca e Benjamin Constant.

Villares morreu em 21 de junho de 1931, ano em que sua viúva, em um gesto impensado, incendiou seu atelier, destruindo parte de seus quadros.[3]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Décio Villares