Borges de Medeiros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Borges de Medeiros
Borges de Medeiros
Governador do Rio Grande do Sul Bandeira do Rio Grande do Sul.svg
Período de governo de 25 de janeiro de 1898
a 24 de janeiro de 1908
e de 25 de janeiro de 1913
a 24 de janeiro de 1928
Antecessor(a) Júlio Prates de Castilhos
Carlos Barbosa Gonçalves
Sucessor(a) Carlos Barbosa Gonçalves
Getúlio Vargas
Vida
Nascimento 19 de novembro de 1863
Caçapava do Sul, RS
Morte 25 de abril de 1961 (97 anos)
Porto Alegre, RS
Dados pessoais
Partido PRR
Profissão Advogado

Antônio Augusto Borges de Medeiros (Caçapava do Sul, 19 de novembro de 1863Porto Alegre, 25 de abril de 1961) foi um advogado e político brasileiro, tendo sido presidente do estado do Rio Grande do Sul por 25 anos, durante a República Velha.

Em 1885, bacharelou-se em direito na Faculdade de Direito do Recife, onde transferido de São Paulo um ano antes.[1] Borges de Medeiros é representante da primeira geração republicana. Em 1903, após a morte de Júlio de Castilhos, chamado O Patriarca, assumiu a liderança do Partido Republicano Rio-grandense (PRR). Foi presidente do estado do Rio Grande do Sul, (indicado por Júlio de Castilhos), e procurou dar continuidade ao projeto político do castilhismo, do qual foi um dos maiores representantes e fiel executor do positivismo. Manteve-se no poder de 1898 até 1928 e sua única interrupção como governante ocorreu no quinquênio de 1908-1913, quando, impedido de se reeleger, faz seu sucessor, Carlos Barbosa Gonçalves.

Em 1892, quando da organização do Superior Tribunal de Justiça do Estado, foi escolhido para desembargador, cargo que renunciou pouco depois por considerá-lo incompatível com sua atividade política.


Em 1923, um movimento revolucionário obriga a mudança da constituição de 1891, que permitia a reeleição dos presidentes estaduais. Com o pacto de Pedras Altas, em 14 de dezembro de 1923, foi assegurada a pacificação política do Rio Grande do Sul. Impedido de se reeleger, Borges de Medeiros abre caminho em 1928 para que Getúlio Vargas seja eleito presidente do estado, mantendo assim a hegemonia política do PRR.

Antigo partidário de Getúlio, passou a discordar deste após a Revolução de 1930, principalmente devido à política de centralização do poder no governo federal, prejudicando governos estaduais, adotada por Vargas.

Borges de Medeiros também atuou no levante constitucionalista de 1932, quando apoiou os paulistas, no movimento legalista.

Opondo-se ao governo federal, Borges elegeu-se deputado federal à Assembleia Nacional Constituinte de 1933. No ano seguinte, foi candidato à Presidência da República, em eleição indireta no Congresso Nacional. Obteve 59 votos contra 174 obtidos por Getúlio Vargas.

Borges de Medeiros era figura de carisma único. Ramiro Fortes de Barcellos, adversário político, escreveu - sob o pseudônimo de Amaro Juvenal - um poema satírico chamado Antônio Chimango, que constitui uma das raras sátiras verdadeiramente representativas da poesia brasileira.

Referências

Precedido por
Júlio de Castilhos
Governador do Rio Grande do Sul
18981908
Sucedido por
Carlos Barbosa Gonçalves
Precedido por
Carlos Barbosa Gonçalves
Governador do Rio Grande do Sul
19131928
Sucedido por
Getúlio Vargas