Antônio Britto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Fevereiro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.


Antônio Britto
Governador do  Rio Grande do Sul
Mandato 1 de janeiro de 1995
até 31 de dezembro de 1998
Antecessor(a) Alceu de Deus Collares
Sucessor(a) Olívio Dutra
Ministro da Previdência Social do  Brasil
Mandato 15 de outubro de 1992
até 15 de dezembro de 1993
Antecessor(a) Reinhold Stephanes
Sucessor(a) Sérgio Cutolo dos Santos
Vida
Nascimento 1 de julho de 1952 (62 anos)
Santana do Livramento, RS
Dados pessoais
Partido PMDB (1986-2001) e PPS (2001-2003)
Profissão Jornalista e empresário

Antônio Britto Filho (Santana do Livramento, 1 de julho de 1952) é um jornalista e executivo brasileiro, que exerceu os cargos de deputado federal, ministro da Previdência Social e governador do estado do Rio Grande do Sul.

Vida acadêmica e jornalística[editar | editar código-fonte]

Filho de um jornalista, começou a trabalhar no pequeno jornal local do pai, antes de cursar a faculdade de jornalismo na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Profissionalmente, começou a atuar em 1970, no Jornal da Semana, publicação dominical do grupo Editorial Sinos, como redator de futebol. Mais tarde, por indicação do jornalista Paulo Sant'Ana, passou a trabalhar como repórter no jornal Zero Hora, do grupo RBS, aos 19 anos de idade.

Em 1972, transferiu-se para a rádio Guaíba (pertencente ao grupo Caldas Júnior), a convite de Pedro Carneiro Pereira, onde chegou a coordenador da área de esportes e foi chefe de jornalismo. Em 1978, deixou a Guaíba e voltou ao grupo RBS, passando a trabalhar na TV Gaúcha. Nesse mesmo ano tornou-se professor da Unisinos, função que exerceu até 1979.

Da RBS, passou ainda em 1979 para a editoria de política da Rede Globo em Brasília, atuando também como comentarista e apresentador. No início de 1985, logo após a eleição de Tancredo Neves para a presidência da República, foi convidado para ser secretário de imprensa do novo governo. Nessa função, atuou como porta-voz das informações médicas sobre o estado de saúde do presidente, no período que antecedeu à sua morte, em 21 de abril de 1985.

Início da carreira política[editar | editar código-fonte]

Conhecido através da mídia televisiva e autor de um livro sobre os últimos dias de Tancredo, foi convidado por Ulisses Guimarães a filiar-se ao PMDB, partido ao qual lançou-se candidato a deputado federal nas eleições de 1986, sendo eleito com uma das maiores votações do estado (e reeleito em 1990).

Na Câmara dos Deputados, atuou na elaboração da Constituição de 1988 e foi presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática no biênio 1990-91. Em 1988, foi indicado pelo PMDB como candidato à prefeitura de Porto Alegre, mas apesar do favoritismo inicial, perdeu força e acabou em quarto lugar no pleito, vencido por Olívio Dutra (PT).

Em 1992 foi convidado pelo presidente Itamar Franco para ocupar a pasta da Previdência Social. A decisão presidencial de atualizar os vencimentos dos aposentados foi-lhe, então, bastante benéfica, o que alavancou sua popularidade nacional e o colocou como um dos prováveis sucessores do próprio Itamar nas eleições de 1994. No entanto, preferiu buscar antes o governo de seu próprio estado, orientando o apoio do PMDB local à candidatura presidencial de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), em contraposição ao candidato oficial do partido, Orestes Quércia.

No primeiro turno do pleito, obteve 49,2% dos votos válidos, contra 34,7% de seu principal concorrente, Olívio Dutra. No segundo turno, obtendo o apoio do PPR e parte do PDT (do então governador, Alceu Collares), obteve 52,2% dos votos, contra 47,8% de Olívio. A polarização PMDB/PT no Rio Grande do Sul repetiu-se nas eleições de 1998 e 2002.

O governo Britto[editar | editar código-fonte]

A gestão a frente do governo do Rio Grande do Sul foi marcada por reformas administrativas e uma intensa polêmica com a oposição (liderada pelo PT), que detinha a hegemonia dos sindicatos de servidores, especialmente o CPERS, que agrega o magistério estadual.

Essa polêmica não se limitava à questão salarial, mas incluía as medidas que Antônio Britto e sua equipe de governo adotaram para buscar o saneamento das finanças estaduais, que incluiam a privatização das grandes autarquias de serviços públicos do estado, a Companhia Riograndense de Telecomunicações (telefonia) e a Companhia Estadual de Energia Elétrica, ambas criadas na gestão de Leonel Brizola (1959 a 1962).

Para os defensores do governo Britto, as privatizações ampliariam a abrangência dos serviços, barateando o seu custo de instalação. Para seus adversários, as taxas cobradas pelas empresas privatizadas se tornariam com o tempo mais caras para a população, beneficiando apenas alguns grupos empresariais específicos.

Outro foco de polêmica foi a política de atração de grandes empresas automobilísticas para o estado através de concessão de benefícios fiscais, como a isenção do ICMS nos primeiros anos. Para seus opositores, a política de atração de investimentos (envolvendo o estado na "guerra tributária" com outras unidades da federação) representava uma perda para o fisco, não compensando a geração de empregos.

Outra medida combatida do governo Britto foi a criação de pólos rodoviários privados, que receberam a concessão de pedágios, medida que comprometeu a sua popularidade em algumas localidades. No setor bancário, o governo Britto procedeu a fusão dos dois bancos estaduais, incorporando a Caixa Econômica Estadual do Rio Grande do Sul ao Banrisul. Algumas medidas privatizantes de Antônio Britto (que lhe valeram a acusação de "neoliberal" por seus adversários ), precederam às próprias privatizações do governo federal, na gestão de Fernando Henrique Cardoso.

O seu governo também foi marcado pelo intenso fechamento e falência de muitas indústrias de calçados no RS, principalmente no Vale do Rio do Sinos, principal polo calçadista do estado.

As eleições de 1998[editar | editar código-fonte]

Politicamente, procurou governar com uma base partidária ampla, isolando apenas o PT. Isso permitiu a composição de uma ampla coligação de partidos para as eleições de 1998, quando concorreu à reeleição pelo PMDB. Mas em alguns casos, o favorecimento ao PPB (que indicou seu candidato a vice, José Otávio Germano) levou a rupturas dentro de seu próprio partido, que em alguns municípios anunciou o apoio ao PT.

Chegou a vencer o primeiro turno das eleições por uma pequena margem de votos. Mas no segundo turno, novamente contra o seu adversário de 1994, Olívio Dutra (PT), acabou sendo derrotado por uma diferença de 87.366 votos. No pleito, foi decisivo o apoio do PDT (contrário às privatizações) ao candidato do PT.

Atuação empresarial[editar | editar código-fonte]

Após a derrota em sua tentativa de reeleição, passou a trabalhar na iniciativa privada, como consultor junto ao grupo Telefonica de Espanha, o que levou a suspeitas de favorecimento na privatização da CRT, em 1997. Em 2001, ainda cotado como preferido para a sucessão de Olívio Dutra (que acabaria não concorrendo à reeleição), Antônio Britto entrou em choque com o senador Pedro Simon, principal liderança regional do PMDB, e acabou saindo do partido.

Filiou-se então ao PPS (incipiente no estado), junto com sua base de apoio, e lançou-se à sucessão estadual de 2002, em aliança com o PFL (já que o PDT se recusara a apoiá-lo, dentro da regra da "verticalização" da coligações nos estados). No entanto, a forte rejeição ao seu nome fez suas intenções de voto "migrarem" em massa para o candidato do PMDB, Germano Rigotto. Ficou em terceiro lugar, com apenas 12% dos votos, enquanto Rigotto derrotou Tarso Genro (PT), no segundo turno, trazendo novamente o PMDB ao governo estadual.

A partir de então, anunciou seu abandono definitivo da vida política, tornando-se diretor da empresa Calçados Azaléia, e seu presidente após a morte do fundador, Nestor de Paula, de quem se aproximou durante o governo do estado. Em 2005, envolveu-se em uma polêmica nacional, ao fechar uma unidade da fábrica no Rio Grande do Sul, demitindo 800 funcionários, ao mesmo tempo que abria uma unidade na China. Desgastado com os herdeiros de Nestor de Paula, por conta de um relacionamento conflituosos, no final de 2006 anunciou seu desligamento da Azaléia, por demissão.

Na Claro, está atuando na área de assuntos corporativos, com o objetivo de organizar as relações da empresa com os públicos externos e com o congresso.

Cquote1.svg Exige-se do setor de telecomunicações no Brasil qualidade de Suécia e preço de Índia, com imposto de Brasil, o que acaba sufocando a rentabilidade das empresas e os investimentos. Cquote2.svg
Em 28 de novembro de 2008, comentando sobre a criação do decreto 6.523/08 (conhecido como "Nova lei dos callcenters") no Fórum Telequest.[1]

Referências

  1. CallCenter.inf.br (1 de dezembro de 2008). Qualidade da Suécia, preço da Índia e imposto do Brasil (em português). Página visitada em 2 de outubro de 2009.


Precedido por
Alceu Collares
Governador do Rio Grande do Sul
1995 – 1999
Sucedido por
Olívio Dutra
Precedido por
Reinhold Stephanes
Ministro da Previdência Social do Brasil
1992 – 1993
Sucedido por
Sérgio Cutolo dos Santos