Banrisul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A.
Slogan O que move você é o que move a gente
Tipo Sociedade de economia mista
Indústria Banco de varejo
Fundação 1928, no Rio de Grande do Sul
Sede Brasil Porto Alegre, RS
Empregados aproximadamente 11.500 [1]
Produtos Serviços bancários
Lucro AumentoR$ 818,59 Milhões de Reais (2012)
Página oficial www.banrisul.com.br

Banrisul, Banco do Estado do Rio Grande do Sul S/A, (Bovespa: 1210 Banrisul) é um banco estatal gaúcho, com foco de negócios na Região Sul do Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

Foi autorizado pelo Decreto Federal 18.374, de 28 de agosto de 1928, o funcionamento do Banco do Rio Grande do Sul, sociedade anônima de crédito real, rural e hipotecário, com sede em Porto Alegre. No dia 6 de setembro o governo estadual aprovou seus estatutos da nova sociedade bancária, publicando o Decreto no. 4.139.

Finalmente foi criado em 12 de setembro de 1928, pelo então presidente do Estado, Getúlio Dornelles Vargas, criado com o objetivo primeiro de empréstimos de longo prazo, uma solicitação insistente dos pecuaristas locais. Suas letras hipotecárias tinham garantia do Estado, facilitando sua colocação no mercado interno, e no exterior, a principal fonte de recursos para empréstimos de longo prazo. Entretanto, como os créditos hipotecários tinham baixo retorno, o Banco criou desde o início uma carteira de empréstimos de curto prazo, oferecendo um fluxo contínuo de empréstimos tanto à lavoura (principalmente de arroz), como à pecuária e à indústria do charque - crédito ansiado pelos pecuaristas gaúchos

Em setembro de 1965 contava com uma rede de 135 agências, em 6 estados do Brasil. No ano seguinte, perseguindo a meta de se tornar a "Maior rede bancária gaúcha", inaugurou mais dez agências, atendendo 108 municípios gaúchos, em nove estados, com 3524 funcionários.[2] Num processo de conglomeração, a partir de 1965 adquiriu a Companhia União de Seguros Gerais e a Companhia de Armazéns Gerais do Rio Grande do Sul, em 1969 incorporou o Banco Regional de Pernambuco, em 1970 o Banco do Sul do Brasil sediado em Blumenau e com dez agências em Santa Catarina.[2]

Em 1971, visando uma imagem mais positiva e popular, mudou sua sigla de BERGS, para outra mais eufônica: BANRISUL.[2] Ao final de 1972 era o maior banco gaúcho, com 161 agências.[2]

Em 1998 o Banrisul incorporou a Caixa Econômica Estadual do Rio Grande do Sul através do Decreto 38.536 de 27 de maio de 1998.[3]

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Sua missão atual é promover o desenvolvimento econômico e social do Rio Grande do Sul. É uma instituição que atende pessoas de todos os segmentos econômicos e sociais. É uma sociedade de economia mista, sob forma de sociedade anônima, cujo maior acionista é o Estado do Rio Grande do Sul, com 56,97 % de participação, está presente em 78% dos municípios gaúchos com 415 agências.[4]

Como banco múltiplo estadual atua nas carteiras comercial, crédito financiamento e investimento, crédito imobiliário, desenvolvimento, arrendamento mercantil e de investimento.

Na carteira comercial desenvolve produtos, viabiliza investimentos, fortalece as relações com o setor público, o agronegócio, micro, pequenas e médias empresas e setor de serviços. Como banco de desenvolvimento, é articulador de negócios e principal parceiro da cadeia produtiva. Na atuação social, dedica-se a fomentar projetos para melhorar a qualidade de vida dos gaúchos, principalmente, nas áreas da educação, cultura, esporte e meio ambiente.

O foco de atuação são as pessoas físicas, micros, pequenas e médias empresas. Para atender aos 2,9 milhões de clientes, a rede de atendimento do Banrisul conta com mais de mil pontos no país, distribuídos em 425 agências, 286 postos, 2 agências no exterior (Nova Iorque e Grand Cayman), um escritório em Buenos Aires e 361 pontos de Banrisul Eletrônico, além de 9126 funcionários (dados de agosto de 2008).

O grupo Banrisul está constituído pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A., Banrisul S.A. Administradora de Consórcios, Banrisul S.A. Corretora de Valores Mobiliários e Câmbio, Banrisul Armazéns Gerais e Banrisul Serviços Ltda.

O seu atual presidente é Túlio Luiz Zamin.

Resultados positivos[editar | editar código-fonte]

No primeiro semestre de 2006, o Banrisul registrou um lucro líquido de R$ 188,9 milhões, que correspondeu a uma rentabilidade de 29% sobre o patrimônio líquido final de R$ 1,2 bilhão, superior em 11% a junho de 2005. Os ativos totais registraram, em 30 de junho de 2006, R$ 14,6 bilhões. Desses recursos, R$ 6,2 bilhões foram alocados em operações de crédito. No ano de 2006 o lucro do Banrisul chegou a R$ 361 milhões, considerado um excelente resultado.[5]

Filial do Banrisul na Tijuca, Rio de Janeiro

No ano de 2007 o Banrisul alcançou lucro recorde de sua história chegando a R$ 916,4 milhões. O patrimônio do banco chegou a R$ 2,79 bilhões. O índice de retorno sobre o patrimônio líquido foi superioe a 44%, o melhor de todos os bancos brasileiros que divulgaram seus rendimentos.[6] [7] [8]

Para o ano de 2008, segundo a revista Exame, o Banrisul é uma das melhores empresas para se investir.[9]

Também em 2008 segundo a publicação norte-americana Forbes o Banrisul passou a integrar o grupo das duas mil maiores empresas do mundo, juntamente com outras 33 empresas brasileiras.[10]

Em 2008, o Banrisul foi escolhido como o Melhor Conglomerado Financeiro do País no segmento público em 2007 pela revista Conjuntura Econômica, editada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV), do Rio de Janeiro.

O lucro do banco em 2008 atingiu a cifra de R$ 504,7 milhões, descontando crédito tributários, um valor 30,1% maior do que ano anterior.[11]

Em 2010, de acordo com a revista norte-americana Forbes, o Banrisul é o 4º maior banco do Brasil, atrás apenas do Bradesco, Banco do Brasil e Itaú.[12]

Preferência dos gaúchos[editar | editar código-fonte]

Em 2007, o Banrisul venceu novamente na categoria Bancos como o banco preferido dos gaúchos através da Pesquisa Marcas de quem decide do Jornal do Comércio. O Jornal do Comércio publica anualmente essa pesquisa que vem sendo sistematicamente vencida pelo Banrisul.

Capitalização[editar | editar código-fonte]

Em 2007, o Banrisul passou por um processo de capitalização onde se firmou como um dos maiores bancos públicos do Brasil. O Banrisul voltou a ter uma quantidade razoável de free float na Bovespa. A ação foi considerada um sucesso, pois além de manter o controle da instituição com o governo do Estado do Rio Grande do Sul o banco aumentou seu patrimônio líquido consideravelmente.

As ações negociadas foram as preferenciais, que não dão direito a voto. O Banrisul participa como empresa do Nível 1 do índice de Governança Corporativa. Os códigos das ações são BRSR3, BRSR5 e BRSR6.

Banricompras[editar | editar código-fonte]

O Banricompras é um produto do Banrisul para seus clientes que permite utilizar o cartão de conta corrente para o pagamento à vista, a prazo ou parcelado nos estabelecimentos conveniados. É considerado inovador pois pertence ao Banrisul o cliente, a bandeira do cartão, a rede de conveniados e as soluções tecnológicas.

O Banricompras é o cartão mais utilizado no Brasil, mesmo estando mais concentrado em uma área específica, o Rio Grande do Sul, a expansão da rede de conveniados acontece exponencialmente e, com a abertura de mais 25 agências no estado de Santa Catarina previstas para o final de 2009, o Banrisul, além de preencher a lacuna deixada pelo BESC, inicia o processo de ampliação da rede para outros estados.[13] [14] [15]

Slogans[editar | editar código-fonte]

  • 2007 - 2010 Quem tem Banrisul tem tudo
  • 2010 - 2012 Banrisul e você. Essa história tem futuro
  • 2012 Evoluindo sempre com você [9]
  • 2013 - O que move você é o que move a gente

Museu Banrisul[editar | editar código-fonte]

Aberto ao público, em Porto Alegre, na Casa de Cultura Mário Quintana e no Memorial do Estado do Rio Grande do Sul, o museu mostra toda a trajetória do Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A.

O Banrisul, através do seu Museu, reúne um acervo representativo da História do Estado, por sua existência sintonizadas com o contexto sócio-econômico e cultural do Rio Grande do Sul.

O Museu Banrisul abriu suas portas para visitação pública em 15 de março de 1994. Suas peças foram coletadas junto às agências do Estado e do país, entre elas destacamos: documentos, máquinas, relógios, fotografias, mobiliário, enfim, objetos que denotam a rotina bancária, recebendo, também, doações de material, feitas pelas agências, clientes ou simpatizantes da instituição.

Além de sua exposição de caráter permanente, realiza-se exposições de eventos ligados à história do Banco e do Estado. O Museu Barinsul preserva para o futuro o legado de nossa história no Memorial do Rio Grande do Sul e na Casa de Cultura Mário Quintana. Estes espaços estão à disposição dos pesquisadores e à visitação de escolas, turistas e população em geral.

Investigações de desvios de verbas em 2010[editar | editar código-fonte]

O Banrisul foi investigado em 2010 pela Polícia Federal, Ministério Público Estadual e Ministério Público de Contas por causa de um suposto desvio de dez milhões de reais em dezoito meses. No dia 2 de setembro de 2010, as investigações foram tornadas públicas, na chamada Operação Mercari.[16]

Os recursos desviados seriam destinados ao marketing do banco. O suposto esquema seria baseado no superfaturamento de contas, processo que envolveria pagamento de propina a funcionários. No Banrisul, todos os contratos de publicidade passavam pelo crivo de três dirigentes, o superintendente de marketing, o vice-presidente e diretor de gestão de marketing e o presidente do banco [17] . Os supostos crimes apontados seriam evasão de divisas, ocultação de bens e valores e sonegação fiscal.[16] Quatro pessoas foram presas em dois dias: Walney Fehlberg, superintendente de marketing do banco, Gilson Stork, representante da agência de publicidade SLM e Armando D'Elía Neto, diretor da agência DCS, todos preventivamente no dia 2 de setembro,[18] e Davi Antunes de Oliveira, acusado de ser o articulador do esquema, um dia depois.[19]

O valor apreendido em 2 de setembro chegou a 3,4 milhões de reais, encontrado em notas de euro, dólar, libra esterlina e real.[20] O superintendente da Polícia Federal no Rio Grande do Sul, Ildo Gasparetto, afirmou que os valores apreendidos confirmam lavagem de dinheiro.[21] Na sede da DCS, havia mais de 2,5 milhões de reais, 122 mil dólares, 20 mil euros e 4,5 mil libras esterlinas; na residência de Armando D'Elia Neto, diretor da DCS, foram encontrados 65 mil reais, mais de 22 mil dólares, 50 mil euros e 5,6 mil libras esterlinas; na sede da SLM, foram apreendidos dez mil reais; na casa de Gilson Storck, sócio da SLM, havia mais de 87 mil reais; e na casa de Walney Fehlberg, foram encontrados 169 mil reais e 40 mil dólares.[22]

A diretoria do Banrisul, em nota oficial divulgada no mesmo dia em que a operação foi deflagrada, defendeu-se afirmando que mantém sistemas rigorosos de controle externo e interno. Também ressaltou que deseja ver os valores ressarcidos ao banco, mas que se preocupa com a "exposição pública da instituição com base em apontamentos iniciais" e que se surpreende com as investigações do Ministério Público a partir de uma representação.[23] O Banco Central minimizou o caso, divulgando comunicado afirmando que as investigações "não apontam o envolvimento da alta administração".[20] Tanto a agência SLM quanto a DCS divulgaram comunicados afirmando-se "surpresas" por serem envolvidas nas investigações.[24] [25] A governadora Yeda Crusius postou no seu Twitter que estranhava a data das operações, cerca de um mês antes das eleições; o delegado Ildo Gasparetto rejeitou as insinuações da canditata a reeleição, afirmando que a Polícia Federal não pararia de trabalhar na época desqualificou o argumento como possível defesa de envolvidos.[21]

O Banrisul, através de César Cechinato, diretor administrativo, considerou que a prioridade no dia seguinte à deflagração da operação de apreensão era encontrar um substituto para o superintendente de marketing preso. Ele ressaltou que as irregularidades teriam ocorrido no repasse das agências de publicidade a terceiros, por meio da contratação de serviços.[26]

A Associação Rio-Grande de Propaganda publicou, em 3 de setembro, uma nota em que recusa se manifestar no andamento das investigações.[26]

A Polícia Civil e o Tribunal de Contas da União foram uniram-se às investigações em 3 de setembro. Nesse mesmo dia, o TCU suspendeu qualquer pagamento feito pelo Banrisul às agências investigadas.[26]

O Sindicato dos Bancários também divulgou nota oficial, no dia 3 de setembro, criticando a política de corte de custos que causariam adoecimento dos bancários e prejuízos ao atendimentos aos clientes, enquanto dinheiro era desviado da instituição. O sindicato propôs a retomada do debate sobre controle democrático da sociedade sobre empresas públicas.[27]

No dia 4 de setembro, a direção do Banrisul divulgou medidas adotadas após o ocorrido. Entre elas, estão a suspensão de patrocínios e ações de marketing novos em eventos. Os contratos de publicidade então vigentes seriam revisados e a área de marketing seria reorganizada.[28]

Ildo Musskopf foi anunciado como novo superintendente interino de marketing do banco, em 6 de setembro.[29] No mesmo dia, foi divulgado que o Banrisul estuda entrar com uma ação na União por causa da ação da Polícia Federal; segundo o advogado da instituição, Fábio Medina Osório, a operação teve um "caráter espalhafatoso" e pode ter provocado "danos à imagem do banco no mercado", além de ter sido efetuado próximo de eleições.[30] Segundo a jornalista Rosane de Oliveira, o advogado, sem licitação, também faz a defesa da governadora Yeda Crusius.[31] Também no mesmo dia, Walney Fehlberg, Armando D'Elia Neto e Gilson Stork foram ouvidos pela Polícia Federal; à noite, a 6ª Vara Criminal de Porto Alegre determinou a sua soltura, sob a alegação de que "não oferecem mais riscos às investigações".[32] O acusado de ser um dos operadores do esquema, foi levado ao Presídio Central de Porto Alegre na noite do mesmo dia.[33] Em 8 de setembro, a 6ª Vara Criminal de Porto Alegre, concedeu liberdade provisória a Davi Antunes de Oliveira, o único acusado que ainda estava preso.[34] A libertação dos quatro acusados foi lamentada pelo advogado do Banrisul, em entrevista concedida no dia 9 de setembro; ele ainda criticou uma suposta "espetacularização" da operação da Polícia Federal, temendo danos também às imagens das agências de publicidade envolvidas no esquema.[35]

Ao longo das investigações, dois blogues (Vide Versus e o blogue do jornalista Políbio Braga) denunciaram supostos abusos de competência exercidos pela Polícia Federal e deturpação de fatos noticiados, além de duvidarem da imparcialidade e legalidade das investigações e sugerirem uma motivação político-eleitoral das investigações.[36] [37] [38]

A operação, denominada Mercari (comprar para vender, em latim), também sacudiu a cena eleitoral. O Banrisul é subordinado a uma candidata ao governo do Estado, a governadora Yeda Crusius, do PSDB, e, no período sob investigação o banco estava sob controle de uma pessoa indicada pelo PMDB, partido de outro candidato ao Piratini, José Fogaça. Os dois são adversários de Tarso Genro, ex-ministro da Justiça, que chefiava a PF quando foram iniciadas as investigações, até sete meses atrás, e concorre ao Piratini, pelo PT.[39]

Centro de treinamento[editar | editar código-fonte]

O Banrisul possui em Porto Alegre um Centro Social e de Treinamento para seus colaboradores. Está localizado na Estrada da Serraria, 3100, no bairro Ponta Grossa.

Referências

  1. [1]
  2. a b c d GARCIA, Darcy. O sistema financeiro do Rio Grande do Sul: da criação da Caixa Econômica Estadual ao surgimento dos bancos múltiplos. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 1990.
  3. [2]
  4. [3]
  5. [4]
  6. Lucro recorde do Banrisul chega a quase R$ 1 bilhão. Governo estadual recebe aproximadamente R$ 170 milhões
  7. Lucro líquido do Banrisul aumenta 153,4% em relação ao valor obtido em 2006
  8. Banrisul tem lucro de R$ 916,4 milhões. Patrimônio líquido do Banco em 2007 totalizou R$ 2,79 bilhões
  9. Banrisul é umas das melhores opções em investimento para 2008
  10. Banrisul é uma das maiores empresas do mundo
  11. Banrisul lucra R$ 504,7 milhões em 2008
  12. [5]
  13. [6]
  14. [7]
  15. [8]
  16. a b Força-tarefa investiga supostos desvios de até R$ 10 milhões na área de marketing do Banrisul. Zero Hora.com (02/09/2010). Página visitada em 03/09/2010.
  17. Força-tarefa pode definir lista de interrogados no Caso Banrisul nesta quarta. Blog Vide Versus (07/09/2010). Página visitada em 08/09/2010.
  18. Martins, Cid (02/09/2010). Decretada prisão preventiva dos três detidos por suposto desvio de verbas do Banrisul. Zero Hora.com. Página visitada em 03/09/2010.
  19. Irion, Adriana (03/09/2010). Caso Banrisul: preso mais um suspeito de envolvimento na fraude contra o banco. Zero Hora.com. Página visitada em 03/09/2010.
  20. a b Banco Central isenta direção do Banrisul de suspostos desvios. Zero Hora.com (02/09/2010). Página visitada em 03/09/2010.
  21. a b Valores apreendidos comprovam lavagem de dinheiro, diz PF. Correio do Povo (02/09/2010). Página visitada em 03/09/2010.
  22. Irion, Adriana (03/09/2010). Caso Banrisul: onde estava o dinheiro apreendido pela Polícia Federal. Zero Hora.com. Página visitada em 03/09/2010.
  23. Em nota oficial, Banrisul manifesta preocupação em relação à imagem da instituição. Zero Hora.com (02/09/2010). Página visitada em 03/09/2010.
  24. Agência de publicidade declara "extrema surpresa" com suposto desvio do Banrisul. Correio do Povo (02/09/2010). Página visitada em 03/09/2010.
  25. PF localiza dinheiro da tesouraria da DCS na casa do superintendente do Banrisul. Correio do Povo (02/09/2010). Página visitada em 03/09/2010.
  26. a b c Pinto, Roberta (03/09/2010). Caso Banrisul: banco deve definir mudanças no departamento de marketing. Zero Hora.com. Página visitada em 03/09/2010.
  27. Sindicato dos Bancários critica Banrisul em nota à imprensa. Correio do Povo (03/09/2010). Página visitada em 03/09/2010.
  28. Novas ações de marketing do Banrisul são suspensas após descoberta de fraude. Zero Hora.com (04/09/2010). Página visitada em 04/09/2010.
  29. Ildo Musskopf assume marketing do Banrisul como interino. Zero Hora.com (06/09/2010). Página visitada em 06/09/2010.
  30. Banrisul pode entrar com ação contra União por causa de operação da PF. Zero Hora.com (06/09/2010). Página visitada em 06/09/2010.
  31. de Oliveira, Rosane (07/09/2010). Página 10 - Rosane de Oliveira. Zero Hora.com. Página visitada em 07/09/2010.
  32. Justiça determina soltura de três presos na operação do Banrisul. Correio do Povo (06/09/2010). Página visitada em 06/09/2010.
  33. Caso Banrisul: suspeito de ser um dos operadores da fraude é levado para Presídio Central. Zero Hora.com (06/09/2010). Página visitada em 07/09/2010.
  34. Caso Banrisul: Justiça concede liberdade provisória a apontado como operador do esquema. Zero Hora.com (08/09/2010). Página visitada em 08/09/2010.
  35. Advogado do Banrisul diz que investigações não terão como alvo as agências de publicidade. Correio do Povo (9 de setembro de 2010). Página visitada em 9 de setembro de 2010.
  36. Afinal, o Caso Banrisul é um caso policial ou eleitoral?. Blog Jornalista Políbio Braga (06/09/2010). Página visitada em 08/09/2010.
  37. Ministério da Justiça petista comandou a investigação da Polícia Federal no Banrisul. Blog Vide Versus (03/09/2010). Página visitada em 08/09/2010.
  38. Justiça decreta prisão preventiva dos três diretores de agência de publicidade presos na operação do Banrisul. Blog Vide Versus (03/09/2010). Página visitada em 08/09/2010.
  39. Jose Bonamigo (03/09/2010). Banrisul e agências de propaganda no alvo da PF. Rádio Progresso de Ijuí. Página visitada em 08/09/2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Banrisul