Açominas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gerdau Açominas S/A
Tipo Siderurgia
Indústria Aço
Fundação 12 de setembro de 1963
Sede Porto Alegre
Rio Grande do Sul,  Brasil
Locais Ouro Branco/Congonhas
Minas Gerais,  Brasil
Proprietário(s) Gerdau S.A.
Presidente André Gerdau Johannpeter
Pessoas-chave Jorge Gerdau Johannpeter
Produtos Perfis I e H, Fio-máquina, Tarugos, Placas, Blocos, Carboquímicos
Parentesco Gerdau
Página oficial www.gerdau.com.br

A Gerdau Açominas é uma das mais importantes siderúrgicas do Brasil, iniciou sua operação em 1986. Sua usina "Presidente Artur Bernardes", localizada nos municípios de Ouro Branco e Congonhas, na região do Alto Paraopeba, em Minas Gerais, possui uma área total de cerca de dez mil hectares. A planta tem capacidade instalada para produzir três milhões de toneladas de aço líquido por ano.

É a maior unidade siderúrgica da Gerdau. Seu mix de produtos é formado por tarugos, placas, blocos, perfis estruturais laminados de abas paralelas, fio-máquina, além de produtos carboquímicos. A unidade exporta em torno de 70% de sua produção para mais de 40 países, consagrando-se como uma das maiores exportadoras de aço do Estado de Minas Gerais e do País.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Anos 20
Anos 60
  • 1968 - Com quatro anos de ditadura militar no Brasil, a empresa recebe a razão social de Aço Minas Gerais S/A - Açominas pela lei 4.827 de 18 de junho de 1968.
Anos 70
  • 1975 - O governo de Minas Gerais assume o controle acionário da empresa.
  • 1976 - O governo de Minas Gerais transfere o controle acionário da Açominas para a estatal Siderúrgicas Brasileiras S/A - Siderbrás, holding do governo federal que destinava a generais da ditadura militar o controle também de outras siderúrgicas, como a CSN e Usiminas. A transferência é feita através de acordo de acionistas no dia 7 de outubro de 1976.
  • 1976 - É definida a localização da usina. O ditador Ernesto Geisel crava a estaca inicial simbólica da usina, nos arredores da cidade de Ouro Branco. O governador-delegado Aureliano Chaves assina o decreto 17.773 declarando de "utilidade pública e interesse social" a área onde será implantada a usina, para efeito de desapropriação de terrenos situados no município de Ouro Branco. É assinado em Londres, pelo ditador Ernesto Geisel, um memorando de entendimentos com um grupo amigo europeu, assegurando dinheiro limpo do exterior para a implantação da usina. Começam a chegar as primeiras máquinas para início das obras de terraplanagem.
  • 1977 - Iniciam-se as obras de engenharia civil do alto-forno.
  • 1978 - Marca a chegada dos primeiro equipamentos à usina, vindos da Inglaterra. As obras de montagem começaram em junho. No pico das obras, 22.000 homens trabalharam no local sob condições desconhecidas.
Anos 80
  • 1985 - O ditador João Batista Figueiredo assina o decreto-lei nº 90.929, dando à usina o nome de Usina Presidente Arthur Bernardes.
  • 1986 - O presidente da República José Sarney inaugura a Usina Presidente Arthur Bernardes, em Ouro Branco.
Anos 90
  • 1991 - É lançado o plano de privatização das siderúrgicas estatais.
  • 1993 - É fundado o Fundo de Participação Acionária dos Empregados da Açominas - CEA, possibilitando aos funcionários a compra de 20% das ações no leilão de privatização da Açominas. A Aço Minas Gerais - Açominas é privatizada. O leilão é vencido pelo consórcio formado pela CEA, Grupo Mendes Júnior, Banco Econômico, BCN, BEMGE/Credireal, CVRD e Aços Villares. Primeiro acordo de acionistas garante o controle acionário da empresa para o Grupo Mendes Júnior e o CEA.
  • 1995 - Reestruturação societária, com a saída do Grupo Mendes Júnior, resulta em novo acordo de acionistas. Inicia-se o processo de recuperação financeira da empresa. O CEA convida Wilson Brumer para presidir o conselho de administração.
  • 1997 - O grupo Gerdau e a Natsteel passam a participar da sociedade e assinam, juntamente com o CEA, o novo acordo de acionistas. Inicio da etapa A de modernização da usina: lingotamento contínuo, reforma na sinterização. O conselheiro Marco Antonio Pepino, presidente do CEA, é indicado para assumir a presidencia do conselho de administração.
  • 1999 - O diretor-presidente do grupo Gerdau, Jorge Gerdau Johannpeter, é eleito presidente do conselho de administração da Açominas e o diretor-presidente do CEA, Marco Antonio Pepino, é eleito vice-presidente do conselho. Gerdau, Natsteel, Econômico e CEA capitalizam a empresa. Inicio da etapa B verticalização do mix de produtos: aquisição de unidade produtiva em São Paulo para produção de dormentes, vergalhões, perfis em U e cantoneiras. Reforma aumenta capacidade produtiva do alto-forno. Implantação de gestão com foco no operador. Programa de apoio a segurança PAS e prêmio TOP de segurança. Gerdau adquire ações do Banco Econômico.
Ponte ferroviária da unidade da Gerdau Açominas na cidade de Ouro Branco, no estado de Minas Gerais.
Anos 2000
  • 2001 - O grupo Gerdau completa cem anos.
  • 2002 - Inicio da produção de perfis laminados de abas paralelas, os perfis Gerdau-Açominas. O grupo Gerdau compra ações da Natsteel e assume posição majoritária no controle acionário da Açominas. Acordo de acionistas passa a ter dois signatários, Gerdau e CEA.
  • 2003 - O CEA completa 10 anos. A empresa completa 20 milhões de toneladas exportadas. Empresa inicia nova securitização de recebíveis para cobertura de perfil da dívida e reforço para novos investimentos. A Açominas e o grupo Gerdau anunciam a integração de seus ativos financeiros, criando a Gerdau Açominas S/A, empresa que responde pelas operações do grupo Gerdau no Brasil. A Gerdau Açominas é divida em três Operações de Negócios, entre elas a ON Gerdau Açominas.
  • 2004 - Começam estudos para duplicação da Usina, que prevê investimentos totais da ordem de US$ 1,2 bilhão.
  • 2006 - A empresa inicia no seguimento de mineração, com as Minas Miguel Burnier e Varzea do Lopes (Ferro) e Mina Dom Bosco (Manganês), todas as minas ficam num entorno de 100KM da Usina, e anteriormente eram de propriedade do Grupo Votorantim.
  • 2007 - a Gerdau compra o restante das ações em poder do CEA, correspondentes 2,89% do capital social em cada uma das seguintes empresas: Gerdau Aços Longos S.A., Gerdau Açominas S.A., Gerdau Aços Especiais S.A. e Gerdau Comercial de Aços S.A. É iniciada a produção do Alto-forno II, e juntamente com a Sinterização II, Coqueria II, Lingotamento contínuo de blocos, expansões da Aciariae do Porto de Praia Mole no Espírito Santo, é concretizada a primeira fase de expansão. Essa expansão aumentou sua capacidade produtiva anual em 50%, atingindo 4,5 milhões de toneladas anuais e também marcou o inicio da alto-suficiencia em minério de ferro, extraido em suas próprias minas em terras da República Federativa do Brasil.[1]

Prêmios e Certificações[editar | editar código-fonte]

  • 1994

Certificação ISO 9001

  • 1995

Certificação ISO 9001 e 9002 para Laboratórios, Calcinação e Carboquímicos Implantação do Sistema de Gestão Ambiental Açominas

  • 1997

Laboratórios de Análises Químicas da Companhia recebe Cerificação concedida pelo National Institute of Standards and Technology (NIST – USA). Certificação em aços navais: American Bureal of Shipping (ABS) Korean Register of Shipping (KR) Nippon Kaiji Kyokai (Class NK) Bureal Veritas Sociedade Classificadora (BV) Germanischer Lloyd (GL) Det Norsske Veritas (DNV) Lloyd´s Register (LR)

  • 1999

Laboratório de Calibração recebe certificação do INMETRO ISOIEC 17025.

  • 2001

Certificação Rolled Steel Plantes and Sections (RINA).

  • 2002

Laboratório de Análises Químicas da Aciaria recebe certificação INMETRO ISOIEC 17025.

  • 2003

Avaliação do Sistema de Gestão com base nos critérios do PMQ. Certificação IRAM-INT para perfis I e H laminados a quente.

  • 2004

Certificação na categoria Bronze do PMQ. Certificação no ISPS Code, Código Internacional para a Proteção de Navios e Instalações Portuárias. Prêmio Empresa do Ano, conferido pela revista Brasil Mineral. Indicação de líder entre as siderúrgicas brasileiras pelo Instituto Brasileiro de Siderurgia (dados referentes a 2003). Troféu Bronze no Prêmio Mineiro para a Qualidade (PMQ).

  • 2005

Certificação ISO 14001 na Gerdau Açominas.

  • 2006

Conquista do Prêmio Balanced Scorecard Hall of Fame, seção América Latina (excelência em Gestão da Estratégia).

  • 2007

Certificação INMETRO para cantoneiras de aços laminados a quente.

  • 2008

Conquista do PMQ, com o Troféu da Faixa Ouro.

  • 2009

Conquista do Prêmio Mineiro de Gestão Ambiental (PMGA). Certificação ISO 14001:2004 da Mina de Miguel Burnier.

Referências

  1. a b Unidade siderúrgica - Gerdau Açominas (em português) Gerdau.. Página visitada em 17 de março de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]