György Sárosi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
György Sárosi

Sárosi, à direita, cumprimentando o capitão da
Itália, Giuseppe Meazza, antes da final de 1938
Informações pessoais
Data de nasc. 15 de Setembro de 1912 (101 anos)
Local de nasc. Budapeste, Flag of Austria-Hungary (1869-1918).svg Áustria-Hungria
Falecido em 9 de junho de 1993
Local da morte Gênova, Itália Itália
Informações profissionais
Posição Atacante
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
1930-1948 Flag of Hungary (1946-1949, 1956-1957).svg Ferencváros 383 (351)
Seleção nacional
1931-1943 Flag of Hungary (1920–1946).svg Hungria 62 (42)

György Sárosi (Budapeste, 15 de setembro de 1912 - Gênova, 9 de junho de 1993) foi um futebolista húngaro.

Ferencváros[editar | editar código-fonte]

Versátil, jogou toda a sua carreira em apenas um clube, o Ferencváros, ficando ao todo 18 anos na equipe. Os números são de um artilheiro nato: marcou 351 gols em 383 partidas no campeonato húngaro, que ele conquistou cinco vezes entre 1932 e 1941.

Seleção Húngara[editar | editar código-fonte]

Foi às Copas do Mundo de 1934 e 1938. Na primeira, em que os times entravam diretamente em disputas mata-mata de oitavas-de-final, a Seleção Húngara parou nas quartas, na partida em que marcou seu único gol no mundial da Itália. Diminuiu a contagem para 2 x 1 frente ao grande time austríaco da época, conhecido como Wunderteam.

Maior destaque teve no mundial da França: marcou cinco vezes em quatro partidas: dois contra as Índias Orientais Neerlandeses, nas oitavas; um contra a Suíça, nas quartas; um contra a Suécia, nas semifinais; e o último na final, contra a detentora do título, a Itália. Diminuíra a contagem dos italianos para 3 x 2, mas Silvio Piola marcaria o quarto da Squadra Azzurra a oito minutos do fim, desestabilizando os húngaros.

Carreira de treinador na Itália[editar | editar código-fonte]

Após encerrar a carreira, em 1948, mudou-se para a Itália, fugindo do julgo comunista sobre a Hungria. Lá o maior craque húngaro antes de Puskás morreria, quarenta e cinco anos depois, tendo sido treinador de Bologna, Bari, Juventus, Genoa, Roma e Brescia.