Ferenc Puskás

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ferenc Puskás
Ferenc Puskás.jpg
Informações pessoais
Nome completo Ferenc Purczeld Biró
Data de nasc. 2 de abril de 1927
Local de nasc. Budapeste, Flag of Hungary (1920–1946).svg Hungria
Falecido em 17 de novembro de 2006 (79 anos)
Local da morte Budapeste, Hungria Hungria
Apelido "Major Galopante", "Pancho", Öcsi Puskás
Informações profissionais
Posição Atacante
Clubes de juventude
19391943 Flag of Hungary (1920–1946).svg Kispest
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
19431956
19581966
Flag of Hungary (1949-1956).svg Honvéd
Flag of Spain (1945 - 1977).svg Real Madrid
Total
00341 00(352)
00180 00(156)
00521 00(508)
Seleção nacional
19451956
19611962
Flag of Hungary (1949-1956).svg Hungria
Flag of Spain (1945 - 1977).svg Espanha
00085 000(84)
00004 0000(0)
Times que treinou
19661967
1967
1968
1968–1969
19701974
1975
1975–1976
1976–1977
19781979
1979–1982
19851986
1986–1989
1989–1992
1993
Flag of Spain (1945 - 1977).svg Hércules
Estados Unidos San Francisco Golden Gate Gales
Canadá Vancouver Royals
Flag of Spain (1945 - 1977).svg Deportivo Alavés
Flag of Greece (1970-1975).svg Panathinaikos
Flag of Spain (1945 - 1977).svg Real Murcia
Chile Colo-Colo
Flag of Saudi Arabia.svg Arábia Saudita
Grécia AEK Atenas
Flag of Egypt (1972-1984).svg El-Masry
Flag of Paraguay (1988-1990).svg Sol de América
Flag of Paraguay (1988-1990).svg Cerro Porteño
Austrália South Melbourne
Flag of Hungary.svg Hungria
Medalhas
Jogos Olímpicos
Ouro Helsinque 1952 Futebol

Ferenc Puskás Biró (Budapeste, 2 de abril de 1927Budapeste, 17 de novembro de 2006) foi um futebolista húngaro. Ele é considerado o maior futebolista da história do futebol húngaro e um dos maiores do século XX. O seu nome de batismo era Ferenc Purczeld Biró (Purczeld Biró Ferenc, no padrão húngaro).

Puskás celebrizou-se como o líder da Seleção Húngara que fez história na primeira metade da década de 1950, quando seu elenco ficou conhecido como "os mágicos magiares". O país ficou quatro anos invicto, ganhando a medalha de ouro do futebol nos Jogos Olímpicos de Verão de 1952 e terminando a Copa do Mundo de 1954 vice-campeão, embora seja considerado indubitavelmente a melhor equipa deste torneio.[1] Paralelamente, era o líder natural do clube que servia de base para aquele selecionado, o Honvéd. Seus 84 golos em 85 jogos pela Hungria fazem-no o maior artilheiro da seleção magiar; foi por muito tempo o maior goleador de uma seleção, recorde batido pelo iraniano Ali Daei.[2]

Puskás, que tinha a patente de major (daí seu apelido Major Galopante),[3] tem uma marca de golos excepcional por seu país, 84 em 85 jogos. Dono de habilidade precisa para passes e dribles curtos e secos, além de um primoroso chute de esquerda, era um jogador cerebral.[1] Em comparação com outros jogadores da época, era considerado gordo e baixo. Colocava brilhantina nos cabelos negros e penteava-os para trás.

Maior futebolista húngaro de sempre, entrou para a história do esporte também por seus feitos pelo Real Madrid no final daquela década e início da seguinte. É também um dos poucos a terem jogado Copas do Mundo por dois países: participou da de 1962 competindo pela Espanha. De acordo com a FIFA, Puskás é um dos cinco a terem jogado Copas do Mundo por dois países considerados diferentes pela entidade, ao lado de Luis Monti (que jogou a de 1930 pela Argentina e a de 1934 pela Itália), José Santamaría (que jogou a de 1954 pelo Uruguai e a de 1962 pela Espanha), José João "Mazzola" Altafini (que jogou a de 1958 pelo Brasil e a de 1962 pela Itália) e Robert Prosinečki (que jogou a de 1990 pela Iugoslávia e as de 1998 e 2002 pela Croácia).[nota 1] [nota 2]

De acordo com o IFFHS, os 512 golos de Puskás (em 528 partidas) fazem dele o terceiro maior artilheiro do século XX.[4] Ao lado do compatriota Zoltán Czibor e do uruguaio José Pedro Cea, Puskás é também um dos três atletas que marcaram golos em finais de Olimpíada e de Copa do Mundo.

Desde 2009, a FIFA concede o Prêmio Ferenc Puskás ao autor do gol mais bonito do ano.

Carreira em clubes[editar | editar código-fonte]

Honvéd[editar | editar código-fonte]

Começou aos dezesseis anos a sua carreira de jogador profissional em 1943, em plena Segunda Guerra Mundial, numa equipa da sua cidade chamada Kispest, próximo de sua casa.[1] O seu pai era um ex-jogador da equipa, do qual tornou-se treinador quando o jovem Ferenc Puskás tinha nove anos.[1] O garoto recebera o seu novo sobrenome no ano anterior: o pai, por razões políticas, decidira trocar o sobrenome familiar original, de origem alemã.[5] "Puskás", em húngaro, significa "fuzileiro". Devido ao fato de ter o mesmo nome do pai, o garoto ficaria conhecido como "Öcsi Puskás"; "Öcsi" é a versão húngara para "júnior". Até os doze anos de idade, utilizou o pseudônimo "Miklos Kovács" no Kispest.[6]

O Kispest, embora tradicional, não era uma equipe vencedora. Criada em 1909, jamais ganhara o campeonato húngaro, cujo título naqueles anos costumava ficar com Újpest Dozsa e Ferencváros. Em 1948, Puskás quebrou o recorde de golos no campeonato, marcando cinquenta.[1] A história mudaria de vez em 1949, quando o Exército húngaro, decidido a ter a sua própria equipa de futebol, associou-se ao Kispest, que foi renomeado Honvéd.[1] [3] Gusztáv Sebes, vice-ministro dos Esportes,[3] garimpou jogadores e colocou os melhores que encontrou no Honvéd.[3]

Puskás e os colegas passaram a conviver com uma disciplina militar de treinos. Entre os seus companheiros de clube, destacavam-se Sándor Kocsis, Zoltán Czibor, József Bozsik, Gyula Grosics, Gyula Lóránt e László Budai, os seus colegas também na Seleção. A equipa conquistou o primeiro campeonato húngaro que disputou como Honvéd (Defensor), em 1950, com 31 golos de Puskás, novamente artilheiro. Com Ferencváros e Újpest tornando-se meros coadjuvantes, as disputas passaram a dar-se com o Vörös Lobogó (Estrela Vermelha), outra equipa reestruturada e renomeada por um órgão do governo: o seu nome original era MTK, sendo a equipa da polícia.[3] O novo rival ganhou em 1951 e 1953 (com ele sendo novamente artilheiro, com 27 tentos) e o Honvéd, em 1952 e 1954 e 1955.

Em 1956, tudo mudou no Honvéd. O clube estava na Espanha, onde jogaria contra o Athletic Bilbao[7] pela Copa dos Campeões da UEFA[8] quando a Revolução Húngara de 1956, movimento com ampla adesão popular em que a Hungria tentou livrar-se da excessiva influência soviética, foi reprimida pelo Pacto de Varsóvia.[1] [7] Os jogadores do Honvéd, liderados por Puskás,[1] decidiram não voltar para casa: a partida de volta contra o Bilbao teve de ser realizada em Bruxelas e a equipa foi eliminada. Os jogadores, para sustentarem-se financeiramente,[8] passaram a realizar amistosos pelo mundo em 1957,[7] incluindo alguns pelo Brasil, onde jogaram contra Flamengo e Botafogo.[1]

A FIFA, então, proibiu os jogadores de atuarem enquanto não regularizassem sua situação com a Federação Húngara.[1] Tal situação arrastou-se por mais de um ano, até que um acordo foi feito: por ele, oito jogadores regressariam à Hungria e os demais se espalhariam pela Europa.[1] Dentre os que sairiam da equipe, estavam Puskás, Kocsis e Czibor, que acabaram indo jogar na Espanha. O major pelo Real Madrid, os outros dois pelo rival Barcelona. O Honvéd, que no início dos anos 50 era indiscutivelmente a melhor equipa do mundo,[1] só voltaria a ser campeão na década de 1980. Puskás, por sua vez, seria caluniado no país natal por conta do exílio, sendo tachado de "desertor", "gordo" e até "contrabandista".[9]

Sua paixão pelo Honvéd, no entanto, não morreria. O livro Puskás: uma lenda do futebol, lançado em 1998 no Brasil, encerra com as seguintes palavras do ex-jogador: "Quando olho para trás, vejo que ao longo de minha vida uma única linha se desenvolveu - apenas o futebol. Foi uma linha simples, direta, sem ambições conflitantes. Desde aquele momento na minha infância quando ouvi o misterioso clamor da multidão no estádio Kispest, a apenas alguns metros de distância da janela da nossa cozinha, acho que já estava predestinado."

Painel do Real Madrid em homenagem a Puskás.

Real Madrid[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, Puskás morou um ano na vizinha capitalista Áustria, mas não conseguiu permissão para jogar.[6] Manifestou depois desejo de jogar no futebol italiano, despertando interesse de Milan e Juventus, mas a possibilidade foi afastada com a sanção da FIFA.[6] Foi então trazido em 1958 ao Real Madrid por seu ex-técnico no Honvéd, Emil Östreicher.[6] Chegou cercado de críticas: não jogava com regularidade havia mais de um ano e já tinha 31 anos,[1] parecendo distante do astro-símbolo do Honvéd e da Hungria no início da década. Segundo relatos, surpreso com a insistência dos blancos em contratá-lo, ele, com dezoito quilos acima do peso, foi franco com o presidente Santiago Bernabéu: "O senhor me olhou? Estou gordo", no que foi respondido "Este não é problema meu, é seu".[10]

Logo, todavia, demonstrou do que a sua canhota ainda era capaz;[1] a Liga Espanhola ficou com o rival Barcelona, onde jogavam seus ex-colegas de Honvéd e Hungria, Sándor Kocsis e Zoltán Czibor (e outro compatriota, László Kubala), mas no torneio Puskás marcou 21 golos em seu retorno a jogos oficiais, logo desenvolvendo grande parceira com a estrela-mor do clube, o argentino Alfredo di Stéfano. Juntava-se também a outro celebrado astro estrangeiro, o francês Raymond Kopa.

Puskás chegara ao Real com a equipa consagrada internacionalmente: os merengues haviam vencido as três edições da Copa dos Campeões da UEFA, competição iniciada a partir da temporada europeia de 1955/56. Na campanha de 1958/59, o húngaro mostrou-se decisivo contra o outro rival, o Atlético de Madrid: após duas partidas empatadas, as duas equipes tiveram de se enfrentar em um jogo extra, e Puskás marcou um dos golos na vitória por 2 x 1. Todavia, uma lesão acabou lhe tirando da final, contra o Stade de Reims.

Na segunda temporada no Real, a de 1959/60, o campeonato espanhol ficou novamente com o Barcelona. Puskás, por outro lado, sagrou-se artilheiro com 25 golos. Paralelamente, na Copa dos Campeões, o clube chegou novamente e pela quinta vez seguida à final, a primeira disputada por Puskás, agora o Pancho da torcida madridista.[1] Na campanha, os merengues já haviam dado o troco no Barcelona, contra quem jogaram nas semifinais. Foram duas vitórias por 3 x 1, com Puskás marcando três vezes - duas delas na casa do adversário, o Camp Nou.

A final foi contra os alemães do Eintracht Frankfurt. Puskás e Di Stéfano atuaram magistralmente: o húngaro marcou quatro vezes e seu amigo, três, na vitória blanca por 7 x 3. O jogo foi na Escócia, no Hampden Park, e a performance do Real (e de seus dois astros) foi descrita pelo jornal britânico The Guardian como "Fonteyn e Nureyev, Bob Dylan no Albert Hall, a primeira noite de Sagração da Primavera, Olivier no seu auge, o Armoury Show e a Ópera de Sydney, tudo isso em um só evento".[11] Puskás terminou também artilheiro da Copa, com doze golos. Ao final de 1960, o Real faturia também a primeira Copa Intercontinental, com vitória de 5 x 1 sobre o Peñarol. Em menos de dez minutos, Puskás já havia marcado duas vezes, e Di Stéfano, uma.

Ao lado do parceiro de Real Madrid e amigo Alfredo di Stéfano.

A temporada de 1960/61 terminou de forma inversa em relação aos torneios: na Copa dos Campeões, Barcelona e Real se enfrentaram logo nas oitavas e desta vez os blaugranas se deram melhor, eliminando os rivais. Por outro lado, o Real ganhou a liga espanhola, a primeira delas com Puskás no elenco. O que não mudou foi a artilharia do campeonato, que ficou novamente com o húngaro, com 27 golos. Um novo título espanhol, e um também na Copa do Rei (no que foi o primeiro e único título de Puskás na competição, que na época chamava-se Copa do Generalíssimo), vieram em 1961/62, e na mesma temporada o Real voltou à final da Copa dos Campeões, decidida contra o Benfica. Puskás realizou outra performance notável. Com 23 minutos de jogo, já marcara duas vezes. Os portugueses, que na edição anterior venceram o Barcelona na final, conseguiram deixar o placar empatado ainda nos 34 minutos do primeiro tempo, mas Puskás marcou o terceiro quatro minutos depois.

No segundo, porém, o adversário, em incrível reação, virou a partida e terminou campeão por 5 x 3, na primeira vez em que o Real perdeu uma decisão da Copa dos Campeões. Isto foi posto de lado na Espanha: na temporada 1962/63, a equipe ultrapassou o Barcelona e alcançou seu nono título espanhol, isolando-se como a maior vencedora da competição. Puskás, mais uma vez, foi o goleador máximo, marcando 26 vezes. O décimo título espanhol - o quinto seguido - veio na de 1963/64, com o húngaro alcançando sua quarta artilharia, com vinte golos. Naquela temporada, o Real voltou à final da Copa dos Campeões. Puskás, que, com sete golos, terminaria novamente artilheiro do torneio, e Di Stéfano, porém, não conseguiram furar a retranca catenaccio da Internazionale e não marcaram. A equipe italiana conhecia bem quem enfrentava: era treinada por Helenio Herrera e tinha como um de seus principais jogadores Luis Suárez, ambos ex-adversários de Barcelona, além de terem convivido com boa parte do elenco do Real na Seleção Espanhola. O oponente venceu por 3 x 1.

A temporada 1965/66 foi a última de Puskás, que disputou apenas oito partidas da liga espanhola. Ele já não tinha o amigo Di Stéfano, que saíra do clube em 1964, insatisfeito de ter ido para a reserva após a derrota para a Inter de Milão. A série de conquistas no espanhol acabou interrompida com o título do rival Atlético de Madrid. Na Copa dos Campeões, ele marcou cinco vezes em três jogos. O clube novamente sagrou-se campeão, batendo de virada os iugoslavos do Partizan, mas sem o húngaro na decisão.

Seleção Húngara[editar | editar código-fonte]

Puskás recebeu sua primeira convocação em 1945, com a Segunda Guerra Mundial recém-acabada,[1] quando a Seleção Húngara se reuniu para dois amistosos contra a Áustria.[1] Na estreia, marcou um gol na vitória por 5 x 2.[12] Contudo, apenas com a reestruturação militar - quando não atuavam por seus clubes, os principais jogadores do país treinavam juntos e em tempo integral,[3] desenvolvendo entrosamento perfeito[1] - de Gusztáv Sebes é que os magiares voltariam a decolar - o país fora vice-campeão da Copa do Mundo de 1938.

Em 4 de junho de 1950, em vitória por 5 x 3 sobre a Polônia em Varsóvia daria início a uma impressionante série invicta que duraria quatro anos. Naquele ano, a Copa do Mundo voltou a ser realizada, no mundial do Brasil. Porém, a única nação do bloco comunista que competiu nas eliminatórias (e, posteriormente, no mundial) foi a Iugoslávia; a Hungria, bem como as demais nações, declinaram em participar, sem oferecer maiores explicações.[13]

Licença de 1965 para Puskás jogar na Espanha.

Em 1952, a criação de Sebes foi apresentada ao mundo nas Olimpíadas de Helsinque. Puskás era o líder de uma equipa que realizou uma campanha irrepreensível: cinco jogos, cinco vitórias, vinte golos a favor e apenas dois contra.[3] A medalha de ouro veio após vitória por 2 x 0 sobre a Iugoslávia. No inovador esquema da Seleção, Puskás e seu colega no meio-de-campo, Kocsis, movimentavam-se sem posição fixa, enquanto os os ponteiros recebiam auxílio dos outros médios, ao passo que o centroavante Nándor Hidegkuti recuava para participar da armação de jogadas.[3] Com isso, a Hungria chegava a atacar com até sete atletas, superando em número os defensores adversários.[3]

Em 1953, a Inglaterra enfim decidiu convidar a Hungria para um amistoso em Wembley. Isto fazia parte de uma tradição do English Team em provar sua superioridade sempre que uma seleção despontava na Europa; em seu mítico estádio, os britânicos costumavam aplicar uma surra nos desafiadores e continuavam a se proclamar os senhores do futebol.[3] Os húngaros, além da conquista olímpica, estavam orgulhosos da conquista, naquele ano, da Copa Dr. Gerö, torneio precursor da atual Eurocopa. As únicas derrotas da Seleção Inglesa em seus domínios, até então, tinham vindo das outras seleções britânicas. No dia 25 de novembro, cem mil pessoas[3] lotaram Wembley e o resultado da partida geraria uma comoção nacional entre os ingleses.[3]

Com 90 segundos, Hidegkuti fez 1 x 0. Os ingleses empataram aos 13 minutos e o mesmo jogador pôs novamente a Hungria à frente aos vinte. Quatro minutos depois, Puskás aplicou um drible seco em seu marcador Billy Wright, arrastando a bola para trás com a sola de seu pé esquerdo e deixando o capitão inglês estatelado no chão,[10] fuzilando então a meta inglesa, fazendo 3 x 1. Outros três minutos se passaram e o major fez o quarto. A partida terminaria 6 x 3. Logo um novo encontro entre as duas seleções foi marcada, para dar aos ingleses a chance da revanche. Mesmo preparando-se melhor,[3] o English Team levou de 1 x 7 no Népstadion, em Budapeste. A vitória, em 23 de maio de 1954 não deixou dúvidas de que a Hungria era a melhor Seleção europeia, com seu misto de talento, disciplina e força.[3] Outra tática era fazer um aquecimento cedo dentro de campo, enquanto o adversário ainda se preparava nos vestiários: desta forma, pegavam o oponente ainda frio e costumavam marcar uma ou duas vezes logo no início da partida.[14]

Copa do Mundo de 1954[editar | editar código-fonte]

A um mês da Copa do Mundo de 1954, os magiares somavam 23 vitórias, 4 empates, 114 golos a favor e 26 contra em sua série invicta.[3] A equipe classificou-se para o torneio sem precisar jogar - os poloneses, os únicos adversários a serem enfrentados, retiraram-se da disputa, que ninguém duvidava de que terminaria a favor dos húngaros se levada para os gramados.[15] A estreia na Copa foi contra a Coreia do Sul. O resultado deixou a larga impressão de que não passara de um treino para os magiares,[16] que venceram por 9 x 0, no que foi por muito tempo a maior goleada das Copas (superada apenas por um 10 x 1, curiosamente também aplicado pela Hungria, na Copa do Mundo de 1982 contra El Salvador). Puskás marcou duas vezes.

O jogo seguinte foi contra a Alemanha Ocidental, que escalou uma equipa de reservas, sabendo que não deveria vencer a partida.[17] A Hungria venceu por 8 x 3 e Puskás marcou mais uma vez, aos 17 minutos do primeiro tempo, mas saiu no prejuízo: aos 15 minutos do segundo, sofreu uma entrada por trás de Werner Liebrich, caiu de mau jeito e torceu seriamente o tornozelo.[17] Sem condições sequer de caminhar ao vestário, ficou sentado na linha da lateral, onde exibiu aos jornalistas a perna inchada.[17]

Para muitos, a Copa acabava para ele ali. Os colegas souberam vencer sem ele, mas o jogos foram mais difíceis: 4 x 2 contra Brasil nas quartas-de-final e o mesmo resultado contra o campeão Uruguai nas semifinais, este adversário só vencido em dura e extenuante prorrogação.[18] Contra os brasileiros, mesmo não entrando em campo, Puskás fez parte da briga generalizada que ocorreu na partida: na chamada "Batalha de Berna",[19] ele abriu a testa de Pinheiro com uma garrafada, no túnel.[20]

Na final, os húngaros enfrentariam novamente a Alemanha Ocidental, agora escalada com seus titulares e bem mais confiante,[21] com uma trajetória crescente a cada jogo que incluiu uma goleada de 6 x 1 sobre a Áustria nas semifinais. Puskás finalmente voltou à equipa: mesmo com o tornozelo não totalmente curado, convenceu Gusztáv Sebes de que aguentaria jogar.[21] Com seu pré-aquecimento característico, a Hungria logo marcou: aos seis minutos, determinado a provar de que se recuperara, Puskás abriu o marcador após chutar rasteiro e cruzado a bola quando ela sobrou-lhe limpa depois que um cruzamento de Sándor Kocsis desviou justamente no carrasco Liebrich.[22]

Três minutos depois, Kocsis ampliou. Porém, os alemães cumpriram à risca o esquema tático planejado por seu técnico, Sepp Herberger, que anulava a principal referência das jogadas húngaras, Nándor Hidegkuti.[21] E em apenas sete minutos empataram a partida. O gol de empate teria ocorrido após falta no goleiro Gyula Grosics, mas os magiares não reclamaram: a autoconfiança era tamanha que eles nunca reclamavam do juiz, pois os erros de arbitragem costumavam ser compensados com vários golos.[21] Porém, os adversários conseguiram ajustar-se na partida e, após o empate, fecharam-se na defesa, fazendo jogadas ofensivas apenas em contra-ataques.[21] Aos poucos, a Hungria passou a mostrar o desgaste físico provocado pelos duros confrontos contra Brasil e Uruguai[21] - e Puskás, o de sua lesão.

Cautelosos, os húngaros passaram a se preservar para uma nova prorrogação, diminuindo seu ímpeto.[21] Porém, aos 39 minutos do segundo tempo, a Alemanha Ocidental conseguiu virar o jogo, em um de seus contra-ataques.[21] Puskás, aos 43, conseguiu empatar. Porém, o bandeirinha marcou impedimento. Os germânicos, com bastante fôlego souberam segurar a partida, quebraram a invencibilidade húngara e sagraram-se campeões.

Seleção Espanhola[editar | editar código-fonte]

Proibido de voltar à Hungria,[1] Puskás naturalizou-se cidadão espanhol. Na Seleção Espanhola já jogavam naturalizados, dentre eles seus colegas de Real Madrid Alfredo di Stéfano e José Santamaría (uruguaio), além do paraguaio Eulogio Martínez. A Espanha falhara em ir à Copa do Mundo de 1958 mesmo com Di Stéfano já atuando pelo país. Nas eliminatórias europeias para a Copa do Mundo de 1962, os espanhóis teriam como únicos adversários o País de Gales. Contra os galeses, La Furia conseguiu passar, mas não sem vexame: em Gales, venceram por 2 x 1 com um gol de Di Stéfano a doze minutos do fim;[23] em Madrid, fez 1 x 0 aos dez minutos do segundo tempo, permitiu o empate e sofreu com a pressão britânica até o final da partida.[23]

A partida não seria a última classificatória: para ir ao Chile, a Espanha teve de enfrentar um play-off contra o vencedor do subgrupo africano da chave em que estava, o Marrocos. O técnico Pedro Escartín então resolveu convocar Puskás, escalando-o para a primeira partida, em Casablanca.[12] A Espanha venceu, com um gol a dez minutos do fim.[23] Na volta, a Espanha novamente venceu sem convencer, tendo de segurar a pressão marroquina após o placar ficar em 3 x 2 para os espanhóis. Puskás não atuou nessa partida;[12] o jogo de ida nos duelos contra o Marrocos acabaria sendo a única vez em que atuou ao lado de Di Stéfano pela Espanha.[24]

Com apenas uma partida pela Espanha, Puskás foi, aos 35 anos, convocado pelo país para a Copa do Mundo de 1962. Na estreia, a equipa foi novamente apática, não conseguindo concluir as jogadas,[25] e perdeu por 0 x 1 para a Tchecoslováquia. Na segunda partida, a equipa jogou melhor, embora só tenha marcado uma vez,[26] o suficiente para vencer o México.

A Espanha chegou à última partida da primeira fase precisando vencer para classificar-se. O jogo seria contra o campeão Brasil, velho conhecido de Puskás. Antes da partida, ele declarou que se a Espanha perdesse, tiraria a camisa e nunca mais atuaria pelo país.[27] As duas seleções jogariam seriamente desfalcadas: a Espanha sem Di Stéfano, que ainda não pudera jogar na Copa, e o Brasil sem Pelé.[28]

Aos 35 minutos do primeiro tempo, os europeus ficaram na frente. Porém, o desconhecido substituto de Pelé, Amarildo, virou a partida com golos aos 27 e 41 do segundo tempo. Quando ainda estava 1 x 0, porém, a Espanha poderia ter liquidado a partida: Nilton Santos cometeu pênalti em Enrique Collar, mas ludibriou o árbitro ao dar dois passos à frente e sair da grande área. O juiz marcou então falta,[29] que Puskás cobrou cruzando-a para Joaquín Peiró, que acertou as redes com um chute de bicicleta. O juiz chileno Sergio Bustamente, porém, anulou o gol alegando jogo perigoso.[29] O trio de arbitragem sul-americano seria bastante criticado pelos espanhóis.[29] Di Stéfano não atuou nesses jogos em virtude de uma lesão: só teria condições de jogo na segunda fase no torneio,[30] e a eliminação precoce impediu que os dois amigos atuassem mais vezes pela Espanha, assim como não permitiu ao argentino o sabor de jogar uma Copa.

Embora não tenha tirado a camisa, a derrota para o Brasil acabaria realmente sendo a última partida de Puskás pela Seleção Espanhola.[27] Curiosamente, poderia ter ido à Copa ao lado de outro húngaro naturalizado, seu constante adversário de Barcelona, László Kubala. No entanto, este estava lesionado e não foi ao mundial. Puskás e Kubala nunca jogaram juntos pela Espanha.[12] [31] A única vez em que atuaram lado a lado foi em uma derrota da Hungria para a Bulgária em 1948,[12] [31] ainda antes da seleção ser revolucionada por Gusztáv Sebes. Quando Sebes começou a fortalecer o selecionado magiar, Kubala já havia ido embora do país, fugindo da ascensão comunista.

A decisão de Puskás acabaria lhe tirando a oportunidade de faturar a Eurocopa 1964 com a Espanha: o torneio ocorreu quando ele, mesmo aos 38 anos, ainda estava em alto nível: havia sido campeão e artilheiro do Espanhol de 1963/64, além de ter marcado três golos na perdida final da Copa dos Campeões, na mesma temporada. Curiosamente, teria enfrentado seu país natal nas semifinais.

Após parar de jogar[editar | editar código-fonte]

Acabou tornando-se um treinador de relativo sucesso. Uma de suas melhores performances foi quando levou o Panathinaikos, da Grécia, à final da Copa dos Campeões de 1971, perdida para o Ajax de Johan Cruijff. Com a equipe, foi ainda campeão grego em 1971 e 1972. No San Francisco Golden Gate Gales, onde esteve em 1967, chegou a treinar seu compatriota László Kubala, então em fim de carreira.

Após treinar equipes dos cinco continentes da bola (como o americano Colo-Colo, o africano El-Masry, a asiática Seleção Saudita e o oceânico South Melbourne, além do Panathinaikos e outros europeus), encerrou a sua carreira de técnico no começo da década de 1990, treinando a sua Hungria em 1993. Fixara residência natal desde o ano anterior, após o fim do comunismo por lá.[4] Mas já pudera regressar a ela em 1981, com o início do processo de abertura política do Leste Europeu.[4] Foi recebido como herói pelo povo e ex-companheiros de Honvéd, dentre os quais já não estava József Bozsik, seu amigo de infância,[8] morto em 1978.

Em 1995, foi alçado à patente de coronel.[4] Em 1997, por ocasião de seu 70º aniversário, recebeu do então presidente do Comitê Olímpico Internacional, Juan Antonio Samaranch, a ordem de honra do COI, a máxima condecoração olímpica.[4] Em 1999, o governo húngaro lhe nomeou embaixador do esporte do país.[4]

Desde 2000, Puskás sofria do Mal de Alzheimer, doença degenerativa que atinge o cérebro e causa perda progressiva da memória, o que fez seu amigo Di Stéfano e outro ex-colega de Real, Amancio Amaro, viajara a Budapeste para vê-lo e saber de sua situação financeira e de saúde; seu ex-clube logo se dispôs a ajudá-lo com despesas de tratamento.[32] Em 2001, O Népstadion, estádio municipal de Budapeste, passaria a chamar-se Estádio Puskás Ferenc em uma justa homenagem ao maior símbolo do futebol húngaro. Uma última grande homenagem em vida veio em 2004, quando foi eleito o melhor jogador da Hungria dos cinquenta anos da UEFA, nos Prêmios do Jubileu da entidade.

O ídolo morreu em Budapeste, no dia 17 de novembro de 2006, depois de ficar internado com uma pneumonia durante cerca de dois meses, recebendo um funeral de Estado. Quatro anos depois, foi anunciada a estreia de um musical que destaca os feitos dele e de seus companheiros na Copa do Mundo de 1954. O espetáculo, que contém gravações e fragmentos de documentários da época, leva o nome da alcunha daquele mítico elenco: "A equipe de ouro".[33]

Prémio FIFA Ferenc Puskás[editar | editar código-fonte]

Em 20 de outubro de 2009 a FIFA criou o Prémio FIFA Ferenc Puskás a fim de premiar o jogador(a), que marcou o gol mais bonito do ano.

Cquote1.svg É importante preservar a memória dos grandes nomes do futebol que deixaram sua marca na nossa história. Ferenc Puskás era não só um jogador com imenso talento que ganhou muitas honras, mas também um homem notável. É, portanto, um prazer para a FIFA lhe prestar homenagem e lhe dedicar este prémio à sua memória Cquote2.svg
Joseph Blatter, presidente da FIFA, na inauguração do prémio Ferenc Puskás, em Budapeste

O prazo para o primeiro prêmio foi Julho de 2008 a Julho de 2009. O prémio anual foi apresentado pela primeira vez durante a gala FIFA World Player of The Year em 21 de Dezembro 2009 na Suíça.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como Jogador[editar | editar código-fonte]

Hungria Honvéd

Espanha Real Madrid

Hungria Hungria

Como Treinador[editar | editar código-fonte]

Grécia Panathinaikos

Austrália South Melbourne

Individuais[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. A FIFA não considera como distintas as seleções de Alemanha Ocidental e Alemanha; União Soviética e Rússia; e Iugoslávia antes e depois do início de sua dissolução, Sérvia e Montenegro e Sérvia.
  2. Attilio Demaría (Argentina em 1930 e Itália em 1934), Josef Stroh, Franz Wagner, Willibald Schmaus e Rudolf Raftl (Áustria em 1934 e Alemanha em 1938), Davor Šuker, Robert Jarni (Iugoslávia em 1990 e Croácia em 1998 e 2002) e Alen Bokšić (Iugoslávia em 1990 e Croácia em 2002) também foram a Copas por países distintos, mas entraram em campo por apenas um ou mesmo nenhum deles.

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s "O major da cavalaria húngara", Especial Placar - Os Craques do Século, novembro de 1999, Editora Abril, págs. 16-17
  2. "Players with 100+ Caps and 30+ International Goals", Roberto Mamrud and Karel Stokkermans, RSSSF
  3. a b c d e f g h i j k l m n o "Ninguém segura a Hungria", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 5 - 1954 Suíça, janeiro de 2006, Editora Abril, págs. 6-8
  4. a b c d e f IFFHS
  5. "Puskas: uma lenda do futebol", OleOle
  6. a b c d "Ferenc Puskás - A Football Legend Profile", TalkFootball.co.uk
  7. a b c "Foi doping ou vitamina C?", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 5 - 1954 Suíça, janeiro de 2006, Editora Abril, pág. 43
  8. a b c "PUSKAS: O homem que viveu duas vezes", Luiz Freitas Lobo, Planeta do Futebol
  9. "O major galopante", Dagomir Marquezi, Placar número 1302, janeiro de 2007, Editora Abril, pág. 28
  10. a b "O olhar e o silêncio de Puskas", Zini, Bola Dividida
  11. "Ícone - Alfredo di Stéfano", Simon Talbot, FourFourTwo, número 7, junho de 2008, Editora Cádiz, págs. 66-69
  12. a b c d e "Ferenc Puskás - Goals in International Matches", Roberto Mamrud, RSSSF
  13. "Surpresas desagradáveis", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 4 - 1950 Brasil, dezembro de 2005, Editora Abril, págs. 10-13
  14. "Aquecimento", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 5 - 1954 Suíça, janeiro de 2006, Editora Abril, pág. 29
  15. "Como sempre, deserções", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 5 - 1954 Suíça, janeiro de 2006, Editora Abril, págs. 10-13
  16. "Jogo ou treino?", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 5 - 1954 Suíça, janeiro de 2006, Editora Abril, pág. 29
  17. a b c "Como sempre, deserções", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 5 - 1954 Suíça, janeiro de 2006, Editora Abril, pág. 29
  18. "30 minutos de pura arte", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 5 - 1954 Suíça, fevereiro de 2006, Editora Abril, pág. 38
  19. "A Batalha de Berna", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 5 - 1954 Suíça, janeiro de 2006, Editora Abril, pág. 37
  20. "Pancadaria", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 5 - 1954 Suíça, janeiro de 2006, Editora Abril, pág. 37
  21. a b c d e f g h "Paciência e correria", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 5 - 1954 Suíça, janeiro de 2006, Editora Abril, pág. 40
  22. "Os gols da final", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 5 - 1954 Suíça, fevereiro de 2006, Editora Abril, pág. 41
  23. a b c "Todos querem ir ao Chile", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 7 - 1962 Chile, março de 2006, Editora Abril, págs. 10-13
  24. "Alfredo Di Stéfano Laulhé - International Matches", Emilio Pla Díaz, RSSSF
  25. "Cadê a fúria?", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 7 - 1962 Chile, março de 2006, Editora Abril, pág. 32
  26. "Chances e mais chances", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 7 - 1962 Chile, março de 2006, Editora Abril, pág. 32
  27. a b "Ex-fantasmas", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 7 - 1962 Chile, março de 2006, Editora Abril, pág. 33
  28. "Sufoco até o fim", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 7 - 1962 Chile, março de 2006, Editora Abril, pág. 33
  29. a b c "O juiz é nosso", Max Gehringer, Especial Placar: A Saga da Jules Rimet fascículo 7 - 1962 Chile, março de 2006, Editora Abril, pág. 33
  30. "Quase um rei", Especial Placar - Os Craques do Século, novembro de 1999, Editora Abril, págs. 14-15
  31. a b "Ladislao Kubala Stecz - Goals in International Matches", Emilio Pla Díaz, RSSSF
  32. "Puskas", Real Madrid Fans
  33. "Puskas e "equipe de ouro" da Hungria se tornam tema de musical", UOL Esporte

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]