John Charles

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
John Charles
Sivori, Charles, Boniperti.jpg
Charles na Juventus, entre os
colegas Omar Sívori e Giampiero Boniperti
Informações pessoais
Nome completo William John Charles, CBE
Data de nasc. 27 de setembro de 1931
Local de nasc. Swansea,  Reino Unido
Falecido em 21 de fevereiro de 2004
Local da morte Wakefield,  Reino Unido
Altura 1,88 m
Apelido Il Gigante Buono
Informações profissionais
Posição Meia-Atacante
Clubes de juventude
1946–1948 Wales1807-1953.gif Swansea Town
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
1948–1957
1957–1962
1962
1962–1963
1963–1966
1966–1971
1972–1974
Inglaterra Leeds United
Itália Juventus
Inglaterra Leeds United
Itália Roma
País de Gales Cardiff City
Inglaterra Hereford United
País de Gales Merthyr Tydfil
297 (150)
150 (93)
11 (3)
10 (4)
69 (18)
173 (80)
? (?)
Seleção nacional
1950–1965 País de Gales País de Gales 38 (15)

William John Charles, CBE (27 de dezembro de 1931 - 21 de fevereiro de 2004) foi um jogador de futebol do País de Gales.

Se o norte-irlandês George Best foi eleito em pesquisa o melhor jogador do Reino Unido de todos os tempos, John Charles é considerado por muitos o melhor futebolista nascido na ilha da Grã-Bretanha - ambos à frente do inglês campeão mundial Bobby Charlton.

Início[editar | editar código-fonte]

Nascido em Cwmbwrla, no distrito de Swansea, iniciou a carreira nos juvenis do Swansea City (então Swansea Town), mas só começaria a jogar entre os adultos já no Leeds United, chegando lá em 1948, aos 17 anos. Permaneceria no Leeds até 1957, marcando 150 gols na liga inglesa, sendo o artilheiro da temporada 1956/1957.

Juventus[editar | editar código-fonte]

Impressionados, os dirigentes da Juventus o contrataram, tornando Charles o primeiro futebolista britânico a jogar profissionalmente fora do Reino Unido. Já em sua primeira temporada na Juve, foi também artilheiro e terminou campeão e eleito o melhor jogador da competição. Venceria o Scudetto outras duas vezes e também duas Copas da Itália pela Vecchia Signora, marcando 93 gols em 155 partidas, até o seu retorno à Inglaterra, em 1962. O grande carinho e respeito que despertou nos torcedores fizeram-no ser eleito em 1997, o ano do centenário da Juventus, o melhor jogador estrangeiro a ter jogado no clube, superando concorrentes de peso como os franceses Michel Platini e Zinédine Zidane e o polonês Zbigniew Boniek, entre outros. Charles também seria eleito o melhor estrangeiro a ter jogado o Campeonato Italiano, ficando aí à frente também de Diego Armando Maradona, Zico, Marco van Basten e várias outras estrelas. Mesmo no final da vida, Charles dificilmente caminhava em Turim sem ser abordado por fãs.

Como jogador da Juventus, Charles foi à Copa do Mundo FIFA de 1958 pela seleção galesa, acompanhado de seu irmão mais novo, Mel, sendo o cérebro da equipe que conseguiu eliminar a ainda forte Hungria daquele mundial. Entretanto, no jogo contra os magiares, Charles acabou contundindo-se, ficando ausente do jogo contra o Brasil, histórico pelo fato de ter sido nesse jogo que Pelé marcou seu primeiro gol em Copas. Charles jogou pela seleção de Gales de 1950 à 1965, tendo também disputado um jogo pela Seleção Britânica em amistoso contra a Irlanda do Norte que comemorava os 70 anos da Associação Irlandesa de Futebol.

Fim de carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1962, como dito, voltou à Inglaterra para nova temporada no Leeds. Mas encontrou dificuldades em adaptar-se de volta ao futebol britânico. Acreditando que ter deixado a Juventus fora o maior erro de sua carreira, Charles voltou à Itália no ano seguinte, mas para jogar na Roma. Após um sucesso inicial, Charles começou a sofrer lesões, além de passar por problemas pessoais, o que o fez escolher voltar ao Reino Unido já na próxima temporada, para jogar pelo Cardiff City, da capital de sua terra natal e arquirrival do Swansea, o clube onde Charles começara. Para o ódio da torcida dos Swans, Charles conquistou no Cardiff duas Copas Galesas e o pior, participou da goleada de 5 x 0 que rebaixou o Swansea à terceira divisão inglesa em 1965.[1]

Jogou também simultanemante como jogador e técnico no inglês Hereford United e no galês Merthyr Tydfil, onde encerrou a carreira, em 1974, aos 43 anos de idade.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Foi agraciado como Comandante do Império Britânico em 2001, havendo também uma campanha para torná-lo Cavaleiro. No mesmo ano, tornou-se o primeiro não-italiano no Hall da Fama Azzurri. Em novembro de 2003, foi anunciado como o melhor jogador galês dos 50 anos da UEFA, nos Prêmios do Jubileu da entidade. Morreu pouco depois, em fevereiro de 2004, em Wakefield, na Inglaterra, um mês após sofrer ataque cardíaco que resultou na amputação parcial de uma perna. Até pouco antes de sua morte, costumava a ir em cada jogo que o Leeds jogava em casa.

Foi um dos mais educados jogadores de futebol, não havendo registro de advertências e expulsões em sua carreira. Na Itália, recebeu o apelido de Il Gigante Buono (O Gigante Gentil).

Referências

  1. "Super Fúria Animal", FourFourTwo, número 7, junho de 2008, Editora Cádiz, págs. 52-56

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

artigo da UEFA sobre o premiado galês nos Prêmios do Jubileu