Oleg Blokhin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Oleh Blokhin
Олег Блохін
Pressekonferenz nach dem Fußballländerspiel Österreich-Ukraine (01.06.2012) Oleh Blochin1.jpg
Informações pessoais
Nome completo Oleh Volodymyrovych Blokhin
Data de nasc. 5 de novembro de 1952 (62 anos)
Local de nasc. Kiev, Flag of the Soviet Union (1923-1955).svg União Soviética
Informações profissionais
Clube atual Flag of Ukraine.svg Ucrânia
Ucrânia Dínamo de Kiev
Posição Treinador
Clubes de juventude
1962-1969 Flag of the Soviet Union (1955-1980).svg Dínamo Kiev
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1969-1988
1988-1989
1989-1990
Flag of the Soviet Union.svg Dínamo Kiev
Flag of Austria.svg Vorwärts Steyr
Flag of Cyprus.svg Aris Limassol
433 (211)
41 (9)
22 (5)
Seleção nacional
1972-1988 Flag of the Soviet Union.svg União Soviética 112 (42)
Times que treinou
1990-1993
1993-1994
1994-1997
1997-1998
1998-1999
1999-2002
2003-2007
2008-2009
2011
Flag of Greece.svg Olympiakos
Flag of Greece.svg PAOK Salônica
Flag of Greece.svg Ionikos
Flag of Greece.svg PAOK Salônica
Flag of Greece.svg AEK Atenas
Flag of Greece.svg Ionikos
Flag of Ukraine.svg Ucrânia
Flag of Russia.svg Moscou
Flag of Ukraine.svg Ucrânia
Flag of Ukraine.svg Ucrânia
Ucrânia Dínamo de Kiev
Medalhas
Jogos Olímpicos
Bronze Munique 1972 Futebol
Bronze Montreal 1976 Futebol

Oleg Vladimirovich Blokhin ou Oleh Volodymyrovych Blokhin - respectivamente, em russo, Олег Владимирович Блохин, e, em ucraniano, Олег Володимирович Блохін (Kiev, 5 de novembro de 1952) - , é um ex-futebolista soviética-ucraniano. Atualmente, é treinador da Ucrânia e Dínamo de Kiev.

Filho de pai russo (Vladimir Blokhin) e mãe ucraniana, Blokhin se apegou mais à terra em que nasceu e cresceu, a então RSS da Ucrânia.

Um Símbolo do Dínamo Kiev[editar | editar código-fonte]

Formado como atacante pelo Dínamo Kiev, foi o maior goleador da história do campeonato soviético, com 211 gols anotados. Foi artilheiro da competição cinco vezes e campeão em oito edições. Também ajudou o Dínamo, equipe que defendeu de 1969 a 1988, conquistar duas Recopas Européias: em 1975 e 1986 - os Dínamos de Kiev, que conquistou o mesmo torneio em 1981, seriam os dois únicos clubes soviéticos campeões europeus.

Em 1975, quando o Dínamo conquistou também a Liga Nacional e a Supercopa Européia, Blokhin recebeu a Bola de Ouro da France Football, premiação máxima do futebol europeu. Foi o segundo soviético a recebê-la (depois de Lev Yashin) e o primeiro ucraniano.

Final da Carreira[editar | editar código-fonte]

Após quase vinte anos como profissional no Dínamo, onde participou da conquista de 8 dos 13 títulos no campeonato soviético do clube (sendo decisivo para que a equipe tenha terminado como maior vencedora da competição), saiu em 1988 e encerrou a carreira dois anos depois, após passar por uma equipe austríaca e outra do Chipre, ambas inexpressivas.

Seleção Soviética[editar | editar código-fonte]

Pela extinta Seleção Soviética, é o jogador com mais atuações e mais gols: 112 partidas e 42 gols. Por ela, participou das Copas do Mundo de 1982 e 1986, além de ter ganho o bronze nas Olimpíadas de 1972 (ano em que começou a defender o país) e 1976.

Como Treinador[editar | editar código-fonte]

Fez carreira na Grécia, onde treinou Olympiakos, PAOK e Ionikos, da Grécia. Passou a treinar a Seleção Ucraniana desde 2003, com a qual chegou à Copa do Mundo de 2006.

Como técnico do Moscou.

Em uma entrevista na Rússia em fevereiro de 2006, Blokhin fez uma declaração racista. Disse que os jogadores ucranianos deveria aprender a jogar com jogadores como Shevchenko e ele mesmo, e "não com um Zumba Bumba que ganha duas bananas por mês para jogar". A declaração foi recebida com muitas críticas pelos jornais do mundo inteiro.

Com a Ucrânia, conseguiu chegar com uma equipe apagada até as quartas-de-final da Copa de 2006, quando perdeu o jogo para a Itália por 3 a 0. Após a não-classificação da equipe para a Eurocopa de 2008, rescindiu o contrato com a Federação de Futebol da Ucrânia, assumindo em seguida o cargo de técnico do Moscou. Seu comando técnico acabou não rendendo o que se esperava, e a equipe, que vinha em ascensão, ficou apenas na nona colocação na Liga Russa, o que resultou na sua dispensa após o término do campeonato.

Foi anunciado seu retorno à Seleção Ucraniana em 22 de abril de 2011.[1] e em 2012, dividirá o comando da seleção com o Dínamo de Kiev[2]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]