Duncan Edwards

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Duncan Edwards
Duncan Edwards
Informações pessoais
Nome completo Duncan Edwards
Data de nasc. 1 de outubro de 1936
Local de nasc. Dudley,  Reino Unido
Falecido em 21 de fevereiro de 1958 (21 anos)
Local da morte Munique,  Alemanha Ocidental
Altura 1,80 m
Informações profissionais
Posição Ala
Clubes de juventude
19521953 Inglaterra Manchester United
Clubes profissionais1
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
19531958 Inglaterra Manchester United 00151 00(20)
Seleção nacional
1954
19541956
19551957
Flag of England.svg Inglaterra Sub-23
Flag of England.svg Inglaterra B
Flag of England.svg Inglaterra
00001 000(0)
00004 000(0)
00018 000(5)


1 Partidas e gols pelo clube profissional
contam apenas partidas das ligas nacionais,
atualizados até 27 de janeiro de 2011.


Duncan Edwards (Dudley, 1 de outubro de 1936Munique, 21 de fevereiro de 1958) foi um futebolista inglês que atuava como ala.[1] Edwards foi um dos Busby Babes,[2] uma equipe formada por jovens que eram comandados no Manchester United por Matt Busby em meados dos anos 1950,[2] [1] e um dos oito jogadores que faleceram em virtude do desastre aéreo de Munique.[3]

Edwards entrou para a equipe do Manchester United quando era um adolescente e se tornou o jogador mais jovem a disputar uma partida na Primeira Divisão Inglesa[4] e, em seguida, o mais jovem a atuar pela Inglaterra desde a Segunda Guerra Mundial.[5] [1] Em uma carreira profissional de menos de cinco anos, ele ajudou os Red Devils a ganharem dois campeonatos nacionais[6] e alcançar as semifinais da Copa dos Campeões da Europa na temporada 1956/57.[7] Como consequência do excelente desempenho que teve nessa temporada, terminou em terceiro na edição de 1957 da Ballon d'Or, prêmio entregue pela conceituada revista francesa France Football ao melhor jogador europeu.[8] [9] [1]

Embora tenha sobrevivido ao acidente de avião em Munique, ocorrido em 6 de fevereiro de 1958,[3] após o avião em que estava cair por conta do mau tempo,[10] [11] Edwards morreu em resultado de suas lesões quinze dias depois.[12] [3] [13]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Edwards nasceu em 1 de outubro de 1936, em uma casa em Malvern Crescent no distrito de Woodside, Dudley,[14] que na época fazia parte do condado de Worcestershire.[15] Ele foi o primeiro filho de Gladstone e Anne Sarah Edwards e o único filho a sobreviver até a maioridade, pois sua irmã caçula, Carol Anne, acabou morrendo em 1947, com apenas catorze semanas de vida.[16] A família se mudou para a 31 Elm Road sobre a Priory Estate, também em Dudley. Edwards estudou na escola próxima de sua casa (Priory Primary School) durante sete anos, e, durante mais quatro anos, estudou na Wolverhampton Street Secondary School.[17] Ele jogou futebol na época da escola, tanto com as próximas de sua casa (no distrito de Dudley) quanto pelas equipes do distrito Worcestershire e Birmingham,[18] e também representou sua escola de dança de Morris.[19] Ele foi selecionado para competir no National Morris e Sword Dancing Festival, mas também foi oferecido uma oportunidade no English Schools Football Association, que caiu no mesmo dia, tendo Edwards optado pela última.[20]

Edwards impressionou os seletores e foi escolhido para jogar pela English Schools XI, fazendo sua estreia contra a equipe do País de Gales no Wembley Stadium em 1 de abril de 1950. Ele logo foi nomeado capitão da equipe, posição que ocupou por duas temporadas.[21] [22] Nessa altura, já havia atraído a atenção de grandes clubes, como o Manchester United. Logo, o caça talentos do United, Jack O'Brien, disse a Matt Busby em 1948: "Hoje vi um estudante de doze anos que merece atenção especial. Seu nome é Duncan Edwards, de Dudley."[21]

Joe Mercer, que na época era treinador das equipes de base da Inglaterra, pediu para Busby assinar contrato com Edwards, que também estava atraindo o interesse de Wolverhampton Wanderers e Aston Villa.[23] Edwards assinou contrato com o United em 2 de junho de 1952,[24] mas as datas de quanto ele teria assinado seu primeiro contrato com o clube variam. Alguns relatórios afirmam que ocorreu após seu aniversário, em 17 de outubro de 1953,[25] [26] [27] mas outros afirmam que ela ocorreu um ano antes.[17] [5] [28] Muitos dizem que um funcionário do clube, sendo Busby ou Bert Whalley, chegou na casa da família de Edwards logo após a meia-noite para garantir a assinatura com o jovem o mais cedo possível, mas outros afirmam que isso ocorreu na primeira data.[29] O gerente do Wolves, Stan Cullis, estava indignado com isso, acusando o United de ter oferecido incentivos financeiros para Edwards e sua família, mas Edwards afirmou que sempre quis defender a equipe de Lancashire.[30] Para se garantir, caso não conseguisse virar um jogador de futebol, começou a aprender carpintaria.[31]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Edwards iniciou sua carreira no Manchester United atuando na equipe juvenil, tendo disputado partidas durante a campanha do título da FA Youth Cup em 1953,[32] mesmo já tendo estreado na equipe principal. Sua estreia aconteceu em 4 de abril do mesmo ano, disputando uma partida pela Primeira Divisão Inglesa contra o Cardiff City, onde o United perdeu por 4 x 1,[33] com apenas 16 anos e 185 dias, fazendo dele o jogador mais jovem da história do campeonato a disputar uma partida profissional.[21] [4] Devido ao grande número de jogadores com idade elevada, o treinador Busby decidiu trazer novos jogadores das categorias de base, como Dennis Viollet e Jackie Blanchflower, além do próprio Edwards, que veriam a ser conhecidos como os Busby Babes. Sobre sua estreia na equipe principal pelo Manchester, o jornal The Guardian comentou que "ele se mostrou uma promessa com boa capacidade de passes e remates, mas terá se mover com mais velocidade".[34]

O Manchester United de Edwards e Busby na Dinamarca.

Na temporada seguinte, a de 1953-54, Edwards passou a atuar com regularidade na equipe principal do Manchester.[25] Depois de impressionar numa amistoso contra o Kilmarnock, ele substituiu o lesionado Henry Cockburn na partida fora de casa contra o Huddersfield Town, em 31 de outubro de 1953,[35] e, a partir de então, virou titular da equipe, disputando 24 partidas no campeonato e mais uma na Copa da Inglaterra, onde o Manchester perdeu para o Burnley.[6] [36] No entanto, ele continuava fazendo parte da equipe juvenil, tendo conquistado pelo segundo ano consecutivo a FA Youth Cup.[16] Ele também fez sua estreia pela equipe sub-23 da Inglaterra em 20 de janeiro de 1954 na Itália,[37] e foi considerado sua convocação para a equipe principal, mas na partida que a comissão foi observá-lo, contra o Arsenal, em 27 de março, ele teve um mau desempenho e não foi chamado.[38]

Na temporada seguinte, ele disputou 36 partidas pela equipe principal e marcou seu primeiro tento como profissional, terminando a temporada com seis.[6] Suas atuações passaram a dejesar sua primeira convocação para a equipe principal da Inglaterra, tendo ainda um membro do comitê assistido uma partida sua contra o Huddersfield Town, em 18 de setembro de 1954, mas a sua primeira convocação ainda demoraria a acontecer,[39] embora que ele tenha sido convocado pela Football League XI para participar de uma partida de exibição contra uma equipe escocesa, mas não sendo a seleção principal.[40] Em março, ele jogou pela Inglaterra B contra uma da Alemanha Ocidental, e mesmo criticado pela imprensa por seu "desempenho pífio",[41] foi chamado para a equipe principal uma semana depois. Ele fez sua estreia contra a Escócia em 2 de abril de 1955 no Campeonato Britânico, quando tinha 18 anos e 183 dias, tornando-o o mais jovem estreante da Inglaterra desde a Segunda Guerra Mundial, um recorde que permaneceu até 1998, quando Michael Owen fez sua estreia.[21] [5] Três semanas mais tarde, aproveitando sua idade, o United aproveitou seu talento na disputa de mais uma FA Youth Cup, onde novamente terminou com o título. Porém, a decisão da direção do clube foi duramente criticada pela imprensa por Edwards já defender a seleção, tendo o treinador Matt Busby sido forçado a escrever um trecho num jornal defendendo que "a seleção de Edwards para a disputado do torneio foi importante para o Manchester, sendo ele fundamental na conquista do título".[42]

Em maio de 1955 Edwards foi selecionado para a equipe da Inglaterra que disputou partidas amistosas contra França, Portugal e Espanha, tendo começado todas as três partidas.[43] Ao retornar da turnê, ele começou um período de dois anos no Exército Britânico com a Royal Army Ordnance Corps. O serviço militar era obrigatório na época para todos os homens de sua idade no âmbito do regime do Serviço Nacional.[44] Ele ficava em Nesscliffe, perto de Shrewsbury, juntamente com seu companheiro de clube, Bobby Charlton, mas tendo permissão para sair para defender o Manchester.[45] Ele também participava de jogos do exército, tendo em uma temporada disputado quase cem partidas no total.[46] Na temporada 1955-56, apesar de ficar afastado quase dois meses devido a um grave surto de gripe,[47] Edwards jogou 33 vezes e o United venceu o campeonato inglês por uma margem de onze pontos sobre o Blackpool.[6] [48] Na temporada seguinte, disputou 34 partidas no segundo título consecutivo,[6] [49] e também estava na equipe que disputou a final da Copa da Inglaterra, mas que acabou ficando com o Aston Villa, após derrota por 2 x 1.[50] Ele também disputou sete partidas na primeira participação do United na Copa dos Campeões,[6] incluindo uma vitória de 10 x 0 sobre o Anderlecht, que permanece como a maior vitória na história do clube.[51] Edwards também era um nome regular na Seleção, tendo participado de todas as quatro partidas da Inglaterra nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 1958 e marcou duas vezes na vitória por 5 x 2 sobre a Dinamarca em 5 de dezembro de 1956.[43] [52] Ele era considerado como o principal nome da equipe que disputaria a Copa, sendo ainda um provável candidato para substituir o veterano Billy Wright como capitão.[53] [54]

O último jogo dos Busby Babes antes do desastre aéreo de Munique. Edwards é o primeiro jogador em pé, da esquerda para a direita

Edwards começou a temporada 1957-58 em boa forma e boatos começavam a circular na imprensa que equipes italianas tentavam assinar com ele.[55] Sua última partida na Inglaterra ocorreu em 1 de fevereiro de 1958, quando ele marcou o primeiro gol na vitória sobre o Arsenal por 5 x 4.[56] A imprensa acabaria criticando sua participação na partida, mesmo tendo marcado uma vez, dizendo que, mesmo com a emocionante partida, isso não seria o suficiente para impressionar o treinador da Seleção, Walter Winterbottom, que estava assistindo. Cinco dias depois, ele disputou sua última partida na empate em 3 x 3 com o Estrela Vermelha que garantiu a classificação para as quartas de final da Copa dos Campeões com o placar agregado em 5 x 4.[57]

Morte[editar | editar código-fonte]

Para obter mais detalhes sobre este tópico, veja Desastre aéreo de Munique.

Voltando para casa de Belgrado, o avião que transportava Edwards e seus companheiros de equipe caiu ao decolar após uma parada para reabastecimento em Munique, Alemanha.[10] Sete jogadores e outros catorze passageiros morreram no local,[10] e Edwards foi levado para o hospital Rechts der Isar com múltiplas fraturas nas pernas, costelas e rins danificados.[58] [59] Os médicos estavam confiantes que Edwards acabaria se recuperando, mas não tinham esperança que ele voltaria a jogar.[60]

Edwards está enterrado no Cemitério de Dudley, e sua sepultura ainda atrai muitas homenagens dos fãs.

Os médicos tinham levado no dia seguinte para o hospital um rim artificial, mas o órgão artificial reduzia a sua capacidade de coagulação do sangue, e ele começou a sangrar internamente.[61] Dois dias após o acidente, Duncan murmurou para o assistente do United Jimmy Murphy: “Que horas começa o jogo contra o Wolves, Jimmy? Preciso estar pronto”.[62] Os médicos ficaram espantados com isso,[61] mostrando sua luta para sabreviver, mas após uma longa luta, Edwards acabou morrendo de insuficiência renal em 21 de fevereiro de 1958.[12]

Edwards foi enterrado no Cemitério de Dudley, cinco dias depois,[63] ao lado de sua irmã Carol Anne. Mais de cinco mil pessoas foram às ruas de Dudley para seu funeral.[64] [65] Em seu túmulo, está escrito a frase: "Um dia de memória, uma triste recordação, sem despedida, ele deixou todos nós",[66] e seu túmulo é visitado regularmente por fãs.[67]

Legado[editar | editar código-fonte]

Edwards é sempre homenageado de diferentes formas em seu distrito (Dudley). Um vitral representando o jogador foi apresentado na Igreja de São Francisco, por Matt Busby, em 1961,[68] e uma estátua no centro da cidade foi dedicada por sua mãe e Bobby Charlton, em 1999.[69] Em 1993, uma associação de casas de habitação perto do cemitério onde está enterrado foi batizada de "Duncan Edwards Close".[64] O pub Wren's Nest perto de onde ele cresceu, foi rebatizado como "The Duncan Edwards" em homenagem a ele em 2001, mas fechado depois de cinco anos e foi posteriormente destruído por incêndios.[70] Em 2006, uma instalação de cem mil libras foi inaugurado em Priory Park, onde Edwards jogava quando criança.[71] Em 2008, o desvio do sul foi rebatizado de 'Duncan Edwards Way' em sua memória.[72]

Contemporâneos de Edwards tem sido incansáveis em falar da sua capacidade. Bobby Charlton o descreveu como "o único jogador que me fez sentir inferior" e disse que sua morte foi "a maior tragédia que aconteceu para o United e ao futebol inglês."[73] Terry Venables alegou que, se tivesse sobrevivido, teria Edwards erguido a taça do mundo como capitão da Inglaterra em 1966 e não Bobby Moore.[58] Tommy Docherty afirmou que "não haveria dúvidas que Edwards seria o maior jogador da história. Não somente do futebol britânico, com a camisa do United e Inglaterra, mas o melhor do mundo. George Best era especial, como Pelé e Maradona, mas na minha mente Duncan foi muito melhor em termos de capacidade e habilidade."[74] Em reconhecimento de seus talentos, Edwards foi eleito na inauguração para o Hall da Fama do Futebol Inglês, em 2002.[75]

Estilo de jogo[editar | editar código-fonte]

Fisicamente, ele era enorme. Ele era forte e tinha uma mente brilhante para o futebol. Sua capacidade era infinita - com o pé direito, pé esquerdo, passes longos, passes curtos. Ele fazia tudo instintivamente.

Bobby Charlton[53]

Apesar de ser lembrado como um meia defensivo, Edwards tinha a capacidade de atuar em qualquer posição dentro das quatro linhas.[76] Sua versatilidade era tal que em uma ocasião, ele começou uma partida jogando como um atacante, após lesão do jogador da posição e, terminou jogando na defesa.[77] Suas maiores virtudes eram sua força física e seu nível de autoridade em campo,[4] o que era notável para um jogador de sua idade, e era particularmente conhecido por seu alto nível de resistência.[63] Stanley Matthews o descreveu "como uma rocha em um mar revoltado",[78] e Bobby Moore o comparou ao Rochedo de Gibraltar quando atuava na defesa, mas com grande dinâmica atuando mais ofensivamente.[58] Por conta de seu grande porte físico, acabou ganhando apelidos como "Big Dunc" e "The Tank",[67] e é considerado um dos mais fortes jogadores do futebol.[79]

Edwards também é lembrado por seus refinados passes e sua capacidade de utilizar ambos os pés nas jogadas.[67] [80] Também era conhecido por suas arrancadas do meio de campo até o ataque, cobranças de falta, passes longos, passes curtos.[58] [81] Após marcar um gol contra a Alemanha em 1956, ganhou o apelido de "Boom Boom" pela imprensa local por causa da arma Big Bertha utilizada na Primeira Guerra Mundial.[78] [82]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Clube Temporada Primeira
Divisão
Copa da
Inglaterra
Competições
europeias
Supercopa da
Inglaterra
Total
Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols
Manchester United 1952–53 1 0 0 0 0 0 0 0 1 0
1953–54 24 0 1 0 0 0 0 0 25 0
1954–55 33 6 3 0 0 0 0 0 36 6
1955–56 33 3 0 0 0 0 0 0 33 3
1956–57 34 5 6 1 7 0 1 0 48 6
1957–58 26 6 2 0 5 0 1 0 34 6
Total 151 20 12 1 12 0 2 0 177 21

[6]

Seleção Temporada Jogos Gols
Inglaterra 1954–55 4 0
1955–56 5 1
1956–57 6 3
1957–58 3 1
Total 18 5

[83]

Gols pela seleção[editar | editar código-fonte]

Lista contendo os gols marcados e resultados das partidas pela seleção.[6]
# Data Local Adversário Placar Resultado Competição
1 26 de maio de 1956 Estádio Olímpico, Munique Bandeira da Alemanha Ocidental Alemanha Ocidental 1–0 3–1 Amistoso
2 5 de dezembro de 1956 Estádio Molineux, Wolverhampton Flag of Denmark.svg Dinamarca 4–2 5–2 Eliminatórias da Copa do Mundo de 1958
3 5 de dezembro de 1956 Estádio Molineux, Wolverhampton Flag of Denmark.svg Dinamarca 5–2 5–2 Eliminatórias da Copa do Mundo de 1958
4 6 de abril de 1957 Estádio de Wembley, Londres Flag of Scotland.svg Escócia 2–1 2–1 Campeonato Britânico de Nações
5 6 de novembro de 1957 Estádio de Wembley, Londres Bandeira da Irlanda do Norte Irlanda do Norte 2–3 2–3 Campeonato Britânico de Nações

Fora do futebol[editar | editar código-fonte]

Fora do futebol, Edwards era conhecido como uma pessoa muito privada, cujos principais interesses eram a pesca, jogos de cartas e idas ao cinema.[84] [85] [86] Embora que ele participasse de danças com os companheiros de equipe, ele nunca ficava confiante com isso.[87] Ele foi descrito por Jimmy Murphy como um "garoto ingênuo" e com um forte sotaque Black Country.[88] Ele já foi parado pela polícia por andar de bicicleta sem luz e multado em cinco shillings por parte das autoridades e por duas semanas ficou com o salário suspenso no United.[89]

Antes de sua morte, Edwards estava vivendo em alojamentos em Gorse Avenue, Stretford.[90] Ele foi casado com Molly Leech, que tinha vinte e dois anos na época e trabalhou nos escritórios de uma fabricante de máquinas têxteis em Altrincham. O casal tinha se conhecido em um hotel no aeroporto de Manchester, um ano antes de se tornarem noivos.[84]

Edwards também havia participado de comerciais sobre açúcar da empresa Dextrosol e tinha escrito um livro na época de sua morte chamado "Combater Soccer This Way", que completava seu salário de quinze shillings por semana durante a temporada e doze shillings por semana durante o verão.[88] O livro foi publicado logo após sua morte, com a aprovação da sua família, mas não é catalogado.[91]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Holt, Nick; Lloyd, Guy (2006), Total British Football, Flame Tree Publishing, ISBN 184451403X 
  • Horne, John; Alan, Tomlinson; Whannel, Garry (1999), Understanding Sport: An Introduction to the Sociological and Cultural Analysis of Sport, Taylor & Francis, ISBN 0419136401 
  • McCartney, Iain (2001), Duncan Edwards: The Full Report, Britespot Publishing Solutions, ISBN 0953928853 
  • Meek, David (2006), Legends of United: The Heroes of the Busby Years, Orion Books, ISBN 0752875582 
  • Wagg, Stephen (2004), Manchester United: A Thematic Study, Routledge, ISBN 0415333334 

Referências

  1. a b c d "The Busby Babes". Página visitada em 12 de agosto de 2012.
  2. a b "Busby’s babes (1950s)". Página visitada em 12 de agosto de 2012.
  3. a b c "1958: United players killed in air disaster". Página visitada em 12 de agosto de 2012.
  4. a b c Holt, Lloyd, p. 140.
  5. a b c "Duncan Edwards tribute exhibition". Página visitada em 3 de fevereiro de 2010.
  6. a b c d e f g h Duncan Edwards. Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  7. "1956/57: Gento doubles up for Madrid". Página visitada em 12 de agosto de 2012.
  8. "A full list of the Ballon d’Or winners and runners-up since 1956.". Página visitada em 12 de agosto de 2012.
  9. "1957 - ALFREDO DI STEFANO - À UNE MAJORITÉ ÉCRASANTE". Página visitada em 12 de agosto de 2012.
  10. a b c 1958: United players killed in air disaster. Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  11. "A tragédia que a Inglaterra nunca esquecerá". Página visitada em 12 de agosto de 2012.
  12. a b The lost Babes. Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  13. "Duncan Edwards: A legend remembered". Página visitada em 12 de agosto de 2012.
  14. McCartney, p. 1.
  15. "Staffordshire Boundary Changes". Página visitada em 3 de fevereiro de 2010.
  16. a b "Tragedy of the golden boy whose talent knew no bounds". Página visitada em 3 de fevereiro de 2010.
  17. a b Duncan Edwards- 50 years on. Página visitada em 3 de fevereiro de 2010.
  18. McCartney, p. 4.
  19. Your memories of Duncan. Página visitada em 3 de fevereiro de 2010.
  20. McCartney, p. 5.
  21. a b c d "Duncan Edwards could have been the greatest". Página visitada em 3 de fevereiro de 2010.
  22. Duncan Edwards- 50 years on. Página visitada em 3 de fevereiro de 2010.
  23. "Football: Enduring legend of indomitable Edwards". Página visitada em 3 de fevereiro de 2010.
  24. McCartney, p. 12.
  25. a b "Legends: Duncan Edwards". Página visitada em 3 de fevereiro de 2010.
  26. "Duncan Edwards". Página visitada em 3 de fevereiro de 2010.
  27. McCartney, p. 25.
  28. "Duncan Edwards". Página visitada em 3 de fevereiro de 2010.
  29. McCartney, p. 13.
  30. Meek, p. 100.
  31. McCartney, p. 16.
  32. Horne et al., p. 225.
  33. "Results/fixtures". Página visitada em 30 de outubro de 2010.
  34. McCartney, p. 22.
  35. McCartney, pp. 25–26.
  36. "Manchester United". Página visitada em 30 de outubro de 2010.
  37. McCartney, p. 30.
  38. McCartney, pp. 34–36.
  39. McCartney, p. 41.
  40. McCartney, p. 52.
  41. McCartney, pp. 52–53.
  42. McCartney, pp. 56–57.
  43. a b "England - International Results 1950-1959 - Details". Página visitada em 30 de outubro de 2010.
  44. McCartney, p. 59.
  45. "Charlton remembers his lost team mates". Página visitada em 30 de outubro de 2010.
  46. Meek, p. 102.
  47. McCartney, pp. 60–61.
  48. "Final 1955/1956 English Division 1 (old) Table". Página visitada em 30 de outubro de 2010.
  49. "Final 1956/1957 English Division 1 (old) Table". Página visitada em 30 de outubro de 2010.
  50. "Broken dreams: United and Villa in a game of two eras". Página visitada em 30 de outubro de 2010.
  51. "Manchester United all time records". Página visitada em 30 de outubro de 2010.
  52. "World Cup 1958 qualifications". Página visitada em 30 de outubro de 2010.
  53. a b "Charlton: Duncan Edwards was hard as nails". Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  54. "Busby Babes were destined for great things". Página visitada em 30 de outubro de 2010.
  55. McCartney, p. 105.
  56. "Pat Rice recalls United's last match in Britain before the Munich air disaster of 1958". Página visitada em 30 de outubro de 2010.
  57. "United through: excitement aplenty in second half". Página visitada em 30 de outubro de 2010.
  58. a b c d Charlton remembers 'greatest ever'. Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  59. "Hodgy sheds a tear for mate. Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  60. McCartney, p. 114.
  61. a b McCartney, p. 117.
  62. Wagg et al., p. 22.
  63. a b "Why Edwards was king". Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  64. a b Born In Dudley, died at Munich. Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  65. McCartney, p. 121.
  66. "The day decency died in our 'beautiful game'". Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  67. a b c A rock in a raging sea. Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  68. Tragedy of the golden boy whose talent knew no bounds. Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  69. Fans adorn statue of Duncan Edwards with a United shirt. Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  70. “Eyesore” pub set for revamp. Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  71. Hero Bobby's back. Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  72. "New road signs have been installed to honour Dudley-born football hero Duncan Edwards". Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  73. "Greatest England XI - Sir Bobby Charlton". Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  74. "Edwards had everything but time on his side". Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  75. "England Player Honours - National Football Museum Hall of Fame". Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  76. "Duncan Edwards could have been the greatest". Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  77. "Duncan Edwards: Blessed with majesty". Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  78. a b "Duncan Edwards". Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  79. "Football's 50 greatest hard men". Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  80. "The Busby Babe". Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  81. Lost in time - Manchester United's 1958 Busby Babes. Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  82. "Duncan Edwards". Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  83. Duncan Edwards. Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  84. a b Remembering a legend. Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  85. McCartney, p. 38.
  86. McCartney, p. 61.
  87. McCartney, p. 39.
  88. a b Tragedy of the golden boy whose talent knew no bounds. Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  89. "Dietmar Hamann urges Man City fans to behave for minute's silence". Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  90. "FOOTBALL: Rooney's rise mirrored in simpler days of Edwards". Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  91. "Busby Babe Duncan Edwards exclusive". Página visitada em 9 de novembro de 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]