Ian Rush

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ian Rush
Ian Rush.jpg
Informações pessoais
Nome completo Ian James Rush, MBE
Data de nasc. 21 de Junho de 1961 (53 anos)
Local de nasc. St. Asaph,  Reino Unido
Altura 1,83 m
Destro
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Ex-Atacante
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
19791980
19801987
19871988
19881996
19961997
19971998
1998
19981999
19992000
Inglaterra Chester City
Inglaterra Liverpool
Itália Juventus
Inglaterra Liverpool
Inglaterra Leeds United
Inglaterra Newcastle United
Inglaterra Sheffield United (emp.)
País de Gales Wrexham
Austrália Sydney Olympic
34000 (18)
2240 (139)
29000 (12)
24500 (90)
360000 (3)
100000 (2)
400000 (0)
180000 (0)
300000 (1)
Seleção nacional
19801996 País de Gales País de Gales 78000 (28)
Times que treinou
2004-2005 Inglaterra Chester City 00000?

Ian James Rush, MBE (St. Asaph, 20 de outubro de 1961) foi um futebolista galês.

Atacante, foi, ao lado de Mark Hughes, um dos grandes jogadores galeses de seu tempo, sendo neste sentido um dos sucessores de John Charles e um dos antecessores de Ryan Giggs. Rush jogou por oito clubes, sendo mais identificado com o Liverpool, clube pelo qual jogou por 15 temporadas, em duas passagens.

É também o maior goleador do País de Gales, com 28 gols, e dos Reds com 346, sendo também o maior artilheiro do Liverpool no clássico contra o Everton - curiosamente, fora torcedor do rival na infância.[1]

Início[editar | editar código-fonte]

Iniciou a carreira em 1979, no Chester City, da terceira divisão inglesa. Uma temporada e 18 gols em 34 jogos depois, foi contratado pelo Liverpool, o grande time europeu do momento. Embora não tenha sido muito utilizado em sua primeira temporada, tornaria-se um dos maiores ídolos da equipe.

Liverpool[editar | editar código-fonte]

Começou a ter mais espaço a partir da temporada 1981/82, onde marcou em apenas 49 jogos 30 gols, 17 deles no campeonato inglês, ajudando a equipe a retomar o título, que estava com o Aston Villa. Outros dois vieram consecutivamente em 1983 e 1984, e os gols aumentaram: 24 em 34 jogos e 32 em 41 , respectivamente. Os 32 gols na Liga Inglesa de 1984 lhe valeram a Chuteira de Ouro da France Football naquela temporada - Rush foi o primeiro britânico e até hoje o único galês a receber o prêmio - em que os Reds também conquistaram a Copa dos Campeões da UEFA sobre a Roma - em Roma.

Em 1985, o Liverpool teve sua primeira temporada sem títulos em 10 anos, perdendo a Copa dos Campeões para a Juventus (na partida marcada pela tragédia de Heysel, em que hooligans mataram 39 torcedores italianos e um policial) e o campeonato inglês para o rival Everton, mas Rush ainda marcou 26 gols em 40 jogos.

A temporada seguinte foi mais feliz: novo título no campeonato inglês, além de vitória de virada por 3 x 1 contra o Everton na decisão da FA Cup. Rush acertou sua ida para a Juventus, ficando ainda mais uma temporada no Liverpool, marcando 40 gols em 57 jogos.

Juventus, volta à Anfield e final da carreira[editar | editar código-fonte]

Sua ida para a Juve foi um sinal de reaproximação dos clubes após o desastre de Heysel. Na tentativa de repetir o sucesso de seu conterrâneo John Charles na Vecchia Signora, Rush obteve números mais modestos: apenas 7 gols em 29 jogos. Voltou em seguida para o Liverpool, ficando em Anfield até 1996, ano em que se despediu também da Seleção Galesa. Na sua segunda passagem, marcou 90 gols em 245 jogos e conquistou apenas um campeonato inglês (o de 1990, o último do clube) e duas FA Cups.

Até encerrar definitivamente a carreira, Rush passou cada temporada em um clube diferente, e seus melhores números foram no Newcastle United (2 gols em 10 jogos no campeonato inglês de 1998). Um dos clubes em que jogou nesses últimos anos foi o Wrexham, a única equipe pela qual jogou de sua Gales natal.

Seleção Galesa[editar | editar código-fonte]

Rush estreou por Gales em 1980, ainda antes de se transferir ao Liverpool, e seria o líder da seleção pelos próximos 16 anos. Com ela, entretanto, não conseguiu classificar-se para nenhum campeonato, com o selecionado tendo ainda hoje disputado apenas a Copa do Mundo de 1958. Rush e os galeses estiveram muito próximos em quatro oportunidades: nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 1982, ficaram em terceiro no grupo tendo o mesmo número de pontos dos classificados tchecoslovacos, ficando em dificuldades após empatar em 2 x 2 em casa contra a insignificante Islândia. A URSS decidiu a sorte, vencendo os galeses por 3 x 0 e empatando em 1 x 1 com a Tchecoslováquia na última rodada para os dois adversários.

Nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 1986, novamente os galeses ficaram em terceiro no grupo e com a mesma pontuação (mas menor saldo de gols) do segundo colocado, a Escócia. Na última rodada, ambos empataram em 1 x 1 em Cardiff (a emoção da partida provocou um fulminante ataque cardíaco que matou no estádio o técnico adversário, Jock Stein) e os escoceses classificaram-se para a repescagem, onde bateram a Austrália.

Após fraca campanha na tentativa para a Copa de 1990 (fora a última colocada do grupo), Gales esteve muito próxima de classificar-se para o mundial de 1994, quando Rush já teria 33 anos. Uma vitória em casa na última rodada, contra os romenos, daria a vaga aos galeses, que acabaram perdendo por 1 x 2. A equipe também estivera perto da disputar a Eurocopa 1992, ficando um ponto atrás dos classificados alemães.

Uma das vitórias mais famosas de Rush por Gales foi em amistoso de 1988, contra a Itália, em Bréscia. Muito criticado por seu desempenho aquém do esperado na Juventus, Rush marcou o gol da vitória por 1 x 0.

Referências